1. Spirit Fanfics >
  2. NÃO CHAME. Minsung version >
  3. Onze.

História NÃO CHAME. Minsung version - Capítulo 12


Escrita por: Dark_sung

Capítulo 12 - Onze.


Fanfic / Fanfiction NÃO CHAME. Minsung version - Capítulo 12 - Onze.

Boa leitura a todos :)


Jisung estava assustado, diferente de muitas vezes que o Han via, ou ouvia algo estranho, ele sempre acordava pela manhã ainda em meio dos acontecimentos mostrando ter sido um pesadelo, ou dando esperanças para que ele pudesse acreditar nisso, porém daquela vez havia sido diferente, depois de sentir as mãos quentes acariciarem seu rosto, ele ouviu o som nítido de uma porta se abrindo e então aquilo passou por ela.

O Han se manteve acordado depois daquele acontecido até os primeiros raios do sol aparecerem no céu, o rosto do castanho mostrava cansaço era nítido que havia tido uma noite mal dormida.

Por esse motivo após Jisung voltar da casa de Felix ainda pela manhã, acabou negando o convite de Daehyun para ir com ele a chácara dos pais dele que ficava a alguns quilômetros de distância da cidade onde estavam morando, e Taehyun acabou decidindo de última hora ir com Daehyun, e Jisung ficou com Soora em casa naquele domingo.

Jisung passou o dia inteiro em seu quarto dormindo, não havia tomado café e nem almoçado mesmo com a insistência de Soora, que disse ao Han que se ele continuasse se alimentando mal, ela o levaria em um hospital ou o compraria várias vitaminas e remédios para abrir seu apetite.

Já se passava das 5:00 da tarde quando Soora foi até o quarto do castanho, vendo o garoto jogado sobre a cama e seu celular estava ao lado.

ㅡ Jisung eu vou sair, quer ir comigo? ㅡ perguntou Soora acordando o garoto que se esticou sobre a cama antes de sentar sobre ela
ㅡ Não quero ficar só ㅡ respondeu o Han passando as mãos sobre os cabelos desgrenhados no topo de sua cabeça.

ㅡ Isso significa que vai comigo? ㅡ perguntou a mulher vendo o castanho responder com um afirmar de cabeça enquanto se levantava de sua cama
ㅡ Não quer comer alguma coisa antes de ir? ㅡ perguntou Soora seguindo os movimentos do Han com os olhos da cor amêndoa
ㅡ Vou tomar um banho, não vou demorar ㅡ disse Jisung antes de jogar sua toalha sobre o ombro e sair do quarto.

No banho Jisung tentou ser mais rápido possível, pois ele estava com medo de escutar ou aparecer algo alí dentro, o Han lavava o rosto com rapidez debaixo do chuveiro para que não demorasse muito de olhos fechados.

ㅡ Já estou pronto ㅡ exclamou Jisung chegando na sala onde Soora o esperava
ㅡ Meu filho, tem certeza que vai sair usando casaco? Hoje está muito quente ㅡ dizia Soora ao ver o garoto aparecer com roupas de frio em sua frente.

ㅡ Sim, eu estou com frio ㅡ respondeu o caatanho
ㅡ Tudo bem, mas quando estiver com calor me dê, lembra quando você perdeu seu casaco preferido? Foi ano passado se não me engano ㅡ disse a mulher, o Han apenas assentiu pondo as mãos nos bolsos.

•••

Soora estava indo ao banco depositar dinheiro na conta de sua irmã que vivia em Busan, a fila aos caixas estava pequena, e isso faria com que eles não demorassem muito alí, e logo poderiam voltar para casa.

ㅡ Jisung fica aqui na fila, eu vou aqui do outro lado da rua ver aqueles tapetes alí, eu venho em dois minutinhos ㅡ disse Soora e Jisung assentiu escolhendo os ombros por conta do frio que sentia.

O Han estava distraído olhando alguns documentos nos vidros dos caixas, de pessoas que haviam perdido por alí, porém sua atenção foi desviada assim que ouviu cochichos baixinhos, o castanho olhou para o lado onde havia uma garotinha em pé ao lado de algumas cadeiras que havia perto as paredes azuis do local.

A garotinha que aparentava ter seus 4 à 5 anos estava pondo as duas mãos sobre os lábios enquanto ria baixinho olhando o Han, Jisung confuso olhou para os lados procurando por algo que pudesse ser a causa do riso da criança, mas não encontrou nada.

Ela continuava encarando o Han e novamente voltou a rir, só que dessa vez, ela começou a gargalhar enquanto apontava o dedo para Jisung, deixando o castanho assustado e constrangido não entendendo nada daquela situação.

Uma mulher que tudo indicava ser a mãe da criança, puxou a garota pelo braço dizendo em voz baixa ser falta de educação apontar o dedo para pessoas desconhecidas. Aliviado Jisung respirou fundo vendo Soora vir em sua direção segurando uma sacola.

ㅡ Eu disse que voltaria em dois minutinhos... aqui esta eu.

<•••>

Após voltarem para casa, Jisung passou o dia inteiro ao lado de Soora, a ajudando no que fosse preciso pois o Han se sentia protegido ao lado da mulher. Depois de ficar ao lado de Soora enquanto ela estava a passar algumas roupas, Jisung também foi até a cozinha observando-a a preparar um bolo.

De vez enquanto o castanho tocava o lado esquerdo de sua bochecha lembrando do toque quente que sentiu alí, e o quanto real foi. Além do medo Jisung também se sentia confuso não entendendo o porquê de estar acontecendo coisas tão estranha com ele de uma hora para outra.

Nos filmes de terror o protagonista é perturbado por entidades e fantasmas por algum motivo, Jisung ainda tinha em sua cabeça que podia ser a casa, porém se fosse a casa porque só ele estava sendo atormentado? E por que o ser o tocou na casa do Felix? Ele não devia permanecer apenas dentro da casa que o pertence?

Várias dúvidas rodeavam a mente de Jisung sobre aquele assunto, junto ao medo e desconforto em lembrar de coisas tão bizarras quanto aquela.

•••

Antes do por do sol Taehyun e Daehyun estavam de volta, Soora serviu o bolo que havia feito a eles, e Jisung foi se deitar no sofá esperando a oportunidade perfeita para conversar com Taehyun.

Logo após comer o bolo Taehyun subiu rumo a seu quarto dizendo que iria tomar banho, Jisung esperou por alguns minutos antes de subir em direção ao quarto do ruivo, ao chegar no local o Han deu algumas batidinhas na porta antes de entrar.

ㅡ Taehyun? ㅡ o castanho chamou pelo mais novo após olhar para dentro do quarto e não ver ninguém, Jisung entrou dentro do cômodo olhando de trás da porta achando que Taehyun podia estar lá.

ㅡ O que está fazendo do meu quarto hyung? ㅡ o Han quase gritou ao ouvir a voz do ruivo atrás de si
ㅡ Ah... Eu vim te pedir um favor ㅡ o Han viu o garoto cruzar os braços enquanto o olhava
ㅡ Hum... pode falar ㅡ disse o mais novo.

ㅡ Taehyun, eu posso dormir no seu quarto hoje? ㅡ perguntou o Han
ㅡ Por que? Você também tem o seu ㅡ disse o mais novo
ㅡ E que...

>>

Jisung não sabia como conseguiu fazer Taehyun deixar que ele dormisse no quarto dele, nem mesmo o Han acreditaria na desculpa que deu, de que havia uma goteria no teto de seu quarto, e se localizava bem em cima de sua cama, e que tudo indicava que iria chover naquele dia.

Jisung até mesmo achava que Taehyun havia notado que tudo aquilo era porquê ele estava com medo de dormir sozinho em seu quarto, pois o Han sempre soube que não sabia mentir bem, e isso só ajudaria o ruivo a perceber que ele estava inventado aquilo que tinha explicado a ele de maneira atrapalhada.

Jisung decidiu dormir mais cedo, até antes mesmo que Taehyun, que ainda estava dando uma olhada em seu kakao talk, ainda podendo sentir a claridade do celular do mais novo em seu rosto, e de vez em quando podendo ouvir o riso do ruivo fazia o Han se sentir bem em não estar sozinho, e não sentir medo nenhum de estar com os olhos fechados.

•••

Jisung acordou as 03:00 da manhã, seu corpo estava quase a tremer de frio, podia-se ouvir o som do vento forte do lado fora, e alguns trovões em meio ao som de alguns pingos de chuva tocarem o telhado. O Han olhou para o quarto vendo que não estava escuro como devia estar.

O motivo do quarto ter claridade era por causa das cortinas da janela que estavam abertas, permitindo que a claridade vinda do poste da rua mas a frente, entrasse pela janela dando claridade ao quarto, que a horas atrás estava escuro, tendo apenas a luz do celular de Taehyun como claridade.

Jisung já começava a se sentir nervoso com a ideia de que ele não havia acordando naquele horário atoa, iria acontecer alguma coisa. Os trovões do lado de fora clareavam o quarto inteiro de vez em quando, o Han estava em estado de alerta, o medo crescia cada vez mais deixando o castanho mais e mais assustado.

Em meio ao som do vento forte, do barulho dos galhos das árvores balançando em meio a chuva, e os pingos que caiam sobre o teto, Jisung pôde escutar por alguns instantes algumas vozes do lado de fora da casa ao lado da parede do quarto, o som de choros e soluços, eles não pareciam vir de uma criança.

Quieto Jisung se escondeu debaixo da coberta que dividia com Taehyun e se encolheu, foi então que o castanho escutou nitidamente um som, uma canção vinda do piano que ficava no seu quarto, todos os pelos do corpo do castanho se arrepiaram e o medo só crescia.

Mordendo os lábios com bastante força Jisung segurava o choro que estava prestes a vir, o som do piano ficava mais alto e a melodia tocada era calma e assustadora, iguais a trilhas sonoras de filmes de terror.

Enquanto tremia debaixo do cobertor, Jisung ouviu duas batidas na janela do quarto de Taehyun, o castanho prendeu a respiração por alguns segundos antes de erguer seu tronco rapidamente e puxar a coberta para baixo levando as mãos até os ombros do ruivo dormindo ao seu lado.

ㅡ Taehyun... Taehyun acorda! ㅡ o Han entrou em completo desespero enquanto tentava acordar o mais novo que mesmo em meio a sacodidas brutas não acordou. Jisung gritou alto puxando o corpo do mais novo em sua direção e seus olhos quase saltaram com o que ele viu.

Os olhos de Taehyun estavam abertos e completamente brancos, ao lado de onde Taehyun estava deitado, havia um olho grande da cor vermelha, apenas um, ele estava bem ao lado do pescoço do ruivo e olhava diretamente para o Han.

Jisung gritou se afastando de Taehyun, e de repente o Han foi jogado para fora da cama caindo de costas no chão gelado, o ser que antes estava deitado ao lado do castanho, e antes parecia ser Taehyun caminhou com rapidez pela cama apoiado com as mãos e os pés, e seu corpo se ergueu em direção ao teto.

Assim que o corpo que levitava como se estivesse deitado de barriga para cima chegou até o teto, ele começou a as contorser rapidamente enquanto roncos e berros ecoavam pelo quarto, Jisung chorava entre gritos e soluços tentando se afastar daquilo.

ㅡ S-socorro! T-taehyun... ㅡ gritou o Han entre o choro olhando para os lados sentindo seu corpo todo enfraquecer, o Han tinha as mão trêmulas por conta do medo e suor frio que descia por sua testa. O castanho gritou novamente quando viu o corpo que estava a se torcer no ar cair com tudo no chão causando um enorme estrondo.

A forma com que o ser estava estirado ao chão parecia ter quebrado todos os ossos, e isso era algo aterrorizante de ser visto. O frio ficou maior, Jisung sentiu suas pernas adormecerem assim como as pontas dos seus dedos, a garganta do que se tornou seca enquanto seu rosto ficava mais e mais molhados pelas lágrimas.

O ser bizarro sobre o chão começou a estralar seus ossos enquanto se esticava pelo chão, seu pescoço em um estralo girou na direção do Han abrindo um enorme sorriso, Jisung não aguentando ver aquilo fechou os olhos com força, as mãos foram de encontro aos braços os apertando com força fazendo com que suas unhas perfurasem a pele de seus braços.

O castanho ouvia o barulho no chão da coisa se aproximando, e então naquele momento sem pensar em nada, o Han decidiu tentar escapar, se arrastando pelo quarto vendo a porta mais a frente.

Porém bem antes de Jisung se mover até lá, ele foi puxado pela camisa e jogado sobre o chão, assim que o Han olhou a sua frente enquanto gritava desesperado, viu algo surgir bem perto ao seu rosto e então de repente uma mão cobriu sua boca, e outra segurou um de seus braços com força.

ㅡ Shh... ㅡ o Han pôde ouvir uma baixa risada, tão baixa que o castanho quase não a escutou.

Jisung se contorcia em baixo do ser sentindo dor em seu braço que estava sendo agarrado, enquanto sentia pingos tocarem seu rosto, o Han piscava várias vezes sentindo mais e mais do líquido tocar seu rosto e deslizar por suas bochechas.

Assim que o castanho foi solto, um grande clarão fez seus olhos doerem, o Han imediatamente se pôs sentado sobre o chão sentindo ânsia de vômito passando as mãos pelo rosto tentando limpa-lo.

ㅡ Jisung... para com isso...

ㅡ Hyung... você está me assustando, por favor volte aos seus sentidos ㅡ o Han pôde ouvir a voz chorosa ao seu lado, era Taehyun que olhava Jisung com o semblante assustado.

Olhando ao redor o Han viu que a luz do quarto estava acesa e mesmo chovendo, o mais novo alí parecia estar soado e sua camisa estava rasgada, ele parecia estar em choque.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...