1. Spirit Fanfics >
  2. Não corta minha brisa! >
  3. Quinze.

História Não corta minha brisa! - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Cap ta meio parado sorry.

Boa leitura!

Capítulo 15 - Quinze.


Fanfic / Fanfiction Não corta minha brisa! - Capítulo 15 - Quinze.

S/N POVS ON



Acordei com o despertador, eram 8 horas da manhã Suna chegaria daqui a meia hora, acho que é o suficiente. Me levantei ainda preguiçosa e fui direto pro banheiro, tomei um banho rapido e fiz um skin care simples, levando assim 15 minutos do meu tempo, voltei ao quarto e vesti um vestido soltinho, ele é bem confortável e tem desenhos de pecegos por todo ele, o vestido é rosinha bem claro e fransido na area dos seios, coloquei uma calcinha box preta e estava vestida, juntei meu cabelo num coque alto com alguns fios soltos propositalmente, passei um corretivo, preenchi a sobrancelha, blush, rimel e chega, até porque a campainha tocou, peguei meu allstar branco de cano médio, uma mochilinha branca com uma pasta dos meus documentos, coloquei minha carteira e meu celular lá e desci, abri a porta recebendo um beijo rapido o mesmo tira os sapatos e entra:

-Bom dia amor. -Acaricia minha barriga.-bom dia bebê. 

-Bom dia. 

Esse carinho dele com nosso projeto de criança é muito fofo. O rapaz vai direto pra mesa, carregava em mãos uma bolsa termica, ele abre a bolsa e tira alguns potinhos e um copo grande, vai na cozinha e pega dois copos menores e dois pratos, eu coloquei o tenis na entrada e fui pra mesa bocejando:

-Ainda ta com sono? - diz pegando dois garfos e trazendo pra mesa.- Trouxe um cafe bem nutritivo. - o sorriso do meu noivo(?) É incrivelmente lindo e contagiante, Rintarou passa tanto tempo com aquela cara linda de nada, que eu me surpreendo sempre que ele sorri assim, o mesmo sempre fica alegre quando o assunto é cozinhar pra mim.

-Um pouco, eu acordo pelo menos as 10 horas todo dia, só abro o estúdio meio dia.-Digo com um pouco de preguiça enquanto ele abre um dos potes e o cheiro é incrivel.-Meu deus que delicia.. Que cheiro é esse? 

-Seu café da manhã boba.- ele sorriu de novo aaaaa. Pera, vou vomitar. Sai correndo pro banheiro do andar de baixo e vomito o jantar de ontem. -Amor ta tudo bem? -Suna diz vindo atrás de mim. 

-SAI DAQUI! Não quero que me veja ass- vomitei outra vez. Ele se aproxima e coloca os fios soltos do meu cabelo atras da minha orelha com carinho e acaricia minha bochecha. 

-Ta se sentindo melhor? 

-Um pouco.. 

-Vem lavar a boca pra tomar café.- O moreno me puxa sem muita força, me fazendo ficar de pé, vou até a pia e lavo a boca, saimos do banheiro e Nami acordou.

-Bom dia casal!

-Bom dia Nami, quer tomar café com a gente? Eu trouxe pra você tambem. 

-Clarooo cunhado, você é 10.-Vamos os 3 pra mesa, Rin pegou outro prato, copo e garfo. Nos pratos tinham um sanduiche daquele que comi na casa dele da primeira vez, mas estavam frescos e dentro tinha frango empanado em tirinhas, alface, tomate, o molho que ele faz e queijo derretido pela temperatura do frango, ao lado um potinho pra cada com uma salada de fruta, no copo tinha leite de morango, no canto do prato um cookie com nutella. Era um café da manha daqueles.

- Obrigada amor, não precisava disso tudo, aposto que acordou bem cedo.

-nem tanto, fiz a maior parte ao mesmo tempo, não demora tanto assim.-um sorriso simples e um carinho na minha bochecha completam a frase, me sinto meio seca com ele esta manhã, mas lembrei que sou assim sempre que  não durmo o suficiente. Só fecho os olhos aproveitando o carinho, a loira já esta devorando o pão.- Vai trabalhar Nami? 

-Sim, sou garçonete de uma cafeteria, era pra eu ir mais cedo, mas mudaram meu horario, vou entrar as 10. 

-Tem alguma experiência em administração? 

-Tenho um curso técnico, mas nunca acho emprego na area, geralmente são por indicação. 

-Vou te arranjar uma entrevista na empresa do meu pai, eles estão precisando de adm, a empresa cresceu e ta faltando pessoal. 

-MEU DEUS SUNA ISSO VAI SER DEMAIS!!

- Como eu disse, vou arranjar a entrevista, se passar é merito seu.- eu comia em silêncio amando o assunto, era incrivel o quanto Rintarou se importa com a Nami, ele sabe que não vou deixa-la pra trás e cuidar dela também virou um habito pro rapaz. Mais alguns assuntos entre eles e terminei de comer, levei a louça suja pra pia:

-Nan você pode lavar a louça? Vamos acabar nos atrasando. 

-Claro mana, me conta tudo quando voltar ok? -Aceno positivamente com a cabeça e vou pro banheiro escovar os dentes, Suna faz o mesmo. 

-Amor..

-Oi.

-Ta tudo bem? - ele diz claramente desconfortável. 

- Sim, não to assim por algum motivo, fico meio chata quando não durmo o bastante. 

-Aaa sim... menos mal.-Ele escova os dentes rapidamente, assim como eu e descemos, Nami esta na pia. - cunhada, tem um bento na bolsa termica, é seu almoço. Se cuida, até mais tarde.

-MEU DEUS SUNA PARA DE SER UM CUNHADO INCRIVEL. -Ele ri nasalado enquanto põe o tenis e eu o meu, logo saimos. 

- Posso fazer algo pra te animar? -ele diz sem me olhar enquanto dirige. 

-Tipo o que? 

-Não sei, o que costuma animar você? 

-Chocolate. 

-Abre o porta luvas.-Eu o faço e tem uma barra de chocolate importada. - eu ia usar numa receita, maa fiquei curioso pra saber o sabor, abre pra gente.- agora o rapaz me olha e sorri, devolvo o sorriso e faço como ele pediu, quebro um pedaço e levo a minha boca, sinto o chocolate derreter, a sensação e o sabor são incriveis!

-Puta merda Suna, isso é muito bom!!- levo um pedaço pra boca dele que arregala os olhos e me encara.

-Meu Deus, realmente é muito bom.

Comemos a barra boa parte do caminho, sinto meu animo mudar, pois conversavamos normalmente. Finalmente chegamos, entramos com o carro no estacionamento, ele o para, descemos, Rin pega minha mão e entramos, o Hopital é um completo luxo, area de brincar para crianças esperarem, pinturas bonitas nas paredes, tudo muito bem posicionado, o lugar era climatizado e cheirava a lavanda. Fomos até o balcão e Suna conversou com a recepcionista, muito educada mas olhava pra nós com certo desdém, isso me incomodou, aposto que as pessoas que frequentam esse lugar, andam como riquinhos metidos a besta, provavelmente não tem metade do dinheiro que Rintarou tem. Esse pensamento me faz deixar um riso anasalado escapar: 

-Tudo bem senhora? 

-Tudo otimo. 

-Estava rindo sozinha, pensei que puderia nos contar o motivo. -O ar esnobe dela me irrita. 

-Não que seja da sua conta o motivo de eu achar graça, mas é que pensei que normalmente recepcionistas de lugares chiques se acham chiques também e pensam que podem desdenhar das pessoas, mas não entendem que se são funcionarias, significa que não tem nem metade do dinheiro de quem frequenta esses lugares sabe? Parei pra refletir e achei graça da ignorância de alguns.- Rintarou riu, eu também, assim que ele se contém, se manifesta:

- Qual a sala mesmo? 

-12.

-Muito obrigado! - Ele ri nasalado pegando a fixa da mão dela e andando segurando minha.- Eu também reparei o jeito que ela nos olhou, obrigado por nos defender.-Ele diz com um sorriso no rosto e bate na porta.

- Não me aguentei kkk. -Um médico abre a porta e de imediato me sinto desconfortavel. 

-Bom dia. 

-Bom dia, sem querer ser inconveniente doutor, mas é que eu pedi que fosse uma mulher pra atender minha esposa por questões pessoais.

-Eu entendo, mas como sua consulta foi marcada com certa pressa, não foi passado para nós essa preferência, hoje a médica esta de folga, mas podemos fazer só o mais simples e na proxima começam os exames de fato com a doutora pode ser? - Suna me olha, esperando uma resposta, dou de ombros e murmuro um "ok". 

Conversas, amostras de sangue e urina, mais conversas, medida de pressão, peso, todo tipo de exame sem contato direto foi feito. Até chegar no assunto DNA. 

-Precisa ser feito um exame de dna?

-Pra que? 

-Foi indicado ser feito pelo telefone. -Suna começa a murmurar.. 

-Eu vou matar aquele desgraçado....Enfim Não preci-

-Pode fazer. O filho é dele mesmo, mas se tanta gente duvida pode fazer, é bom que se alguém questionar, eu enfio o resultado na guela da pessoa. -Sorrio forçadamente e o médico gargalha.

-Eu entendo a revolta, deve ser chato mesmo estar nessa posição, a maioria das pessoas acredita que todos são movidos pelo dinheiro, é um pouco decepcionante pra quem não é, se encontrar nessa posição.

- Celular dela quebrou e eu fiquei quase um mês implorando pra ela deixar que eu comprasse um novo, ela dizia que ia trabalhar e comprar, mas precisa do celular pro trabalho, foi dificil convencer. -Rintarou diz e me olha, mostro a lingua pra ele. 

- Podemos reparar que não há um interesse, mas vamos fazer o exame para que s/n possa esfregar copias do resultado na cara de todos ok?- sorrio e aceno com a cabeça. 



Tudo para o exame foi organizado e finalmente podemos ir pra casa.

-S/n, sua fixa vai ser passada para a doutora Kito, então não vai precisar refazer o que fizemos hoje, sua proxima consulta pode ser remarcada por telefone ou no balcão da recepção, o resultado do DNA será enviado por email ainda hoje. Por hoje é só. 

-Obrigada. 

-Obrigado doutor. 

Saimos da sala e marcamos a consulta no balcão mesmo, a recepcionista ficou com uma cara de cu enorme enquanto eu segurava o riso e Suna assinava as coisas. Descemos pro estacionamento e voltamos pro carro.

- Uma pergunta, vai ficar faltando na faculdade pra me acompanhar? 

- As vezes sim, mas vou tentar marcar intercalando com meus horarios. Por exemplo a proxima consulta é daqui a duas semanas e vai ser de tarde, então já vou estar liberado. -Olho o papel e vejo a data, marco no celular para não esquecer e ter trabalho no dia e o guardo. -Relaxa, não vou me prejudicar. 

- Espero mesmo em. 

-Vai direto pro estudio coisa linda? -olho as horas e são 11:15.

-Ta meio cedo...

- Quer ficar na praia um pouco? Só no calçadão sentados olhando a vista, quando der seu horario te deixo lá e vou assistir as ultimas 3 aulas de hoje.

-Tudo bem.- vamos até a praia e chegando lá sentamos em um banco qualquer que fica de frente pra praia, ele joga o braço por cima do meu ombro e me puxa pra perto, deito a cabeça no ombro dele, que me olha e sorri, o sol não esta muito forte mas a visão é linda. Algum tempo depois, o mesmo deita no banco com a cabeça no meu colo, fica fazendo carinho na minha barriga, a beijando as vezes e me olha, estou levemente corada enquanto acaricio os cabelos dele, conversas leves e assuntos bobos, uma notificação no celular dele. 

-É o resultado do DNA. 

-Nossa foi rapido. - a gente ri nasalado. Ele abre o email e me olha assustado. 

-não me diga que...


Notas Finais


Suspense 🤭😏

Comentem o que acharam ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...