História Não entre nesse mundo - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Brigas, Drama, Fuga, Horror, Hospicio, Hospital, Incesto, Manicómio, Morte, Romance, Tragedia
Visualizações 8
Palavras 4.643
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Romance e Novela, Saga, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura

Capítulo 2 - Você vai entrar em algo...que não tem mais volta


Fanfic / Fanfiction Não entre nesse mundo - Capítulo 2 - Você vai entrar em algo...que não tem mais volta

Willian ficou parado na frente daquela porta fechada atrás de suas costas com o olhar fixo naquele garoto que ainda mantia o sorriso debochado em lábios mas diferente de antes ele não continuava olhando para Willian, o mesmo havia desviado seu olhar para o outro canto da parede. Willian derrepente compreendeu o que o garoto quis dizer e assim abriu um leve sorriso dando leves passos em direção a cama onde o garoto estava sentado


- sim...mais um -disse parando do lado da cama observando o garoto que não parecia se importar com tal aproximação


- hm... Se for para perguntar as mesmas coisas que os outros...-seu sorriso sumiu e antes as palavras ditas com ironia agora se tornava frias e sem emoção o que fez Willian também retirar o leve sorriso que tinha nos lábios -...pode ir embora também por que não tenho nada de novo pra você -completou virando suas íris até o canto dos olhos para poder voltar a encarar Willian


- bem...eu não sou igual aos outros...então eu posso muito bem esperar até você ter algo novo a dizer e ter vontade disso 


o tom de Willian era calma e tranquilizante o pequeno tinha percebido isso. Um leve sorriso surgiu nos finos lábios do garoto novamente antes de virar a cabeça em direção da janela onde estava olhando antes do homem atrás de si entrar no quarto


- o velho truque de tentar ser amigo do paciente...sinto lhe informar mais isso não vai acontecer


- o que não vai acontecer? Você ter vontade de me falar algo ou a gente virar amigos? 


- nenhum nem outro -disse firme mostrando que realmente não estava afim de falar nem tentar ser amigo de ninguém



Willian diante daquilo ficou um pouco sem rumo, não sabia ao certo com que abordagens odeia ir até o garoto para o fazer falar, ainda mais que ele poderia ter mais de uma personalidade isso só o deixava mais flexível as abordagens. Realmente o único jeito de ter algo era ganhando a confiança do menor. Willian em passos pequenos foi para a frente do garoto e se sentou na beira da janela onde o menor tinha o olhar fixo. Ali ficou cruzando os braços e olhando para o menor que lentamente foi desviando seu olhar do ponto que estava para Willian. O olhar de ambos se encontravam sem vacilar, parecia que um estava tentando desvendar o outro pelo olhar. Mais os olhos castanhos mel de Charlie parecia um poço profundo e escuro onde você não se atreveria entrar sem saber realmente o que encontraria no fundo...isso só deixava Willian mais curioso sobre o garoto e queria poder saber mais sobre sua história sem se importar com o que poderia custar


- você não devia...-as palavras quase que sussurradas proferidas pelo garoto fez Willian acordar do seu quase transe e olhar desentendido para o garoto que agora tinha o olhar para chão -..não devia entrar num mundo que depois...não vai ter mais volta


- o que você quer dizer com isso? -pergunto Willian se desencostando da janela 


- você não devia...não devia -continuava o garoto agora levando suas mãos para seus braços os apertando e olhando para a porta como se esperasse algo acontecer 


Willian olhou para a porta tentando compreender o que o garoto estava falando mais não havia nada na porta...a não ser... 


- Charlie...-Willian se aproximou do garoto que o olhou agora parecendo se assustar com a aproximação do mesmo -..vai ficar tudo bem...certo? 


- não....-o fio de voz saiu da boca do garoto que se encolhia cada vez mais na cama, dobrando suas pernas levando seus joelhos pra perto de seu peito e levar as mãos até as laterais da cabeça enroscando os dedos nos cabelos enquanto fechava a mãos acabando por puxar alguns dos fios castanhos do seu cabelos e fechar os olhos parecendo não querer ver mais nada - não fica nada bem aqui....nunca fica...nunca fica... 


Willian percebeu que o tom do garoto agora era sussurrada parecia que não queria que ninguém mais escutasse o que tinha que falar. Levou suas mãos até as mãos finas do garoto que abriu os olhos no mesmo instante que sentiu o toque em si, e retirou levemente as mãos do garoto de sua cabeça enquanto se aproximava de sua orelha 


- eu estou aqui agora...prometo ...vai ficar tudo bem com você apartir de agora -disse sussurrando próximo do ouvido do garoto apenas para ele ouvir, nem mesmo todo o silêncio que se encontrava na sala poderia fazer outra pessoa ouvir as palavras deles. 


Após dizer isso Willian levou seus olhos até a porta e pode ver a sombra a espreita pela fina abertura que tinha entre o chão e a porta. Talvez fosse David, ou outra pessoa como segurança caso acontecesse algo na sala não tinha como saber. Após isso se afastou de vagar do garoto que agora o olhava parecendo mais tranquilo...mais o oposto do que parecia podia ver pelos seus olhos que não estava nada tranquilo...


- não prometa....coisas que não pode comprir...doutor... 


A voz do garoto pareceu mais sofrida e arrastada dando um arrepio em Willian que agora percebia um sorriso nascer nos lábios do garoto, um sorriso psicótico...

Willian quase que por instinto se afastou do garoto que abaixo a cabeça e levou as mãos até a propria garganta


-  desista antes que seje tarde pra você também...-disse o garoto olhando pra ele atrás da sua franja. 


Willian se sentia agora num filme de terror, a sala mal iluminada com as lâmpadas fracas dava a aquela cena um ar mais tenebroso do que era, só sorriso nos lábios do garoto também só ajudava mais. Engoliu seco, tava explicado por que muitos dos outros psiquiatras desistiam por medo. 


- não vou desistir, eu nunca desisto daquilo que começo -disse firme e sorrio gentil - não vou desistir de você Charlie


Ele queria parecer tranquilo, talvez aquilo tudo fosse apenas um jeito de auto defesa. Colocar medo nos outros fazendo aquelas cenas que se ajustável tão bem com o cenário e afastar todos que tentavam se aproximar e ajudar ou entender o que se passava com aquele menino...ou com aquele lugar. Após tais palavras o sorriso de Charlie foi sumindo até dar espaço pra um semblante surpreso. Os olhos do pequeno agora parecia tentar achar qualquer pista de erro ou mentira em Willian que continuava olhando para o garoto com o leve gentil sorriso em labios. 


- como você quer ajudar algo que não tem mais salvação? -pergunto o garoto parecendo confuso- eu mesmo...desisti de mim...quando pisei nesse inferno


- bem... -Willian agora se encontrava em uma posição delicada, Qualquer palavra errada poderia colocar tudo a perder. Engoliu seco mantendo contado visual com o menor que ainda parecia surpreso com o que o maior tinha lhe falado antes -..você tem salvação...só não percebeu isso ainda.. 


Nisso um silêncio reinou por alguns segundos, o garoto levou sua mão até o rosto e a pousou na lateral tampando um dos seus olhos e começou a rir, Mais não era um sorriso normal, seu riso parecia sim de um maníaco que acabou de capturar sua vítima e agora iria se divertir o máximo fazendo o que quisesse com ela carregando também mal alguma coisa no tom daquela risada que não soube identificar. Sua mão foi subindo levantando sua franja e lentamente revelando seu olho direito novamente, agora seus olhos eram facilmente visíveis sem os fios da franja os tampando. 


- muita gente descordar Doutor -dizia o menino no meio das suas últimas risadas


- eles não sabem de nada -falou vendo uma das sombrancelhas do menor se erguer - pode me considerar o seu Salvador Charlie..


- esta confiante...


- eu só me garanto 


- hm... -o garoto voltou a sua postura inicial descendo as pernas de cima da  cama e retirando sua mão do meio de sua franja permitindo os fios descerem novamente para a frente do rosto alvo do menor -isso a gente vai ver....com o tempo.. 


E com isso um sorriso brotou novamente nos lábios do garoto, mais diferente dos outros...esse era normal. Um sorriso normal que dava um ar angelical para o rosto do garoto


- pode ter certeza...-concordou Willian sorrindo também 


Havia conseguido...sera? 


















[Quebra de tempo]





















Willian acabava de abrir a porta de seu quarto já retirando os sapatos e os jogando em qualquer canto que não se importava se iria atrapalhar depois, caminhou até as portas de vidro de correr que tinha do lado de sua cama onde se encontrava sua sacada. Se sentou no pequeno sofá branco que havia ali retirando o maço de cigarros do bolso retirando um do conteúdo de dentro com a ponta dos dedos enquanto o levava até os lábios, com a outra mão retirava o esqueiro do bolso e o levava até a ponta do cigarro o ligando e vendo a chama queimando a ponta do mesmo o acendendo assim logo dando um trago fundo sentindo a fumaça de nicotina invadir seus pulmões e instantaneamente sentir o corpo também relaxar. Fechou os olhos se encostando melhor no encosto do sofá enquanto afastava o cigarro da boca com o mesmo preso entre os dedos se sentindo relaxar mais ainda. Soltou a fumaça de seus pulmões entre abrindo os olhos observando a fumaça se decepar no ar e sumir diante dos seus olhos. Respirou fundo virando a cabeça para o outro lado olhando para o céu que estava nublado parecendo que iria novamente soltar outra chuva igual a da noite passada. Levou o cigarro novamente aos lábios o tragando tendo agora imagens do que havia acontecido mais cedo em sua mente. Aquele garoto havia dispertador algo em si que nunca havia sentido antes...mais também além disso....aquele lugar o deixava curioso, parecia que algo de mal rondava aquele lugar...e enquanto ele estivesse com aquele garoto...ele iria fazer de tudo para poder descobrir mais sobre aquele hospício. Essa era a única certeza que tinha em sua mente no momento. Despertou de seus pensamentos quando sentiu o celular vibrar logo começando uma melodia irritante. Pegou o celular do bolso vendo que era a ligação..revirou os olhos apertando o botão atendendo fazendo então o som da música que tanto odiava parar


- o que você quer? -pergunto assim que atendeu soltando finalmente a fumaça de nicotina que prendia no peito


- é assim que atende a ligação de um amigo? -perguntou a voz do outro lado se fazendo de nervoso e ofendido


- se você não quiser que desligue na sua cara fale o que tem pra falar de uma vez -disse frio extraindo mais nicotina para si enquanto tragava o cigarro 


- quanto mal humor, estou te ligando por causa da sua namorada que me pedio favor ok? 


- o que tem a Mary? Que que ela fez? 


- ela fez nada, só pedio para te chamar para o bar para que pudesse então fazer você relaxar..ela me falou que você parece muito tenso com o trabalho e precisa se distrair um pouco -falava a voz do outro parecendo um pouco empolgado com a ideia


- olha....-soltou a fumaça enquanto fechava os olhos - eu não estou afim


- a qualé cara, faz tempo que a gente não se reúne e a Mary disse que iria te esperar no bar 


- posso fazer nada, ela não me perguntou se eu queria ir antes de iniciar tal coisa 


- meu Deus quanto mal humor isso é falta de sexo é? O trabalho não tá te dando tempo pra.. 


- cala a boca -cortou o garoto que já estava começando a falar besteira - eu só não quero ir, não tenho tempo pra me distrair com essas coisas agora


- vai ser só uma hora por favor -começou a implorar - se você não aparecer eu vou ficar triste ligando te infernizando até que você aceite -ameaçou 


- uma hora!! E depois eu vou embora e não quero que fique tentando me obrigar a ficar se não eu quebro a tua cara...-disse irritado com a insistência


- ok só vem logo ok? -disse agora com a voz mais Alegre 


- a vai tomar no cu e não me apressa 



Assim Willian desligou a ligação na cara do outro e largou o celular no sofá ao seu lado fechando os olhos e respirando fundo. Odiava quando os outros ficavam o fazendo fazer algo que não queria...ainda mais quando ameaçavam a ficar ligando para si apenas por que sabiam que ele odiava que o ligavam ainda mais que não seria para fazer nada. Mais um trago no cigarro vendo o mesmo acabar, apagou o mesmo no braço do sofá que antes branquinho já havia várias marcas queimadas pelo mesmo por ficar apagando seus cigarros ali. Pegou o celular e se levantou soltando o ar de nicotina e caminhou de volta para dentro do quarto fechando a porta de vidro se encaminhando em seguida para o banheiro para poder tomar um banho antes que tivesse que sair para o bar. 












Willian empurrando a porta de madeira do local pode sentir o cheiro doce das bebidas alcoólicas entrar em contato com seu nariz. O cheiro era forte era capaz de uma pessoa fraca pra tal bebidas ficar bêbadas só com tal cheiro que estava naquele lugar. Entrou deixando a porta que se fechava devagar sozinha. Seus olhos vazavam pelo lugar enquanto andava a procura de algum conhecido mais antes mesmo que pudesse olhar para a direção de onde realmente estavam, sentiu braços preferem seu pescoço num puxam e o inclinar para baixo logo tomando seus lábios. Olhou surpreso para a garota de longos cabelos loiros a sua frente que desgrudo de si e sorriu. 


- oi querido demorou em -disse Mary segurando em sua mão e puxando para os fundos sem lhe dar tempo de dizer algo. 


- olha ele, até que enfim chegou em -dizia o garoto sentado em uma das poltronas em formato L nas paredes em um tom vermelho. 


- tenho que lembrar que eu não queria estar aqui Steve? -pergunto enquanto se sentava do lado do garoto que abriu um sorriso animado para ele 


- para de ser reclamão e aproveite -disse Steve esticando o braço para pegar um copo grande com alguma bebida em cor azul e prata no fundo e colocar na frente de Willian - a gente pedio pra mesa toda então bebe -completou pegando o outro copo e levando até a boca tomando um grande gole da bebida colorida


Willian olhou para o copo, não fazia ideia do que era aquela bebida que estava a sua frente. Olhou novamente para o garoto ao seu lado. 

Steve era apenas um ano mais novo que ele mais ainda tinha o jeito de um garoto de quinze anos querendo viver a fase rebelde, os cabelos pretos com luzes na coloração branca em algumas mechas dos cabelos ou apenas nas pontas com os mesmo em um penteado pra cima não espetado por ter os cachos que não ficavam como queria a maioria das vezes. Se vestia que nem um adolescente também o que só contribuía com seu estilo de adolecentes problemático, mais tirando tudo isso ele era um ótimo médico dedicado e sério em alguns momentos. 

Seu olhar sai das ações de Steve para Mary que se sentava em seu colo acabando com o líquido de coloração rosa que havia no copo em que segurava


- o que foi Will? Bebe -disse passando a mão pelos cabelos negros dele tirando o penteado que o mesmo havia feito mais cedo


Olhou mais uma vez para o copo em mão antes de o levar até os lábios e sentir o gosto que intercalava entre doce, azedo e terminando por amargar a garganta. Pode presumir que aquela bebida era extremamente forte no álcool enquanto engolia o conteúdo que havia posto a boca. 


- então Will como tá as coisas no seu trabalho? Os loucos ainda continuam fáceis de lidar? -pergunto Steve tomando mais um gole do líquido em seu copo


Willian não havia dito que não estava mais em um escritório onde antes apenas escutava os problemas dos outros e anotava coisas...não havia falado que tinha sido encaminhado para cuidar de alguém em um hospício e não sabia se devia dizer, afinal aquele lugar não era apropriado em sua mente. Apenas concordou com a cabeça e voltou a olhar para seu copo enquanto Steve apenas ria falando mais alguma coisa sobre alguma coisa que ele não queria escutar


- mais e o trabalho que você tinha que ir ver hoje cedo? -perguntou Mary chamando a atenção de Willian que levantou a cabeça para olha-la - deu tudo bem? 


- sim tudo sobre controle -disse e bebeu mais um gole daquele líquido que mais uma vez fazia sua garganta amargar


- pelo menos nenhum desses doidos que vão falar com você te atacam, eu tive um amigo psiquiatra a um tempo que ele me falou que durante uma sessão o cara entrou em estado de nervosos e atacou ele sem mais nem menos -dizia Steve olhando para algum canto do bar com um sorriso torto em lábios


- e ele ficou bem? -perguntou Mary


- ah, sim! Os seguranças conseguiram segurar o cara antes que o machucasse -disse virando o olhar para a Mary que suspiros parecendo aliviada


- menos mal, ainda bem que nenhum louco tentou atacar Will, também se fosse sairia machucado pois meu Will sabe lutar muito bem! Não é mesmo querido? -falou Mary abrindo um sorriso enquanto passava os braços em volta do pescoço de Willian o abraçando


- mesmo que eu saiba lutar...eu não poderia machucar um paciente Mary -disse olhando para os olhos da garota que o olhou desentendida


- nem se fosse por auto defesa? 


- mesmo se fosse por defesa... não podemos machucar-los mesmo que estejam fora de controle...isso poderia prejudicar o trabalho -disse vendo o olhar dela virar num preocupado - Ei, relaxa ok? Não vai me acontecer nada


- assim espero, o que vou fazer se algo acontecer com meu amor? -pergunto se aproximando e tomando os lábios de Willian em um beijo


- ah quanto amor -falou Steve olhando a cena - eu vou ficar segurando vela nada tô fora -disse se levantando com seu copo de bebida e indo para algum outro lugar do bar


Mary parou o beijo olhando para Steve se afastando e riu achando graça do garoto antes que voltasse a olhar para Willian e o beijar novamente o segurando pela nuca aprofundando mais aquele beijo. 

























[Loge dali]













A porta de ferro se abria fazendo um ranger alto que acabava por doer os ouvidos, arrastando o garoto preso na camisa de força eles entrou dentro da sala onde havia várias mesinhas com utensílios de corte, agulhas e seringas. Nas paredes várias prateleiras com vários remédios de vários tipos dos mais leves até os mais pesados. Colocando o garoto sentado na cadeira de que já se encontrava apodrecendo de tão velha, com o estofamento descascando e com o grande cheiro de mofo. Mesmo não estando confortável com tal coisa não se mostrava forte diante de tal coisa, pelo contrário, se mostrava indiferente e que não iria resistir a tal coisa. O homem após deixar o garoto sentado naquela cadeira foi em direção a uma das extantes e pegou um dos potinhos brancos que haviam ali e voltou puxando uma das mesinhas de ferro para a frente do garoto. Fez um sinal para um dos seguranças que estava na porta se aproximar, o mesmo estava com um copo de plástico cheio de água em mãos e assim que se aproximou do Homem lhe entregou o copo e voltou para a porta junto dos outros dois que o acompanhava. Com o copo em mão pegou um plástico azul que havia em cima da mesa e o rasgou logo o virando dentro do copo de água o conteúdo em pó branco que havia dentro do plástico. Balançou o copo misturando o conteúdo a água antes de levar até os lábios do garoto que sem resisti abriu a boca dando passagem parar que a água entrasse em sua boca e começou a engolir tomando a água agora com um gosto amargo graças ao pó branco que havia colocado. Após ele ter bebido todo o líquido do copo o homem largou o copo e pegou uma das seringas de cima da mesa, retirando a tampinha de proteção da mesma e a espetando na tampinha do potinho branco que havia pegado. Dentro do potinho havia um líquido meio viscoso que mesmo o garoto já sabendo o que aquilo poderia fazer com sigo não sabia o nome nem o que era realmente. Após a seringa estar completa o homem desencalhou-a do potinho e levou a ponta da agulha até a aveia do pescoço do garoto que sentiu uma certa dor ao sentir a agulha lhe perfurar entrando em sua veia fechando os olhos. Apertou a seringa injetando todo aquele líquido na aveia do garoto. Após isso retirou a agulha do pescoço do garoto e jogou no lixo. Segurou o garoto pelo braço imobilizado pela camisa de força e foi andando arrastando sem um mínimo cuidado saindo da sala e voltando pelo corredor mal iluminado até as escadas, as subindo até parar na porta tendo que fazer a senha para a mesma poder abrir. Abriu saindo pela sala do diretor onde era a única coisa com cor daquele prédio inteiro, passando pela sala indo até a porta saindo e voltando para os corredores brancos. Andou pelos corredores subindo algumas escadas até chegar na porta do quarto do garoto, abrindo a porta e jogando o garoto pra dentro do quarto e fechando a porta. 


- ele nunca poderá falar nada...-disse enquanto fechava a porta novamente a trancando - vocês três -se virou para os três seguranças que ainda o seguia - fiquem de olho naquele psiquiatra...não deixe ele fuçar de mais e não perden ele de vista quando ele estiver dentro desse prédio...entenderam? 


- sim senhor -disseram os três juntos


Assim ele se virou voltando para a sua sala e se sentando em sua cadeira de couro apoiando os cutuvelos sobre sua mesa de vidro enquanto tinha um sorriso maldoso em lábios olhando para algum canto não específico da parede. 


- entrou em um mundo sem volta meu caro Willian... -disse levando suas mãos até a frente da boca onde conta ainda o sorriso maldoso em lábios. 


































•   •    •     •      •       •        •   


















- Mary eu preciso ir -dizia tentando se levantar mais a garota mais uma vez o forçava a se deitar novamente


- passa a noite comigo Will...faz tanto tempo que você não passa a noite comigo -falava com a voz manhoso e carregada de segundas intenções


- eu já vim pra sua casa...fiz o que você queria, agora eu preciso ir embora -dizia tentando novamente tirar a garota de cima de si


- sempre seu trabalho...seu trabalho e mais importante que eu? -perguntou fazendo uma voz chorosa


Willian respirou fundo precisando disso para poder se acalmar, pois era sempre a mesma coisa...ela sempre apelava para o choro. Não queria magoá-la...ou pelo menos tentava não mágoar.. 

Sim seu trabalho era mais importante que ela para ele, ainda mais agora que nunca...

A imagem de Charlie veio a sua mente o fazendo abrir os olhos novamente enquanto virava o rosto pro lado. Sim... Mais que agora que conheceu Charlie seu trabalho era mais importante que qualquer coisa....aquele garoto havia feito voltar a vontade e a emoção que a muito tempo havia perdido. 


- no que você está pensando? -perguntou Mary segurando o queixo dele e virando o rosto dele para ela que o olhava com o seu melhor sedutor..


- em você... 


- sério? -um sorriso malicioso nasceu em seus lábios e ela depositou um beijo no canto da boca dele


- sim...no quanto eu que eu te quero fora de cima de mim..-respondeu frio agora a olhando vendo o sorriso dela morrer


- por que você sempre tem que ser tão frio comigo? -perguntou saindo de cima do mesmo se enrolando na coberta assim tampando o seu corpo nú


- eu tentei ser gentil mais você sempre tem que dificultar -dizia vestindo a sua cueca e se levantando da cama pegando sua calça do chão


- eu não dificultou nada, eu só quero passar um tempo com meu namorado...isso é pedir de mais? -perguntou ela com voz de choro


Willian olhou para o rosto da mesma que começava a uma lágrima solitária a escorrer pela bochecha dela 


- é dês que não tenho tempo -disse fechando o botão de sua calça e pegando sua camisa do chão começando a andar em direção a porta 


- você nunca tem tempo pra mim... Isso não é justo -dizia limpando o rosto com a coberta que segurava forte mente mostrando que ficava irritada com tal coisa


- o mundo não é justo Mary... A gente se vê outra hora -disse abrindo a porta e saindo do quarto da mesma escutando apenas o choro e o grito frustrado da mesma



Willian saiu da casa dela fechando a porta por trás das costas arrumando agora sua camisa enquanto andava em direção ao seu carro entacionado logo a frente. Abriu a porta entrando no carro e olhou para o retrovisor passando as mãos pelos cabelos que agora se encontravam desarrumados graças a Mary com seus puxões de cabelo. Ligou o carro e saiu dirigindo em direção a sua casa. Sorte a sua que não havia bebido de mais. Dirigia não muito rápido percebendo que mesmo ainda não sendo tão tarde da noite quase não havia carros pela rua o que o deixava mais tranquilo caso o desse alguma tontura em si. Não demorou para chegar em casa, abrindo o portão autômato e se dirigindo para a garagem estacionando o carro no meio de outros dois que eram de seu pai. 


Saiu do carro o trancando com a chave e foi em direção a porta dos fundos da casa a abrindo e entrando. A porta dos fundo dava para a lavanderia onde também ficava perto da porta dos quartos dos empregados que dormiam ali. Em silêncio foi andando entrando na cozinha que estava com as luzes apagados, tudo estava apagado o que indicava que todos estavam dormindo. Usando a parede como seu guia também para não cair foi andando pela escuridão com maestria e uma certa facilidade graças às tantas vezes que teve já que passar por tal situação de chegar tarde da noite em casa. Ao chegar nas escadas foi subindo degrau por degrau com mais cuidado pois não conseguia enchergar perfeitamente o chão onde pisava. Andou o corredor do andar de cima até a porta do seu quarto e entrou no mesmo logo o trancando atrás de suas costas. Acendeu a luz cansado de andar no escuro e foi até sua cama se deitando e relaxando o corpo por um tempo. Olhou para o relógio da parede que mostrava já ser duas horas da manhã. 


- tsc... 


Se virou na cama já pensando que ia ter que ficar naquela sala com são graças a Mary que o prendeu no bar e na sua casa por muito tempo. 

Seu olhar foi de encontro com a ficha de Charlie que ainda estava em cima do seu criado mudo ao lado da cama. E mesmo...ele tinha mais esse problema...teria que arrumar sua agenda toda novamente para que podesse ter um dia inteiro para se dedicar a apenas aquele garoto. Sim ele queria poder passar um dia todo com Charlie não apenas algumas horas como havia feito hoje...assim teria muito mais a descobrir do que conseguiria com misérias três, quatro horas dentro daquele quarto branco naquele mundo branco. 


- uma semana inteira... -resmungar se virando novamente na cama colocando o braço por cima do rosto 


Uma semana inteira era o tempo que ficaria sem ir ver Charlie por conta dos seus outros trabalhos até conseguir arrumar direito como visitar com mais frequência o garoto. 

Esse seria uma longa semana.. Pensava enquanto se levantava da cama indo para a sacada já tirando o maço de cigarros do bolso para poder fumar


















































Continua... 


Notas Finais


Oi gente linda 👍😘
Ia tentar acabar a fanfic no segundo capítulo mais mais uma vez não vou ter como
Então não sei quantos capítulos vai ser ao certo, mais vai ser poucos.
Mas
Espero que tenham gostado
Até o próximo cap :^
❤😘❤😘❤😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...