História Não Me Abandone Jamais - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga)
Tags Bangtan, Brasil, Bts, Drama, Fluffy, Hobi, Min Yoongi, Noona, Romance, Suga, Você, Yoongi
Visualizações 75
Palavras 2.466
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Deem amor a minha fic !
^^

Capítulo 26 - Let me know


Fanfic / Fanfiction Não Me Abandone Jamais - Capítulo 26 - Let me know

— "Mãe o que está fazendo? "  — resmunguei ao entrar no apartamento.

Tirando os sapatos, joguei a bolsa no chão e pendurei o casaco a encarando esfregar o piso da cozinha como se estivesse possuída. 

      — " A resposta aqui é certa minha filha, eu não sei o que VOCÊ está fazendo, mas com certeza não é faxina, olha só como estava essa mini casa."  — o cheirinho de casa limpa inundava o ambiente, tudo estava bem arrumadinho, ela tinha trocado até o tapete e agora finalizava a cozinha. 

A resposta aqui também é clara mamãe, chorando e sofrendo, a menor coisa com o que eu me preocuparia era faxina.  

Suprimindo a vontade de revirar os olhos para minha própria situação, dei um beijinho nela, ajudando a terminar minimamente a arrumação.

...

      — " Huuum."  — minha mãe encostou a cabeça na de Bong, gemendo com o sabor da sua soondaeguk.

Estávamos nós quatro sentadas na salinha da anfitriã, comendo tanto que nem conseguíamos respirar. 

      — " Não sabia que você cozinhava tão bem, sério, está com o mesmo gosto da sopa da Dona Min."  — troquei um olhar com minhas amigas ao tomar um gole do meu chá, permanecemos em silêncio, mas o outro comentário não poderia ser ignorado. — " Bonghee querida, separe um pratinho para o Yoongi, ele deve aparecer amanhã."

Gaguejando um pouquinho, ela não quis contrariar a mais velha, me olhando sem saber o que fazer, mas no final decidiu que seria melhor jogar a bola para Daniela, que arregalou os olhos na hora.

Levantando para levar os pratos para a pia, Daniela demorou um pouco para responder, mas no final, ela anunciou em português.

      — "Não se preocupe com isso Dona Heloísa, o Yoongi-shi está meio sumido por causa da agenda, sua filha não explicou? " —  balancei a cabeça para minha mãe em confirmação, e comecei a levar o restante dos pratos para a pia, mas a safada continuou falando.  — " Amiga? " — pela sua expressão eu já vi que era bomba.  — " Esqueceu de contar sobre o show de amanhã? " — apertei os dentes dentro da boca, mantendo ela bem fechada antes que começasse a xingá-la na frente da minha mãe, elas sabiam que eu não iria ao show, eu avisei que não iria, eu avisei.— "D.Heloísa, amanhã vai ser o último show da turnê do grupo deles, é o show mais importante e esperado de todos, a senhora vai junto não vai? "

Minha mãe virou para mim em ansiedade, já que nunca tinha ido a um show dele, porém, sem entender o por que deu ter omitido isso dela. Mudei minha expressão na hora, tendo que engolir minha vontade de enforcar aquela que se dizia minha amiga, ao explicar que só tinha um ingresso e como ela estava aqui, eu não iria.

  — " Aish! Que bobagem." — Bonghee comentou animada surgindo com pratinhos e o tiramisu de volta para a sala. — " É só você ligar pra ele e avisar que sua omma está aqui, que também quer ir ao show e pronto, problema resolvido. "

As olhei sem acreditar que estavam de complô contra mim, logo depois Daniela fez a tradução para a minha mãe e aí pronto.

...

Bufei.

— " Vocês são as duas pessoas mais patéticas da Coréia. " — minha mãe já tinha subido, eu disse que ajudaria na arrumação de Bong antes de voltar para o apartamento, mas estava mesmo prestes a matá-las.

  — " Não tanto quanto vocês dois querida. " — Daniela me provocou e assim que eu fiz menção de partir para cima dela, Bonghee a puxou para trás no sofá aos risos.

Andava de um lado para o outro sem saber o que fazer.

— " Isso não vai dar certo, nem tenho mais o número dele, como vocês acham que eu vou ligar e simplesmente pedir outro ingresso?"

Dizendo que isso era fácil, Daniela pegou meu celular, adicionando um número nele antes de me devolvê-lo. 

Li o nome do meu mais novo contato: Jung Hoseok.

Minha boca caiu aberta ao olhá-la de volta.

Não tinha mais o número dele também, na realidade, quando troquei de chip fiz questão de não adicionar nenhum deles para não correr o risco de fazer uma besteira depois.

  — " E você tem o contato do Hoseok, por que...?" — perguntei mais desconfiada ainda quando a vi ficar com metade do rosto cor de rosa, como se fosse uma criança ela corou na minha frente.

Sério isso?

Guardando o celular de volta no bolso, ela disse que sempre tinham reuniões juntos, e resolviam muitas coisas sobre as coreografias com Sungdeuk-shi, então, trocaram os números e tinham até um grupo com os outros dançarinos no Kakao.

Eu sabia onde isso ia dar, ah sabia mesmo.

  — " Por que estão fazendo isso comigo?" — perguntei tão sofrega ao passar as mãos pelo cabelo.

Vindo até mim, Bong me estendeu as suas, e mesmo que eu não tenha as segurado de volta, ela me forçou a encará-la.

  — "Não estamos fazendo isso porque estamos contra você, ou algo assim. Entenda, que nós duas não aguentamos mais te ver desse jeito, e eu não aguento mais o Haneul me enchendo a paciência por causa do Chang e até sua omma já percebeu que você está estranha. Então, por favor, só vá lá veja o que ele quer te falar, conversem e tire todos nós de dentro desse poço sem fim. "  

Nos encaramos sem trégua, meus olhos tremiam. 

O pior de ouvir isso, é que ela estava certa, eu estava fazendo isso com minhas amigas, não só estava me afundando, como estava levando todos a minha volta comigo.

Assim, fiz a ligação mais vergonhosa para Hoseok em busca do número novo de celular dele, fazendo em seguida a segunda ligação mais vergonha da minha vida, pelo menos enquanto estava sóbria.

De costas para as duas e de frente para a porta, quis bater minha cabeça naquela superfície até desmaiar quando ele atendeu.

— " Yoboseyo? " — sua voz sonolenta atendeu no terceiro toque.

Meu Açúcar.

Silêncio.

Com a respiração presa, de olhos fechados e me contorcendo por dentro, permaneci sem abrir a boca para respondê-lo, eu não conseguia, só não conseguia fazer isso.

  — " Yoboseyo? "  

Respirei fundo e com muita dificuldade respondi, embora bem baixinho antes que ele desligasse a ligação.

    — " Sou eu. "  — minha voz saiu com um sopro.

Ouvi sua respiração também ser solta, mas quando ele respondeu, não mostrou surpresa.

    — " Eu sei." 

...

O táxi chegou.

Em dia de show, era praticamente impossível encontrar vaga perto do Complex Olympic, então a melhor opção era táxi.

Dei uma última olhada no espelho, meu cabelo estava meio solto e meio preso, tinha escolhido um vestido vermelho de alças, ele odiava vermelho e odiava aquele vestido, eu também não gostava muito, mas queria irritá-lo.

— " Vamos, não quero chegar atrasada."— nitidamente mais apressada do que eu, minha mãe já estava a caminho da porta.

Pelo menos uma de nós estava animada.

No caminho, me atraquei em seus braços tentando não pensar em nosso encontro, até que ela me tirou dos meus devaneios.

— " Sabe minha filha, outro dia mesmo eu estava pensando e acho que o seu pai gostaria muito dele. " — assim que mencionou o meu pai, me aconcheguei mais em seu corpo, não precisava perguntar porque sabia que ela estava se referindo a Yoongi. — " Apesar das diferenças culturais óbvias, acho que os dois se dariam muito bem, já que mesmo diferentes são muito parecidos em vários aspectos. Mesmo longe, eu fico despreocupada e realmente feliz por você ter encontrado alguém que te ame como o seu pai me amou." 

Enquanto estávamos juntos, muitas vezes essa semelhança me passou pela cabeça, meu pai também era um homem calado, mas como Yoongi, fazia o que tinha que ser feito sem que você pedisse ou esperasse por isso. O que era certo, também era certo e o que era errado estava errado, meu pai era um homem muito honesto e muito sério na maioria das vezes, apesar de ter muito mais humor do que o mais novo.

Suspirei baixinho ao sentir o quentinho de uma única lágrima rolar pelo canto do meu olho.  

E não isso o que dizem?

Que você procura alguém como o seu pai, ou algo assim?

Não sou o Freud, muito menos a Electra, mas no final, eles eram muito parecidos.

...

Os portões lotados, a gritaria iminente e minhas pernas bambas quase fizeram com que eu desistisse pela milésima vez. 

Apertei os braços em volta do meu casaco preto, embora não estivesse tão frio, me sentia completamente gelada, mas a combinação do material felpudo com o corpo quentinho da minha mãe me aqueciam, mesmo que minimamente.

Em meio aquela multidão de Armys, por causa do tumulto demorei uns 10 min até finalmente encontrar o portão VIP, e lá encontrar um dos staffs do Bangtan me esperando no lugar onde Yoongi tinha dito. 

Eu não o conhecia, de certo era um dos novos staffs que a empresa contratou ao longo de todos esses meses em que estamos separados. Após mostrar os documentos, e ele ter certeza que minha mãe e eu não eramos fãs malucas e espertinhas, com um cumprimento, ele nos deixou passar.

Chegando ao nosso lugar de destino, tropecei nas minhas próprias pernas quase caindo, quando os vi sentadinhos ao lado do lugar que seria o nosso.

Claro que eles estariam ali, olhando em volta, notei a família dos outros meninos, vislumbrei a silhueta da ''noona do Taehyung'' e sorri para o irmão mais novo do Jimin que era a cara dele. Todos estavam aqui para apoiá-los e me perguntei se deveria estar junto, já que ali ao lado da família dele não era mais o meu lugar.

Mais uma vez quis arrastar minha mãe para a saída e dar meia volta dali, não seria fácil, mas ela já tinha me visto.

Respirei fundo e apertei as mãos de minha mãe avisando que eles estavam ali também.

— "Annyonghashimnika." — curvei a cabeça em respeito a Sra. e ao Sr.Min.

Ao se levantar ela me cumprimentou com tapinhas nas costas como sempre fazia, seu sorriso era igualzinho ao dos filhos.

— " Ah vocês chegaram."— na mesma hora que me soltou ela e minha mãe se atracaram e quase não se soltaram mais. 

— "Ye eomeoni."

Ajeitei minha bolsa no colo, me sentando meio desengonçada, abri, porém decidi por não retirar o casaco, não era minha intenção chamar tanta atenção com aquele vermelho.  Na verdade, assim que chegamos  procurei me camuflar ao máximo, para não ser alvo das olhadas, ou dos cochichos, por sorte entramos bem rapidinho, acho que nossa ex relação já era notícia velha, então, meu único problema agora era a sensação de deslocamento ao lado da sua mãe.

Seus pais me trataram como se não soubessem que nós dois tínhamos terminado, que aquele idiota era um covarde, disso eu já sabia.

Mesmo que não gostasse das comparações, Yoongi também era muito parecido com o pai, não tanto fisicamente, mas sim no jeito. O Sr.Min nos cumprimentou com um sorriso respeitoso e reservado, e continuou quietinho no seu canto, enquanto a mulher me bombardeava de perguntas querendo saber se as fãs continuavam sem trégua fazendo com que eu passasse por tempos difíceis, e outras que eu já nem sabia mais como responder. 

Servi de tradutora entre as duas até o momento em que as luzes foram diminuídas, e uma voz anunciou para o meu alívio que o show iria começar. 

...

O Sr.Min tinha uma army bomb, o quão errado era querer rir disso?

Balançando religiosamente seu apetrecho, ele não desgrudou os olhos do palco, mais especificamente, do filho. Nós estávamos bem pertinho, e por mais que esse não fosse o rumo que tinha sonhado para o filho, esse pequeno momento de condescendência fez com que meu peito já fragilizado palpitasse mais um pouquinho.

A gritaria não tinha fim, uma vez Yoongi tinha me dito que lá do palco ele sentia como se as army bombs fossem estrelas e todas brilhassem para ele na mesma hora, dei uma olhada em volta, concordando com seu modo de ver o mundo, era verdade.

Com a expressão mais boboca possível, minha mãe gritou nos meus ouvidos.

  — " Minha filha olha quanta gente, eu não pensei que ele fosse tão famoso. Agora entendo porque a Isabella fala mais deles do que você." — depois de mais de quatro anos, no meio daquela gritaria sem fim, minha mãe tinha finalmente descoberto a fama do BTS.

No final, cada um deles fez um pequeno agradecimento as famílias, aos fãs, ao Band PD e a todos que os ajudaram em mais uma jornada, que o Bangtan trabalhava duro, isso ninguém poderia negar. O último a falar foi o Yoongi, quando começou seus agradecimentos vi seus olhos voarem diretamente para onde os pais estavam sentados, passando rapidamente por mim.

Toda vez que tinha que fazer algo assim, ele travava.

Era tão tímido, mas quando começava a falar, na verdade, quando ele e o Namjoon começavam a falar você já sabia de onde saiam a maioria das músicas do grupo. 

Fazendo uma pausa ao carregar no rosto o mesmo sorriso sem graça que seu pai mantinha ao lado, pensei que tinha terminado, mas ele continuou e dessa vez, virou os olhos para mim.

Ao seu lado esquerdo, Seokjin manipulava as cores das army bombs, e os fãs acompanhavam o seu comando, mas eu só tinha olhos para aquele homem que estava tão longe, parecendo tão perto de mim.

— " Eu queria fazer algo especial para os fãs como um presente pelo final da nossa turnê, pensei por um tempo, e decidi mostrar a nossa música nova." —  o estádio foi a loucura com a menção de uma canção inédita. — "Talvez, algumas pessoas possam acreditar que nasceram apenas para serem sozinhas durante toda a vida, talvez você seja uma dessas, quem sabe eu seja uma também. Mas aí você encontra alguém, uma pessoa especial, um pontinho vermelho no meio das estrelas. " — ele disse essa parte olhando diretamente para mim e a cor das army bombs mudou também para o vermelho, a mesma cor do meu vestido. — " E mesmo que o mundo esteja contra, você passa a acreditar que aquilo é possível." 

Não tinha como ele estar me enxergando direito, mas contra as probabilidades, seu corpo junto com seus olhos ficaram na minha direção por tanto tempo que eu quase acreditei que ele podia  sim. 

Que ele me via da mesma forma que eu via ele.

  — " Deem amor a ' Let me know'." — terminando sua fala, logo uma melodia começou a tocar na voz de Taehyung, em seguida foi sua vez, depois disso eu não vi e nem escutei mais nada, não precisava nem mais de oxigênio, porque só o que me mantinha viva, era o meu Açúcar. 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...