1. Spirit Fanfics >
  2. Não me chame de Hofferson >
  3. Essa é Berk!

História Não me chame de Hofferson - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oii guerreiros

Eu tô ansiosa para os próximos capítulos

Desculpem os erros

Capítulo 4 - Essa é Berk!


Eu costumo voar bastante com a Tempestade, sempre estamos pelo céu alcançando alturas incalculáveis, mas sempre voltavámos algumas horas depois do pôr do sol, e agora voaremos porém não será em Berserk a nossa direção final.

Eu não sei por quanto tempo ficaremos fora, mas eu me arrisco a dizer que não pisaremos aqui tão cedo de novo, por isso coloquei na minha bolsa de couro tudo o que eu iria precisar, e prendi o meu machado na sela de Tempestade - de preferência, bem perto de mim. Nunca se sabe o que pode aparecer.

- Astriiiiid - eu estava arrumando a sela do meu dragão quando escutei um grito agudo que estava longe e do nada estava atrás de mim, e assim que me virei, vi Dorothy, ela era uma garota da academia e tinha nove anos. Eu me apeguei á ela quando ela chegou aqui, da mesma forma que eu. Ela era muito especial para mim e a amo como uma irmã mais nova - Eu vou sentir tanto a sua falta - disse ela, pulando no meu colo.

- Eu também vou sentir a sua falta, Dothy! - afirmei a abraçando. Eu vi Dagur e Heather se aproximando com seus dragões e deduzí que estavam prontos e e já era a hora de partirmos. Sería muito difícil deixar a Dothy para trás, mas vikings têm guerras para enfrentar, o nosso lugar em Valhalla depende disso - Dothy, eu tenho que ir. Eu prometo que vou voltar e te contar tudo o que eu viver lá em Berk - a coloquei no chão e ví aqueles olhos castanhos tristes, o pior golpe que eu poderia levar.

Olhei ao redor e vi toda a vila ao nosso redor para a despedida, e no meio deles eu vi Rato. Certeza que ele está feliz com a minha partida, e claramente iria dar uma festa mais tarde. Ví meu tio e me despedí de longe enquanto subia em Tempestade, eu não podia ir lá e dar um abraço de despedida nele pois haviam muitos vikings e sería difícil passar por eles até chegar no meu tio. Então enquanto decolávamos, eu, Dagur e Heather ouvimos os gritos eufóricos do povo de Berserk, como se estivessem nos mandando energias, aquilo significou tudo para mim.

[...]

- Já estamos chegando? - perguntou Dagur pela quinquagésima e quarta vez. Estávamos voando á horas e dessa vez tive que dar razão ao Dagur, estava me cansando de ver o mar infinito e o sol estava escaldante, acho que estava começando a desidratar.

- Estamos Dagur - afirmou Heather, ela era praticamente um mapa e conhecia de cor todas as ilhas que iam além de Berserk. Ele fixou seu olhos em mim, e eu percebi que estava constantemente limpando o suor de minha testa com as costas de minhas mãos - Você está bem, Astrid? Parece exausta.

- Eu estou bem - eu estava mentindo. Para eu desmaiar em cima de Tempestade, era dois palitos. A verdade é que eu estava rezando á todos os Deuses para meu corpo não fraquejar.

- Porque as loiras são tão teimosas? - Perguntou ela retóricamente, vasculhou sua bolsa e me jogou um cantil de água, que eu não disfarcei e bebi todo o líquido de uma vez. Felizmente eu sei a hora que tenho que parar de ser teimosa para não morrer, mas eu nunca diria isso em voz alta. Aliás...

- Eu não sou teimosa - sou sim, mas vou fingir que não porque fico incomodada quando alguém me coloca adjetivos.

- Astrid, você estar dizendo que não é teimosa, já é a prova clara que você é - ela disse piscando. Revirei os olhos e acelerei o vôo, fingindo indiferença e pude escutar as risadas dela atrás - Eii, olha para lá - gritou ela, chamando a minha atenção, ela apontou para frente e eu acompanhei com os olhos...

Meuodintodopoderosoondeeuestou?

Nos aproximamos de uma ilha habitada por alguma tribo. É surreal a sofisticação desse lugar: há alguns mecanismos em cima das casas com gigantes tinas de água - suponho que aquilo seja algum tipo de sistema anti incêndio - e de longe, era possível ver um espaço gigante com uns desenhos de dragões, não sei o que é isso, e olhando no centro tem uma estátua gigantesca do Stoico esculpida nas pedras dos grandes relevos.

Haviam tantos dragões, de várias cores e tamanhos e eles eram tão absurdamente populosos, que eu acho que os bichos de estimação não eram eles e sim os vikings.

Esse lugar é único!

Sem fôlego, constatei, Essa é Berk!


Notas Finais


As coisas vão ficar intensas nos próximos capítulos 😬

Até a próxima ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...