1. Spirit Fanfics >
  2. Não me chame de Hofferson >
  3. Educada? Impressão..

História Não me chame de Hofferson - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Oii guerreiros

Eu sei como vocês estão doidos para ver Hiccstrid, e eu nunca iria recusar escrever sobre o início da "relação" 😏

Capítulo 5 - Educada? Impressão..


Fanfic / Fanfiction Não me chame de Hofferson - Capítulo 5 - Educada? Impressão..

Pousamos na ilha e atraímos olhares investigadores dos vikings próximos. Tudo ficou quieto por uns momentos e eu me sentí desconfortável pois o único barulho eram os que os dragões emitiam, e a maneira curiosa que eles nos olhavam era desconcertante.

Desci do meu dragão e olhei ao redor procurando o líder no meio daquele mar de gente - como eu poderia achá-lo se eu nem sabia quem ele era? - . Me lembrei do que o meu tio disse, sobre ele negar ajuda mesmo estando em uma guerra contra Drago, e pensei: e se ele fosse um desses vikings podres que tem um ego estratosférico e que não se importa com a vida dos outros, que ele arrisca a vida dos próprios Berkianos apenas para provar soberania e se recusa a mudar a situação e aceitar ajuda? Meu sangue ferveu com essa possibilidade desumana, mas eu sabia o quão paranóica eu estava sendo, aquilo não tinha sentido nenhum, o treinador de dragões reuniu duas espécies em guerra, porque ele travaria uma guerra com a sua?. Vi alguns vikings se aproximando como se fossem interagir.

- Heather, Dagur.. e você quem é? - perguntou um viking com longas tranças loiras.

- Astrid. Me chamo Astrid - disse firme, embora não precisasse, ele não parecia ter intenções hostís.

- Mano, porque não me esperou? - perguntou uma moça, que chegou correndo, era muito idêntica á ele. São gêmeos, com certeza - Heather, Dagur! Quanto tempo! - ela olhou para mim - E você é?

- Mana, o nome dela é Astrid - disse o rapaz - Essa cópia mal feita minha, se chama Cabeça Quente Thorston, e eu me chamo Cabeça Dura Thorston - ele se aproximou e cochichou no meu ouvido - Eu sou o gêmeo original, até a primeiro e o último nome ela roubou de mim.

A garota loira o puxou pelo chifre de seu elmo e o mandou calar a boca, e do nada eles começaram a discutir. Sinceramente, eu não vim aqui para ver dois patetas brigando. Eu, Dagur e Heather nos olhamos descontentes.

- Heather!!! - exclamou um outro viking, ele era bem grande e forte, tinha o cabelo loiro. Eles pareciam bem próximos pela forma que se abraçaram.

- Perna-de-peixe, que bom te ver - disse ela, ao se afastar do abraço. Ela me olhou e apontou para mim - Aquela é a Astrid.

- Muito prazer, Astrid - disse o viking. Ele parecia bem simpático. Respondi com o meu típico "o prazer é todo meu" genérico, eu sei.

Ficamos conversando até eu escutar um barulho funesto no céu. Eu congelei na hora, primeiro por causa do susto, e segundo por que o barulho era amedrontador e sombrio. E ele era acompanhado por um vulto negro e rápido. Ele foi se aproximando, e chegando cada vez mais perto e só aí eu percebi que minhas mãos estavam desesperadas pela posse de meu machado - que estava preso na sela de Tempestade, ou seja, longe demais para pegar.

O vulto ficou menos assustador quando ele parou, ou melhor pousou ao nosso lado. Era um dragão, e era um fúria da noite e havia alguém montando ele.

Eu estou diante do treinador de dragões, equipado com uma armadura muito bem projetada. Ele desceu do fúria da noite e retirou seu capacete e eu sentí que todo o ar de mundo sumiu.

Sério, como alguém tem coragem de dizer que Thor é o Deus nórdico mais bonito quando existe esse homem? Estoico e sua mulher fizeram bem quando estavam trabalhando na fabricação desse viking.

- Heather! Dagur! - cumprimentou ele, com um ar nostálgico - os filhos de Osvaldo, o abrasível - exclamou ele logo depois olhou para mim. Aqueles olhos esverdeados eram capazes de me hipnotizar facilmente - Fiquei sabendo que vinham...hum e você? É filha de quem?

Boa pergunta. Eu responderia se soubesse, mas ao invés de dar uma resposta concreta, questionei internamente o porquê deles terem tanto fetiche em sobrenomes e famílias.

- Astrid, e eu sou filha de seres tão irrelevantes que nem valem a pena serem lembrados - eles são desconhecidos - e então? Como vamos planejar as táticas de batalha? - perguntei puxando o meu machado e ele me deu um sorriso divertido. Ele deve ter gostado do meu entusiasmo.

- Me chamo Soluço Haddock.

[...]

Estávamos caminhando para, o que segundo Soluço, era a arena de batalha deles. Enquanto nós aproximávamos, vi um viking - que parecia ter a idade do Dagur - caminhando até nós.

- Como vai, chefe? - disse ele, para Soluço, que afirmou estar tudo bem, ele voltou sua atenção para mim - Saudações, eu sou Eret, filho de Eret - esse negócio de sobrenome e linhagens nunca acaba, não? Thor, isso é tão irritante.

- Astrid Berserk - me apresentei educada, coisa que era disfarce e ele iria acabar em 3,2,1..

- Hahaha, chacota o Líder de Berserk e a sua equipe de guerreiros eficientes. O único que se salva é o Dagur, pois o resto é piada, duas garotas que ele jura que irão mesmo ajudar no combate. Vocês já viram a loirinha? Hahaha, a delicadeza em pessoa, aposto que não sabe nem posicionar um arco e flecha - zombou um homem, no meio da arena. Ele estava zombando de mim?? A voz dele tinha um ego tão profundo que o tom até se elevava e o pior é que tinha gente concordando com ele.

Eu vou quebrar a cara dele.


Notas Finais


Meu Thor, a Astrid vai comer o ** desse cara KKKKKKKKK
Aliás, algum palpite sobre quem seja ele? Vamos, vocês são inteligentes, os maus hábitos prevalecem e vaso ruim é inquebrável 😉

Até o próximo divertimento da Astrid 😂❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...