História (Não) Odeie Kim Mingyu - Capítulo 5


Escrita por: e ElectronicHeart

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Personagens Originais, Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Jihancheol, Junhao, Meanie, Seokchan, Verkwan
Visualizações 298
Palavras 3.384
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Pois é, quem é vivo sempre aparece, por isso, não me castrem pela demora do capítulo.

Esse capítulo foi 89% escrito por mim, @ElectronicHeart, mas aí me bateu um puta bloqueio criativo, e a @hoshitbae (vulgo a antiga @psychoco) terminou ele pra mim.

OBRIGADA, MINHA FADA, DONA DO MEU CORASHAWN!!! ♡♡♡

PREPAREM-SE PRA DEGUSTAÇÃO, porque é hoje que eu compenso vocês pelo(s) capítulo(s) passado(s), que deixaram vocês... na vontade.

vou parar de bostejar

Leiam com moderação (ou não *moonface*)

Capítulo 5 - (Não) dá pra acreditar


Fanfic / Fanfiction (Não) Odeie Kim Mingyu - Capítulo 5 - (Não) dá pra acreditar

Jeon Wonwoo

Há um segundo atrás, enquanto Mingyu ainda me balançava na porra do balanço, eu me joguei pra frente e consegui descer. Me ferrei todinho, pois eu caí rolando, mas logo em seguida, Mingyu percebeu que aquela era a hora perfeita pra correr, e foi o que ele fez.

ㅡ DESGRAÇADO! ㅡ Esbravejei, logo correndo atrás do mesmo.

Eu ainda tava meio tonto devido aos movimentos que aquele resto de aborto havia feito no balanço ㅡ jurava que eu tava mais embriagado que Mingyu, que havia se entupido de cachaça ㅡ, mas nada me impediu de correr atrás do mesmo.

Então, estava eu atrás de Mingyu, trouxíssimo em acreditar que ele correria até onde o pessoal estava... mas quando fui ver, nem eu sabia onde eu havia me enfiado.

Caralho, cadê Mingyu?

Saporra não é pique-esconde pra ficar um evaporando da visão do outro, não!

ㅡ Fudeu. ㅡ Te garanto, eu tava prestes a chorar.

Olhei ao seu redor, e não achei uma prova de que eu estava perto de alguém. Talvez dos fantasmas que atormentam minha vida, mas só talvez. Mas do jeito que a (minha) vida é, é capaz do demoniozinho que me assombra estar comendo a alma pura de alguém ㅡ e digo no sentido físico carnal, já que um demônio não serve só pra te atormentar, ele também quer viver a eternidade dele, aish.

Eu já tava com muito medo. Eu tava tão assustado que sentia que daqui há alguns segundos, eu me cagaria todo. A única opção era... chamar por Mingyu...

Tenho mesmo que apelar pra isso? Aish...

ㅡ Cadê você, ô desgraçado? ㅡ Eu me recusava parecer indefeso! Chamar somente pelo seu nome só provaria que eu precisava dele mais do que eu já precisava antes.

Ninguém respondeu, e eu já esperava pelo "cri-cri" dos grilos, mas como a senhora minha vida decidiu que em um momento como esse eu deveria ficar TOTALMENTE sozinho (só pra tomar no cu, mesmo), nem o grilo eu ouvi cantar.

Ai nou iu sou nou...

Eu precisava chamar por ele. E a minha vontade era de gritar: "MINGYU, PELO AMOR DE DEUS, DOS ANJOS, SANTOS, ARCANJOS E PROFETAS, ME TIRA DAQUI, POR FAVOOOOR!!!". Só que isso era coisa de viado, e eu não era viado. Eu era um homossexual trabalhado na purpurina e criado à base de leite Ninho (eu sempre preferi paetê, na verdade), e a prova de que eu era um gay macho, mesmo que eu tenha tomado banho de glitter durante minha infância, era o fato de eu ser um emo, gótico, trevoso do mal (é o assunto da pauta, vocês nunca vão parar de ouvir/ler isso). Embora eu sempre tenha sonhado em ser o passivo de qualquer relação, eu ainda podia ser um homão da porra. Portanto, a única coisa que eu falei foi:

ㅡ Não adianta se esconder, Mingyu. Sabe que uma hora eu vou acabar te encontrando. ㅡ É, foi só isso mesmo.

Esperei dois ou três segundo pela resposta, mas, como anteriormente, nadica de nada de Kim Filho Da Puta Pau No Cu Mingyu responder. Isso me deixou muito puto, além de me deixar com mais medo.

ㅡ Mingyu, aparece. Já tô quase desistindo...

E quando penso que não... Páá! Mingyu apareceu de trás de uma árvore, fazendo-me tomar um puta susto e dar um grito tão agudo que tenho certeza que os cachorros do outro lado da cidade puderam ouvir. Mano, foi tão intenso que eu tranquei o cu com tanta força que não entrava um fio de cabelo.

ㅡ QUE PORRA, MINGYU! AIGOO! ㅡ Pus a mão sobre o peito, extremamente assustado e ofegante.

E o infeliz começou a gargalhar. Gargalhar, não, pois há uma certa classe em gargalhar. Ele começou a esgoelar. Isso mesmo, esgoelar.

ㅡ Ri, desgraçado. Tomara que morra engasgado.

Eu não achava aquilo nem um pouco engraçado. E eu não compreendia o motivo de tanta chacota da parte dele.ㅡ Wonwoo ㅡ ele secava a lágrima do rosto com um dedo. ㅡ, a sua cara... ㅡ riu mais. ㅡ foi a melhor!

ㅡ Vai tomar na profundeza do seu furingo, lixo de ser humano! ㅡ Esbravejei, puto, puto, puto.

Aos poucos, Mingyu se recuperava. E, aos poucos, ia se aproximando de mim.

E, aos poucos, eu recuava disfarçadamente.

ㅡ Wonwoo, relaxa.

Ele sorria descontraidamente para mim. Mas eu não queria essa intimidade com ele, então, cruzei os braços e virei o rosto. Famosa ceninha de deboche feat. Jeon Wonwoo.

ㅡ Você tem estado muito tenso, ultimamente. ㅡ Continuou, ainda aproximando-se. E como o ciclo é vicioso, eu recuava. ㅡ Precisa se desestressar.

ㅡ Mingyu, como vou me desestressar se você sempre aparece pra atormentar minha vida?

A essa altura, eu já tava completamente escorado na árvore atrás de mim, o que me deixou mais tenso do que, segundo Mingyu, eu já estava. E por falar nele, Kim se ainda se aproximava de mim. Cacete, ele tava andando muito rápido, até que parou quando nossos corpos estavam colados.

Ele encostou sua testa na minha, o que me permitiu sentir sua respiração. Logo em seguida, pegou em meu maxilar com a mão direita, me fazendo olhar novamente no fundo de seus olhos.

ㅡ Deixe-me fazer isso por você. ㅡ Ele respondeu.

E já estou ciente de que vou tomar no cu mais uma vez.

Sentir novamente seus lábios nos meus foi pedir pra morrer, mas também era como pedir passagem pra entrar no céu. O céu, no caso, seria a boca de Mingyu, com seu famoso e surreal gostinho de cereja. E como já era de se esperar, pedi passagem com a língua, coisa que felizmente ele cedeu.

Enquanto praticamente nos engolíamos, Kim desabotoava minha camiseta aos poucos, até ficar totalmente aberta e deixar meu abdômen à mostra. Assim que seu trabalho estava concluído, senti seus másculos dedos entrarem em contato com minha pele, onde ele acariciava delicadamente e, vez ou outra, arranhava.

Mas, para minha infelicidade, Mingyu logo cessou com o beijo que eu percebi que eu amava demais, mas em compensação, desceu os lábios até a curvatura do meu pescoço. Lá, pude sentí-lo depositar beijinhos molhados e lentos, coisa que me fazia ir à loucura. Ele conseguia ser calmo e gentil como da última vez que nos pegamos, mas dessa vez, Mingyu era mais... intenso.

"Não para, Mingyu, por favor..."

ㅡ Wonwoo ㅡ ele me chamou aos sussurros, mas não respondi. ㅡ, não quero que hesite em absolutamente nada, agora. Prometo fazer você gozar, dessa vez.

Ai, meu caralho ㅡ que, com certeza, já tava ㅡ grosso, eu não aguento esse tesão!

Eu ofegava de prazer com os olhos fechados e jogando a cabeça para trás. Envolvi meu braço direito no pescoço de Mingyu apenas por instinto, e este não hesitava em me presentear com seus carinhos. Logo, partiu os beijos do meu pescoço para minha clavícula, onde lambeu e beijou da mesma forma que havia feito em meu pescoço.

Kim arrastou suas mãos até minha cintura onde a apertou levemente, me fazendo ter um prazer absurdo. Com a boca ainda em minha clavícula, ele desceu até chegar em meu tórax, levantando os olhos para encarar minha expressão de prazer. Não hesitei em encarar de volta.

Meus arrepios eram incessantes, e Mingyu fez com que estes aumentassem quando ele começou a descer a boca para cada vez mais lá em baixo... primeiro, beijava meu abdômen exposto; em seguida, passava a língua na região abaixo do meu umbigo. Fazia tudo isso com seus olhos fixos aos meus.

Mas esse garoto é um sem vergonha! Literalmente.

Mas a tensão realmente subiu quando Mingyu começou a abrir o cinto da minha calça. Dessa vez, ele não me encarava. Estava muito concentrado em me despir para ficar olhando pra mim. Eu estava muito nervoso, nunca fizeram isso em mim. Como ele era capaz?

Saí de meus pensamentos ao olhar para baixo e o ver beijar meu membro coberto pela cueca boxer. O pior era que eu já delirava de prazer pelo simples fato de o ver naquela posição, pronto pra fazer...

"Ele não vai fazer isso..."

Não pude conter o gemido alto que soltei quando o senti meter quase todo o meu membro em sua boca. Joguei mais uma vez a cabeça enquanto o sentia envolver seus lábios lindos e quentes ao redor da base do meu membro, fazendo movimentos para frente e para trás. Enterrei uma mão em seus cabelos negros para, assim, ditar os seus movimentos, enquanto o prazer percorria o meu corpo.

"Sim, ele fez."

Eu movimentava sua cabeça calmamente para não parecer desesperado, e também pra ele não se sentir desconfortável caso eu fizesse rapidamente. Afinal, eu não queria que ele desistisse tão cedo. Comecei a acariciar sua cabeça como forma de retribuição pelo... carinho que Mingyu me proporcionava.

"Ai, como eu amo esse filho da puta!"

ㅡ Oh, Mingyu...

Eu havia prometido a mim mesmo nunca mais gemer perto dele porque eu sempre parecia uma vadia. Mas era incontrolável. A forma como ele me chupava era surreal, e aposto que ninguém que estivesse em meu lugar teria forças pra controlar um gemido.

ㅡ Mais rápido, Mingyu, mais rápido. ㅡ Ainda que tivesse soado como uma ordem, consegui ser delicado.

E assim Mingyu fez. Ele estava em uma velocidade em que eu, certamente, nunca conseguiria atingir. Sua mão colaborava com seu trabalho: arrastava meu membro da mesma forma que sua boca fazia, levando-me cada vez mais ao delírio.

Mas ele cessou. Cessou com os movimentos que fazia com a boca, cessou os movimentos que fazia com a mão. Assim que pôde afastar seu rosto de meu membro, começou a limpar os lábios, que certamente estavam melados de pré-gozo.

Mingyu levantou, e logo juntou sua boca à minha. Iniciamos mais um beijo, mas eu ainda estava totalmente incrédulo.

ㅡ Não, Mingyu... ㅡ balbuciei, enquanto ele novamente levava seus lábios ao meu pescoço. ㅡ Você prometeu... que...

ㅡ Relaxa, Jeon. ㅡ Ele sorriu pra mim. ㅡ Ainda não terminei.

Kim retornou a devorar meus lábios, enquanto eu entrelaçava meus dedos em seus fios negros. Algo que era interessante era que, de alguma forma, Mingyu conseguia ser profundo ao me beijar, e como diabos alguém consegue ser profundo ao beijar uma pessoa? Eu simplesmente adorava aquilo nele, e isso fazia com que eu morresse mais de paixões pelo mais novo.

Eu estava totalmente em desespero pelo seu toque interno. Eu precisava sentí-lo de qualquer forma. E aquele simples, porém maravilhoso, contato labial não era suficiente para apagar meu fogo.

Eu precisava de mais.

"Me dê mais, Mingyu!"

Ao me tocar de que sua mão começou a massagear delicadamente o meu membro, senti algo como se fosse um choque elétrico invadindo meu corpo, e gemi delicadamente. Vi um sorriso sapeca surgir na face do Kim, e assim que sugou meus lábios novamente, começou a fazer movimentos de vai e vem com sua mão.

Eu tava alucinando, você pode ter certeza!

Mas o que eu pensava que seria delicado, tornou-se algo... violento, digamos assim. Não totalmente, o fato era que sua mão fazia movimentos violentamente rápidos em meu membro. E, convenhamos, eu tava amando aquilo demais! Mingyu, como o perfeito safado que era, encostou sua testa na minha, olhando-me profundamente nos olhos, o que me obrigou a encará-lo de volta. Peguei no lado direito de seu maxilar com o intuito de puxar seu rosto e novamente encostar nossos lábios, mas hesitei. Caso eu o fizesse, perderíamos nosso intenso (e bota intenso nisso!) contato visual. E os olhos de Mingyu eram perfeitos demais para não serem admirados.

E assim ficamos dirante alguns estantes: Mingyu, me masturbando loucamente ao tempo em que me encarava nos olhos; e eu, gemendo ㅡ como a vadiazinha que eu era/parecia ser ㅡ e sentindo aquela sensação maravilhosa que era ser tocado pelo Kim.

ㅡ Oh... que merda, Mingyu! ㅡ Soltei. Eu precisava falar dessa forma; o que Mingyu fazia com meu psicológico era surreal demais.

ㅡ Nossa, Jeon! ㅡ Ele abriu aquela porra daquele sorriso lindo pra mim, sem tirar a atenção de meus olhos. ㅡ Pensei que fosse mais delicado.

Delicado?! Eu?! Num momento desses?!

Qual é, Mingyu, não caga o clima!

ㅡ Me pede pra eu te fazer gozar, vai. ㅡ Ele me deu um selinho, aumentando a pressão de sua mão.

Eu precisei me segurar no pescoço do mais novo pra não correr o risco de cair no chão quando eu perdesse totalmente a força dos meus membros inferiores.

ㅡ Anda, Wonwoo, tá esperando o quê? Fala mais uma vez pra eu te fazer gozar, hein? ㅡ Mais uma vez, meus lábios foram presentados com um selinho, e logo ele os aproximou de meu ouvido, sussurrando. ㅡ Faz igual você fez ontem quando estávamos só nós dois naquele laguinho. Você lembra? Se lembra da forma fodidamente deliciosa em que você gemia no meu ouvido? A maneira como você se esforçava pra não gritar o meu nome? Hein, Wonwoo? Me fala.

"Puta que pariu, Kim Mingyu, você é o ser mais gostoso de toda a porra do universo!"

ㅡ S-sim... Mi... Mingyu... ㅡ minhas forças estavam se esgotando.

ㅡ Hum, bom ouvir isso. ㅡ Ele me deu um chupão no pescoço tão forte e tão delicioso que eu poderia gozar naquela mesma hora. ㅡ Foi bom, não foi? Não foi, Wonwoo? Acredite quando eu digo que me arrependo muitíssimo de não ter te fodido lá mesmo. Sabe, você parece ser tão delicioso... e tão apertadinho também... Oh, Wonwoo, como consegue ser tão perfeito assim?

Ele deu uma leve risada, e continuou:

ㅡ Wonwoo, Wonwoo... você sabe o sacrifício que me foi sair daquele jeito de perto de você? Lá naquele lago... nossa, eu estava prestes a gozar só em ouví-lo me implorar daquele jeito. Foi tão sexy a maneira como você falava comigo, tão excitante... deu pra ver na sua alma que você não queria estar longe de mim nem um pouquinho.

Caralho, e eu definitivamente não conseguia entender como eu ainda não havia gozado depois de ouvir todas essas palavras saídas da boca de Mingyu.

Mas eu também não queria gozar tão cedo. Eu tinha que aproveitar o máximo de tudo, de cada sensação, de cada momento.

ㅡ Por favor, Wonwoo, pede mais uma vez pra eu te fazer gozar, que eu prometo que faço. Oh, você não faz ideia de como eu me senti ao ouví-lo falar daquele jeito, tão necessitado, tão desesperado. Eu sabia o quanto me queria dentro de você, e essa era a minha vontade: foder com você até atingirmos o último orgasmo possível, pra depois fodermos mais e mais até o ponto em que eu pedisse pra você me foder também. Seria tudo tão delicioso e perfeito. Você é delicioso e perfeito, Wonwoo. Por favor, por favor, estou te implorando.

Mingyu iniciou uma seção de selares em mim, manhoso, com o intuito de dizer: "faz isso por mim, por favor". A essa altura, ele deveria estar achando que eu não estava confiando nele, só que essa ideia nem mesmo havia passado pela minha cabeça. A verdade era que a sensação de prazer era tão forte que me impedia de falar, e o máximo que eu conseguia fazer era somente ofegar e gemer.

Bom, era isso que eu achava antes de ele fazer algo que, definitivamente, me fez sentir o cara mais apaixonado desse mundo:

Pegou em meu maxilar de forma tão carinhosa que eu não tava entendendo o que tava acontecendo, puxou meus lábios para o selinho mais carinhoso que pudemos dar e, com tom de choramingo, ele mais uma vez implorou:

ㅡ Por favor, meu amor, faz isso por mim...

Acho que não havia como eu me apaixonar mais.

ㅡ Faz, Mingyu. ㅡ Balcuciei, em forma de sussurro. ㅡ Me faz gozar, por favor.

Recebi mais um selinho antes de Kim encarnar o Flash e aumentar mais (algo que eu julgava impossível) a velocidade de sua mão. Eu tava feliz pra caralho por saber que finalmente Mingyu me faria gozar, e isso me excitava de forma inexplicável.

— Você é meu, Jeon. Somente meu e de mais ninguém, não é?

— S-sou, Kim. Sou somente seu.

— Então, meu amor, goze pro seu homem, hum?

O desgraçado sussurrou em meu ouvido, coisa que me fez tremer e soltar um gemido libertador. Finalmente ter gozado era de uma sensação inexplicável, eu sentia todo o meu corpo sofrer espasmos de um modo o qual nunca tinha acontecido antes. Entretanto, eu não queria que Mingyu parasse, queria poder passar o resto de minha vida ali, com ele fazendo uso de suas mãos habilidosas e de sua boca quente.

E, nossa, isso parece aquelas fanfics hot do Wattpad.

— Gostou? — Ele perguntou, sorrindo, enquanto fazia um carinho na minha bochecha, ato que me fez fechar os olhos e suspirar.

Eu odiava aquele filho da puta. Odiava o jeito que ele me iludia e o fato de que eu caia em seus joguinhos como um idiota. Odiava o fato de ser perdidamente apaixonado por Kim Mingyu.

— Eu te odeio.

D I A    S E G U I N T E

Era meu último dia naquele inferno o qual era conhecido como acampamento, e eu agradecia a Deus por isso, afinal eu tinha cedido às muitas provocações do Kim e me amaldiçoava com todas as forças por isso.

Iríamos embora no final da tarde e pensando nisso o treinador Jaeyong resolveu que teríamos que fazer várias atividades para distração da galera. E isso envolvia uma trilha maluca a qual estava repleta de dicas as quais nos levariam até uma cachoeira, que seria o nosso "tesouro". O primeiro a chegar lá escolheria dois amigos, e esses junto a si poderiam ficar liberados dos restos das atividades diárias.

Entretanto, eu era sedentário, e com esse pensamento eu sabia que qualquer pessoa poderia ganhar isso, exceto eu. Afinal, olha pra mim, eu sou fodido o suficiente para saber que não tenho chances, porque se eu ao menos tentar... vai dar merda.

Eu não deveria ter pensamentos tão negativos, na verdade queria ser tipo o Mingyu que sequer tem pensamentos. Nem sei se ele tem cérebro depois de sussurrar aquele "goze pro seu homem" no ouvido. Bom, admito que adorei, mas ele não precisa saber disso. Ninguém precisa, na verdade, apenas eu e minha cabeçinha idiota que vai passar o resto da eternidade repetindo "Mingyu me chamou de amor".

Eu sou muito idiota, credo!

— Vamos, pessoal. — Um apito soou e eu sabia ser Min Jaeyong querendo acabar de foder com tudo. — Formem suas duplas.

Eu estava sem Minghao e Seokmin ia com o namoradinho dele, ou seja, ou eu iria sozinho ou eu iria com Joshua Hong. Sabe, nada contra o menino Joshua e tal, mas ele tem um olhar meio assassino, além de que se a gente perdesse ele poderia ter um ataque de raiva e eu poderia ser seu alvo de ataque.

— Monitor, posso fazer sozinho? ㅡ Perguntei, tremendo mais que vara-verde.

— Jeon, eu vou ter que repetir? Duplas! — Usou aquele apito maldito novamente. — Agora, forme a sua!

Me aproximei de Joshua, ficando ao seu lado vendo ele me olhar meio assassino. Joshua é meio psicopata, cadê o Jun? Não gosto dele mas, vamo com ele mesmo.

— Não precisa ter medo, Wonwoo. — Tentou me tranquilizar. — Eu sou calmo na medida do possível. Sou culto e espiritual também. É só não me irritar.

— COMO ASSIM, A GENTE PERDEU? — Joshua gritava. — A GENTE PERDEU PRO WOOZI? O WOOZI SÓ GANHOU PORQUE SOONYOUNG TROUXE ELE NAS COSTAS!

— Hey, Jisoo, calma. — Dizia Jaeyong, se aproximando lentamente com medo de levar uma bofetada. — Vamos beber uma água, sim?

— BEBE A ÁGUA DA MINHA CHUCA ENTÃO, FILHO DA PUTA!

Eu que não iria me meter naquela briga de loucos. Fui me afastando até poder finalmente relaxar, observando a cachoeira. Era realmente um lugar bonito, apesar do grande número de pessoas escrotas espalhadas por ali. E todos sabemos que eu odeio pessoas, mas era o que tinhamos para hoje já que...depois do escândalo que Joshua fez, o treinador preferiu cancelar o resto das atividades. Ele até poderia tentar suspender Joshua, mas não acho que ele iria ter essa coragem, e além disso, Seungcheol — o namorado de Joshua — conseguiu o convencer de que seu namorado não voltaria a fazer mais aquilo.

Puff, iludido!

Resolvi entrar na água ficando um pouco mais afastado das pessoas, afinal odeio pessoas e tal e vocês já sabem, mas tô aqui pra seguir o roteiro.

Tudo se mantinha normal, até mesmo Joshua gritando com seu namorado, como aquilo era injusto! Seokmin e Chan quase transando do meu lado.

— Abaixem o fogo no cu, cacete!

Continuando...

Hansol e Seungkwan estavam literalmente fodendo, já que era evidente a mão do americano dentro da bermuda do outro — impróprios 62 —, e Mingyu beijando Yoon Jeonghan.

Espera...

MINGYU TA FAZENDO O QUÊ?

Lição número cinco, crianças: não tem lição hoje porque tô muito puto.


Notas Finais


Foi assim, a @hoshitbae escreveu a partir da frasesinha "Você é meu, Jeon", e tals, e eu escrevi do parágrafo acima... pra cima.

É só pra vcs saberem como funcionou.

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO, PQ EU AMEI DEMAIS.

Um beijo na sua rola ou na sua ppk 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...