História Não penso nele! ( Imagine Jeon Jung-KooK) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, ITZY, Somi
Personagens Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jeon So-mi (Somi), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Yeji
Visualizações 21
Palavras 1.358
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - 13. Essa aproximação.


Fanfic / Fanfiction Não penso nele! ( Imagine Jeon Jung-KooK) - Capítulo 13 - 13. Essa aproximação.


“Rejeitada, Abusada psicologicamente, Usada, Difamada por ele, mas mesmo assim meu amor continua crescendo.”








Não penso nele! 

13. Essa aproximação.



Estados Unidos–

Hollywood–

17:O1 PM.


Sozinha, nessa situação que estou, sozinha. Jeon saiu junto com os meninos e sua  amiga, e eu? Bom, eu quis ficar, não queria atrapalhar eles.


Confesso que estou sentindo um pouco de ciúmes dessa garota, ela já viveu grudada com ele e pesnar nisso me deixa desconfortável.


Assistia uma novela qualquer na TV, não passava nem um programa que eu gostasse. Bem, tinha programas onde BoyBand eram chamados para fazerem desafios, Jogos, mostrarem seus talentos, cantar, dançar; mas não estava afim de ver no momento. Aquele horário o céu estava neblinado, bem frio. As cobertas que me esquentavam eram grossas, meu travesseiro era macio e confortável, e aquela panqueca com o suco, ah~ parando pra pensar, não estava sendo tão ruim assim ficar sozinha.


Meu celular começa a tocar, com a preguiça que habitava em mim, estiquei minha mão até a mesa de centro, quase caindo, mas consegui pegar o aparelho. Vi na tela e era minha mãe, deslizei o dedo para o lado iniciando a ligação.


Oi, Mother.


Oi, daughter. Como está tudo por aí? 


— Está tudo bem!— Sorri.— E como está por aí?


— Na mais pura paz. Você e Jeon estão conseguindo se virar sozinhos? 


— Aham, vamos juntos para a escola.— Dei mais uma garfada na panqueca, levando até a minha boca.


— Que bom, querida! Ah...estou sentindo sua falta.


— Eu também estou sentindo sua falta, mom.— Exclamei, cabisbaixa.


— Oh, o mês já está quase acabando, daqui a pouco mamãe volta para os seus braços.— Deu uma risadinha no final da frase.— mamãe tem que desligar, vou sair agora. 


— Okay, se cuida mãe, te amo, e toma cuidado nas ruas.


— Sempre se preocupando.— Riu.— Tchau querida, te amo.— Ela encerrou a ligação e eu fiquei encarando a tela lembrando da mesma.


— Acaba logo outubro, acaba logo.


Vamos entrar.— Escuto uma voz familiar do lado de fora, olho para a porta vendo Jeon entrar junto com todos os garotos e sua amiga.


— Olha só, comendo panqueca.— Taehyung pula no sofá, pegando um pedaço da minha refeição.


— Está pedindo pra morrer, né jovem?— Arqueei uma sombrancelha, fazendo o mesmo rir. 


— Eu também quero!— Jeon afirmou, se aproximando, mas escondi o prato.— Que? Mas que tipo de murriagem é essa? — Cruzou os braços. Revirei os meus olhos, dei uma garfada na panqueca mandando ele abrir a boca, o mesmo fez o'que eu pedi e dei em sua boca. Confesso que foi a coisa mais fofa do mundo.— Hm, que delícia! Você é uma cozinheira de mão cheia.— Fez um "Ok" com os dedos.


— Desculpa aí, mas só eu posso elogiar ela, de boa?— Taehyung diz olhando para Jeon com os olhos estreitados.


— Folgado você, hein.


— Vamos parar de competir? Obrigado.____, por que a Meggie não veio?— Jin-.


— Ela disse que tinha que resolver umas coisas com os pais.— Ele murmurou um "ata" meio pra baixo.


— Sei lá, agora me deu uma sede.— Suga deu a volta no sofá, pegando o meu suco.


—Mas que folga é essa?— O olhei indignada, enquanto o platinado dava um GOLE no meu suco.


— Kookie?— A garota finalmente se pronunciou.


— Sim?


— Já que você está dormindo aqui, vamos ficar um pouco no seu quarto? Estou cansada! — Fez um bico.— Ah, se importa ___?— Senti deboche no seu tom, mas dei de ombros dando um sorriso simpático permitindo que ela pudesse dormir aqui.— Brigada. Vamos, Kookie?— Ele assentiu sorridente, os dois subiram ficando por lá.


— Estou sentindo que vai rolar algo...— Jimin-.


— Fica quieto.— Hoseok lhe deu um soco de leve no braço.


— ____, você podia ensinar a gente a fazer essas panquecas. Parecem ser bem deliciosas.— Namjoon comentou interessado.


— Okay. Masterchef ativar!




— Caralho, isso é muito bom!— Fechou os olhos aproveitando o gosto.


— Olha os modos, Taehyung.— Jin-.— Falar de boca cheia é falta de educação.


— Tsc, deixa eu.— Rio.— Onde aprendeu a fazer isso, e tão bem?


— Minha mãe fazia quando eu era pequeno, acabei que aprendi.— Sorrio lembrando.


Maehogjeog-in.— O olhei confusa.— Oh, desculpa. Quer dizer "fascinante" em coreano.


— Ele não está acostumado com o inglês, aí algumas vezes solta frases na nossa língua original.— Hoseok-.


— Tudo bem. E obrigada por achar minhas panquecas Maehogjeog-in.— Eles arregalaram os olhos. Não sei porque, eu só falei uma pequena frase.


— Alguém aqui aprende línguas muito rápido.— Jimin manda indireta.


— Que isso! Foi só uma pequena frase.


— Só para você ter ideia que é talentosa em tudo, nem mesmo Hye-suun que é coreana consegue pronunciar algumas frases na língua.— Me senti intrigada com isso.


— Cala a boca, Namjoon. Eu sei muito bem falar em minha língua.— Nossa atenção foi diretamente para a escada, Hye estava com um blusão do Jeon sem nada por baixo ( Só a calcinha) , já o mesmo estava com uma calça moletom e com seus ABS amostra. Okay, o'que aconteceu no quarto Cristo?


— O'que aconteceu? O'que estavam a fazer no quarto sozinhos?— Jin questionou desconfiado.


— Nada de mais, Hyung.— Sorriu. Fingindo demência, isso sim.


— Conta outra, tá na cara que os dois transaram.— Acabei engasgando com a panqueca, todos olharam pra mim desesperados começando a bater nas minhas costas.


— Tá', Tá', eu tô bem, eu tô bem.— Tossi me levantando.— Eu vou subir, fiquem a vontade, mas nem tanto. — Passei por eles saindo da cozinha, subi as escadas e entrei no meu quarto trancando a porta.— Meu deus...— Preciso falar com a Meggie, preciso desabafar com alguém.— Cadê?— Procurei o aparelho nos bolsos do meu moletom, mas...— Merda, deixei na sala.— Suspirei. Andei até a cama me jogando nela.— Por que a vida é uma merda?


— ___? Você está bem?— Jeon?


— Estou, só fiquei com sono mesmo. — Gritei vendo sua sombra em baixo da porta.


— Ah, que bom. Eu e o pessoal estamos aqui em baixo assistindo filme, qualquer coisa vem assistir conosco.


— Tá!— Logo ouvi seus passos se distanciarem.— Mas que merda, por que não pedi meu celular?— Bati na minha testa.— Tonta.
















Um tempo se passou, já eram meia noite. Me lavntei da cama, andando de finho em direção a porta, abri a mesma com cautela e quando desci as escadas, vi os meninos dormindo na sala. 


O Jungkook não me disse que esses demônios lindos iam dormir aqui?


Tentei ir até o centro sem pisar nos meninos, peguei meu celular e sai dali, mas eu vi que a luz da cozinha estava acesa. Me aproximei da mesma indo apagar a luz, só que vi uma cena que não queria ter visto....


Jeon beijava Hye na bancada da cozinha com uma luxúria que nunca tinha visto antes, nem com a Somi ele era assim.


Fiquei paralisada ali, sem saber o'que fazer, estática. 


— ____?— Ele me olhou espantado. Hye desceu da bancada arrumando sua roupa.— Por que está acordada até agora?— Virou seu rosto constrangido.


— D-Desculpa, eu pensei que você estivesse lá em cima e que algum dos meninos tinham esquecido a luz da cozinha acesa. Desculpa, E-Eu--


— Tudo bem, nós já iamos subir.— Assenti saindo dali o mais rápido possível.


Porta, porra, porra. Por que você é tão burra? Por que você gosta dele sua idiota?— Fechei minhas duas mãos, batendo em minha cabeça.— você é uma imprestável, só nasceu pra fazer escolhas erradas, você deveria ter morrido no lugar do seu pai, arrrrgh.— As lágrimas já caiam descontroladamente.— Merda!— Me sentei no chão largando meu celular em um canto qualquer do cômodo.— Eu me odeio.



Eu sabia que aquela aproximação dês de manhã não era comum.





Notas Finais


Triste! ;(

Me desculpa por qualquer erro! Amo vocês, ateeeeeeee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...