História Não posso seguir sem você - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Neji Hyuuga, Rock Lee, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shin Uchiha, Shion, Shisui Uchiha, Shizune, Suigetsu Hozuki, Tamaki, Tayuya, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Adulto, Amor, Bebida, Comedia, Fanfic, Naruto, Revelaçoes, Romance, Sakura
Visualizações 13
Palavras 1.475
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Estou retornando com essa obra também publicada no Wattpad, só que como uma história comum! Espero que gostem.

Capítulo 1 - Capítulo Um - Não quero mais você.


Fanfic / Fanfiction Não posso seguir sem você - Capítulo 1 - Capítulo Um - Não quero mais você.

— Ele me chamou de idiota, imatura, infantil... E disse que sou facista.— Eu reclamei observando Ino.

— Você não acha que foi um pouco imatura não? Você devia confiar mais nele. Ele não é um garoto que iria te trair. — Ino falava.

— Ah... Eu sei... Mas... Um homem comprometido não devia ir numa festa cheia de garotas.— falei.

— Ah Sakura! Pare com isso, está sendo imatura demais... Se continuar assim, nunca vai conseguir se manter com ninguém.— Ino meio que brigou comigo.

A porta foi aberta pelo lado de fora, escutamos as trancas sendo destrancadas. Sasuke entrou, ele carregava um olhar altivo como o de um felino, ele estava com uma mochila grande vazia, seus cabelos negros estavam mais bagunçados que o normal, a barba um pouco rala e vestia-se com o habitual: calça jeans, blusa larga camuflada e botas. Ignorou a presença de todos.

— Como você está, Sasuke? — Ino perguntou para ele.

— Estou ótimo, nunca estive melhor, agora me sinto melhor por que não tem ninguém para me acusar de querer sair com outras mulheres.— Disse na cara de pau. Eu quis intervir, mas meu nome não foi citado.

— Como eu estava falando, Ino.— Comecei.— Ele até que é bem legal, nos conhecemos na universidade.

Ele por um momento parou e começou a colocar as roupas na bolsa, junto com outras coisas que eram suas. Ele escutou tudo o que eu estava dizendo, mesmo que a pessoa de quem eu falava não existisse. Eu queria fazer ciúme, queria que ele demonstrasse que estava errado e pedisse desculpas.

— E é bem bonito também. — Fiz ênfase na frase.

— Bom, até mais Rose, tenho que me encontrar com alguém.— Sasuke falou e pegou suas coisas saindo. Ele bateu a porta.

— QUEBRA MESMO, A PORTA NÃO É SUA! — Gritei e ele abriu de novo me encarando.

— Por que não deixa de ser chata e imatura? — Perguntou. Eu olhei bem fundo em seus olhos cristalinos.

— É impossível, sua presença me irrita.— Falei não com tom de brincadeira dessa vez, e sim com hostilidade.

— Quer iniciar uma briga? — Ele largou a mochila no chão e andou um pouco mais para frente.

— Não vou discutir com você.— Virei a cara.— Sai logo do meu apartamento ou vai voar pela janela.

— Não ligo para esse seu apartamento idiota.— Ele pegou a mochila e bateu minha porta de novo.

— O que foi isso? — Ino perguntou perplexa.— Vocês têm problemas.

— Você adivinhou agora? Aliás... Com quem ele vai se encontrar?.

— Olha, eu vou embora agora, e você... Sei o que se passa nessa sua cabecinha... Nada de seguir ele. Ouviu? — Ela apertou minha bochecha e saiu rebolando os quadris enquanto seus imensos cabelos loiros tampavam a maior parte de suas costas.

— Como se eu fosse fazer isso...

~*~*~* [...] * [...] *~*~*~

Ele virou a esquina da Evarston, passou na frente da nossa faculdade e agora está entrando em um café. Tem alguém com ele, não consigo ver através do vidro. Peguei meu livro na mochila e minha touca rosa, coloquei na cabeça e entrei fingindo ler o livro, acabei escolhendo uma mesa um pouco afastada dos dois. Ele está sentado com um menino, eu o conheço, é o melhor amigo dele, Suigetsu, conversamos muitas vezes.

— Você acredita nisso? — Sasuke falou para ele. — Para uma menina que não lava nem a própria louça ela quer mandar demais em mim.

Ele estava falando de mim, eu lavo as louças às vezes, não sei por que ele diz isso, um homem que não lava nem as próprias meias me julgando por não saber lavar louça.

— Ela não sabe lavar louça? — Suigetsu perguntou.

— Ela não alcança a pia.— Ele zombou e os dois começaram a rir.

— Ele... — Fecho os olhos e respiro fundo tentando acalmar o ódio que se aflora dentro de mim.

O sino da portinha bateu, alguém tinha entrado, era uma garota ruiva, alta e esbelta, pele repleta de sardas que deixavam-na mais bonita, apesar de seus cabelos serem um pouco mal cuidados. Ela sentou na mesa com eles, escolheu a cadeira ao lado do Sasuke, ela parecia animada.

— Como foi a aula? — Perguntou a ele.

— Foi ótima, bem melhor agora que não tem ninguém no meu pé.— Ele falou. Aquilo doeu.

— Terminou com a criancinha do primeiro ano? — Ela falava de uma forma tão má.

— Sim, cansei dela enchendo meu saco.— Ele respondeu e eu me levantei.

— Olha, não é sua Sakura ali? — Suigetsu apontou na minha direção. Sasuke pareceu um pouco surpreso, não por eu estar ali, e sim pela minha reação, tenho certeza de que ele sacou o que estava acontecendo ali.

Larguei o livro e a touca sobre a mesa e deixei o lugar, peguei meu celular e disquei alguns números, aliás, o único número que eu sabia de cor. Naruto é um dos meus únicos amigos em quem confio, claro, ele também é amigo do Sasuke, mas sabe guardar segredos. Parei em uma loja de conveniência no meio enquanto esperava ele atender.

— Alô...— Falei.

— Ah, olá Sakura.

— Vai fazer algo hoje a noite? — Perguntei separando algumas garrafas de bebidas e colocando sob o balcão.

— Não, vou só ficar em casa mesmo. Aconteceu alguma coisa?

— Sim, vou na sua casa hoje a noite e vamos beber. Levei um pé e estou morrendo por dentro. Tchau. — Não dei chance dele responder e logo desliguei. — Vou levar essas quatro.

O homem parecia ter escutado minha conversa, ele entreolhava meu telefone e minhas compras. Ele abaixou-se no balcão e pegou uma espécie de brinde que eles costumavam a dar. Se tratava de um abridor de garrafas personalizado com o nome da loja e me entregou com um sorriso. Apesar de não conhecer o funcionário gorducho, eu senti vontade de abraça-lo, mesmo não me conhecendo ele tentou me fazer sentir bem.

— Desculpe ouvir sua conversa.— Falou.— Espero que fique tudo bem.

— Obrigada... — Fiquei sem jeito.— Espero que Deus lhe ouça.

Eu tentei sair o mais rápido dali, me senti constrangida, fui direto para casa e troquei aquelas roupas horríveis por algo mais sútil. Depois de tudo aquilo eu peguei minhas bebidas e fui direto para casa de Naruto, ele saberia como me ajudar. Atravessei a rua e fui para o prédio da frente, ele morava em um dos últimos apartamento. Conversei com o porteiro e ele me mandou subir.

Aqui estou, quarto 212, toquei a campainha e ele atendeu após alguns segundos. Naruto está com os cabelos presos em um pequeno e curto rabo de cavalo que caia em sua nuca, vestia uma bermuda jeans preta e uma blusa cinzenta, uma franja rala caia sobre sua testa com algumas mechas desregulares.

— Vamos lá, conta tudo. — Ele me falou e puxou para dentro.

— É aquele idiota, ele terminou comigo, disse que eu sou idiota, imatura e infantil demais para ser namorada dele. Ele nem sequer me amou, não é mesmo? E ainda zombou que não sei lavar louça e nem alcançar a pia!

— Ele é um idiota... — Ele colocou dois copos sob a mesa de centro e eu peguei um travesseiro e me joguei no tapete felpudo.

Meu celular começou a apitar, SMS chegando. Um trás do outro. Eu olhei e vi o remetente, quis jogar o celular na parede, mas como eu gosto de sofrer vou abrir e olhar. Brincadeira. Só curiosidade mesmo.

"Você é retardada?

Estávamos brincando.

Você não sabe nem disfarçar, todo mundo sabia que eras tu.

Você é a única pessoa na face da terra que usa touca rosa de cachorrinhos felpudos."

— Aquele... — Abaixei a cabeça.— DESGRAÇADO!

— Para começar, me dê esse celular. — Naruto tomou meu celular e jogou em uma gaveta.— Eu avisei para você como ele era, agora vê se para com essas frescuras. Ele não quer mais? Foda-se, siga em frente, chega... Chega de ser essa pessoa. Para de pensar que você é uma falha, pois é errado. Não pode se considerar uma falha só por que uma pessoa disse que não gosta do seu jeito. Doeu? Doeu. Mas agora passou.

— Você tem razão. — Falei. — Pode servir as bebidas? Eu quero continuar jogada aqui.

— Você acha que ele ainda quer você? — Perguntou.— Sabe, as vezes pode ter sido uma decisão de momento.

— O que é uma decisão de momento?

— Uma decisão que você toma em um certo momento, está arrependido dela, mas busca não demonstrar por que é orgulhoso demais para dizer o contrário.— Explicou enquanto despejou vinho no copo.

— Não quero pouco, me dê um copo grande. — Me levantei e fiquei só sentada. — O maior copo que tiver.

— Não acho que seja seguro você beber tanto...

— Não é para ser seguro, é para esquecer.

      [...] Quarenta minutos depois.... [...]


Notas Finais


Até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...