História Não se segure (Jikook) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Gay, Hot, Jikook, Jimin, Jungkook, Porn
Visualizações 28
Palavras 2.186
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Eu quero Kook


Fanfic / Fanfiction Não se segure (Jikook) - Capítulo 1 - Eu quero Kook

Narração Jimin


JK: Qual é Jimin, a gente tava indo tão bem. - Jogou os cabelos para trás parecendo muito irritado, e realmente estava.


JK: Desculpa Kookie, você pode me levar pra casa? - Falei baixo, enrolando mais ainda o lençol no meu corpo.


Se levantou nú da cama e se aproximou de mim.


JK: Não. Que tipo de cara você acha que eu sou? Que transa com as pessoas e depois vai embora? Foi a sua primeira vez okay é normal que vocês esteja confuso. - Meu rosto queimava lembrando em detalhes o que a gente fez, seu corpo nú me fazia queimar e me interior pedir por mais, do mesmo jeito que implorei noite passada quando seus dedos circulavam minha entrada, filho da puta sabe o que faz.


JM: O que a gente fez foi muito errado, homem não podem se deitar com outros homem, é pecado. - Falei mais pra mim do que para ele.


JK: Você não tava pensando nisso a algumas horas atrás. - Ficou de frente pra mim, a cara de bravo me deixava com vontade de quero mais, minha bunda formigou no local onde recebi um tapa ontem, me senti uma puta, e gostei disso.


JM: Não fala assim. 


JK: E o que você vai fazer? Voltar pra casa e fingir que nada aconteceu? Ai no futuro se casar com uma mulher e ter filhos, se é que você vai conseguir transar com uma mulher.


JM: Eu vou me redimir, e vou sim ter uma família! - Senti seu gozo balançar dentro de mim, me arrepiei inteiro.


JK: Pensa um pouco, olha o que a gente fez, olha o tanto que você gozou na sua primeira vez, você conseguiria foder uma mulher? - Segurou minha cintura, apesar de sua carranca seus toques era graciosos e macios.


Acho que já esta na hora de assumir, eu sou gay, gay passivo.


Neguei com a cabeça e o beijei, assim que seu susto passou já que meu ato foi repentino senti sua língua adentrar minha boca, seus braços rodearam minha cintura o levando pra si, me senti domado, e me entreguei outra vez aos encantos de Jungkook.


Prazer eu sou Park Jimin, filho de um pastor, vindo de uma família conservadora e homofóbica, acabei de perder a minha virgindade com um homem, pelo qual estou de quatro, literalmente de quatro pedindo para ser fodido.


                                🎬


~Horas antes~


JM: Só aceitei dormir aqui por causa do trabalho da faculdade. - Me justifiquei assim que a porta foi aberta, dei de cara com um Jungkook de cueca, esse que sorriu sacana assim que me viu.


JK: Claro o trabalho. - Abriu passagem. - Entra por favor. - Entrei e coloquei minha mochila sobre o sofá, o apartamento é pequeno e acolhedor, apesar de um pouco bagunçado, é perfeito. - Quantos dias você pode ficar aqui?


JM: O Final de semana e segunda. - Senti um beijo no meu pescoço e me afastei.- Para com isso se não eu vou em bora. - Meu coração acelerou.


JK: Você é meu por três dias, não estrague a felicidade do meu coração apaixonado. - Me abraçou com força.


JM: Hm, tô com fome.


JK: Tem leite.


JM: Pode ser. - Sorriu safado pra mim. - Axi, você é um chato. - Cruzei os braços.


JK: Desculpa bebê. - Me deu um selinho e saiu em direção a cozinha sem que eu tivesse chance de me defender ou simplesmente xingar.


JM: Idiota. - Mirmurei, mordi os lábios sentindo pinicar.


|YA pOrQuE ELe FaZ ISsO?| 


Peguei meu celular na mochila e fui até a cozinha.


JM: Você poderia botar um roupa? - Encarei a bunda arrebitada já que esse estava procurando algo no final da geladeira, curvando um pouco as costas.


JK: Eu estou na minha casa ué, uma das regras aqui é ficar o mais a vontade possível.


JM: Você tem visita!


JK: Você é meu futuro namorado.


JM: Convencido. - Sentei na cadeira do balcão.


JK: Realista. - Saiu da geladeira com um pote de ciriguela.


JM: Me dá. - Negou. - Qual é? Me dá.


JK: Só se você me dar um beijo.


JM: Não. - Senti o formigamento do selinho roubado aumentar.


JK: Se eu não vou usufruir dessa boquinha gostosa, você não vai comer ciriguela.


JM: Jogo sujo Jungkook, só um beijinho. - Qual é essas frutas são as minhas preferidas.


Se aproximou de mim sorridente, afastou minhas pernas com a mão e ficou entre elas, segurou minha cintura e eu fechei os olhos, senti meu coração acelerar e meu estômago revirar de ansiedade, seus lábios macios tocaram os meus e pela primeira vez senti a língua doce tocar a minha, acho que vou desmaiar, não faço a mínima ideia do que fazer, eu nunca beijei poxa, seus lábios se afastaram minimamente dos meus.


JK: Faz o que eu fizer. - Voltou a colar nossas bocas.


Apesar de ser vergonhoso eu estar beijando um homem, e ainda ter que ser ensinado a como beijar, eu curti o beijo, e para a minha tristeza Kook encerrou com um selinho.


JK: Hoje é o dia mais feliz da minha vida. - Sorriu de orelha a orelha, soltei um sorriso também já que sua felicidade me contagia.


JM: Aproveitador. - Peguei uma das frutinhas e comi.



                       |וו×|


Quando estamos na casa dos outros a hora de dormir é sempre a mais difícil, principalmente quando esse outro te intimida a dormir consigo e ainda tem a pouca vergonha e descaramento de estar tomando com a porta do banheiro aberta com box de vidro translúcido.


JK: Não encara muito não, vai que você fica de pau duro. - Se virou de frente enquanto passava a bucha no abdômen definido.


Tapei meus olhos sentindo meu rosto queimar.


JM: IDIOTA!


JK: Sou lindo, olha meus gominhos, meu caralho é grande, olha como está mole e continua grande.


JM: Para retardado. - Segurei minha vontade de olhar.


Dar na cara dele*


Deitei na cama ainda com as mãos sobre os olhos, sentindo o macio da cama, arrastei meus pés sobre ela sentindo a textura gelada, não sei quanto tempo passei ali, mas fui acordado de meus devaneios sentindo os lábios macios tocar minha bochecha.


JK: Baixinho lindo. - Murmurou.


JM: Você não perde uma né.


JK: Ya. - Concordou descaradamente. - Vamos, tome um banho okay.


JM: Tá. - Me levantei e peguei a toalha já separada, Jungkook estava só com uma samba canção vermelha com minúsculas bolinhas pretas, não que eu esteja reparando, provavelmente ele dormirá assim, e vamos discutir sobre a falta de vergonha na cara.


Fui para o banheiro levando a mochila comigo, tranquei a porta do banheiro ignorando os pedidos pra deixar aberta.


Arranquei minha roupa e entrei no box, em um ato completamente idiota e sem sentido liguei o chuveiro estando embaixo dele, sem me distanciar para somente entrar quando a água estivesse morna.


JM: AAAH. - Como uma lagartixa assustada pulei do outro lado do box me segurando na porta por causa do escorregão.


JK: Jimin? - Bateu na porta. - Abre essa porta.


JM: QUE MERDA VOCÊ TEM NA CABEÇA PRA TOMAR BANHO NA ÁGUA GELADA NESSE FRIO? - Gritei indignado.


JK: Hahahajj. - Descarado sem vergonha. - É só trocar a temperatura ué, se você alcançar claro 


JM:É isso que eu ia fazer. - Na verdade eu nem tinha pensado nisso. - E para de falar que eu sou pequeno. - Ouvi um riso irritante seu.


Como alguém pode rir bonito desse jeito?


Desliguei o chuveiro com todo cuidado do mundo para não tocar novamente na água, fiquei na ponta dos pés para alcançar o registro, e foi isso não alcancei.


JM: Foi praga só pode. - Falei baixo pra ele não escutar minha derrota.


Procurei um rodo ou alguma coisa para me ajudar mas não encontrei nada.


Com a cara mais cínica possível abrir a porta do banheiro, segurando a toalha com toda força do mundo, encarei o senhor altura que estava parado na porta me esperando, com um sorriso de "eu falei" estampado na cara feia.


JM: Cala boca.


Ergueu as mãos em sinal de rendição.


JK: Pronto, me agradeça com um beijo.


JM: Sai. - Empurrei para fora.


JK: Me agradeça. - Empacou.


JM: Obrigado.


JK: Não desse jeito.


JM: Não vou te beijar outra vez.


Segurou minha cintura  me causando arrepios.


JK: Você é tão branco, lhe falta bronze, duvido nada de ser rosinha. - Falou do nada, senti meu rosto queimar. - Por que está com vermelha? Não me diga que eu tô certo.


JM: Sai daqui. - Empurrei.


JK: Eu quero ver.


JM: Minha nossa senhora. - Fechei a porta com força.


JK: Vou bater uma pensando na sua entrada rosa, licença.


JM: Pervertido!


JK: Apaixonado. - Corrigiu.



          

                             ⭕-⭕


JM: Para de me abraçar. - Bati em sua mão.


JK: Chato. - Senti um vento frio adentrando as cobertas e minha bunda, que por algum motivo desconhecido é a parte mais frienta do meu corpo, gelou, ouvi um barulho, tipo quando o celular tira uma foto e então raciocínei, se minha bunda está sendo ventilada é por que estou descoberto, e atrás de mim tem um ser tarado, e nessa mesma trás ouvi um barulho de foto sendo tirada.

Me virei devagar e olhei para o Jeon que segurava o celular sorrindo.


JK: Fico maravilhado com essa rabetania. 


JM: Me da o celular. - Tentei pegar, mas ele afastou a mão. 


JK: Vem pegar. - Colocou dentro da cueca, é claro que fez questão de erguer o pano o suficiente para ou conseguir ver seu pau.


JM: Eu não vou relar dessa minhoquinha. - Ofendi do jeito mais baixo possível.


JK: O QUE? - Pulou na cama e prendeu minha mão Sobre a cabeça. - Pede discupa' por ofender Kookizinho, apesar do nome ele é enORME.


JM: Eu não acredito que você falou isso. - Comecei a rir, gargalhar na verdade. - Kookizinho.


Me empolguei e movi o rosto ralando minha boca na sua, o clima pesou e apesar de me sentir vulnerável por estar arraganhado já que suas penas estavam entre as minhas e preso por suas mãos, mas eu estava gostando, to' achando legal o fato desse drama todo é porque eu ofendi o Kookizinho.


Saiu de cima de mim se jogando na cama.


JK: Tô de mal.


Levantei e sentei sobre suas coxas, retirei o celular que estava metade fora.


JM: Desculpa Kookizinho. - Tentei segurar a risada.


JK: Aigoo, não faça isso Mochi. - Tentou me tirar do seu colo, mas eu não sai.


JM: Por que? - Dedilhei seu abdômen definido, desenhando corações 


JK: As pessoas podem se aproveitar de você. 


JM: Eu não sou uma criança Kook.


JK: É inocente, acha que não, mas é. - Fez caminho na minha coxa. - As pessoas podem se aproveitar da sua inocência e fazer coisas ruins com você.


JM: Você faria coisas ruins comigo? - Brigava mentalmente comigo mesmo por saber que aquilo estava errado,mas lembrei da discussão que tivemos com o meu pai, essa briga foi o motivo de eu vir correndo para Jungkook, apesar de idiota e tarado ele me faz feliz.


JK: Não. - Encarei seus olhos, um nó na garganta apareceu, ele não queria fazer essas coisas comigo? Então quer dizer que ele não gosta de mim? - Não faria nada que você não permitisse. - Respirei aliviado, era só isso afinal. - Mas eu não sou todo mundo.


JM: Kookie. - fiquei cara a cara consigo, queria beija-lo ao mesmo tempo que queria correr para orar e pedir perdão por desejar tanto esse pecado em forma de gente, toquei seus lábios com delicadeza, coloquei minha língua em sua boca e fui recebido com sucesso. Os gritos dos meus pais escoaram em minha cabeça "você não pode ter amigos gays", "você não pode desobedecer", "eu disse pra você mulher que isso de faculdade não era boa ideia, onde já se viu perder uma reunião do grupo de jovens por causa de trabalho de escola", Jimin não pode isso, Jimin não pode aquilo, descontei minha raiva no beijo, o ato de fazer algo tão proibido me excita, se eles descobrirem que eu estou beijando um homem agora. - Eu quero que você me ensine.


JK: Ham? O que?


JM: Eu quero fazer amor. - Falei o mais baixo possível, felizmente ele escutou, acho que não teria coragem de repetir.


JK: Você é hétero Chim. - Falou, senti vontade de rir, não aguentava mais me enganar.


JM: Eu passo o dia todo imaginando isso, eu quero transar e quero que seja com você, eu gosto de você Jungkook. - Assumi, já tinha me esquecido de qualquer problema, dessa vez ele me beijou, foi diferente, nos virou na cama e voltamos a posição inicial, ele por cima de mim.


JK: Vamos devagar okay? Caso você queira parar é só falar. - Tirou minha blusa.









   Acordei com os raios de sol sobre mim causando uma calor confortável, senti  braços sobre mim, encarei a cama bagunçada e algumas camisinhas jogadas no chão, tentei entender o que estava acontecendo e alguns flashs vieram lentamente em minha memória.

 JK: Você é rosinha mesmo. - Beijou minha entrada. - Lisinho e limpo, você se preparou para mim? Bom saber.

                               

JM: Mais rápido Kookie. - Pedi empinando mais a bunda, a posição era um tanto vergonhosa, mas eu não estava nem aí queria me sentir desejado e fodido.

                                •

JK: Geme pra mim vai, gosta do meu pau dentro de você? - Perguntou sem pudor algum.

                                 •

JM: Quero ir por cima agora.

                                 -

Encarei o homem nu que me aconchegava em seu peito.


JM: Aí MeU JeSuS dE JeOVá. - Pulei da cama.











Notas Finais


Continua?

Views em epiphany


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...