História Não sou inocente, Hobi. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 273
Palavras 1.648
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction Não sou inocente, Hobi. - Capítulo 1 - Capítulo único.


1. Não sou inocente, Hobi.


 Hoseok;


Quinta-feira;


    Eu estava no carro voltando para casa com a minha hibrida a qual eu havia acabado de adotar, eu estava realmente empolgado. Fazia meses que eu estava desejando adotar uma gatinha híbrida. S/n era uma gatinha bem diferente das outras que havia visto, seus cabelos castanhos com alguns cachos na ponta eram tão fofos, ela tinha um olhar tão inocente e estava tão tímida agora.
—Hoseok...Estamos chegando?—Perguntou mordendo o lábio inferior 
—Sim, estamos.—Sorri nasalado para ela— É aquele prédio ali.—Apontei para o edifício e ela sorriu empolgada
—Está empolgada para conhecer sua nova casa?
—Sim!
—Então vamos!—Puxei o freio de mão parando o carro.
    Ela saiu do carro, e eu fiz o mesmo trancando o carro indo até a menina que estava parada esperando minha próxima ação, peguei na mão dela, puxando-a para dentro do prédio. Entramos no elevador, com algumas outras pessoas, puxei minha gatinha para perto de mim, ela estava na minha frente a garota colou suas costas no meu peitoral, de início estranhei, mas depois eu compreendi, afinal ela devia estar com medo das pessoas estranhas ali, mas logo algo me chamou atenção; ela estava rebolando contra o meu pau lentamente para não chamar a atenção alheia. Minhas mãos seguraram a cintura dela aproximando minha boca do seu ouvido.
—Não me provoque...—Minha voz saiu sussurrada e a garota deu uma risada nasalada
—Tem certeza, papai?
    Contra dizendo as minhas palavras, ela continuou rebolando senti uma bela ereção crescendo e sendo reprimida pelo tecido da calça jeans. Por fim a porta do elevador foi aberta, puxei a garota para fora do elevador, chegamos no apartamento e ela rapidamente entrou fiz o mesmo trancando a porta. Puxei a gatinha a prensando contra a porta.
—Então quer dizer que minha gatinha é safada?—Desci minhas mãos pelas laterais do corpo dela descendo as mesmas até a bunda da garota apertando, ela entreabriu os lábios, soltando um pequeno miado.—Achei que era inocente.
—A última coisa que eu sou é inocente, Hobi.—Me empurrou fazendo com que eu caísse no sofá, logo em seguida vindo até mim se sentando no meu colo.—Só queria que tivesse ido me buscar antes, papai...—Ela torceu o nariz espalmando esfregando suas mãos nos meus ombros, descendo para o meu peitoral e depois para os botões da minha blusa, começando a abrir os mesmos—Tive que passar meu cio sozinha e foi muito chato não ter ninguém para satisfazer.—Fez uma carinha triste, mas logo em seguida abriu um sorriso perverso e eu a acompanhei.—Ah Hobi, tão duro.—Deu uma pequena rebolada sobre a minha ereção em seguida saindo do meu colo ajoelhando na minha frente, as mãos dela desfivelaram o meu cinto depois abrindo o botão e o zíper da minha calça ergui meu quadril facilitando o trabalho dela em retirar a calça e a cueca.
—Papai, fode a minha boquinha?—Perguntou com falsa inocência
    Sorri para ela, vendo a garota pegar meu membro e começar a masturba-lo devagar.
—Quer?—Perguntei, e ele assentiu com a cabeça—Mãos no sofá, gatinha.—Ela sorriu e antes de apoiar as mãozinhas no sofá levou as mesmas até o cabelo juntando fazendo um coque mal feito em seguida apoiando as mãos no sofá
    Peguei meu membro colocando-o nos lábios da garota roçando a minha glande nos lábios dela a garota pôs a língua para fora lambendo lentamente a minha glande me fazendo trincar o maxilar, sem desviar seu olhar do meu ela colocou a cabecinha na boca começando a chupar e sugar com vontade fazendo barulhos que eram excitantes de serem ouvidos. Eu segurei os cabelos da nuca da menina começando a meter o meu pau na boca dela alternando o ritmo em lento e rápido, ela cobriu os dentes com os lábios para que seus dentes não me machucasse. Parei de estocar a boca dela, pois minha gatinha já estava ficando vermelhinha. Ela tirou meu membro da boca e tinha um filete de saliva que ligava a boca dela ao meu falo. E aquilo foi excitante para caralho.
    Puxei-a do chão e ela se sentou no sofá s/n afastou as pernas erguendo o vestido levando os dedos até sua bocetinha esfregando os mesmos no seu clitóris soltando um gemidinho sôfrego. Ela colocou os dedos nos elásticos laterais da calcinha retirando a pecinha.
—Hobi, me chupa bem gostoso?—Pediu e eu não respondi nada apenas me abaixei entre as pernas dela 
    Aproximei meu rosto do íntimo da garota esfregando a pontinha do meu nariz no seu clitóris, ouvindo a garota puxar o ar entre os dentes. Dei um lambida lenta por toda a bocetinha dela e ela deu um miado tentando fechar aa pernas, eu rapidamente segurei as coxas da menina impedindo que ela o fizesse, passei a língua várias vezes pela sua entradinha ameaçando uma penetração porém não o fiz, chupei seus lábios vaginais com vontade e ela deu um gritinho agudo, afastei meu rosto do seu intimo olhando para os olhos dela, com um sorriso cafajeste nos lábios. Abri os lábios vaginais dela dando uma lambida no seu clitóris e em seguida me levantei do chão. Peguei a garota pela cintura virando o corpo dela com brutalidade no sofá a deixando de costas para mim 
—Tira o vestido para o papai, tira princesa.—Pedi com a voz rouca, rente ao seu ouvido
Ela se levantou e passou as alças do vestidinho rosa clarinho que usava pelos braços, quando a peça chegou no chão ela rapidamente a chutou para o lado.
—Vai me foder agora, papai?—Questionou manhosa, apoiando os joelhos no estofado do sofá e apoiando as mãozinhas no encosto empinando a bunda para mim, me olhando por cima dos ombros
—Como quiser gatinha.—Soltei uma risada ficando atrás dela, segurei meu falo com a minha mão direita roçando na sua entrada a gatinha deu um pequeno miadinho
    Esfreguei a minha glande entre os lábios vaginais dela e ela fincou as unhas no sofá, penetrei a meninha lentamente ouvindo um gemidinho de dor dela.
—Está doendo? Eu posso parar.—Perguntei e ela negou com a cabeça
—Papai não sou mais virgem.—Riu fracamente
    Segurei a cintura dela, passando a estocar a garota com força, ela gemeu baixinho; As minhas estocadas se tornaram intensas, fundas e rápidas deslizei minhas mão destra pelo corpo dela parando no seu seio esquerdo enquanto minha outra mão deslizou até o clitóris dela, começando a estimular com rapidez esfregando dois dedos ali e fazendo movimentos circulares. Ela soltou vários gemidinhos manhosos e agudos, um atrás do outro.
—Deixa o papai ver sua bocetinha engolindo meu pau, deixa.—Tirei minha mão da vagina dela, cessando a penetração saindo de dentro dela—Vira de frente para mim, princesa.
    Ela se virou de frente para mim, eu deitei a garota no sofá ficando entre as pernas dela, penetrei a garota novamente voltando a estocar a garota com força.
—Que bocetinha apertada. Porra.—A garota agarrou meu cabelo com força
—Mais forte, Hobi.—Puxou meus cabelos com mais força—Assim, Hobi continua!—Soltou um gritinho agudo fechando os olhos com força, mordendo o lábio inferior levando a mão esquerda até um dos seios o apertando 
—Caralho, que delícia!—Falei entre os dentes fechando os olhos—Essa sua bocetinha pequena apertando meu pau me enche de tesão.
—Isso papai! Continua!—Gritou descendo as mãos para minhas costas me arranhando
Retirei meu falo de dentro dela, em seguida, esfregando meu pau nos lábios vaginais dela, depois voltando a penetra-lá com força ouvindo ela gemer manhosa no meu ouvido
—Papai, seu pau está latejando dentro de mim. Vai gozar, Hobi? Mete mais forte papai, quero gozar bem gostoso para você.—Sorri passando a língua entre os lábios.
—Quero gozar na sua boca.—Disse rouco, apertando a cintura da garota, deixando seu corpo colado com o meu—Vai deixar o papai gozar na sua boquinha, princesa?—Assentiu positivamente com a cabeça ela abriu a boca mas nenhum som saiu, comecei a fode-la com mais força dando estocadas fundas e violentas ela fincou as unhas no estofado do sofá. O barulho dos nossos corpos colidindo eram tão obscenos, e puta que pariu, era muito gostosos de serem ouvidos. A bocetinha da garota se contraiu. Que sensação gostosa do caralho. Eu e ela estávamos extasiados tomados pelo prazer ela agarrou os meus pulsos abrindo os olhos, voltando a me olhar, agora, ela mordiscava o lábio inferior, lutando para manter os olhos abertos.
—Não para papai. Eu estou quase Hobi. Me fode Hoseok.
—Goza gostoso no meu pau princesa.—Disse rouco, fechando os olhos.
    Comecei e estoca-la com violência e ela deu um miado manhoso mostrando que seu orgasmo havia chegado ela fincou as unhas no meu pulso, fui parando o movimentos aos poucos até cessar por completo, vendo a garota soltar um risinho travesso e respirar fundo. Sai de dentro dela, me ajeitando no sofá  me ajoelhando  sentando-me sobre minhas panturrilhas.
—Vem cá princesa.—Sorri, passando a língua entre os lábios, começando a me masturbar rapidamente, ela ficou de quatro no sofá deixando sua boca bem próxima do meu pau. 
Ela pegou meu membro colocando a cabecinha na boca sugando depois passando a língua em movimentos circulares e passando a língua na fenda da minha glande, fazendo-me estremecer por completo. Retirei a mão dela do meu pau, e ela me encarou sorrindo maliciosa.
—Sem mão amor, vou meter na sua boquinha até eu gozar, quero ver você engolindo tudo.
Segurei os cabelos da nuca dela começando a meter na boca dela num vai-e-vem rápido, minha glande tocou várias vezes a garganta dele. Caralho, aquilo era tão gostoso. Deixei meu orgasmo me atingir despejando meu líquido na boquinha dela. Ela  se afastou lambendo os lábios mostrando que estava satisfeita.
—Que delícia, Hoseok.—Encarei a garota, e pisquei para ela
—Eu já disse que eu adoro gatinhas safadas?


Notas Finais


Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...