1. Spirit Fanfics >
  2. Não Tão Inocente >
  3. "O Inesperado"

História Não Tão Inocente - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - "O Inesperado"


Fanfic / Fanfiction Não Tão Inocente - Capítulo 4 - "O Inesperado"

-"Não posso acreditar que você mandou ele ir à merda! Agora sim, minhas chances de voltar a ter aquele emprego acabaram" - Becca me lança um olhar intrigado.

Fico vermelha, e minha pulsação inexplicavelmente se acelera.

Já era tarde, quase anoitecendo, e não fazia muito tempo em que eu havia chegado em casa. Becca ficou abalada quando contei à ela que não consegui convencer o chefe de merda dela a dar uma nova chance. Também contei todos dos detalhes da nossa conversa.

-"Ele foi um babaca." - Me defendo, enquanto preparo macarrão com queijo na cozinha.

-"Mesmo assim!" - Becca parece furiosa.

Eu reviro os olhos, não tô a fim de discutir. Depois de fazer o meu macarrão, que ficou divino por sinal, convido Becca para comer comigo.

Enquanto comíamos, Becca me olhava fervorosamente. E isso me intimidava um pouco.

-"Admita." - Ela disse, secamente.

-"Admitir o quê?"

-"O filho da puta é bonito, não é?" - E seu humor muda drasticamente.

-"Como é? Agora pouco você estava chateada com ele e agora está me falando que ele é bonito."

-"E não é?" - Ela arqueia uma sobrancelha.

-"Tanto faz." - Soou desinteressada, apesar de que não consegui ficar imune aos encantos dele.

-"Ah, qual é! Você também acha ele atraente e profundamente sexy." - Becca dá uma risadinha.

Realmente, aquele cara era atraente, apesar da arrogância.

-"Ele seria atraente se não tivesse agido que nem um babaca. " - Retruco, lembrando de como ele inferiorizou a Becca. Ela tem capacidade, sim!

-"Adam Grey é o que se pode chamar de prodígio. Além de lindo e sexy, ele também é inteligente." - Ela me olha, atenciosamente.

Droga! Sinto que estou corando.

-"Viu, só? Está toda vermelhinha." - Diz ela, parece estar se divertindo comigo.

-"Ele pode ser inteligente e entre outros elogios, mas é notável que ele é arrogante, controlador e um belo de um filho da puta." - Digo, esperando que isso cale a Becca de uma vez por todas.

-"Malu, também não é para tanto. Sobre ele ser arrogante e controlador eu concordo... mas ele não foi tão filho da puta assim. Aliás, quem mandou ele ir à merda foi você." - Diz Becca, "erguendo a balança da justiça".

Becca tem razão. Ele foi educado comigo o tempo todo e fui eu quem acabou agindo feito uma babaca. E pensar nisso, faz minha pulsação se acelerar novamente.

Não falamos mais de Adam Grey pelo resto do dia, para minha sorte. Quando terminamos de comer, eu vou para o quarto, me sentindo um pouco exausta.

Na manhã seguinte, recebo um telefonema da Srª. Grey e vou até a mansão dos Grey Thompson.

Quando toco a campainha, sou atendida por aquela mesma mulher idosa. Mas dessa vez, ela não manifestou o seu sorriso iluminso quando me viu.

Quando entro, vejo que a Andreia já estava à minha espera.

-"Olá, Srtª. Bonini." - Ela me cumprimenta friamente.

-"Srª. Grey, é um prazer em vê-la novamente." - Digo, apreensiva e engolindo seco.

-"Sabe o porquê que a chamei aqui?" - Ela me pergunta, seu tom de voz não parece nem um pouco amigável.

Eu imagino o porquê de estar ali.

-"Suponho que seja por causa do escândalo que fiz na empresa de um dos seus filhos." - Minha voz saí rouca.

-"Exatamente. Eu não esperava isso de você." - Seu tom é de desaprovação.

Por mais que eu quisesse retrucá-la e contar a minha versão, simplesmente abaixo a cabeça e escuto o que ela tem a dizer.

-"Sei que você foi com boas intenções, mas o que você fez foi inadmissível! Eu não a contratei para isso!" - Ela diz, quase gritando.

Sinto uma tremenda vontade de chorar, mas acabo conseguindo me segurar. Me sinto tão arrependida!

E antes que Andreia pudesse dizer mais alguma coisa, nós escutamos uma voz masculina vindo do hall.

-"Srtª. Bonini! Que surpresa agradável!" - Era ele. O olhar dele é firme e intenso.

-"Sr Grey." - Murmuro, porque é só o que eu consigo.

-"Eu estava pela área e resolvi visitar minha mãe. É prazer tornar a vê-la, Srtª. Bonini. " - Sua voz é quente como chocolate derretido e não há nenhum indício de sarcasmo nela.

-"Olá, filho." - Andreia cumprimenta Adam, dando lhe um abraço.

-"Espero não ter interrompido a conversa de vocês." - Diz ele, me observando atentamente como se eu fosse uma espécie de criatura rara.

-"Imagina filho. Agora pouco falávamos sobre o ocorrido de ontem." - Andreia se vira para mim, fazendo cara feia.

-"Não sabia que vocês se conheciam." - Adam Grey parecia surpreso.

-"É que... Ela é filha de uma amiga minha. Por isso." - Andreia mente.

-"Entendi." - Sua expressão é indecifrável, então não dá para saber se ele acreditou na mentira ou não.

-"B-Bem, eu acho que já vou. Nos falamos mais tarde, Srª. Grey. " - Eu falo, não aguentando mais aqueles olhos ardentes me observando.

-"Mas já?" - Parece que eu a peguei de surpresa.

-"Deixe-me acompanhá-la até a saída, Srtª. Bonini." - Ele me dá um sorrisinho. Fico corada.

Me despeço de Andreia e Adam me guia até a saída.

E antes que eu entre no táxi, Adam me olha de uma forma inexplicável. E aquilo faz com eu fique corada de novo. 

-"Até a próxima, Srtª. Bonini." - Ele sorri. E isso faz com que eu me lembre de quando me despedi dele no elavador de uma forma sarcástica.

Sem dizer nada, apenas dou um sorriso nervoso e entro dentro do táxi de uma vez. Puta merda! Ver ele novamente foi algo inesperado!

Chegando em casa, Becca me recebe com um abraço. 

-"Fiquei preocupada quando acordei e vi que não estava em casa! Aonde você estava?" - Pergunta, preocupada.

-"Fui visitar minha cliente." 

-"Quem? A Srª. Grey?" - Seus olhos esverdeados se arregalam.

-"Como sabe?" - Ela me pegou de surpresa.

-"Digamos que eu peguei o seu celular emprestado ontem à noite, enquanto você dormia..." - Becca me dá um sorriso nervoso.

Não seria novidade que Becca anda bisbilhotando as minhas coisas.

-"E você nem acredita com quem eu me deparei durante a visita."

Becca abre a boca e depois fecha. Alguns segundos depois, ela entende.

-"Ah, meu Deus! Ele estava lá?!" - Becca não consegue disfarçar a sua surpresa.

-"Infelizmente."

-"Mas o que ele estava fazendo lá? Pelo o que eu sei, ele mora na High Line!" - Becca está em êxtase.

-"Parece que ele estava pela área e resolveu visitar a mãe dele." 

-"Isso é uma coincidência enorme. Se ele não tivesse ido ver a mãe, eu diria que ele foi ver você."

Meu coração palpita.

-"Mas por que acha isso?"

-"Acha que ele não iria se interessar por você? Você foi destemida e ousada ao enfrentar ele. E agir dessas duas formas desperta o interesse de qualquer homem." - Seu tom de voz parece mais animado.

-"Não se engane. Eu tratei ele feito merda, obviamente nenhum homem iria se interessar por uma mulher que trata os chefes arrogantes assim." - Deixo escapar uma risadinha.

E Becca levanta uma sobrancelha. Ela está contendo um sorriso.

-"Becca, por favor!" - Não era preciso saber ler mentes para saber o que Becca estava pensando.

-"Tudo bem! Não tocamos mais nesse assunto" - E então, Becca dá uma piscadinha.

E depois disso, não falamos mais sobre o Adam.

Quando finalmente anoitece, acabo indo mais cedo para a cama. Encolho-me em minha cama e fecho os olhos, mas a imagem dele me veio à mente.

Esqueça aquele sorriso e concentre-se em dormir! Tento me convencer a dormir, mas isso vai em vão.

Depois de me revirar por uma hora na cama, enfim pego no sono. Sonho com noites quentes de verão, garrafas de Chenin Blanc e com olhos ardentes cinzentos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...