História Não tão Perfeito - Imagine Jimin - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, TWICE
Tags Bts, Drama, Romance
Visualizações 16
Palavras 3.752
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hoje a lua brilha sobre o lugar vazio nas minhas memórias Este lunático que me engoliu Por favor, salve-me está noite, por favor, salve-me está noite Dentro desta loucura infantil, esta noite me dará alívio

BTS




Save me.

Capítulo 3 - Problemas


-Como assim? Não vai trabalhar pesado? - Ele dizia, e parecia sonolento. Ele não tá bem da cabeça.Porra, ele tá com cheiro de cerveja. Ele tá bebado, e nem sabe o que diz.

- Garoto vai pro seu quarto, você tá bebado, quer ajuda? - Disse perdendo a paciência.

- E-eu? Bebado não, eu tô bem não preciso da sua ajuda. - Mal conseguia ele dizer. 

- Olha vem comigo, eu te ajudo e não reclama. - Disse, pegando em seus braços fortes. Ele tinha umas argolinhas de cada lado do ouvido, e seus cabelos negros lindos. - Aonde é seu quarto? 

- É bem ali! - Ele apontou no corredor e logo tinha uma porta, segui até ao quarto e abri a porta. Deitei ele na cama, e não demorou muito ele dormiu, peguei o cobertor e cobri ele.

Como ele pode ser tão lindo dormindo? Parece um anjinho dormindo, e seus olhinhos pequenos. Mas um garoto desse bebado, e seu pai tão rígido como é, tão estranho isso.

Fiz algumas coisas na casa e num piscar de olhos já estava na hora de ir embora pra casa. Esse emprego não é um dos melhores, mas... Minhas amigas depende muito desse emprego, se elas não conseguire um emprego, quem vai trabalhar?

Fui para universidade e minhas amigas de boquiaberta, é linda a universidade, meu sonho está realizado.

- Gente não podemos acreditar que estamos aqui, aliás isso é incrível. - Dizia Júlia, ela estava mesmo muito feliz de ter conseguido ir a Coreia e conseguir vir numa ótima universidade.

- É maravilhoso aqui, é muito lindo. - Dizia Ashley.

Aquele filho do senhor Park, não paro de pensar nele e...

- S/N...S/N! - Gritou Ashley.

- Que foi Ashley, quase me mata de susto. - Digo, pondo a mão no peito. Essa Ashley tem merda na mente? 

- Porque você está assim? - Dizia Júlia, olhando para parede igual uma múmia.

- Você tá parecendo uma múmia! - Falo dando gargalhadas, logo Ashley da risada.

- Mas você estava assim, então no caso você que é a múmia. - Dizia ela dando risadas.

- Hahaha! Que graça Júlia! - Cruzei meus braços, olhando séria.

Bateu o sinal, e fomos até o corredor da nossa sala, olhei pro papel e minha sala seria a sala 7, mas onde está a maldita sala 7? Minhas amigas ficaram também perdidas, e fiquei em choque. E agora? Alguém me ajude por favor, sério e agora? Como sou lezada, pede ajuda alguém, é tão difícil assim? Acho que não.

Fui até uma menina de cabelos castanhos e com uma franjinha que caía nos seus olhos, ela estava andando muito rápido, e quase tropeço mas consigo alcançar ela.

- Oi menina, você pode me ajudar rápido, é que eu não sei aonde é a sala 7, você poderia me ajudar? - Ela me olhava estranho, mas claro nem sabia quem eu era, e não pertencia ao seu país.

- Sala 7? Essa sala é a minha, vem comigo eu vou nela agora. - Disse ela me puxando. Olhei para trás, e vi minhas amigas com um cara, elas entregavam um papelzinho e concerteza seria " Aonde fica essa sala".

Entrei na sala, e vi a menina apontando para mim uma carteira vazia, me sentei e logo ela sentou na minha frente. Eu cutuco ela, e ela vira e me encara.

- Qual é o seu nome? - Pergunto a ela.

- Meu nome é Yun, e o seu? - Ela pergunta pegando seu caderno na mão.

- S/N, sou brasileira. - Após eu falar, ela deu um sorriso de orelha a orelha.

- Nossa que legal, e você está cursando o que ? - Ela pergunta, curiosa provável.

- Medicina, e você? - Pergunto a ela. Ela dá um suspiro e revira os olhos. 

- Direito! - Ela fala triste. O que poderia ser tão ruim nisso? Pelo contrário isso é bom, é que eu acho.

- Isto é bom ou ruim? - Pergunto, fazendo ela rir. Qual é o motivo dela rir? Ela ficou tão fofinha. - Porque está rindo?

- É que você está curiosa, mas no entanto é ruim, meus pais praticamente me forçam a cursar o que eu não quero, eu pra falar verdade nem estaria aqui. - Ela fala calma, mas dava para ver ela quase querendo desabar ali mesmo. 

- Você pretenderia fazer o que? - Pergunto desviando olhar a ela, e olhando para o professor que acabava de se sentar em sua cadeira.

- Estilista, mas queria começar a fazer estas coisas ano que vem, mas... Enfim aconteceu muitas histórias, e fica complicado. - Ela dizia colocando seus materiais em cima da mesa.

Depois dessa aula incrível, que acabei de ter, vou até um banco vazio e ali mesmo, me sento. Pego meu celular e começo a mexer, vi milhões de ligações da minha madrasta, ela iria fazer muitas perguntas, e sinceramente não estou com cabeça agora, para ela me fazer enterregatorios.

Minhas amigas se aproximavam, e elas não estavam com um olhar muito bom. Seria mais uma brigas delas? Teria que ter ouvidos preparados. Deus te emploro que isto, seje um engano, meu.

- Para Ashley, que coisa irritante! - Dizia Júlia sentando ao meu lado, enquanto Ashley bufava e sentava ao meu lado. Pronto, cada uma do meu lado, as duas não vão parar de falar tão cedo.

- O que foi agora? - Olho a Ashley, ela lança um olhar mortal a Júlia, e Júlia lança outro olhar mais mortal ainda.Virou competição, de olhares mortal? Só essas duas mesmo.

- Essa garota - Apontou Ashley a Júlia. - Ela está cheia de conversinhas com o meu crush, e ... - Interrompo ela de falar.

- Que? Crush? Ashley você já tem crush? - Dou gargalhadas altas, algumas pessoas olhavam, mas ignorava. - Uau! Eu acho que você é bem apressadinha, e Júlia então... Já está se agarrando?

- Você é patética S/N! - Dizia Júlia, explodindo de raiva.

- Concordo com a Júlia, somos novas, digamos muito novas, e temos que aproveitar, sair com pessoas, conhecer pessoas, tentar se divertir, é isto que estamos tentando fazer, e você S/N está ultimamente tão preocupada com os estudos. - Dizia Ashley sem vergonha nenhuma na cara, ela acha que não devo me preocupar com os estudos? Claro, que  devo me preocupar muito, aliás vim para cá para isto, meu futuro e meus estudos, vim para cá por essa razão.

- Eu entendo, mas meu futuro está aqui. E uma coisa, vocês ficaram chateadas pelo que falei? - Faço uma cara preocupada.

- Não! - Falaram as duas numa combinação perfeita, damos risadas.

E lá estava eu novamente no emprego, não vou mentir, mas esse emprego é super chato, logo que minhas amigas conseguirem um emprego, vou arrumar minhas malinhas, e dar um jeito de ir embora daqui. Ser empregada doméstica, é fácil? Não, provavelmente não. Estou reclamado, porque isso é chato, não queria trabalhar aqui, mas  não tenho escolha alguma.

Vou até a cozinha pegar a vassoura que esqueci, sou tão distraída! 

Cadê a porra da vassoura? 

- Procurando isto? - Uma voz masculina, mas conhecida, aparece atrás de mim. Me viro e é aquele filho do patrão, Jimin.

- Sim obrigada. - Falo indo a direção e pegar a vassoura.

- Me faz um suco de laranja, e coloque três cubos de gelo. - Ele dizia se retirando. Nem um " por favor", fala sério que cara idiota.

- Sim senhor. - Resmungo, baixinho para mim mesma.

Faço o suco que ele pediu tão educadamente, e vou até a sala aonde ele está, mas me deparo com ele vomitando. Meu Deus, o que faço agora? Ajudo ele ou ignoro ele? Ah pensa... Porque fico assim perto dele? Como sou retardada mesmo. Largo o copo do suco na instante, e vou até ele, o mesmo para de vomitar e ajudo ele a levantar, levo ele até a escada e lentamente, caminhamos, pego em sua mão, e o levo até o andar de cima. Do nada a mãe dele aparece. Graças, ela apareceu no exato momento.

- O que houve com ele? - Ela pergunta, seria.

- Ele vomitou. - Suspiro e vejo o olhar dela mortal, para o seu filho. 

- Hummm... Sei, o que aconteceu. - Ela dá um suspiro, meio que chateada. - Vamos ter ainda uma conversa.

- Com licença, qualquer coisa só... Me chamar. - Digo, me retirando, ela assenti.

Quando fui ver já era novamente a hora de eu ir embora, que bom que já deu a hora, não aguento mais ficar aqui. Úncia coisa que queria agora... É deitar, e não acordar tão cedo.

- S/N... Como você ainda não deu em cima desse garoto? Que homão da... - Interrompi Ashley antes dela falar.

- Eu sei, mas eu não gosto dele. - Bufo. Encosto minha cabeça na parede de meu quarto, enquanto Júlia e Ashley via o Facebook, do Jimin. Não sei o que elas virão nele, e que eu não vi, elas só sabia falar " Como você é lerda S/N, se fosse você, já estaria até na cama com ele" era isso o que eu ouvia, só isso? Não sabia falar de outra coisa, além de "Jimin, Jimin". - O que vocês virão nele? Beleza? Sim, admito ele é... Um gato, e... Sexy, mas eu não quero nada com ele, não sei porque insistem nisso! 

- Garota, você tem problema de cabeça, eu já estou quase ficando com o boy da universidade, e a Júlia... Está namorando. - Ela olhou a Júlia.

- Sério isso? Meninas, mal acabamos de chegar, e já estão com tudo? Bom... Parabéns Júlia, e Ashley... Olha, eu vou ter que ir pro meu quarto, já estou de cabeça cheia. - Saio andando, e quando chego ao meu quarto... Cama, melhor coisa do mundo. 

As garotas já estão namorando, exceto Ashley, mas quase, elas querem mesmo que eu me desencalhe, mas no momento acho que não, quero estudar, e arrumar um emprego em outro lugar. Já estou cheia desse serviço, se ganho bem? Sim, mas trabalhar de empregada não é muito fácil, eu nem sei lidar com os meus problemas, porque senhor Park, me contratou? Ele é tão rígido, e sabia que só tenho 18 anos, e me contratou para trabalhar em sua casa, já nem sei mais o que falar. Quer saber... Vou dormir é isso o que vou fazer, dormir!

Me levanto zonza, e nem sei quantas horas são pra falar verdade. Vejo que já são 3h20 da manhã, o que devo fazer agora nesse exato momento? Tô sem sono, e não vou conseguir dormir novamente, merda. Ligo a tv, e não acho nada de interessante, só jornal da madrugada, que não é legal, é insuportável. Talvez eu possa ir... Ah, seria arriscado eu sair essa hora da noite? Não, eu acho que não, vou sair, foda-se quem tiver na rua, e achar que já é tarde. Vou até a porta, e saio daquele apartamento. 

Andando no meio do caminho, sem rumo, sem companhia, sem ninguém ao menos, que esteja ao meu lado pra ouvir as fofocas em dia, sem ninguém para estar ao meu lado, é chato isso, mas talvez minhas amigas estejam certa, de que devo arrumar alguém, mas quem? Não tenho ninguém que conheço.

Ainda continuando a andar, percebo um bar aberto, e... Pera, aquele é o Jimin? O Jimin estava ali, então é esse o motivo dele ter chegado bêbado, e ter vomitado. Aish... Nem quero lembrar de ontem. Vou até lá o bar, porque a curiosidade mata, mas nem ligo, ele mal sabe quem sou eu.

E lá estava ele, sentado num mesa com o seus amigos, e em sua direção, estava indo uma mulher bonita loira, e que sentou ao lado de Jimin, e entrelaçou suas mãos na dele. Eu vou até o balcão, e peço um suco de laranja. Via as vezes Jimin, beijando a loira, e ele nem percebe que estou ali, ele nem repara minha ausência ali, que patético. Logo o moço chega com o suco, então eu bebo, as vezes olhava de novo para trás, olhando aquela cena idiota, dos dois juntos. Acabo meu suco, e pago ao moço, então fazer o que aqui? Olhar aquela cena, que não vou. Então vou até a saída, mas sinto uma mão em meu ombro, me viro e vejo o Jimin, com um sorriso, mostrando os seus dentes.

- O que faz aqui? - Ele pergunta, até que não estava cheirando muito ruim a cerveja, ele tava cheirando a menta. - Já viu as horas?

- É.. só vim aqui para tomar um suco, distrair a cabeça, estava sem sono. - Falo, dando um sorriso de lado.

- A essa hora? Bom, quer vir com a gente sentar ali? - Ele apontou, para aonde seus amigos estavam, e principalmente a loira.

- Não sei, é que você está com os seus amigos, não quero encomodar ninguém. - Falo, sem jeito.

- Para de ser boba, vem comigo, ou está com medo? - Ele fala dando risada, debochada.

Reviro os olhos, e dou um suspiro.

- Não é medo, é que realmente não quero encomodar. - Minto, na verdade quero duas coisas, primeira: Minha cama. Segunda: Comer sorvete sozinha.

- Aish, vem logo. - Sem ao menos eu dizer algo, ele me puxa pelo braço, tento me soltar, mas ele acaba conseguindo o que queria. Ele para em frente a mesa dos seus amigos, e a loira me olhava de baixo pra cima. Algo me diz que, essa loira não é uma pessoa confiável. -Essa aqui é a... Qual é o seu nome, mesmo? - Ele pergunta, ainda não sabendo meu nome.

- Ele nem sabe o nome dela? - Retrucava a loira. Só me de paciência, pra não quebrar aquela loira oxigenada, só peço isso.

- Meu nome é S/N. - Digo, tentando brotar um sorriso.

- Senta aqui. - Fala um dos amigos de Jimin, apontando uma cadeira, vazia. Ele era bem bonito, tinha um cabelo azul claro, ou um piscina, sei lá o que era, aquela cor.

Vou até a cadeira e me sento, eu não queria estar muito aqui, eu me sinto um pouco envergonhada. O amigo de Jimin me olhava, quase a cada um segundo, eu suspiro ele olhava, eu pisco ele olha, se eu der risada, ele provavelmente infartara, de tanto olhar.

- Nem apresentei meus amigos a você, S/N. - Diz Jimin, mas a loira olha a ele, e ele revira os olhos. - Essa é a minha namorada, Kang- Dae. - Ele fala, e ela dá um sorriso a mim, retribui dando um outro sorriso. - Continuando... Esse é J-hope, ele aponta, o menino que me olhava, a cada segundos. - Esse Min Yongi, ele é sério mas, ele é divertido, e pode chama-se de Suga - Diz Jimin, e Min Yongi revira os olhos. Siga, tinha cabelos loiros, e deixava ele bem fofinho. - Esse é o Tae ou V, pode chama-lo assim. - Ele aponta para o V, que dá um sorriso a mim, eu dou um sorriso também, ele tinha os cabelos vermelhos, mas não eram deles.

- Você é S/N, não é? - Diz a loira oxigenada. Apenas assinto, e desvio o olhar dela, e ela também desvia o olhar.

- Kang Dar, deixe Jimin apresentar nós, porra. - Gritava um menino, que nem sequer Jimin, apresentou. A loira oxigenada bufa, e cruza os braços. - Quer saber, deixe eu apresentar a você, quem somos nós, eu sou Rap Monter, mas me chamo Kim Namjoon. Esse é o Jin, e esse Jungkook. - Ele dizia, apontando aos meninos, que restaram.

- Muito prazer, S/N! - Diz Jungkook. 

- O prazer é meu. - Dou um sorriso.

- Você é muito linda, S/N. - Diz Jin, dando um sorriso de orelha a orelha.

- Obrigada! - Sinto corar.

- Concordo Jin, aliás você é de que país? - Pergunta Jimin. Vejo a loira oxigenada revirar os olhos, e ficar sem graça.

- Sou brasileira, e vim pra cá estudar na universidade. - Digo, brincando com os meus dedos.

- Isso explica, e você estuda em qual universidade? - Diz Tae.

- Universidade Senty Hall. - Digo, e todos olham surpresos.

- Ual, todos estudam lá, menos eu. - Dizia Jimin.

- Até você Kang... - Tento lembrar o nome dela, pois sei lá qual é o nome dessa loira oxigenada.

. - Ela dá um sorriso, nem tão convisente. - Eu curso direito, e você cursa o que? - Ela pergunta, curiosa não?

- Medicina, é que eu quero cursar. - Falo.

- Hmmmmm? Medicina, é muito legal, Min Yongi por exemplo, vai se tornar um médico, não é? - Ela olha a Min Yongi.

- Sim, gosto dessa profissão. - Ele diz sorridente.

- Você cursa o que Jimin? - Pergunto a ele.

- Por enquanto nada. Mas daqui a poucos dias, vou estudar na universidade de vocês, e vou cursar direito. 

A hora de passa, e já são 4h e poxa... Tô morta, nem consigo andar direito, de tão sonolenta que estava. Mesmo Jimin ensistindo em me levar, e eu recusando, além da loira oxigenada que só bufava, de tanto ciúmes, era tanto ódio, que tinha até que me segurar pra não ir na cara dessa idiota. No fim, acabei aceitando a carona do Jimin, e mal chego em meu quarto e vejo as meninas com uns caras? É isso que realmente estou vendo? Havia várias cervejas espalhadas no chão.

- No meu quarto? Porque não vão se comer fora do meu quarto? Eu estou morta de cansada, preciso da minha cama. - Falo, mal conseguindo pensar, no qual sono eu estava.

- Você é chata em S/N, porra tava me divertindo tanto, não é Júlia? - Ela pergunta a Júlia, que a mesma estava desmaiada em cima do seu namorado, ou sei lá o que.

- Muito divertido. - Fala o cara que segurava mão de Ashley.

- Cala boca Jung-Hee, nem pra me ajudar. - Ela dá um suspiro. - Eu e Jung-Hee vamos embora. - Ela saiu com o coreano, enquanto eu observava o que iria fazer com os dois desmaiado, ali bem no meu quarto.

Chamei o garoto, que acordou sonolento, ajudei ele levantar, assim Júlia iria dormir com ele em seu quarto. Em sem esperar muito já estava dormindo.

Acordei e fui pro banheiro. Tomei um banho, vesti um suéter cinza e uma calça azul rasgada nos joelhos. Quando iria abrir a porta, vejo Ashley entrando disparada em meu quarto, sua cara estava séria, mal deu um sorriso.

- Bom dia pra você, Ashley. - Fecho a porta.

- Bom dia, precisamos conversar sério, e agora.

- Ok mas não demore, preciso trabalhar. - Dou paços indo me sentar na cama.

- Prometo não demorar. É que meu namorado, eu, Júlia e seu namorado, queríamos pedir mil desculpas por isso. Mas a conversa é outro assunto... - Enterrompo ela antes de falar.

-  Qual seria o assunto? - Ela me olha chateada, e seus olhos começam a marejar, e então ela corre me abraçando, e começa a destribiur as lágrimas. - Ei! Não chora, estou aqui não estou? Vou te proteger, me diz o que quer falar. - Abraço ela mais forte.

- É que meu consigo arrumar emprego, a Júlia está trabalhando no banco, e está muito bem por sinal, agora eu preciso urgente de emprego, você sabe que preciso, não é? Todas nós estamos dependendo do nosso emprego, como vou conseguir continuar a frente? Preciso de emprego, e como vamos nós ajudar nosso? - Ela suspira. - São muitas perguntas, e nada de resposta. Estou com problemas, e não consigo entende-los, é tão difícil assim?

- Amiga, você está chorando por isso? Se fosse você, levantava essa bunda daí, e daqui em diante, todos os dias tentando conseguir um emprego, sei que é difícil, mas sabe que... Seu presente, estará em breve em suas mãos. - Falo e beijo sua cabeça.

- Você tem razão. Vou agora mesmo conseguir um emprego, chega de não conseguir resolucionar os problemas. - Ela sai correndo da cama, e abre a porta, mas ela volta e olha pra mim. - Aliás... Você saiu ontem com quem? 

Engulo seco, e fico paralisada 

- Você teve que ver sua cara, você ficou uma estátua, saiu com quem S/N, me responde agora. - Ela dava risada, e por sinal muito altas.

- Com... Bom, é que fui dar uma volta, e vi um bar aberto, e lá estava... Jimin... - Antes de sequer continuar eu falar, ela me enterrompe.

- Jimin? Aquele gato? Vocês não fizerem o que estou pensando né? - Ela dá um sorriso malicioso.

- Cala boca Ashley... Não fizemos isso, ele tem namorada, e me apresentou a uns amigos, nada demais. - Me levanto, pegando mei tênis. - Para de pensar besteira, e vai conseguir emprego. 

- Para de pensar besteira, e vai conseguir emprego. - Ela imitava eu falando numa voz fina e ridícula, e será que minha voz é assim?

Vou até ao meu destino encantador, que me aguarda. Começo a limpar pela casa, e vejo a loira oxigenada, beijando Jimin. Não sei porque mas doeu muito meu coração, vê-los desse jeito, tão íntimos e tão agarrados. Não consigo limpar a casa direto e vou saindo pelos fundos da casa. Nem sei porque estou desse jeito, ele nem é meu amigo, só sou uma simples empregada, e quero saber se vou continuar nesse emprego, besta.

Entro novamente na casa, esperança de não ver os dois juntos outra vez. Mas pela minha má sorte, encontro os dois juntos na cozinha.

- S/N? O que faz aqui? - Ela praticamente gritava desesperada pela uma resposta.

- Eu trabalho aqui Kang Dae. - Cruzo meus braços.

- Jimin! Porque não me contou? Olha vou confiar em vocês, vou acreditar que você trabalha aqui. - Ela falava com tanto ódio que sentiam por mim, mas mal sabe ela que estamos kits, minha vontade era voar em cima dessa vaca.

- Kang Dae, ela é uma empregada doméstica, o que vou querer com ela? - Ele disse dando de ombros. Estava sentindo as lágrimas chegarem, mas enquanto estava mal por ele pensar disso de mim, ela dava um sorriso de canto.

- É ele tem razão, infelizmente não consegui arrumar um outro emprego, e como estava com urgência, tive que trabalhar aqui, mas tudo bem, não quero ser entrometida entre vocês, conlicença. - Falo sem ao menos pensar direito, só queria chorar alí, mas tenho que ter uma postura descente. Saio dali indo em direção ao quarto de senhor Park, para limpar.

Mal consigo entrar no quarto, e já estava chorando igual a uma condenada. Nem sei porque estou aqui, talvez para aguentar o tranco que tenho que passar, tenho que conseguir ficar aqui, mesmo não querendo, é pelo meu bem, é bem das minhas amigas. Vou ao banheiro e limpo o meu rosto que já estava inchado, de tanto chorar.







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...