1. Spirit Fanfics >
  2. Não tema o amor >
  3. Bônus.

História Não tema o amor - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capitulo não iria existir, mas me senti tentada e postei.
Tentei puxar mais pela perspectiva de Veturno.

Capítulo 2 - Bônus.


 Passou-se um ano e ele queria poder dizer que muitas coisas mudaram em sua vida. Que viveram muitas aventuras, romances, intrigas e paixões corajosas. Mas isso tudo seria uma mentira, por que sua ninfa não gostava de aventuras ou de intrigas, principalmente que lhes envolvessem, ela já tendia a ficar preocupada toda vez que se atrasava no mundo afora. E com o tempo, ele próprio passou a banir essa possibilidade.

 – As figueiras estão cheias novamente e as amoreiras voltaram a florescer. – Ele disse com animação, uma forma mais casual e monótona de avisa-la de sua presença. Ela concordou de costas para ele enquanto recolhia pêssegos e os depositava em um cesto. – São para o cortejo de Dionísio?

– Sim. – Ela tomou um grande suspiro ajeitando as madeixas que lhe caiam pela face suada. Ele comprimiu os lábios em um doce sorriso e se aproximou para auxiliar. – Obrigada.

– Por nada.

Veturno não possuía fortunas ou riquezas para presentear sua amada além dos gracejos, consolos e auxilio nos afazeres que ela tanto adorava, mas no fundo ele não se deixava abalar por isso e compreendia que ela valorizava a ajuda que recebia.

– Iremos então á comemoração? – Ele viu de relance o corpo dela ficar tenso e os olhos meio turvos, o sorriso se extinguira. – Vou entregar nossos espólios e trazer um bom vinho conosco, prometo regressar depressa.

– Você não precisa sair cedo se desejar ficar... – Ela disse á ele em um tom de desculpas que ele conhecia bem, não era a primeira comemoração ou festejo que deixavam de comparecer como casal. Ele ia entregava os frutos mais cobiçados e doces que produziam e o Deus ou figura anfitriã regava-lhe bênçãos de agradecimento e amizade. – Sei que gosta de Pã mesmo eu não nutrindo tal apreciação devido a Sírinix, não o proíbo de trocar gracejos com o Deus do vinho e com seus subordinados, desde que não se embebede ao ponto de eu poder me preocupar. És meu amor, não meu escravo, não deve trocar teus prazeres pelos meus medos.

 Veturno suspirou enquanto limpava as mãos e dedos antes de se aproximar dela a calando com um beijo suave e lento. Suspirou agradecido quando os abraços dela o rodearam e ela inclinou o queixo prolongando a sensação do encostar de lábios.

 – Meu maior prazer é estar com você. Aprecio minhas amizades e agradeço as bênçãos dos deuses sobre nosso lar e nossos frutos, mas você sempre será minha maior alegria.

– Mesmo se eu decidisse jamais deixar o pomar?

– Eu nunca te forçaria á algo que traria seu desgosto Pomona, os segundos que conseguiria com isso são insuficientes diante do meu amor e respeito por você. Reconheço seus limites.

Ela sorriu abertamente banindo o medo e a insegurança que a cercavam após a menção de deixar o pomar lhe assolou. Veturno estava lá, mesmo após um ano, compreendendo seus medos e formando suas alegrias.

– Talvez eu possa frequentar mais as festas de Dionísio, a fama da sua invenção com as videiras é tentadora e deliciosa. – Ela sorriu apoiando-se em seu ombro enquanto os dedos calejados brincavam com o cabelo escuro que lhe descia a nuca.

– Irei de gracejar e louvar-te quando conseguirmos reproduzir semelhança com nossos próprios cachos maduros. – Ele lançou de volta recebendo uma gargalhada dela enquanto a içava no colo e rodopiava abaixo do pessegueiro sobre as risadas doces e divertidas.

 Foi-se um ano e nada mudou, Pomona ainda estava lá em seu pomar e ele voltava cedo para ajuda-la ou vê-la trabalhar. No final do dia se uniam sob o céu estrelado e ele agradecia por nada ter mudado e rogava aos deuses que encontrava que assim ficasse.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...