1. Spirit Fanfics >
  2. Não Toque - HawksXleitora >
  3. Asas sensíveis.

História Não Toque - HawksXleitora - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Muito boa noite, cheguei agora em casa e fiquei um pouco hesitante para postar em uma noite de quinta-feira, entretanto... aqui estou eu.

Se puderem, leiam as notas finais? :D.

Aqui quem fala é o Tony e... Boa leitura!

Capítulo 1 - Asas sensíveis.


Fanfic / Fanfiction Não Toque - HawksXleitora - Capítulo 1 - Asas sensíveis.

 

Não Toque! 


OneShot


Keigo Takami

"Asas sensíveis"



Nossos corpos se uniam e se tornavam um só pela segunda vez naquela noite fria, nossos gemidos e arfares se colidiam constantemente, nós estávamos confortáveis na nossa cama de casal, ela por cima de mim, cavalgando rapidamente e me levando ao ápice mais uma vez, entretanto, eu sempre gozava por último. 


— Está cavalgando bem, amor. Quer uma ajudinha, talvez? Vamos lá, não tenha pena do meu pau, querida. — Sussurro de maneira provocadora em seu ouvido. Ela gemeu e, em resposta, ou talvez em um ato repentino vindo naturalmente de seu corpo, seguro-se firme nas penas de minhas asas, senti o arrepio mais intenso que já havia sentido em toda a minha vida. — A-AH! — O choque se estendeu ainda pelo meu corpo quando ela cavalgou e novamente segurou alí, eu praticamente nos cobri com minhas asas, como se fôssemos um casulo. 


Nunca imaginei que minha individualidade também fosse minha maior sensibilidade, até onde eu sabia, elas podiam me fazer voar, ser veloz, eu poderia até mesmo usar suas penas por telepatia, mas NUNCA, nunca imaginei que apenas o toque de s/n nelas me fizesse gemer daquele jeito. As penas eram tão sensíveis naquele ponto...? 


— O-Opa... — Ela para seus movimentos. Pude ver seus lábios formarem um belo sorriso maroto e seus olhos brilharem em minha direção. Minhas bochechas rubras, afundadas numa cor escaldante, denunciavam o meu estado com apenas aquele ato dela. — Então você é sensível aqui? Por que não me disse antes? — Ela passa a se movimentar, começando um tipo de carinho por minhas asas. 


Aqueei minhas costas e apertei sua cintura com força, foi inevitável soltar um gemido alto. Senti minhas asas terem um tipo de tremedeira junto ao meu corpo, minha respiração falhou junto as batidas aceleradas do meu coração quando ela usou sua mão esquerda para segurar meus fios loiros, os puxando para trás. 


Eu lhe ajudava a quicar rápido no meu colo, sua mão esquerda fazia um doce carinho por entre minhas penas vermelhas enquanto sua direita me obrigava a estar com a cabeça pendida para trás, sua boca lentamente me fazia marcas fortes com chupões na região exposta do meu pescoço. Revirei meus olhos e me vi em um breu, estava completamente perdido e entregue a aquelas sensações novas. Era quase enlouquecedor, eu não conseguia nem mesmo pensar. 


— Go-Gozando! E-Eu estou gozando, s/n! — eu disse alto, ela soltou meu cabelo e me fez beijá-la de língua, parando de cavalgar e fazer carinho em minha asa. Eu até tentava regular minha respiração ou voltar a ter controle de mim, entretanto, era algo impossível. 


Eu estava muito sensível... 


— P-Por favor... — Eu tentava falar, mas era interrompido por seu beijo. — Por favor, S/n! Me deixa gozar! Eu preciso, eu preciso pra caralho gozar! — Pedi já fora de mim, fiz seu corpo voltar a subir e descer em mim, arrancando gemidos necessitados de ambas as partes. — Ca-Carinho nas asas! Por favor! — Supliquei choroso, escutei sua risada entrecortada e pouco pude pensar sobre, ela começou a fazer carinho com ambas as suas mãos em ambas as asas. 


Novamente senti o meu corpo tremer, me arrepiei dos pés a cabeça. Minha mente finalmente vagou longe e, naquele momento, eu pensei que fosse morrer, minha cabeça estava em branco, minha respiração estava entrecortada, eu buscava o ar que me fazia falta pela boca rapidamente. 


Eu gozei e ela veio logo depois, eu ainda não conseguia normalizar minha respiração, não conseguia pensar direito, apenas podia escutar meus gemidos que curiosamente ainda saíam após o intenso orgasmo. S/n estava parada em cima de mim, também tentando regular sua respiração. 


— Você está bem...? — Ela pergunta me olhando obviamente preocupada. Claro que ela me olharia preocupada, até eu estou concluindo que morri e fui pro céu. 


— E-Eu também não sabia disso... Dessa sensibilidade... — Sussurrei um pouco zonzo, abraçando sua cintura e afundei minha cabeça em seus seios envergonhado. Ela sorriu e começou a mexer em meu cabelo com cuidado. 


— Achei fofo seus gemidos, mas me deixou preocupada quando gozou. — admite e eu sinto minhas bochechas ganharem um tom vermelho. — Quero fazer mais vezes! — ela me faz deitar na cama, lhe olhei confuso. 


— Fa-Fazer mais vezes, amor...?! — Arregalei meu olhar surpreso quando ela foi levando suas mãos até minhas asas. — O-Oye! Não- — Tarde demais para lhe falar para não tocar, a mulher passou a me beijar para me calar. 


E desde esse dia... Eu não pude ter mais paz. 


Quando eu chegava do trabalho, se ela fosse me abraçar, não descartava a ideia de fazer um carinho em minhas asas, resultando em eu soltando um gemido e ficando excitado em questão de segundos. Ela estava empenhada em me provocar e me deixar lá, fudido da cabeça para fazer uma simples masturbação. Sim, eu só conseguia sentir excitação com carinho nas minhas asas com ela, não sei o que caralhos é isso.


Até fui ao médico ver isso, só faltava ele rir da minha situação com ela. O que ele disse foi um "é normal, é sua cônjuge, Senhor Hawks". 


Quando eu ia fazer nossa janta, ela vinha por trás de mim e usava ambas as suas mãos para mexer comigo — lê-se me foder deliciosamente psicologicamente —, uma me masturbava e a outra carinhava minhas asas. 


"Não toque", " Eu vou gozar aqui mesmo se você fizer isso", "Você sabe que sou sensível aí", " Para de me provocar", eram as frases que mais saíam da minha boca com tudo aquilo. Eu não era de gemer muito quando tínhamos relações sexuais, agora que ela adotou o carinho nas minhas asas em meio ao sexo, gemer era o que eu mais fazia. 


Sensibilidade nas asas... Agora tenho uma noiva que toda hora quer fazer carinho nas minhas asas, isso acabou se tornou seu hobbie preferido. Eu me vía uma como uma vítima, a sua vítima, porém mentiria se dissesse que não gostava. 


Bem... Ela com certeza se aproveitaria muito disso. 



Notas Finais


Espero que tenham gostado. Foi curto? Foi, mas...

Fico feliz em dizer que criei vergonha na cara e criei uma conta no wattpad, não sei mexer direito no app, mas juro que logo as ones que escrevo estarão lá.

O meu "@" lá é @ZzZAntony.

Até a próxima, talvez...?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...