História Naquela Noite - Jeon Jungkook - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Carol_j, Jeon Jungkook, Naquela Noite
Visualizações 210
Palavras 850
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente!

Boa leitura 📖

Capítulo 2 - Ponte.


Fanfic / Fanfiction Naquela Noite - Jeon Jungkook - Capítulo 2 - Ponte.

Ponto de visão: S/n

Aqui estou eu em plena madrugada lembrando sobre a minha vida, eu realmente não podia confiar em ninguém, eu me entreguei de corpo e alma a esse amor e tudo que eu recebi em troca foi algumas migalhas, e é claro, ser humilhada, não bastava me trair, tinha quer ser com uma das minhas melhores amigas, a amiga a qual eu contava tudo sobre você.

Você me salvou para depois me afundar no poço novamente não é mesmo Jackson Wang? Você me tirou daquele maldito luto, me fez feliz, para depois me fazer infeliz, que ironia não? Justo a pessoa que me prometia amor eterno, e a ridícula aqui acreditou.

Já não bastava ser sozinha no mundo, meus pais, por infelicidade do destino, morreram em um acidente de carro, estavamos indo passar o ano novo na casa de Busan, mas isso não ocorreu, um caminhão nos atingiu em cheio. Eu fui a única sobrevivente. Olho para o céu e digo em um susurro:

- Papai, mamãe se vocês estão ai em cima me vendo… me perdoem, mas eu desisto de tentar lutar, eu não aguento mais - digo já chorando - Vocês me deixaram aqui, eu não tenho mais amigos, eu não tenho mais em quem me apoiar! Mamãe e papai, me perdoem mas eu não vou conseguir sem vocês, só se passaram dois meses sem vocês, o que dirá uma vida inteira! Me perdoem mas….. hoje tudo acaba.

Saio do quintal dos fundos e vou em direção a porta de saída, me certifico que estou com dinheiro e vou para alguma conveniência. Assim que chego lá me esbarro em uma pessoa, não dou ao trabalho de olhar para o rosto da pessoa, mas por suas vestimentas vejo que era um homem, me curvo e peço desculpas, logo saindo de perto do mesmo.

Vou para a sessão de bebidas e pego duas garrafas, as com maior teor alcoólico, se eu vou desistir, que pelo menos não sinta mais dor do que já sinto, vou para o caixa e entro na fila, assim que chego minha vez, vejo que era um lindo moço, sua feição era quase de um anjo, no crachá estava escrito "Park Jimin".

Park: Indentidade, por favor.

- Aqui está - digo entregando a ele, o mesmo a analisa e depois de alguns segundos a entrega de volta

Park: O total foi de 33.651,25 wons (A: mais ou menos 100 reais) - pego o dinheiro e lhe entrego - obrigado, volte sempre! - diz sorrindo.

- Eu que agradeço - forço um sorriso e saio do estabelecimentos.


[…]


Havia chegado no meu lugar preferido de Seul, em uma ponte, havia já bebido uma garrafa inteira no caminho, já estava na metade da segunda, estava caminhando lentamente quando começou a nevar. Depois de alguns minutos meu corpo começou a tremer, tinha saido sem uma roupa ideal para a época que fazia, mas também…. Não fazia diferença. Termino de beber a segunda garrafa, acabo tropeçando em uma pedra e caio com tudo no chão, a garrafa que estava em minha mão se espatifa e perfura meu braço, dou um grito de dor, retiro o vidro e faço pressão no lugar cortado, porém o corte havia sido profundo.

- CHEGA! EU CANSEI! - vou para perto da grade de segurança, a atravesso, olho para baixo e sinto um frio na espinha, era realmente muito alto - me perdoe mamãe, papai… - assim que ia soltar minha mão, escuto um grito atrás de mim.

- EI MOÇA, não faça isso - a voz que antes estava distante, agora estava próxima. A voz mexeu tanto comigo, era uma voz suave, mas ao mesmo tempo firme. Olho para trás e me depara com lindos olhos castanhos, quase negros me fitando, seu olhar parecia que a qualquer momento perfuraria minha alma.

- O que você quer? Não ta vendo que eu to ocupada?

- Moça, sai dai, é perigoso!

- E por que você acha que eu estou aqui?

- Porque quer se matar?

- Olha, e não é que você é inteligente?

- Não seja assim, vamos conversar, por favor…

- Eu não preciso conversar, não tem ninguém que se importe.

- Eu me importo, tanto que estou aqui. Qual é o seu nome?

- S/n S/s e o seu?

- Jeon Jungkook. S/n, sai dai, vamos conversar.

- Eu não quero Jeon!

- Você esta sangrando? - diz preocupado ao ver minha blusa branca manchada

- S-sim - já estava me sentindo fraca, havia perdido muito sangue.

- S/n, confia em mim. Eu prometo que não irá se arrepender, me da uma chance para te mostrar que vale a pena viver. - eu não faço ideia se é a bebida ou não, mas sinto que tenho que te dar essa chance.

- Eu vou confiar - digo fracamente, minha voz por pouco não sai em um susurro, Jungkook segura minha mão e me puxa para o lado de dentro, assim que nossos olhos se encontram, vejo sua face ficar embaçada e minha visão escurece, a ultima coisa que sinto são suas mãos agarrando a minha cintura.


Notas Finais


E ai, o que estão achando? Me digam nos comentários!

Tem algum leitor de antes de ser reescrita? Se sim, o que estão achando das mudanças?

😜😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...