1. Spirit Fanfics >
  2. Nasce uma nova esperança - Uma História Saiyajin >
  3. Mulheres...

História Nasce uma nova esperança - Uma História Saiyajin - Capítulo 29


Escrita por: SenhoraKakaroto

Notas do Autor


Música para ouvir com o capítulo: Cha-la Head Cha-la - Versão Brasileira

Capítulo 29 - Mulheres...


Fanfic / Fanfiction Nasce uma nova esperança - Uma História Saiyajin - Capítulo 29 - Mulheres...

Por Vegeta: 


O silêncio reinava em minha casa quando adentrei ela, tendo me teletransportado para aquele lugar depois de dias de treinamento exaustivos, com certeza esperando encontrar tudo, menos minha casa em silêncio… 


 Subi as enormes escadas não sentindo o Ki de minha mulher naquele lugar, nem em seus arredores, o que era estranho já que Bulma sempre estava em casa naquele horário… 


 A única em casa era Bra, que estava trancada em seu quarto, com um grande aviso de não perturbar a porta, parecia que não queria ser interrompida por nada, o que obviamente não me impediu de abrir a porta ligeiramente para ver o que minha filha aprontava… 


- Chala head chala! VibraNTE o meu CORAÇÃO, sente emoção e tem AMOR pra dar! Chala head chala! Não PENSE em nada SÓ escuta! Sonhos DENTRO do coração!... - Bra praticamente gritava ao som daquela música que soava por seu quarto, tão alto quanto sua voz podia alcançar, tão alheia a tudo o que acontecia enquanto dançava e cantava, que preferi não a perturbar, achando até mesmo certa graça em seus movimentos sem coordenação nenhuma e em sua voz que mesmo ao cantar levemente desafinada a música que tocava, se divertia tanto com isso que me fez levemente sorri ao observar sua felicidade com algo tão "Bra"… 


 Fechei a porta do quarto…


Era melhor deixar ela cantando e dançando o quanto quisesse sem interrupções, e voltar a procurar por sua mãe, que obviamente não estava nem em casa, nem na corporação. 


- Onde ela está?... - Elevei rapidamente meu Ki a procura de Bulma, não precisando de muito para encontrá-la e me transportar para onde ela estava sem nenhuma dificuldade. 


 Como eu disse, fazia alguns dias que estava em treinamento intensivo, o que significava que estava alguns dias longe de casa, longe de Bulma… 


E convenhamos que um homem, principalmente um Saiyajin tem certas necessidades que precisam ser saciadas de vez em quando e que somente uma mulher, como minha Bulma, poderia me saciar… 


Mas o lugar que encontrei minha mulher era diferente de qualquer lugar que estivemos antes, até porque, não conhecia o lugar onde ela estava, o que me fazia observar cada milímetro naquele lugar, que apesar de ter o Ki de Bulma calmo e descontraído, ainda todo o cuidado era pouco para se ter em um lugar que você não conhece e não faz ideia do porque ela estava ali… 


 Era uma vila, pelo que pude notar pelas construções e pelo tamanho do povoado já que havia me teletransportado perto de algumas construções do vilarejo, que era um local afastado e que ficava ao norte da localização da nossa casa, e que ainda não conseguia entender exatamente o porquê de Bulma ter parado em um lugar com aquele…


Até que o senti…


Um Ki forte e poderoso, grande e completamente puro…


Chichi…


Mas o que elas estavam fazendo aqui?...


 Ouvi vozes vindas mais adiante, onde podia sentir vários Kis diferentes… 


Parecia ser uma festa, dada o tamanho das conversas, da música que tocava e do cheiro extremamente bom de comidas diversificadas que estava no ar...


Mas o que essas idiotas estavam fazendo em uma festa no meio do nada? 


- Ahh também está aqui, Vegeta? - Juro que por um segundo desejei que fosse alucinação da minha cabeça cansada, e que eu não estivesse realmente ouvido a voz de Kakarotto as minhas costas, o que infelizmente era real, já que podia ouvir seus passos se aproximando de mim e sentir seu Ki, que era quase tão absurdo quanto o do filho, apesar deste ainda ser bem mais - Como está?... Bulma disse que nem descansou do treinamento com Bills e já partiu para outro? E aí como foi? Conseguiu bons resultados?... 


- Ahh quieto Kakarotto, como se eu fosse dizer a você exatamente os resultados que obtive no treino… - Claro! Com certeza eu iria contar ao maldito do Kakarotto tim-tim por tim-tim do que alcancei com meus treinamentos, inseto idiota! - E além do mais, o que você está fazendo aqui? Não devia estar plantando mandioca ou alguma coisa do tipo… 


- Te faço a mesma pergunta… - Kakarotto que já estava ao meu lado, me retrucava com uma expressão idiota no rosto, conseguindo já eliminar metade da paciência que ainda me restava, só para responder logo em seguida - Vim atrás de Chichi… Você veio atrás de Bulma, não foi? Bem que eu senti o Ki dela aqui também, seu danadinho… 


 Sua cara de otário ao pronunciar a última frase foi o que mais me causou irritação, já que Kakarotto é só burro e tapado para alguns tipos de coisa, porque em outras era uma rapidez e inteligência que dava gosto, principalmente para se meter na vida dos outros…


Ele conseguia ser até pior do que Bulma nesses quesitos… 


- Ahh Kakarotto, se mete na sua vida, vai… - Deixei ele com sua idiotice para lá, indo adiante na rua seguindo da onde vinha os risos e a música, obviamente sendo seguindo por Kakarotto, que não era conhecido por ser silencioso - Se mete na sua vida, com sua mulher, e deixa a minha e a minha vida que eu resolvo, tá legal… 


- Tá legal, Vegeta… Não precisa se irritar assim também… - E ele continuou falando do quanto estava ansioso para que Whis viesse lhe buscar para o próximo treinamento que lhe aumentaria o tão grandioso Instinto Superior a níveis inimagináveis, e mais um monte de besteiras que sinceramente nem me lembro quais era, até que algo do que ele falou me chamou a atenção, e então mesmo a contragosto, tive que prestar atenção ao que ele dizia - Não entendo porque Chichi está aqui… Sempre que pergunto, ela diz que não se importa em vir aqui, no entanto, aqui está ela, festejando com eles… 


- A sua mulher sabe que lugar é esse?… - Parei para lhe perguntar isso, já estando a pouco poucos metros da onde ocorria a festa, podendo ouvir toda a barulheira dela, assim como claramente ouvia a voz de Bulma rindo, cantando e conversando no meio daquelas pessoas, apesar de não poder vê-la já que estando atrás de uma das casas do lugar, não podíamos ver o que se passava naquele lugar, ouvindo agora Kakarotto explicar o que raios nossas mulheres e nós fazíamos lá.


- Bom, sim… - Ele confirmou, dando uma leve risada, enquanto coçava a nuca - Não sei se você sabe… Mas Chichi era a Princesa dessas terras, antes da fortaleza de seu pai ser incendiada e dela se casar comigo… Por isso ela conhece bem esses lugares, porque todo essa terra era domínio da montanha FryPan, e é bem capaz que se ela continuasse aqui, e a montanha não tivesse sido completamente incendiada, seria provavelmente a rainha de todo esse lugar…


Que coisa…


Então quer dizer que a mulher de Kakarotto não é só a mandona, preocupada, superprotetora, irritada e brava que achava que era… 


 Bom, é claro que eu sabia parcialmente de algo do tipo, já que Bulma em das conversas que ela falará sobre o passado, e que eu havia prestado atenção, ela havia comentado algo do tipo, não que eu me importasse muito é claro, mas é óbvio que agora isso explicava um pouco mais das coisas, principalmente o porquê da minha mulher estar ali, da onde eu cogitava a pegar e ir  o mais rapidamente possível embora dali, já que não estava com muito saco para festinhas, muito menos para aguentar Kakarotto falando na minha cabeça, como estava fazendo naquele exato momento. 


 O deixei falando sozinho…


Não tendo paciência para aturar as idiotices que ele dizia sobre o não entender o porquê da mulher estar ali, do quanto estava cansado e com fome e de como o "sumiço" de Chichi o intrigará a procurar para a encontrar ali, como se eu pudesse saber as respostas disso e das demais baboseira que dizia e que eu claramente não ouvi, o deixando lá tagarelando para avançar mais até a festa, que parecia mais animada do que eu imaginava… 


Obviamente que não demorou muito para eu identificar minha mulher no meio daquelas pessoas desconhecidas, afinal acho que todos sabem muito bem o dom que Bulma tem de ser notada no meio das pessoas… 


Mas ela estava diferente…


Diferente do habitual…


 Eu já havia visto Bulma com as mais diversas roupas durante esses anos todos, desde mini shorts até saias longas que de tão cumpridas arrastavam no chão, mas daquele jeito nunca… 


E por um segundo me permiti admirar a mulher, que a tantos anos chamava de minha…


Ela estava usando roupa parecida com aquelas que a mulher de Kakarotto sempre usava, de pano bem claro com um fundo meio azulado, com insígnias que eu não entendia gravadas em preto perto da barra da roupa que era um pouco acima do joelho, de mangas longas, do que acho ser renda já que era o mesmo tecido das quais as lingeries de Bulma eram feitas antes de eu estragá-las por completo, sendo do mesmo azul que era a cor dos olhos e cabelos da minha mulher, que vestida em algo tão simples, ainda conseguia ser tão distinta das demais…


O que é isso Vegeta?! Onde já se viu tanto sentimentalismo assim?! É só uma roupa homem! 


Uma roupa que apesar de estar bonita nela, assim como tantas outras, eu nem sequer hesitaria em rasgar aquele pedaço de pano em dois se fosse para ter o que eu queria… 


- Vegeta?... Vegetaaaa!! - Kakarotto quase berrava no meu ouvido, sendo um retardado completo, como ele era. 


- Ah idiota! O que você quer?! - Distraído com minha mulher, que sentada em uma das mesas que lá havia, ria na companhia da mulher dele e de uma outra que não sabia quem era, não havia notado até ser tarde demais que o idiota estava curtindo com a minha cara, rindo quando exasperado me virei para ele já tendo que me conter para não arrancar aos socos aquele riso indecente da boca dele. 


- Tô perguntando se você não vai até Bulma… 


- E por que você não vai até a Chichi e para de encher o meu saco hãm?! - Acho que todos sabem bem a minha paciência e humor para as coisas, mas naquele exato momento eu estava cansado do treinamento, com uma terrível fome e ainda por cima mais do que necessitado em ter minha mulher para mim, então a minha irritação e os meus nervos à beira de um colapso não era para se brincar como aquele animal estava fazendo. 


- Mas você está estressado hoje ein… - Ele comentou algo que era mais do que visível em mim, entrelaçando as mãos na nuca, dando aquele típico risinho despreocupado dele - Calma Vegeta, também não dá para levar tudo a ferro e a fogo também… 


- Ah cala a boca… - Foi a última coisa que resmunguei a Kakarotto antes de ouvir meu nome sendo chamado por quem eu mais queria que notasse a minha presença ali. 


- Vegeta?... - Bulma me chamou, parecendo não acreditar muito que era eu que estava naquele lugar, até mesmo parando por um momento para me olhar melhor, com suas sobrancelhas arqueadas, assim que virei para encarar seu rosto, que mesmo de longe podia ver a dúvida em sua expressão e então sua verdadeira alegria em me ver - Vegeta!...  


 Nunca me acostumei a ser recebido com saudade e alegria pelos membros da minha família, afinal foram tantos anos exilado em trabalhos, onde me viam como o monstro saiyajin sem alma e coração que eu era, que ao me regresso não havia nada mais que um Bem vindo senhor, já temos uma nova missão, que nunca me acostumei a ser recebido daquela forma… 


 A ter alguém me esperando e realmente se alegrando ao meu voltar e a estar junto de mim uma vez mais… 


Como era estranho o que o planeta Terra havia feito conosco, Saiyajins… 


 Ele havia transformado nossa raça de uma maneira sem igual e que nunca na história havia sido mudada daquela forma… 


Porque agora tínhamos algo que valia a pena lutar para defender… 


Não só a nós…


Não só a nossa família…


Mas também para proteger um lugar que a todos nós, até mesmo eu, O Orgulhoso Príncipe dos Saiyajins, chamávamos de lar… 


- Vegeta! Você voltou… - Bulma dizia isso sorridente, vindo em nossa direção, quando parou para olhar aquele que ainda nas sombras estava, mas que obviamente era tão reconhecível quanto qualquer coisa - E trouxe o Goku com você?...


- Goku? - Chichi se atentou ao que minha mulher dizia ao ouvir o nome do idiota que ao meu lado agora ia em direção a mulher, que bem maior do que a última vez que a tinha visto, voltou a se sentar na mesa em que estava com minha esposa, esperando que Kakarotto fosse até ela, como ele assim o fez, como o belo idiota que era… 


- Não achei que voltaria tão cedo desta vez… - Kakarotto se foi e Bulma veio, me dando um de seus típicos abraços após o meu regresso, que apesar de ser ligeiramente reconfortante, não deixei durar muito, afinal, aquele não era o lugar muito menos o momento para aquelas intimidades, principalmente perto do verme de cabelos espetados e da esposa - Sentiu saudade foi? 


 Bufei revirando meus olhos em resposta a sua provocaçãozinha, a fazendo rir divertida, que de uma forma estranha atingiu ao ouvir sua risada…


Raios, meus sentidos estavam cada vez mais afetados, e se não fossemos logo, não responderia por meus atos com minha esposa… 


- Vegeta! Hei… - Ela acenava a mão em frente ao meu rosto para chamar a minha atenção - Ainda está com a cabeça no treinamento ou o que?... Vem, te disse que como você não está fedendo tanto ou tão sujo quanto de costume, então dá para você comer do jeito que você está, porque eu sei que você está com fome… - E o pior de tudo, era ela ter razão no que dizia, já que pouco havia me alimentado naqueles últimos dias, e estava realmente morrendo de fome! - E o porco que eles assaram acabou de sair, e se formos logo, você ainda pode comer tanto quanto o Goku está comendo…   


E foi somente então que prestei atenção além da minha mulher, vendo que Kakarotto já enchia a pança de comida, em uma mesa repleta dos mais diversos pratos que o faziam não prestar mais atenção em nada além da comida que via a sua frente…


- Idiota… 


- O que disse? - Balancei minha cabeça em resposta a Bulma, pensando mais uma vez alto demais, a seguindo pelo local cheio de pessoas desconhecidas e que obviamente me olhavam como insetos curiosos, por eu não ser dali.


Onde é que eu vim parar?... 


 Logo eu! Que só queria pegar a minha mulher e ir embora dali o mais rápido possível… 


Mas eu estava com fome demais para recusar um bom porco assado como aquele que eu via e sentia o cheiro… 


[...] 


- E agora? Já?... 


- Vegeta! Se você me apressar mais uma vez eu juro por Kami-Sama que passo a noite aqui, entendeu! - Bulma e seus nervos, me deixavam quase louco ali - Já chega! Estamos numa festa pelo amor de Deus! E eu quero curtir junto com a Chichi, tá bom!... Nós vamos embora, mas não agora! E já chega disso!... 


E foi-se embora ela, após despejar em mim todos esses empecilhos para a nossa ida, tão firme em sua decisão de ficar naquele lugar que parecia ser irredutível quanto a isso, me fazendo com muita raiva ficar, pronto para explodir a cabeça do próximo que de mim se aproximasse...


- Vegeta… 


 Me virei brutal e raivosamente para quem me tocava em meu ombro, nem mesmo reconhecendo quem era a voz que me chamava para que eu prestasse atenção nela, a fazendo retirar sua mão de mim o mais rápido que conseguia, com seus olhos confusos e levemente assustados, me olhando incompreensivelmente. 


- O que você quer?! - A mulher de Kakarotto estava parada à minha frente, já desconsiderando toda a minha irritação e raiva que naquele momento eu sentia, mas que por maior que fossem, dela eu não poderia arrancar a cabeça… Maldição! 


- O que você tem, homem? Isso é uma festa, não mais uma das suas competições de luta, então fica calmo… - Ela havia endurecido um pouco o olhar, falando um pouco mais firme do que antes, balançando a cabeça em desaprovação a minha atitude impulsiva e raivosa - Porque você não vai lá com o Goku para se acalmar e aproveita e leva essa bandeja de Uramakis, que eu mesma fiz, para comerem juntos ein… 


- Você quer que eu me acalme ou mate o seu marido? Porque se eu for para perto de Kakarotto é isso que vai acontecer! - Ela continuava com a mesma expressão que Bulma sempre fazia em desaprovação às minhas atitudes e palavras. 


- O que eu quero na verdade é que você pare de show! Fique bem calminho e deixei a Bulma curtir um pouco antes de irem embora… - Ela falava entre dentes, achando que podia mandar em alguma coisa em mim, achando realmente que eu iria fazer o que ela estava me falando para fazer - É só isso que eu quero… 


- E se eu não quiser?... - A retruquei, cruzando meus braços, porque claramente eu não obedeceria suas ordens.


- Então teremos um problema, Senhor Vegeta…


- Opaa, tudo bem por aqui? - O idiota que se apresentará como sendo Hiro, o "chefe" otário daquela maldita vila, se intrometeu em nossa conversa, me fazendo bufar mais uma vez pela intromissão das pessoas em algo que não lhes dizia respeito. E atrás da mulher de Kakarotto, com a mão em seu ombro, mudou o rumo da conversa que tínhamos - Desculpa interromper, mas os seus bolinhos fizeram maior sucesso Chi, e as pessoas querem mais… 


- É claro… - Ela sorria em resposta ao estranho amigo dela, que possuía alguns gestos que não eram comuns de um amigo fazer, a fazendo ir atrás dele em algumas breves palavras, claro que não sem antes empurrar a bandeja de Uramakis em mim, e de uma maneira bem mandona dizer entre dentes novamente - Seja bonzinho Vegeta e faça o que eu te falei, okay… Vá para junto de Goku, se acalme... E tente não matar ninguém, e nos dar mais problemas, pode ser?...


 E sem esperar uma resposta, ela também foi embora, me deixando com cara de idiota e cheio de irritação em algo que eu realmente esperava que já teria acabado. 


Preferindo claramente ficar sozinho do que ir para junto de Kakarotto, que como um irritante que não sabe seu lugar, não podia me ver quieto, sentado em uma pedra um pouco afastado da centralização das pessoas que festejavam, comendo a bandeja de Uramakis que realmente estavam deliciosos, já que como Chichi dissera, fora ela quem fizera aquele prato, e cozinhando bem como ela cozinhava, era impossível de se negar que o prato estava realmente apetitoso…


Bom, de certa forma eu fiz o que aquela ingrata quis…


Afinal estava mais calmo, até agora não matará ninguém, e infelizmente tinha que aguentar Kakarotto perto de mim, que me fazia cogitar a hipótese de o matar, mas até agora nada, então acho que poderíamos dizer que eu estava indo bem…


Controlando meus nervos e instintos assassinos se preferirem até...


Preferindo me concentrar em observar o aglomerado de pessoas que pareciam cada hora aumentar mais e mais , festejando seja lá o que elas estavam, afinal não me importava com o motivo, mas como algo que poderia abaixar o meus nervos por ter que suportar Kakarotto, estava a observar todos ali…


Havia muitas pessoas como disse…


Música tocando e muitas vozes se misturando…


A voz de Bulma estava entre elas, que ao longe cochichando alguma coisa com Chichi, em uma mesa depois da grande fogueira acesa no centro daquele lugar, enrolava os bolinhos que fora chamada para preparar, conversaba atentamente com minha mulher sobre algo, que pela barulheira de conversero, música e todo o resto, não pude ouvi exatamente o que era…


- Hum… 


- O que? - Kakarotto que ao meu lado, sentado no chão sobre uma toalha repleta de comida que sua esposa havia feito e trazido para ele a cada prato que era preparado, me perguntou, enquanto ainda tentava ouvir e compreender fragmentos dessa conversa, que parecia interessante demais para ser ignorada.


- Chi, acho que… 


- Eu sei, mas você quer que eu faça o que?...


- Se fosse o Vegeta, ele…


- Duvido que seria assim Bul, além de que o Goku ele… 


- Não, claro que não! Te prometi não foi? Eu…


- Amiga, eu sei, mas…


- O Goku entenderia, ele é tão tranquilo, o que eu acho é que… 


- Bulma, não! Eu não vou, não insista, sabe porque estou fazendo isso… 

 

- Saiyajin ou não ele tem que saber Chi… É uma escolha sua… 


- Sim, minha escolha e eu…


- Vegeta, o que você está fazendo? - Kakarotto e sua maldita boca que não podia ficar quieta um segundo! Incrível! - Você tá com aquela cara de desconfiado de novo… O que foi? Sentiu algum Ki foi isso? 


- Não, imbecil! E com certeza se eu tivesse sentido algo, aqui é que eu não estaria, não acha? - Disse irritado, já não conseguindo mais ouvir nada da conversa de nossas mulheres, que me fazia desconfiar ainda mais do que na estava desconfiado. 


 A verdade é que Bulma e Chichi escondiam algo dos outros já há algum tempo…


E eu não era burro o suficiente para não ver isso, como os demais, acho que provavelmente sendo o único a notar que havia algo de errado com as duas, que sempre cochichando, falando pelos cantos, tendo atitudes estranhas que normalmente elas não teriam, fazendo e liberando coisas que normalmente elas não aceitaria, era só mais e mais sinais claro de alguma coisa estava acontecendo as escuras, e que bem debaixo do nosso nariz as duas escondiam isso, achando que ninguém iria perceber isso…


Mas eu não era ingênuo como os outros, claramente notando que algo rolava bem a nossa frente e que ainda sim nós não sabíamos…


 Bom, pelo menos eu não sabia… 


Será que…


Não, impossível… 


É impossível que eu não saiba e o idiota ao meu lado saiba… 


Se bem, que ele e a mulher tem um relacionamento diferente do meu e de Bulma, então pode ser… 


Pode ser que Chichi tenha dado mais pistas a ele sobre o que estava acontecendo… 


E bom, como ela mesmo disse, era para mim ficar perto de imbecil e me acalmar… 


E eu iria fazer isso da melhor maneira possível…


- Kakarotto… - E virando seu rosto para mim, me perguntava com o olhar o que eu queria, já que a boca estava repleta de comida, não podendo dizer um A sequer - Você sabe por que a sua mulher está agindo estranha assim? 


E para piorar a situação, o retardado engasgou com toda a comida que havia em sua boca, chegando a ficar vermelho, com os olhos marejados, tossindo feito um louco com o tamanho do engasgo que teve. 


- Como assim? - Kakarotto enfim havia se recuperado depois de litros de água, apesar de ainda tossir um pouco, enquanto me olhava surpreso e com incompreensão - Chichi? Agindo estranho? Como assim Vegeta? Explica essa história melhor… 


- Ah eu sei lá… - Dei de ombro, nem mesmo eu sabendo exatamente o que havia de estranho com nossas mulheres, somente sabendo que elas não estavam em seu normal - Ela e Bulma estão agindo de uma forma estranha… Não notou não? 

 

 Lerdo como era, não me espantaria que não tivesse notado nada, afinal se havia uma pessoa nesse Universo que as coisas podiam estar estampadas na cara dele, e ele ainda seria capaz não perceber, esse era Kakarotto, porém, me surpreendi ao ele, depois de pensar um pouco, assentir levemente… 


- Sim, notei… - Ele ainda pensava quando começou aquela frase, se virando para me encarar melhor, percebendo agora que eu havia o instigado a reparar nas atitudes estranhas da esposa - Ela está um pouco diferente do que era… Mas achei que era a gravidez… - Ele deu de ombros, parecendo realmente acreditar naquilo, enquanto eu já tinha sérias dúvida sobre isso - A Chichi sempre fica estranha nas gravidez dela… Então achei que era isso… Até achei que era normal...


- Kakarotto, normal é elas vomitarem, sentirem dores nas costas, pedirem coisas absurdas como torta de chocolate com molho de salmão, não mudarem completamente atitudes que elas jamais teriam antes… - Explicava a ele, esperando que o vírus de sua burrice não fosse tão grande a ponto de não fazê-lo entender algo tão simples - E também, se fosse assim, Bulma não teria motivos para estar estranha também… Ela não está grávida, mas tem as mesmas atitudes da sua esposa… Vive me cobrando para que eu treine mais e mais… Não fica mais reclamando como sempre fazia por eu ficar dias e dias fora em treinamento… 


- Chichi também está assim!... Ela até me incentiva a treinar, acredita… - Como eu sabia, Chichi estava tão estranha quanto Bulma nos últimos tempos, mas pelo visto Kakarotto não fazia ideia do motivo por trás disso, bom, ainda… - E briga comigo quando eu não treino para ficar cuidando dela, mas se eu também não a ajudo ela fala um monte… 


Mulheres…


Eram elas provavelmente as criaturas mais estranhas de todas...


Não podendo viver com elas e não podendo viver sem elas… 


Quem explica?...


- Como eu disse Kakarotto… Elas estão estranhas… E estão assim porque estão escondendo algo de nós… - Cruzei meus braços, já planejando o ponto onde iria atacar para ganhar aquela batalha, e conquistar o direito de saber o que se passava as nossas costas, dando até mesmo uma paga em Chichi por estragar meus planos com minha mulher, lhe proporcionando uma pequenina dor de cabeça para ter que lidar, afinal, ninguém mandou ela se intrometer nos meus assuntos! - Tenho certeza que algo está se passando e que elas estão sabendo e não querem nos contar… Preferindo guardar segredo a dizer o que está acontecendo… 


- Mas… Não deve ser algo sério não é… - E minha semente maligna já começava a germinar em sua mente - Afinal, se fosse Chichi me contaria… Porque não guardamos segredos sérios um do outro… 


 Dei de ombro, expressando minha indiferença com minha expressão, claramente já sabendo o que se passava na mente de Kakarotto, que conseguia até mesmo desregular levemente seu Ki. 


- Eu sei que Bulma não contou nada para mim… Mas Bulma e eu guardamos muitos segredos um do outro, então não é novidade nenhuma isso… - Joguei, tentando não rir ironicamente da situação, que agora faria com que Chichi lidasse com Kakarotto e não eu - Já você e a sua mulher… 


- Nós não escondemos nada um do outro, Vegeta… - Ele disse firme, se levantando rapidamente, me olhando sério, quase como se estivesse pronto a travar uma batalha, se bem que aonde ele iria se meter, com certeza ele iria batalhar contra algo, e possivelmente perder contra ela, como sempre perdia - Eu e Chichi não somos esse tipo de casal… E se algo está acontecendo ela tem que me contar… Ela tem… Tem que me contar… 


 E sem mais nem menos Kakarotto se foi, indo em direção a esposa, agora já sendo problema dela e não meu…


Não me entendam mal… 


Chichi era uma pessoa suportável até, com boas intenções, além de ser com certeza a pessoa mais próxima a Bulma depois dos nossos filhos…


Mas o Kakarotto… 


Como ele as coisas eram diferentes…


E como bem estava escrito em minha cara, eu não estava com muita paciência e bondade dentro de mim…


E infelizmente foi exatamente hoje que Chichi resolveu me testar, mandando em mim, ao mesmo tempo que Kakarotto era um tapado que não via as coisas na frente dele…


Então porque não incendiar as situações um pouquinho mais ein?... 


Afinal, ver algo pegar fogo é a coisa mais linda de se ver, não é verdade…


Além de que meu coração poderia até mesmo ter levemente mudado, se tornando mais humano, mas ainda em alguma parte dele, por mais interna e subjugada que fosse, existia a minha boa e velha maldade...


 E me divertir pensando assim, me concentrando para ouvir alguns fragmentos da conversa deles, que obviamente Bulma estava no meio, ouvindo tudo com meus olhos fechados partes daquela conversa, que estava tão interessante...


- Pelo amor de Deus Goku, eu não estou escondendo nada!... - A voz de Chichi estava levemente mais exaltada, o que significava que ela estava começando a ficar nervosa, o que podia significar duas coisas, ou ela estava realmente escondendo algo e ficará nervosa ao ser perguntada sobre, ou ela estava simplesmente sob efeito dos hormônios gestacionais, que culminaria com um desastre por causa disso, bom, seja o que for, vejamos até onde isso irá parar - Por que você está me perguntando isso?! 


- Goku da onde você tirou essa ideia absurda? - Bulma era incapaz de ver uma briga e mal se meter nela. 


- Chichi, você está estranha, assim como Bulma… E se estão escondendo algo, precisam dizer… 


Talvez não tivesse sido uma ideia muito genial ter feito aquilo com Kakarotto, não por causa dele obviamente, mas por causa das mulheres… 


Por causa de Bulma que infernizaria a minha vida por causa dessa minha pequena gafe…


E por causa de Chichi, e de seu estado… 


 E Kakarotto sabia bem como tirar uma pessoa do seu estado normal e até mesmo eu sabia que aquilo não era bom no estado dela…


Passos vindo em minha direção…


E um Ki bem raivoso acompanhando eles…


Senti um golpe vindo e reagi por instinto…


Interceptando seu golpe antes que me atingisse, segurando a mão de seja lá quem fosse o lunático que tivera a audácia de me atacar no ar, me levantando e me prontificando a lutar com a pessoa, que até o momento em que segurei o golpe e me levantei para reagir não notei quem era… 


- Aii Vegeta!... - Me espantei ao ver Chichi, que com em um misto de surpresa e raiva, me olhava não muito contente com o que acontecia - Seu idiota! Me solta!


- Está louca em me atacar assim, sua inconsequente?! - Soltei seu braço bruscamente, a fazendo dar alguns passos para trás com minha brutalidade, ainda vendo a olhar feio para mim, enquanto massageava o pulso levemente vermelho - Eu podia ter te machucado de verdade, sua louca! 


- Louco está você de reagir dessa forma, seu animal! - Ela retrucava, como se ainda estivesse certa em me atacar.


- Eu sou um Guerreiro, sua estúpida! É óbvio que eu não reagiria de outra forma! - Não chegamos a gritar um com o outro, mas falávamos mais alterados que o nosso normal, testando os nervos um do outro - E que ideia idiota é essa de me golpear, Chichi?! 


- Era só um tapa, Vegeta! Não faça todo um show… - Ela cruzou os braços, revirando os olhos, totalmente irritada com o que acontecia de uma tal forma que até mesmo o Ki do bebê começava a se desregular por causa de seu nervosismo - Bulma vive batendo em Goku e ele não faz tudo isso que você está fazendo… 


- E essa é uma das diferenças entre eu e seu marido, querida… - A olhava tão ferozmente quanto ela para mim, a provocando com minhas frases, começando a notar que uma leve vermelhidão começava a nascer em suas bochechas - Eu não baixo minha guarda tão facilmente assim, por isso nunca mais faça isso… A não ser que queria morrer… 


- Só se quiser que Goku e meus filhos te matem, aí sim podemos conversar… - Ela estava irritada e raivosa, por isso suas provocações rebatidas eram novidades para mim, o que na verdade não me desestabilizou nem um pouco, me fazendo até mesmo rir ironicamente com aquilo, achando realmente leve graça no que acontecia - E se acha que Goku não faria nada, vamos lá, tente a sorte… Vamos ver até onde um Saiyajin pode ir para vingar a morte de alguém importante para ele… - E colocando a mão sobre sua barriga, ela sorriu maldosa me provocando algo que não daria muito certo se acontecesse - Principalmente para vingar alguém que carrega um filho seu dentro de si...


 Chichi brincava com aquilo que não deveria brincar, atiçando algo que levaria a morte de provavelmente todas as pessoas daquele lugar, já que se eu a matasse, Kakarotto e eu entraríamos em uma luta que na melhor da hipótese somente destruiria aquele pequeno do lugar, e na pior, tragaria toda a Terra por nosso descontrole e poder… 


Mas aí estava outro problema…


Minhas ameaças não eram sérias e eu não a mataria de verdade… 


Não por Kakarotto ou qualquer outro membro de sua família, já que considerava todos insignificantes e de poder muito abaixo do meu…


Mas por ela… 


Estranhamente por causa dela e do filho que ela gerava em seu ventre…


Que despertavam em mim uma sensação estranha, que com poucas pessoas eu sentia algo igual… 


Uma sensação esquisita que estava dentro do meu peito, e que era parecida com a sensação de…


Proteção…


E que me faria não encostar nenhum dedo naquela mulher que parecia ter fogo correndo por suas veias, que alimentava seus ruins sentimentos, que agora mudará a direção para falar sobre as idiotices que estava colocando na cabeça do marido dela…


- Eu não entendo porque fica colocando essas coisas na cabeça fraca dele, Vegeta! - Quando voltei a prestar a atenção no que ela falava, me surpreendi com o que era dito, e também no quanto ela gesticulava com as mãos com cada palavra que ela dizia descontroladamente - Você sabe que o Goku é cabeça fraca, ingênuo mais que uma criança e que coloca qualquer caraminhola na cabeça!...


- Cabeça fraca?... - Repeti, vendo que mais uma pessoa no Universo pensava como eu a respeito de Kakarotto, observando também o quanto ela já estava bem mais alterada do que antes, e bem mais vermelha também, com agora o rubor cobrindo toda a sua face e busto - Cabeça de vento, seria uma expressão mais apropriada… 


- Use a expressão que quiser… - E entre dentes ela continuou - Só não fique colocando bobagens na cabeça de Goku, Vegeta, porque eu já tenho coisas demais a me preocupar para ter que lidar com mais Goku e suas ideias idiotas implantadas nele… - O Ki de Chichi e da criança estavam totalmente desregulado, emanando irritação, com certeza não havia sido uma boa ideia provocá-la até que chegasse aquele estado, pois agora seu nervosismo e irritação estavam tão grandes que a quilômetros de distância com certeza poderiam ser sentidos, porém isso estava a debilitando a cada segundo mais, até o ponto e que ela já não estava mais normal, tendo sido completamente corrompida pelos sentimentos que sentia e transparecendo isso não só mais com as com as palavras, mas agora com o corpo também e o visível mal estar que por sobre ela recaiu - Porque foi isso que você foi colocar na cabeça do meu marido! Ideias idiotas, vindas da completa idiotice saiyajin! Quanta idiotice, meu Deus! Idiotice! Idiotice! Idiotice! 


- Chichi, você tá legal? - Não era como se eu estivesse preocupado, mas era visível que ela não estava bem, falando rápido demais, completamente vermelha, tendo as mãos trêmulas, a respiração totalmente alterada e o Ki dela e do bebê completamente desregulados, juntamente com seus batimentos cardíacos, que podia ouvir tão alto, claro e acelerado quanto ouvia sua voz fina e repleta de irritação e nervosismo.


- Ah para, idiota… - Ela tentou negar, balançando a cabeça negando algo que claramente a afligia, até mesmo seu Ki estava se enfraqueciendo levemente, oscilando sua energia por causa do que lhe acontecia, e que obviamente não era nada bom por acontecer, afinal, Chichi estava grávida, não é, e não pensei que ela se abalaria tanto com algo tão insignificante como aquilo a tal ponto de ficar do estado em que estava - É óbvio que estou bem!... Só... Só Puta com o que você está fazendo com Goku, Vegeta…


- Não, é sério Chichi… - Já começava a perceber sua dificuldade para respirar, e seus batimentos agora mais desregulados que nunca, que não era um sinal nada bom - Você tá bem?...


- Eu… Eu não sei… 


E por um segundo, se não tivesse sido rápido o suficiente para que ela se segurasse em mim, Chichi teria cedido, desmaiando pelas emoções fortes demais que sentia e que a quase fizeram sucumbir por sua pressão dentro dela, somente não ocorrendo isso porque fui ágil o suficiente com meus reflexos que quase nunca falhavam, conseguindo fazer com que ela se segurasse em mim antes que algo pior acontecesse, me fazendo perceber o quanto havia ido do ponto limite daquela mulher, que já não era mais a mesma que era desde o começo da gestação… 


E com cuidado a sentei na pedra que antes eu estava sentado, tendo autocontrole suficiente para não piorar a situação, que já estava ruim o bastante por causa de tudo o que havia acontecido…


E talvez por causa de mim…


Ela respirava fundo com dificuldade, com uma das mãos no peito, com certeza sentindo a frequência cardíaca muito mais acelerada do que deveria estar, e com a outra ainda agarrada ao meu ombro, que ajoelhado sobre uma das minha pernas estava a sua frente sentindo seu aperto firme, que chegava a gravar suas unhas em mim, e que fazia com que eu não pudesse me afastar dali, apenas observando sua tentativa de se controlar, não sabendo muito na verdade o que deveria fazer para ajudar. 


- Vegeta… - Sua voz mal saiu ao me chamar, enquanto tentava localizar qualquer um que fosse, para que este viesse e me deixasse livre daquela situação - Minha cabeça… 


 E esfregando os olhos e a testa com a mão que antes estava no peito, ela conseguia apertar mais meu ombro com uma força que chegava até mesmo me surpreender, enquanto pedia ajuda para seja lá o que tivesse acontecendo com ela, e que algo dentro de mim, bem dentro de mim, fazia com que eu sentisse que a culpa foi minha por aquilo estar acontecendo, me fazendo sentir responsável pelo que estava e o que poderia acontecer a Chichi e a criança dentro dela, que podia muito bem ser afetada com isso...


- Hei! Você… - Por milagre de Kami-Sama uma menina passava, sabe se lá fazendo o que, naquela hora de necessidade, e obviamente que aproveitei essa oportunidade sem demorar um segundo para isso. A menina imediatamente se aproximou de mim, também percebendo que Chichi não passava bem, e como Kakarotto dissera, ela era a Princesa daquele lugar, por isso a preocupação tomou conta da garota que deveria ter a idade de Bra, a fazendo se aproximar e acatar minhas ordens, sem contestar - Vá buscar água para ela… Imediatamente… 


- Ahh… Vegeta… - A dor deveria ser demais, pois Chichi novamente cedeu, pendendo agora para frente com ambas as mãos na cabeça, que deveria doer demais, me fazendo mais vez eu ter que segurá-la para que não caísse - Minha cabeça… Dói muito...


- Hei… Calma… - A segurava pelos braços que estavam erguidos pelas mãos que mergulhadas no meio de seus cabelos, segurava sua cabeça com a mesma força com a qual ela segurou meu ombro a pouco, tendo uma expressão torcida dd dor em seu rosto, com seus olhos fechados com força e seus lábios franzidos, enquanto tentava fazê-la ficar o mais calma possível, claramente sabendo que aquilo era resultado de nossa pequena briga, se podemos dizer assim, pois Bulma também durante a gestação de Bra tivera algumas dessas dores de cabeça intensa após passar por alguma emoção consideravelmente forte, como as que Chichi a pouco havia passado, acho que era resultado do poder dos híbridos em seus corpos, que quando descontrolados em emoções possuíam um enorme poder, que refletia isso dentro delas mesmo com tão pouco tempo de vida deles em uma grande dor, me fazendo ter que segurar as pontas para tentar acalmá-la e ajudá-la até que a dor passasse, pois se fosse as crises como as de Bulma, logo a dor passaria, durante o tempo e em que talvez pela primeira vez na vida desejei que Kakarotto brotasse ali ao meu lado, como sempre fazia, para ser ele a resolver com a mulher dele o que ela estava passando, mas enquanto isso não acontecia,eu não podia a deixar ali - Você tem que respirar fundo e se acalmar… 


- Mas está doendo muito… - Ela tentava me contestar, mesmo com muita dor, como se eu não soubesse lidar com aquela situação. 


- Se não fizer o que eu falo não vai melhorar! Agora se acalme! - Eu até podia estar tentando ajudá-la, mas exigir que eu tivesse muita paciência, aí já era demais - E onde tá a menina com a água?!...


- Aqui Senhor… - A menina que já estava a pouco metros as minhas costas, me respondeu, vacilando rapidamente nas sílabas acho que por minha ferocidade e irritação, se aproximando rapidamente com um jarra e um copo de água, entregando a Chichi com um sorriso típico de quando se era dado a alguém para quem você queria expressar força e ajuda - Aqui, Majestade… 


 Chichi agradeceu tomando o copo d'água, com a menina logo em seguida após ter cumprido sua tarefa sumindo de nossas vistas, acho que não se sentia bem em minha presença, por causa dos olhares amedrontados que me dava, podendo assim que se viu livre sair o mais rápido da minha e da presença de Chichi. 


- Melhor? - Perguntei me levantando, ficando ainda a sua frente, vendo que a crise já estava passando, assim como em Bulma - Porque não quero ter que estar perto se você começar a vomitar...


- Seja mais gentil, seu grosso insensível... - Respondeu ela, depois de toda a minha ajuda - Eu estou grávida e com dores, e você pode muito bem ser mais delicado comigo.  


- Ingrata… - Resmunguei cruzando meus braços, obviamente sufocando a responsabilidade que sentia recair sobre mim por ela estar naquele estado, que claramente sua ingratidão a levou estar, vendo que aquele não era só um problema de Kakarotto em si, mas sim de toda a família, e por falar em Kakarotto... - E cadê o Kakarotto que deveria estar aqui… Kakarotto! Kakarotto! 


- Vegeta… Vegeta para! - Ela tentou se levantar e me parar, mas era esforço rápido demais para ela, o que a fez cambalear levemente, e meus reflexos agirem por si só, tendo o instinto de novamente segura-la, apesar desta vez ela ter conseguido ter forças o suficiente para não cair, mais uma vez - Não precisa de todo esse escândalo, eu já estou bem… 


- Hum… Estou vendo… - Disse cruzando os meus braços, não entendo porque tive aquela reação, de novo - Está tão bem quanto a alguns minutos atrás… 


- Vegeta… - Chichi me olhou séria por um segundo, antes de balançar a cabeça levemente, esboçando um pequeno sorriso, confirmando algo que ainda não acreditava por completo - Eu estou bem… Então deixe de se preocupar a toa… 


- Eu não estou… Preocupado… - Aquela simples palavras já me enojava, deixando claro isso na expressão que fiz ao negar aquele absurdo que ela falava - Só acho que esse problema quem tem que resolver é o seu marido e não eu… Porque você é a mulher dele, e não minha… Então se alguém tem que te amparar, e ele e então eu… 


- Primeiro, foi sua culpa eu ter passado mal… - E a insolência dela voltou, acho que realmente ela deveria estar melhor já que estava agindo daquele jeito, não é verdade? - Segundo, você era o único perto para me ajudar, então é seu dever me ajudar… 


- Meu dever porcaria nenhuma… - Ela riu, deixando de estar vermelha gradativamente, assim como seu Ki que começava a se apaziguar novamente - O meu dever para falar a verdade era levar a minha mulher daqui a muito tempo… Mas ela insiste em ficar aqui, então…


- Então deixe de reclamar… - Ela me interrompeu, enquanto passava por mim em passos pequenos e lentos, ainda não totalmente recuperada do mal estar de pouco atrás - Pare de ser rabugento por um momento, Vegeta, e curta as coisas ao seu redor… - Foi neste momento em que Bulma a chamou para que se juntasse a ela, vendo que Kakarotto novamente se dirigia ao lugar onde estávamos, com uma cara um pouco menos idiota do que antes, depois de falar com minha esposa, e indo até a mesa onde Bulma se encontrava, Chichi somente retrocedeu para falar uma simples palavra, que talvez, por um momento, fez meu coração sentir algo estranho,como se um formigamento tomasse conta dele e desse formigamento uma energia leve, porém detectável, percorresse meu corpo - E Vegeta… Obrigada...




Notas Finais


Pessoal, esse capítulo era para ser duplo, mas eu estou Super ultra mega atrasada nos meus capítulos...
Muitas coisas aconteceram na minha vida, eu fiquei sem inspiração vários dias e uma coisa levou a outra e peço que por favor me desculpem e entendam isso okay, prometo que é algo que farei o possível para não voltar a acontecer...

E é isso pessoal, esperam que tenham gostado do capítulo pelos olhos do Vegeta, me contem tudo o que acharam okay, espero a compreensão de vcs nessa parte, e prometo que irei compensar todos vcs!!!

E então até o próximo capítulo pequerruchos 😉❤️💕💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...