1. Spirit Fanfics >
  2. Natiese: amizade ou romance? >
  3. Entre duas linhas- Parte 2 (Parte 2)

História Natiese: amizade ou romance? - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Oie! Então... Me perguntaram se eu vou dar o mesmo fim da websérie, para a Fanfic... não, gente. Eu não vou. Até pq eu pretendo trazer uma parte 2 e não dá pra fazer ela, com a Pri morta. (Sim, eu acredito que a Camila Castanho morreu)

Capítulo 13 - Entre duas linhas- Parte 2 (Parte 2)


Prscilla narrando...

Estava indo para o meu prédio, quando vi o carro de Rodrigo na frente. Achei estranho, mas não ia fazer nada, até que vi ele entrando com a Natalie no carro. Me desesperei, saí do meu carro e fui atrás deles. Me joguei na frente do carro dele, para qe ele não seguisse para seja lá onde ele fosse com ela. Ele fez como se fosse dar a partida, mesmo comigo ali, mas eu não saí da frente. Vi que Ntalie não queria estar ali dentro e eu iria tirar ela de lá. Natalie tenatava sair, mas  Rodrigo a  impedia. Peguei meu ceular, como se fosse ligar para a polícia. Ele se assustou e pôs as mãos, juntamente com a cabeça, em cima do volante. Depois, ele fez um movimento de ré e acelerou, desviando de mim e indo embora com ela.  meu futuro-ex marido havia sequestrado o meu amor! Me desesperei Liguei para a polícia e descrevi o carro do Rodrigo. Logo, eles chegaram onde eu estava e pediram para que eu passasse por toda aquela burocracia que nós já conhecemos: B.O, e ficar esperado em casa, até que o sequetrador made notícia. o problema, é que eu não poderia esperar. Eu não conseguia, sabendo que a minha Naty estava as mãos daquele maníaco, e que a culpa era minha.

Acabei de perceber que eu não contei o que houve, quando eu puxei o Rodrigo para uma conversa, longe da Naty. Nós fomos para o corredor em frete à minha sala e ele já veio me enchedo de perguntas.
Por que você vive grudada nessa mulher? Vocês não tinham brigado? E, por que vocês estavam de braços dados?- Tive que colocar a mão na boca dele, para que ele se calasse.
Eu e a Naty somos amigas. A gente briga, mas a gente se entende. Mas não é para falar sobre a miha amiga, Naty, que eu te chamei. Eu te chamei aqui para falar sobre a gente. Sobre a Natalie, também, mas eu já queria ter essa cnversa com você, antes de nós nos reencontrarmos. É o seguinte: eu sou estéril, não tenho diheiro para o tratamento e nós sabemos disso. Sabemos, também, que você qer muito,um filho. Um filho que eu não posso te dar e isso incomoda você. Eu sei que isso te incomoda, e isso me incomoda também. Nós dois sabemos que você vem chegado bem tarde em casa, ultimamente e nós sabemos o porquê disso: você está me traindo e isso é óbvio.- Introduzi o conteúdo da conversa, e iria contiuar falando, se ele não tivesse me interrompido.
Amor, calma. Eu... Eu juro que foi só uma vez! E...ela não sig...-Interrompi ele, também,
Eu sei que você me traiu e não importa qatas vezes fram. Ainda é uma traição. Mas fica tranquilo. Eu não vou te julgar. Eu também te traí algumas vezes.- Fiquei assustada. A expressão dele mudou, de seriamente preocupado, para extremamete irritado.
COMO ASSIM, VOCÊ ME TRAIU? COM QUEM? FOI COM O THAMÁS, NÃO FOI? EU VOU MATAR VOCÊS DOIS!-disse, Rodrigo, aos berros.
Não! Eu nunca te traí com o Thamás. Tá ficando louco?- Perguntei. Na mesma hora, me arrependi de ter ido falar com ele. Se ele estava ameaçando matar o melhor amigo, imagina o quê faria com a Natalie, que ele mal conhece?
Com quem foi, então? Quantas vezes você me traiu?- Perguntou.
Eu te traí algumas vezes com  mesma pessoa: a Natalie. Desde que a gente se conheceu, há oito anos, eu já ficava com ela. Eu fui a razão de ela ter saído da escola onde estudávamos. Mas, espera! O senhor não me falou quem era a mulher que estava na nossa casa, esses dias!
Não sei do quê você está falando. Não tinha nenhuma mulher na nossa casa, esses dias! Nenhuma mesmo, porque você também estava fora! Você estava na casa da Natalie, não estava?- Ele quis virar a conversa contra mim.
Sim, eu estava! Eu fui reatar a minha amizade. Ela mora naquele mesmo prédio e eu ia dormir lá. Acabou que a gente se encontrou, conversamos e viramos amigas novamente. Mas isso não importa. O fato é que eu quero divórcio. Eu já vinha pensando nisso, desde antes de eu me reencontrar com a Naty e a presença dela só me fez ter coragem para admitir isso.- Falei tudo o quê eu tinha que falar. Falei coisas que, nem eu mesma esperava que falaria, algum dia. Coisas que eu nem sabia que pensava. Foi aí que me dei conta: eu não estava gostando da Natalie. Eu a amava. Não só a amava, como ainda amo. E foi nessa hora que eu decidi me declaral para ela. Foi nessa hora que eu decidi qe ia me jogar de cabeça, independente do que acontecesse, eu iria me entregar, eu iria ser dela, assim como ela iria ser minha. Com esse pensamento na cabeça, me virei. Tudo o quê eu tinha para falr com o Rodrigo, eu já tinha falado. Percebi que ele tiha ficado ainda mais agressivo do que antes, porque ele não me deixou ir. Assim que eu me virei para ir de encotro à Natalie, ele segurou meu braço e me prendeu, de costas, para a parede.
Você vai ver, Priscilla. Você vai voltar a me amar e va esquecer aquelazinha!- Disse.

Saí e fui correndo em direção à Naty. O restante vocês já sabem. Voltando ao sequestro, Rodrigo me ligou.

Ligação on:
Priscilla, é o seu marido, amor da sua vida! Como é que você está?
Rodrigo, seu desgraçado! Devolve o amor da minha vida! Onde você e ela estão?- Perguntei, quase chorando.
Ela é o amor da sua vida? Ouviu isso, Natalie?
Hmmm! Hm Hm!- Era o que eu conseguia ouvir.
Onde vocês estão? Não importa, se você não me disser! Eu vou achar vocês de qualquer jeito!
Calma, meu amor. Você conhece bem, onde estamos. Estamos onde toda ESSA MERDA COMEÇOU!- Respodeu ele, e depois desligou. Logo depois me mandou uma mensagem que dizia:
"Ah! E eu não preciso dizer que você precisa vir soziha, ou ela morre,não é?"

Pronto. Meu chão tinha desabado de vez. Eu não fazia ideia de onde era o lugar "onde toda essa merda começou". O lugar "onde toda essa merda começou". O lugar "onde toda essa merda começou". A NOSSA ESCOLA! A ESCOLA ONDE EU E A NATY NOS CONHECEMOS!- Gritei, a ponto de assustar um dos policias que estava do meu lado. Fomos lá. Eu fui na frente, porque Rodrigo disse que queria que eu fosse soziha, mas a polícia estava logo atrás. Cheguei na frente da minha antiga escola e logo avistei o carro do Rodrigo. Nossa escola havia fechado há algum tempo e estava entregue às moscas portanto, não tinha muito movimento por ali. Entrei e comecei a gritar pelo nome da Naty. Tudo o quê eu ouvia, de volta, era o mesmo "hm! hmmm! hm hm!" da oura vez, mas eu não sabia ode ela estava. Até que ouvi a voz dele e uma luz se acendeu. Embaixo dela, Rodrigo e Naty estavam embaixo dela e Rodrigo estava com uma arma apontada para a cabeça da Naty. Para a cabeça da minha Naty. Como eu deixei chegar à isso? Por quê eu deixei chegar à isso?
Oi, Pri, meu amor! Como você está?- Perguntou, Rodrigo,  ainda com a arma na cabeça da Naty.
Rô, solta a Natalie, vai! Solta ela, para que  gente possa viver em paz!- Respondi. Respondi e não menti. Se eu precisasse entregar a minha felicidade, para matê-la viva, eu o faria.
Se eu a soltar, você volta para mim? Acha que eu sou burro, por acaso? É mais fácil você voltar para mim, se ela não estiver mis entre nós!- Respondeu, ele. Na mesma hora, retirei a arma descarregada que o policial que estava do meu lado, aquele que eu assustei, me deu para esse caso.
Tudo bem! Pode matá-la! Aí fora está cheio de policiais! Você vai ser preso. E eu? Eu não ficar sem a miha Natalie. Eu não ficar sem a mulher que eu amo!- Disse e pus a arma na cabeça.
Mate-a! Mate-a logo! Você acha que eu ligo? Se você a matar, você vai ser responsável ela minha morte, também! Mate-a!- Gritei, torcendo para que ele não me obedecesse. Ele começou a chorar. Ele chorava e gritava, feito uma criança. Naty percebeu uma brecha para escapar, mas eu disse que não o fizesse, pois ele ainda estava armado. Derrepente, ele soltou a arma. Depois soltu a Naty também, que veio correndo em direção aos meus braços, mas não, antes de chutar a pistola dele pra longe. Ele desabou. Caiu no chão e não parava de chorar, com as mãos no rosto. A polícia entrou e levou o Rodrigo embora. Eu não consegui pensar em mias nada, além do fato da minha Natalie estar segura, e em meus braços. Era isso que importava, naquele momento. Nem a ideia de ficar sem o ator principal do nosso primeiro projeto me assustava, tanto quanto perder a minha Naty. Sim, ainda tinha esse problema. Nós ainda não havíamos postado a segunda parte de Entre duas linhas, porque a edição não havia ficado pronta e a equipe disse que iria precisar de mais uns takes.

O Rodrigo ficou preso por uns dois meses e, depois, passou a usar tornozeleira, para que não se aproximasse de mim ou da Natalie. Mesmo assim, tive de pedir ao juíz, para que retirasse-a, temporariamente, para que ele pudesse gravar as segunda e terceira partes do projeto. Não sabia quado iria ser o julgmeto, mas sabia que ele não iria sair impune. Eu acreditava que ele era uma boa pessoa, só estava confuso. Eu não deveria ter pensado assim. Eu sempre me ferro, por ver apenas o lado bom das pessoas.


Notas Finais


Estamos na reta final, gente! O que vocês acham que vai acontecer, daqui pra frente? Acho que teremos mais um ou dois capítulos, apenas. Não acho qe teremos mais do quê isso.
Mas eu agradeço a todxs que estão acompanhando até aqui... vocês sã de mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...