1. Spirit Fanfics >
  2. Natiese: o romance >
  3. Por quê justo você?

História Natiese: o romance - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meninxs tudo bom? Mals por demorar, mas é que eu estou usando a Internet do meu celular, agr, ai estarei postando com menos frequência. Espero q entendam. :)

Capítulo 3 - Por quê justo você?


Natalie narrando...

Cheguei no escritório da PAÇP segunda-feira com outra cara. Eu estava morrendo de saudade da Pri, e ela de mim, mas eu nunca imaginaria  que ela faria o que fez, só para ficar comigo... confesso que gostei. Fazia muito tempo que a gente não se curtia e as noites de sábado e domingo foram maravilhosas.

E aí, transaram bastante, nesse fim de semana?- Perguntou, Rô, assim que me viu chegar na minha sala.

E você? Quando vai começar a cuidar da sua vida?- Respondi, com a sobrancelha arqueada, em tom brincalhão.

Grossa, você, não?- Rimos. De onde você conhece  o  novo cameraman?- Perguntou.

Cameraman? Não sei quem é. Você sabe que quem cuida das contratações, é você.- Respondi, confusa.

Eu sei. Mas ele é amigo da  Priscilla e disse que te conhece também.- Continuou. Eu confesso que realmente não sabia quem era o tal do cara,  mas se eu soubesse, teria me preparado para o que viria.

Bruno, o quê você está fazendo aqui?- Ouvi Priscilla perguntar.

Oi Pri, há quanto tempo!- Respondeu, o tal do Bruno, que deveria ser o novo cameraman, já que estava mexendo em uma das câmeras.

Você é o novo cameraman? Isso quer dizer que vamos trabalhar juntos?- Perguntou, Pri, entusiasmada.

Sim! E você vai ser a minha chefe, não seja muito mandona, ok?- Ouvi risadas.

Pode deixar. Vem, o Rodrigo você já conhece, mas eu quero te apresentar à sua outra chefe.- Respondeu, Pri, trazendo-o até mim.

Oh meu Deus, Naty? Natalie Smith é a minha outra chefe? Caramba!- Exclamou o rapaz. Eu ainda não havia visto o rosto dele. Ele estava de costas, quando o vi mexendo na câmera e eu estava de costas, quando ele veio até a minha sala. Quando olhei para ele, quase tive um treco. Não podia ser. Tinha que ser esse Bruno? Por quê, ESSE Bruno? Não existem outros Brunos pelo mundo? A Pri deve ter reparado, já que eu estava tão branca quanto Lauren Jauregui, ou mais até.

Pelo visto, vocês já se conhecem, mas sim, a Naty é sua chefe e minha namorada.- Senti um tom de ciúme vindo da voz dela, pois ela falou o "minha namorada" de forma bem lenta e pausada, como se quisesse deixar bem claro.

Sim, a gente se conheceu no ensino médio, assim que ela chegou na minha escola. Mas... espera um pouco... desde quando VOCÊS DUAS gostam de mulher?--Questionou, Bruno.

Bom, eu sou bi. Sempre gostei de mulheres.- Respondi.

Já eu, prefiro não me rotular, até porque só me apaixonei por três pessoas, em toda a vida.- Completou, Pri. Ah, e eu não me esqueci da promessa que você me fez, ta bom, senhor Bruno?- Continuou. Que promessa será essa? De onde eles se conhecem?  Por quê  logo  ele, teve que vir para cá?  Eu devo ter dançado pole-dance na  Cruz, só  pode!- Pensei com meus botões. 

De onde vocês se conhecem? - Perguntei à Pri. Eu tinha que saber de onde a minha, até então, namorada, conhecia aquele cara. Sem falar que eu estava curiosa para saber qual era essa tal promessa que ele havia feito à ela.

Quem? O Bruno? Nós somos amigos há anos! Estávamos há algum tempo sem nos falarmos mas, agora que trabalharemos juntos, vamos retomar a nossa amizade. Por quê a pergunta? - Ela retrucou. Merda! Se eles são amigos, ele poderia abrir a boca e falar o que não deve! Se bem que, se eles são amigos mesmo, o Bruno pode não ser tão ruim, a ponto de falar bosta, não é? Eu estava torcendo para que fosse o segundo caso.

E vocês? - Pri perguntou. De onde se conhecem? - Eu não podia lhe falar toda a verdade. Pelo menos, não naquela hora. Ao havia nada de muito cabeludo na minha história com o Bruno, mas a Pri poderia achar que havia, entao achei melhor nao falar nada demais.

Eeerrr.... A gente se conhece do ensino médio, como ele falou. Depois que eu saí da escola onde te conheci, fui estudar na mesma escola que ele e a gente acabou se conhecendo. Mas nunca tivemos nada de especial, ou nada parecido. Nem amigos chegamos a ser, direito. - Menti. A verdade, é que o Bruno tinha se mostrado uma pessoa muito importante, um amigo maravilhoso, principalmente quando eu cheguei na escola onde o conheci. Eu havia acabado de me transferir, não conhecia ninguém e, para piorar, tinha acabado de ouvir do amor da minha vida (naquela época, eu ja tinha certeza e hoje eu vejo que eu estava certa o tempo todo.) que ela não queria me ver nunca mais. Resumindo: eu estava muito mal, mas muito mal mesmo e o Bruno estava lá para mim, para que eu não me sentisse sozinha. Enfim, algumas coisas aconteceram e acabaram "estragando" a nossa amizade, mas eu não queria falar sobre isso com a Pri, então inventei outra estória. Se eu soubesse no que estava me metendo, teria lhe falado logo, a verdade.

Os olhares de Bruno sobre mim e Priscilla, durante as gravações de AMADN, eram mortais, não sei como ninguém percebeu. Mas ninguém repararia em um cameraman olhando para as atrizes que ele estava filmando, não é? Não tem lógica nenhuma nisso, certo? Às vezes, ele nem estava olhando tanto assim, eu que estava imaginando coisas demais.

As filmagens daquele dia passaram como em um flash, quando vi, o relógio ja passava das 18, ou seja, fim do expediente. Fim do dia de trabalho. Fim do primeiro dia com o Bruno. Com AQUELE Bruno. Com o Bruno que, com apenas alguns fatos, poderia acabar com tudo que eu já havia conquistado no ramo pessoal. Eu não poderia deixar ele fazer isso, eu tinha que agir. Mas antes, eu tinha que saber quais eram as suas intenções. Eu não podia agir, sem saber o que ele queria, se é que ele queria alguma coisa. Fui para o meu apartamento. A Pri ainda tentou vir comigo, mas eu a impedi. Eu precisava ficar sozinha. Precisava pensar no que eu estava prestes a fazer. Se eu tivesse pensado mais, tenho certeza que teria feito a escolha certa e, sem sombra de dúvida, não estaria na situação em que estou hoje. Tudo o que eu queria, era poder voltar no tempo e reparar todos os erros que eu cometi. Acho que eu não voltaria naquele dia em que eu disse à Pri que eu não era amiga do Bruno. Acho que eu voltaria no dia em que eu conheci o Bruno. Com certeza, eu voltaria naquele dia. Naquele maldito dia.

Flashback on:

Acabei de chegar na nova escola. Implorei para que minha mãe pedisse a minha transferência do outro colégio, ja que eu não aguentaria ficar no mesmo ambiente que a Pri. Não depois do que ela me disse e fez. Poxa, eu sei que ela está confusa, mas isso não é motivo para descontar no primeiro que aparecer! O sinal havia tocado, o que significava que eu teria que encontrar, e logo, a minha sala. Fui à sala da coordenação para pedir informações mas, quando cheguei lá, não havia ninguém, além de um garoto.

Oi, eu sou nova aqui. Você sabe onde está o coordenador? - Perguntei ao garoto, torcendo para que ele não estivesse de mau humor. (O que era difícil, ja que ele estava na coordenação e não havia nem 5 minutos que a aula havia começado.)

Uma novata? Seja bem vinda ao inferno! - Disse, ele, enquanto abria os braços, como se estivesse me mostrando o lugar.

Sobre o coordenador, é uma mulher e já está a caminho. Também estou à espera dela. - Continuou.

Mas o que você fez, para estar aqui à essa hora? - Perguntei.

Coisas de garoto. A coordenadora já está tão acostumada com a minha presença aqui, que eu saio da sala com ela falando "até mais tarde!" Eu ainda não fiz nada hoje, mas já dou uma passada aqui só para marcar presença. - Respondeu, rindo. Ri com ele.

Daquele dia em diante, uma amizade muito forte começou a surgir. Contei a ele sobre o meu caso com a Pri, mas sem citar o nome dela, é claro. Contei, também, sobre meu maior trauma e ele ia me prometer que ia fazer o Marcos pagar por tudo. (Eu que não permiti.) Ele foi uma das poucas pessoas que continuaram comigo quando eu soube que estava esperando a Mari e me ajudou durante toda a gravidez. Foi ele quem obrigou o Marcos a assumir porque, se dependesse do próprio, ele vazava. O pai de um amigo do Bruno é advogado e ele fez questão de cuidar de toda a papelada. Além disso, chantageou o Marcos. Disse a ele que, ou assumia, ou ia preso por estupro de vulnerável. Não preciso dizer o que o Marcos escolheu. O fato é que somos muito amigos. Nada e nem ninguém vai mudar isso.

[...]

Bruno! Não, Bruno! Já disse que não! Por quê você não me escuta? Pensei que fôssemos amigos, cara!

Flashback off.


Notas Finais


E então, como estamos? Sentiram a minha falta? (Tô zuando, sei q n 😢)
Mas aí, o q vcs acham q estragou a amizade do Bruno com a Naty? Será q eh tão pesado assim, a ponto de atrapalhar o nosso casal? Será que teremos cenas de Brunaty mais à frente? (Ss, eu inventei um shipp, n me xinguem, pfv kkkkkkk)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...