História Navegando por Águas proibidas - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias ATEEZ
Personagens Hongjoong, Jongho, Mingi, San, Seonghwa, Wooyoung, Yeosang, Yunho
Visualizações 18
Palavras 619
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente eu preciso saber se estão gostando. Isso me motivaria a escrever mais.

Capítulo 12 - Descobrindo novos vícios


Fanfic / Fanfiction Navegando por Águas proibidas - Capítulo 12 - Descobrindo novos vícios

" Estou prestes a estilhaçar em milhões de pedacinhos. Mas eu apenas quero me doar por inteiro a ela."

CAPÍTULO 12

O celular continuava a vibrar, porém eu e Ari continuamos no mesmo lugar, ela em cima de mim, nossas bocas a centímetros acontecendo um furacão de respirações sincronizadas, suas mãos em minha blusa e minhas mãos em volta de sua cintura, era como se fosse um quebra cabeça e aquele fosse o encaixe ideal. Era impossível sucumbir ao desejo de tê-la pra mim, porém o celular não parava de tocar. Ela saiu do meu colo e eu atendi a ligação, era importante então levantei e fui pra sacada enquanto Ari me observava com um olhar longe, ela com certeza ainda estava pensando no beijo, eu também, tanto que não conseguia me concentrar muito bem, precisava pensar antes de dizer alguma coisa. Era o CEO da  Fantagio me contatando, queria saber o motivo da minha ausência no dia da entrevista, olhei pra Ari e tive que dizer que ele podia oferecer a vaga pra outra pessoa. Ele insistiu pra que eu pensasse, disse que gostou muito da minha postura e que me daria mais um tempo pra pensar na proposta. Eu o agradeço pelo contato e volto pra Ari, aquela que sempre teve minha atenção e meu pensamento, mesmo antes de estarmos dividindo o mesmo fuso horário. Sento novamente do seu lado e ela enrubece um pouco, meu Deus, como pode roubar toda minha lucidez com apenas um sorriso? Seguro em seu pescoço, entrelaçando a mão em seus cabelos macios e a puxo pra mim novamente. Eu não me importaria de ficar o resto da minha vida com ela envolta em meus braços, eu não me importaria de morrer no meio de uma explosão nuclear beijando seus lábios. Ela passa as mãos por meu cabelo, e o polegar ela usa pra alisar meu rosto, para por um instante de me beijar, e encara meus olhos e passa os dedos nos meus lábios e sorri maliciosamente. Eu poderia a tomar pra mim ali mesmo, isso faz com que eu responda no mesmo tom. Começo a beijar com mais desejo, beijo seu pescoço e fico subindo e descendo, ouço sua respiração começar a ficar ofegante e começo a permitir que minhas mãos explore mais partes do seu corpo. Felizmente eu sou a única pessoa a subir no terraço, então não me limito a nada. Sua pele é tão macia como seda, e seu cheiro é como estar no paraíso. Eu esperei por isso muito tempo, e agora que finalmente estou conseguindo, não há nada no mundo que me faria mais completo de hoje em diante do que ter Ari pra mim. Volto a beijá-la, porém faço isso agora mais devagar, encarando seu olhar que está suplicando por mais, mas eu quero ouvir de sua boca, nada me faria mais satisfeito do que ouvir ela pedindo por mim. Ela volta a subir no meu colo e percebe que estou excitado, ela começa a se remexer em cima de mim enquanto me beija com desejo ardente, estou queimando por dentro e por fora, agora sou eu quem quer implorar por ela. Ela desabotoa dois botões da minha blusa e começa a explorar meu abdômen, enquanto beija meu pescoço e ouvido. Meu Deus, isso é melhor do que eu imaginei que seria e ainda nem começamos, quando acontecer, eu certamente serei o homem mais perdido dessa terra, já estou viciado no seu toque! Ela me encara de uma distância que consigo ver seu rosto por completo, morde os lábios e volta a se aproximar de mim lentamente e chega seu hálito quente nos pés do meu ouvido: "Oppa, vamos pro meu apartamento." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...