1. Spirit Fanfics >
  2. Nearly Opposite Worlds >
  3. Prólogo

História Nearly Opposite Worlds - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, desculpem a demora para postar algo novo, ando sem tempo, mas aqui estou.
Essa fanfic é aquele esquema de que eu comecei anos atrás e só conclui recentemente, então os primeiros capítulos com os últimos mudaram um pouco o modo de escrever.
Estou pensando em como posso fazer uma nova fanfic TMJ, mas até que eu não crie uma novinha, eu posto essa e quem sabe algumas one-shots separadas da TMJ.

****FANFIC - CASAL - MÔNICA & CEBOLA****

Obs: no inicio, parece que é Magali com DC, mas no final da fanfic é Casgali.

~Links~
Música Mônica: http://www.youtube.com/watch?v=W4-G-itMgjI
Música Cebola: http://www.youtube.com/watch?v=xpdxLkK3J1o

Boa Leitura!!!

Capítulo 1 - Prólogo


Hoje é um dia normal, como qualquer outro. Me levanto da cama, tomo banho e depois visto uma roupa, que no meu caso, hoje vai ser um All Star preto, uma calça preta rasgada e uma blusa preta larga com uma caveira na frente. Vou até minha cozinha onde apanho uma maçã e a como, logo pego minha mochila preta e vou para a escola.

Meus pais estavam trabalhando como sempre. Eles nunca ligaram para mim, eu sempre faço o que eu quero, quando eu quero, sem nunca me preocupar com a opinião deles.

O que falar da minha vida? Bem, meu nome é Mônica Souza. Meus pais são bilionários. É, isso mesmo o que você ouviu, bilionários. Mas não, eu não sou nenhuma patricinha, pelo contrário, detesto patricinhas e suas frescuras fúteis que me dão náusea. Tenho dezesseis anos e tenho uma banda de rock. Sou a vocalista e às vezes até toco piano ou guitarra, mas sou mais do vocal.

A Magali que é minha melhor amiga toca teclado, baixo e ás vezes canta comigo. Cascão é o guitarrista, às vezes toca baixo também. E Do Contra é o baterista. O nome da banda ainda não foi definido por nós, mas muitos nos chamam de United for Music, pois cada um fica no seu canto, mas quando começamos a tocar somos como um só.

Entrei na escola e vi que todos estavam encarando um menino, deveria ser um novato, pois nunca tinha o visto antes. Quando o olhei vi que ele me encarava, não sei o porquê, mas senti um arrepio. Ele estava conversando com Cascão e Do Contra, Magali deve não ter chegado ainda, pois não a vi no lugar em que ela sempre ficava.

Cascão fez sinal para que eu fosse até lá, e como eu não tinha o que fazer fui até eles.

— E aí, Mô. – Cumprimenta Cascão e Dc só balança a cabeça como forma de cumprimento.

— Olá. A Maga ainda não chego? – Pergunto.

— Não que eu tenha visto. Então ficou sabendo que nós vamos tocar sábado no baile da escola? – Pergunta Cascão.

— Sério? – Pergunto duvidando.

— Sim, só estamos esperando a Maga chegar... – Começa Cascão, mas para logo que vê a Magali vindo até nós.

— Oi pessoal, o que ta rolando? – Sorri Maga.

— Vamos tocar no baile. – Falo e ela dá pulinhos de alegria. Eu não sei como somos melhores amigas, somos totalmente diferentes, acho que por nós sermos diferentes é o que nos torna mais amigas e mais unidas.

— Que legal. Então vamos ensaiar. Mas antes, quem é ele? – Magali pergunta olhando para o garoto e eu o encaro também.

— Sou Cebola Menezes. – Ele responde.

— Pronto, já falou o nome, agora vamos ensaiar. – Falo e logo vou andando para a sala de música.

Eles chegaram depois de alguns minutos com o garoto novo, o que deu tempo de eu pegar os instrumentos, organizando tudo.

— O que ele faz aqui? – Pergunto. Não gostava de ensaiar com “penetras” como platéia.

— Vou ver vocês tocarem, não é obvio? – Ele diz com um sorriso irônico e eu o fuzilo com o olhar. Ele acaba de entrar para a minha lista negra.

— Chega de clima tenso, vamos começar. – Fala Maga, logo todos foram para seus lugares.

Pitty – Máscara

Diga, quem você é, me diga
Me fale sobre a sua estrada
Me conte sobre a sua vida

Tira, a máscara que cobre o seu rosto
Se mostre e eu descubro se eu gosto
Do seu verdadeiro jeito de ser

Ninguém merece ser só mais um bonitinho
Nem transparecer, consciente, inconsequente
Sem se preocupar em ser, adulto ou criança
O importante é ser você

Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja

Tira, a máscara que cobre o seu rosto
Se mostre e eu descubro se eu gosto
Do seu verdadeiro jeito de ser

Ninguém merece ser só mais um bonitinho
Nem transparecer, consciente, inconsequente
Sem se preocupar em ser, adulto ou criança
O importante é ser você

Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja

O meu cabelo não é igual
A sua roupa não é igual
Ao meu tamanho, não é igual
Ao seu caráter, não é igual
Não é igual, não é igual, não é igual

I had enough of it (Eu tive o suficiente)
But I don't care (Mas eu não me importo)
I had enough of it (Eu tive o suficiente)
But I don't care (Mas eu não me importo)

I had enough of it (Eu tive o suficiente)
But I don't care (Mas eu não me importo)
I had enough of it (Eu tive o suficiente)
But I don't care (Mas eu não me importo)

Diga, quem você é, me diga
Me fale sobre a sua estrada
Me conte sobre a sua vida
E o importante é ser você

Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você

Quando a música acabou, Cebola aplaudiu, o que me fez estranhar, pois ele ficou me olhando diferente enquanto eu cantava. Achei que ia falar algo para me irritar.

— Acho que essa vai ser uma das músicas que vamos tocar. – Fala Magali com um sorriso e todos concordam.

— É pelo visto a marrentinha sabe cantar bem. – Cebola fala com um sorriso malicioso, reviro meus olhos. – Será que vocês me permitem? – Ele diz já subindo no palco e eu desço dele estendendo as mãos para dizer que o microfone estava livre.

— Vai fundo. – Falo. Cebola sussurra para os outros a música e todos começam a tocar.

Nx Zero – Cedo ou Tarde

Quando perco a fé
Fico sem controle
E me sinto mal, sem esperança
E ao meu redor
A inveja vai
Fazendo as pessoas
Se odiarem mais

Me sinto só (me sinto só)
Mas sei que não estou (mas sei que não estou)
Pois levo você no pensamento
Meu medo se vai (meu medo se vai)
Recupero a fé (recupero a fé)
E sinto que algum dia
Ainda vou te ver
Cedo ou tarde (cedo ou tarde)

Cedo ou tarde
A gente vai se encontrar
Tenho certeza, numa bem melhor
Sei que quando canto você pode me escutar

Você me faz querer viver
E o que é nosso
Está guardado
Em mim e em você
E apenas isso basta

Me sinto só (me sinto só)
Mas sei que não estou (mas sei que não estou)
Pois levo você no pensamento
Meu medo se vai (meu medo se vai)
Recupero a fé (recupero a fé)
E sinto que algum dia ainda vou te ver
Cedo ou tarde (cedo ou tarde)

3xCedo ou tarde
3xA gente vai se encontrar
3xTenho certeza, numa bem melhor
3xSei que quando canto você pode me escutar

— É, até que você canta bem. – Falo séria. Não iria admitir que ele cantava muito bem, conheço esse tipo. Ele é convencido e com certeza se eu falar, ele vai falar que já sabia.

— Você está brincando?! Ele canta super bem. Você tem que entrar para a banda. – Fala Magali e eu a olho com raiva.

— Concordo com a Maga. – Diz Cascão e Dc concorda com a cabeça.

— Eu não concordo. – Resmungo emburrada.

— Eu não vou roubar teu microfone, princesa. – Cebola fala com um sorriso irônico.

— Princesa? Você não me conhece garoto, então não venha me chamar de princesa, pois eu não sou nenhum pouco parecida com uma. – Falo com raiva. Quem esse garoto pensa que é?

— Então isso quer dizer que vou entrar para a banda? – Pergunta arqueando uma sobrancelha.

— Tanto faz, desde que não a estrague. – Digo e saio indo para a sala de aula, pois estava no horário.

Me sento no meu lugar de sempre, que é no fundo da sala e logo Magali veio e senta na minha frente. Depois Do Contra e Cascão vieram, Cas sentou do lado da Maga e Dc na frente do Cas. Cebola veio por último se sentando ao meu lado.

Foi só ele se sentar que logo um bando de piranhas e patricinhas foram “falar” com ele, em outra linguajem foram se esfregar. Se isso me incomodou? Sim. Não por que era com ele, mas porque sempre que tem aluno novo e que é bonitinho elas vão se esfregar. O Cebola é um pouquinho bonito. Tá, confesso, ele é lindo, mas o convencimento e a idiotice dele faz com que sua beleza suma.

Passou uns segundos e o professor chegou mandando elas sentarem em seus devidos lugares o que me deixou aliviada, pois já estava cansada de ouvir as vozes chatas e finas de taquara rachada delas. O professor começa a dar sua matéria e eu tento prestar a atenção. Só tento na verdade, afinal minha cabeça estava na banda. Será que ele no mesmo palco que eu, vai prestar?


Notas Finais


O que acharam?
Até o próximo, em breve posto ^^
Beijooos!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...