1. Spirit Fanfics >
  2. Necessidade essencial >
  3. O deus sombrio e a rainha sombria

História Necessidade essencial - Capítulo 8


Escrita por: nickelbox

Notas do Autor


Eae gente, e aqui que começa a ficar estranho relacionamento do Naruto e da Hinata... Digo eu achei romantico e surpreendentemente fofo, mas é uma cena tão terrível se você pensar bem... Basicamente se você, leitor, tiver a mesma impressão que eu tive quando escrevi, que era fofo e romântico eu vou me sentir muito foda, serio!

Capítulo 8 - O deus sombrio e a rainha sombria


Tsunade foi enfática, quer matar pessoas? Mate, com cuidado, mas mate. Contudo em hipótese alguma fique obcecado, pois obsessões nublam seu julgamento e dependendo da obsessão você vai acabar com alguém preso em seu porão.

Mas ele nunca escutava aquela velha rabugenta mesmo... Ele tava obcecado? Sim, mas nem por isso ele iria dar uma de joão de barro e prender ela em sua casa, mas como prevenir é melhor do que remediar ele estava evitando a Hyuga a qualquer custo, não era uma tarefa fisicamente difícil, pois apesar de Sakura e Hinata terem se tornado amigas bem próximas, Sakura era muito ocupada e não tinha tempo para sair com ela, logo tudo que Naruto tinha que aguentar era Sasuke vez ou outra falando de como sua namorada era incrível. Mas se fisicamente era uma tarefa fácil, mentalmente era o pior dos suplícios.

O Uzumaki não conseguia tirar os olhos de Hinata da cabeça, aqueles olhos de lua cheia que lhe puxavam seus instintos mais profundos, seus desejos mais ocultos... Até quando ele estava com Sakura era difícil não pensar na Hyuga, cada vez que ele olhava aqueles olhos verdes e vivos se sentia frustrado, era como comtemplar a beleza de um deus e em seguida se contentar com reles mortais.

Em seu trabalho ele lutava contra si mesmo para se concentrar em documentos e planilhas, mas sempre sua mente ia em direção da lembrança daqueles olhos de lua... Se passou cerca de um mês desde que Naruto percebeu que estava obcecado, em uma quarta feira sua concentração estava tão baixa que ele teve que recorrer a Sai para que conseguisse “trabalhar”.

– Eae, cara. – Naruto disse ao entrar na sala de Sai. O garoto com problemas de comunicação lançou a Naruto um sorriso. Naruto por sua vez sorriu constrangido. – Olha, vou ser direto... O pessoal aqui ta sendo cuzão contigo de novo... – Uma puta mentira descarada, ninguém nunca tinha sido cuzão com Sai, mas Naruto o fazia acreditar nisso por dois motivos... O primeiro era o fato de que ele achava divertido implantar inseguranças em Sai, o segundo e mais importante era pra ter uma franqueza em Sai que ele pudesse explorar.

– O que falaram agora? – Sai continuava sorrindo, mas isso era porque quando ele estava triste e decepcionado com algo essa era a única expressão que ele conseguia fazer.

– Basicamente? Bem... Estão dizendo que você é incompetente e incapaz e que só continua no cargo porque é meu amigo. –Naruto colocou sua melhor mascara de empatia. Sai suspirou frustrado.

– Vai ser sempre assim né? Nunca vão me julgar como alguém de valor mesmo... – E em meio a um sorriso falso ia embora um mês de terapia com Ino. –Meu tio Danzou tava certo... Ninguém se importa comigo... – Sai era fodido psicologicamente por conta de seu tio Danzou, que o criou desde pequeno, o homem era um monstro... Para dizer o mínimo.

– NÃO FALA ISSO, SAI! – Naruto berrou, agora que ele jogou sai no fundo do poço ele precisava tirar ele de lá. – EU ME IMPORTO E NÃO SÓ EU A INO TAMBEM! – Era uma clara lição de moral e aparentemente deu certo, pelo menos por enquanto. – QUER SABER? PROVA QUE ELES ESTÃO ERRADOS! –Naruto falou e jogou uma planilha com vários papeis na mesa de Sai. – Prova pra eles que tu é um puta de um funcionário, essas planilhas são minhas e eu sou o terceiro melhor daqui, prova que é tão bom quanto eu, faz e esfrega na cara de todo mundo que duvidou de você, Dattebayo! – O bom e velho discurso motivacional sempre funciona, principalmente se acompanhado de palavras fortes e um sorriso no rosto!

– Serio... Você confia em mim pra fazer seu trabalho? Mas e se eu fizer algo errado? – Sai estava surpreso com a confiança que Naruto demonstrava nele, talvez ele não fosse tão inútil assim.

– Claro que confio em você. Sai, você é um dos melhores funcionários que tenho, se eu não confiasse em você não confiaria em ninguém. – Naruto sorriu e colocou a mão no ombro de Sai.

– Obrigado, Naruto! – Sai agradeceu radiante, o Uzumaki sorriu como resposta e saiu da sala de seu subalterno.

“Manipular o Sai pra fazer meu trabalho é quase fácil demais.” Naruto pensou enquanto caminhava para sua sala.

Enquanto fazia seu caminho Naruto observou Sasuke de longe, o Uchiha estava falando no celular e estava com um sorriso enorme no rosto... Ele só podia estar falando com Hinata e só de imaginar que a Hyuga que vivia em seus pensamentos estava fazendo outra pessoa sorrir... Aquilo encheu Naruto de ciúmes, filho da puta sortudo, ele tinha Hinata só pra ele... Podia olhar aqueles olhos tanto quanto quisesse, Naruto se controlou para não expor seu caso de uma noite com Hinata, ou pior, matar Sasuke... e como ele queria mata-lo, o jeito que o filho da puta sorria... Aquele podia ser Naruto, ele quem podia estar naquela ligação, ele quem podia ser o alvo dela... Mesmo Sasuke sendo só um disfarce para Hinata ele ainda era alguma coisa, enquanto que Naruto era só um “colega”...

Assim que entrou em sua sala Naruto respirou fundo, ele precisava se controlar... Ele não podia ser aproximar de Hinata, isso só pioraria tudo, faria a obcecação ficar pior, embora se manter afastado não tenha ajudado muito, digo, ele estava mais obcecado a cada dia.

O Uzumaki se serviu de uma bebida e resolveu se concentrar em suas atividades daquela noite, era quarta feira, ou seja, era dia de matar... Sua vitima seria um pedofilo, Orochimaru. O homem trabalhava em um instituto dedicado a analise de venenos de cobras para gerar medicamentos, mas Orochimaru usava desses venenos para fazer suas próprias criações, tranquilizantes no caso... Ele dopava crianças em parques pouco movimentados e os levava para sua casa e após tudo... Ele as matava e escondia os corpos no próprio quintal. O Uzumaki passou o resto da tarde imaginando que jogo ele faria com Orochimaru... Talvez algum temático? Não... ele não tinha nenhum jogo que envolvesse cobras, infelizmente, mas fez uma anotação mental de pensar em algum que envolva os animais, isso pode ser útil no futuro...

/

/

/

Já era noite... Naruto, ou melhor, Kyuubi já estava pronta. Usava suas roupas pretas de mangas longas, já não tinha mais um sorriso naquele rosto, estava tudo pronto pra Kyuubi satisfazer suas necessidades sombrias, sua necessidade essencial.

... Mas uma ligação mudou o rumo daquela noite e talvez de muitas outras que viriam pela frente.

Hinata... Ela estava ligando para Naruto...

O Uzumaki, sim Uzumaki, Kyuubi não estava mais ali, ponderou por trinta segundos se atendia aquela ligação ou não...

Ele ia sair pra matar, não podia perder tempo com a Hyuga, não só isso ele precisava evita-la ao máximo, ela era um risco, ela podia colocar toda a vida dele a perder... Mas se sua vontade de matar estava incontrolável, a vontade de atender aquele telefone estava muito mais...

– Alô. – Naruto falou após atender aquela ligação, ele já tava arrependido, mas agora já era tarde demais. Do outro lado da linha ele ouviu um suspiro de alivio... Algo estava acontecendo com Hinata... Então ainda bem que ele tinha atendido aquele telefone, nada de ruim poderia acontecer com aquela garota. “Merda”, praguejou mentalmente o Uzumaki, agora ele tava preocupado com a segurança dela, o que viria em seguida?

– Naruto, preciso de ajuda, é serio, te mandei o local onde estou por mensagem, vem rápido! – A Hyuga falou com firmeza e um pouco de pressa, ela estava tensa.

Era uma armadilha? Provavelmente, se Naruto estivesse com suas faculdades mentais em bom estado ele teria mandado Hinata se foder e ia viver a vida dele... Mas não. Obsessão é um negocio maluco, seu bom senso vai pro espaço... Então uma desculpa de ver aqueles olhos de novo era o suficiente para fazer Naruto se jogar de cabeça em uma armadilha.

– Estou a caminho! – Naruto desligou seu celular, entrou em seu carro que usava para sair pra matar e dirigiu o mais rápido que pôde.

O endereço que Hinata passou era relativamente longe, provavelmente ela estava em algum lugar afastado da cidade... Naruto dirigiu no limite de velocidade permitido, ele estava preocupado... Se alguma coisa acontecesse com Hinata e com os olhos dela...

Não é uma armadilha, foi o que Naruto pensou assim que chegou ao local que lhe foi enviado, ou pelo menos não parecia uma.

O local era uma cabana de madeira na floresta, era o local de matar de Hinata, isso era obvio, mas isso não amedrontou Naruto, pois Hinata estava com uma cara tensa do lado de fora da cabana, ela estava realmente preocupada.

Assim que Naruto saiu do carro ele se deparou com aqueles olhos, tão lindos e ternos, estava a um mês longe deles e parecia que tinha sido uma vida toda. A dona dos olhos de lua assim que viu Naruto caminhou a passos rápidos na direção dele.

– Obrigado por vir, eu to desesperada! – Hinata não deu tempo para Naruto responder, ela segurou o braço dele e o puxou para dentro da cabana, Naruto que ainda estava hipnotizado por aqueles olhos não demonstrou resistência.

/

Era uma cena suja? Essa era a palavra certa? Bem, Naruto se orgulhava muito de manter uma cena de crime limpa, sem deixar sangue espalhado, deixar o corpo em um lugar especifico e tudo mais, mas Hinata aparentemente tinha uma opinião diferente sobre isso... O local era todo sujo de sangue seco no chão e paredes, um corpo estava largado em um canto da casa, era uma bagunça...

Ele não culpava Hinata por isso, até porque a cabana dela era isolada no meio do mato e o galpão em que ele matava apesar de afastado do centro ainda ficava em região urbana e vez ou outra moleques iam lá usar drogas, então limpeza para ele era um necessidade, mas ver aquela  cena toda bagunçada de certa forma foi um aprendizado para ele, talvez fosse interessante matar sem se preocupar com limpeza uma vez na vida.

– Você o matou? – Naruto perguntou assim que se aproximou do corpo morto, era uma pergunta de resposta obvia, afinal o pobre coitado já estava sem olhos...

– Sim... – Hinata respondeu enquanto encarava o Uzumaki avaliando seu “trabalho”.

– Ótimos cortes, superficiais, mas doloridos... – Naruto olhava com atenção aquele corpo, era um importante aprendizado, nunca tinha visto uma outra vitima de serial killer em um estado tão “bom”, os que ele geralmente via estavam em estado de decomposição avançada. – Hmmm, você arrancou uma costela dele? Ele ainda tava vivo quando você fez isso? O que você usou? – Naruto ficou estranhamente interessado naquele trabalho, de fato Hinata era uma assassina de primeira linha.

– Agradeço por ter gostado do meu trabalho, Naruto. Mas não te chamei aqui para trocarmos métodos de tortura... – Hinata falou um pouco ríspida e Naruto se calou embora mentalmente ele praguejasse algo como ela ser uma mal agradecida do caralho, até porque ele largou tudo e foi lá ajudar ela. – Te chamei aqui porque preciso de ajuda.

– Sou todo ouvidos. – Naruto deixou de lado o corpo por alguns instantes e se focou na Hyuga, evitando olha-la nos olhos é claro.

–Bem, pra me livrar dos corpos eu levo para uma indústria do meu pai e mergulho eles em acido... – Ela iria realmente contar para ele como ela se livrava dos corpos? Ela confiava nele a esse ponto? – Só que por conta da porra de um navio encalhado estamos sem acido na indústria e só fiquei sabendo disso agora, porque um idiota achou que não seria necessário me falar algo assim... – Apesar de tudo Naruto achou aquilo fofo, ela estava puta da vida, mas ao mesmo tempo ela passava uma calma...

Naruto passou alguns segundos pensando... As coisas que funcionavam para Hinata não funcionavam para ele... Se livrar dos corpos com acido era a melhor maneira de não deixar vestígios, pois até o DNA seria corroído, mas acido é caro e mesmo ele sendo rico as pessoas iriam estranhar a compra de um barril de acido por semana, mas com Hinata não, pois ela tinha uma indústria, podia comprar quanto de acido quisesse e ninguém ia desconfiar.

– Então você quer ajuda para esconder esse corpo? – Naruto perguntou apenas para ter certeza, pois era obvio que Hinata desejava isso a Hyuga por sua vez simplesmente acenou positivamente. – Ótimo, vou ajudar. – Naruto saiu da cabana e após alguns segundos ele voltou com luva e alguns instrumentos de corte. – Vamos cortar o corpo, precisamos dele em pedaços...

Os dois passaram cerca de meia hora fazendo aquilo... Naruto usava o máximo de seu auto controle para não olhar Hinata nos olhos por mais de um segundo, mas era quase impossível, aqueles olhos naquela situação... Era a combinação perfeita, os olhos de Hyuga e aquela cena de crime contavam a historia dela, a vida de Hinata, ou pelo menos parte dela e ele sentia que se olhasse de perto ele poderia sentir e ver essa vida. E como ele queria isso, queria mais que tudo, mas teve que se conter a ocasião não permitia.

Com o corpo cortado os dois seguiram para as docas no carro de Naruto, foi uma viagem tranquila, Naruto vez ou outra usava-se do retrovisor para olhar Hinata nos olhos...

Hinata não era burra, ela já tinha notado, Naruto estava obcecado pelos olhos dela. Ela já desconfiava disso desde o dia em que ele tentou mata-la, mas agora estava claro, ele não parava de encara-la nos olhos, nem mesmo enquanto partiam um corpo como se fosse um animal abatido. Ela não desgostava disso, era bom ser desejada, principalmente por alguém que era como ela, isso inflava seu ego, mas por via das duvidas ela deixou sua guarda alta, afinal vai que o Uzumaki estava obcecado ao ponto de tirar os olhos dela... Só de imaginar acontecer com ela o que ela fazia com outros, fez sua coluna se arrepiar em desgosto.

/

/

/

Corpo jogado no mar, problema resolvido. O barco de Naruto não era grande demais nem pequeno demais, era perfeito para passeios em família e para descartes de corpos no mar. A Hyuga ficou do lado de fora da cabine de navegação observado o oceano, Já Naruto ficou guiando o barco. Imaginado que não era percebido Naruto começou a analisar Hinata... Não era só seus olhos, era ela por inteira, os olhos eram o brilho, claro, mas todo o resto compunha a obra de arte... Ele não estava pensando apenas na beleza física, mas também em sua personalidade, um demônio em forma de anjo, foi um dos primeiros pensamentos que ele teve ao ver aquela garota e agora ele tinha certeza que era isso que ele queria, Naruto queria um “demônio” como ele, mas que aparentasse e agisse falsamente como um anjo, aquela mulher era uma profanação do divino ambulante... Ele observou em silencio quando ela entrou em sua cabine e se sentou em um dos assentos disponíveis.

– Desculpa... – A Hyuga falou e Naruto ficou sem entender por alguns segundos, mas ela continuou. – Hoje é quarta, você usa esse dia para matar, mas largou tudo e veio me ajudar... – Aquilo era estranho para Hinata, ela nunca foi do tipo que se desculpava por estar usando os outros...

– Relaxa, eu dou um jeito, mato outro dia... – Naruto deu de ombros, realmente ficar sem matar era um problema, como ele iria suportar o dia seguinte?

– Se você quiser... – Hinata pareceu hesitante em falar, mas continuou. – Podemos matar alguém juntos, digo, eu to te devendo né? Posso te pagar, vamos atrás da sua vitima agora a noite e você mata... – Hinata estava incerta sobre aquilo sempre matou sozinha, foi assim que ensinaram a ela, mate sozinha, viva sozinha, faço tudo sozinha, as outras pessoas são apenas objetos para serem usados.

– Não sei não, nunca matei acompanhado... – Naruto estava tão incerto quanto, não parecia certo... Se ele matasse acompanhado talvez toda magia fosse perdida...

– Ah vamos lá. Não tem nada de errado em ter novas experiências... – Quanto mais pensava nisso mais Hinata estava interessada, seria ao menos didático, ver outra pessoa matando.

– Foi exatamente essa frase que me fez beijar o Sauske na oitava serie... – Por mais que a conversa estivesse seria, aquilo quebrou todo o clima... Hinata começou a rir feito uma louca, ela não sabia se aquilo era verdade ou não, podia ser só uma piada, mas de todas forma foi engraçado.

– Isso é um não, então? – Hinata falou assim que parou de rir.

– Não, isso é um: “Vamos lá, mas espero que não seja tão ruim quanto beijar o Sasuke”. –  Os dois riram levemente da colocação.

– Bom, não vai ser tão difícil então. O Sasuke beija muito mal, mesmo. – Hinata resolveu fazer sua própria piada.

– Verdade, pior é quando ele tenta aprofundar o beijo e acaba encostando o dente no dente da pessoa. – Tá isso era detalhe demais, podia ser uma piada? Podia, mas porra Sasuke realmente fazia isso... – Antes que pense besteira, foi uma garota que já ficou com ele que me disse isso... – Naruto tratou de explicar de uma vez, não queria que sua obsessão pensasse coisas como essa dele...

– Vou fingir que acredito... – Hinata deu de ombros e semicerrou os olhos encarnado o Uzumaki em desconfiança. – Mas mudando de assunto, quem vamos matar?

/

/

/

Orochimaru era um homem cuidadoso principalmente pelo estilo de vida que ele levava, então todo cuidado era pouco, mas ele tinha algumas fraquezas e uma delas era uma bela mulher, como era o caso da garota de cabelos negros azulado que estava parada sozinha em frente a sua casa com um carro provavelmente quebrado.

O homem se aproximou com um sorriso de víbora no rosto, a garota era realmente linda, ele tinha tirado a sorte grande...

– Posso ajuda-la, senhorita? – A voz vibrante como a de uma serpente chegou aos ouvidos da Hyuga.

– Na verdade... – Hinata esboçou o sorriso mais inocente que conseguiu, enquanto pelo canto do olho observava seu comparsa loiro se aproximando lentamente de seu objetivo. – Pode sim. – Quando Hinata completou sua frase, Orochimaru sentiu uma furada de agulha em seu pescoço e em seguida ele apagou...

– Com ajuda é mais fácil... – Naruto disse surpreso com a facilidade que fez aquilo.

– Eu te falei! – Hinata falou com um sorriso vitorioso enquanto auxiliava Naruto a colocar o corpo do pedofilo no carro.

/

/

/

A Hyuga observou atentamente todo o processo e era fascinante...

Era como olhar um deus das trevas fazer seu trabalho, ao mesmo tempo que era engraçado, profano e visceral, era lindo... O jeito que aquele loiro olhava sua vitima, a forma como ele cortava as bochechas de Orochimaru era um espetáculo, eram cortes lentos e precisos, ouvir os gritos eram combustível para ele continuar o trabalho e ela continuar observando fascinada.

Quando o jogo começou ela se sentiu exasperada, quando ela ouviu que Naruto fazia aquilo ela achou ridículo, mas vendo agora, aquilo era de uma beleza impar, todo  jogo, toda consequência tinha um proposito, tudo para dar esperanças para vitima e logo em seguida retirar. E quando ele parava tudo por um segundo e a olhava... Se antes aquilo incomodava agora lhe causava arrepios, Naruto, o verdadeiro Naruto, era um ser único, aquele sorriso maníaco que ele tinha enquanto cortava os membros de Orochimaru a derretiam por dentro... Ela desejava aquele homem... Não o Naruto que convivia com todos os outros, mas sim o real Naruto, aquele que estava ali com ela naquele momento...

Se ela antes era ateísta ela se arrependeu, de fato existia um deus e ele estava na frente dela, um deus cruel, frio, impiedoso, sombrio e lindamente horripilante...

Quando ele ia dar o golpe final, o golpe que acabaria com todo o show... Ela segurou a mão dele, a mão que segurava a faca... A mão que Orochimaru implorava que lhe rasgasse a garganta para livra-lo de todo aquele sofrimento...

– Espera... – A Hyuga sussurrou, a ultima coisa que ela queria era incomodar aquele deus sombrio durante seu ritual sagrado, mas algo nela clamava por aquilo, um suvenir, uma lembrança daquela noite...

Sasuke uma vez disse a Naruto que Hinata era como uma princesa, mas vendo agora Sasuke tava errado... Princesa?  Não, aquele ser, aquela beleza obscura e cheia de trevas não era nem de longe uma princesa, ela era um rainha... Uma rainha sombria. Cuja beleza e escuridão encantavam os desejos obsessivos de Naruto, aquela mulher era... Perfeita... Se ela era uma rainha ele era o que? Era obvio ele era o mais fiel súdito daquela rainha profana e obscura...

Ver Hinata arrancando os olhos de Orochimaru foi o clímax daquela noite, os gritos de Orochimaru junto com a calma no olhar da Hyuga quase fizeram Naruto hiperventilar... Ela usou os próprios dedos para penetrar a cavidade o ocular e retirar os olhos, ela fez isso com uma praticidade e sutileza que ele nunca tinha visto... Ela era perfeita... Como um todo, não apenas os olhos, o ser Hinata Hyuga era um ser acima dele e de qualquer outra existência...

Quando ele viu os dois pares de globos oculares naquelas delicadas mãos ele pegou o recipiente mais limpo que encontrou e ofereceu para sua rainha, aquilo teria que servir, até ela ter a sua disposição o equipamento que usava para armazenar os olhos.

Hinata por sua vez aceitou aquele recipiente como uma benção de aprovação de seu deus sombrio...

Após o golpe final mais uma vez aqueles dois cortaram um corpo em pedaços, mas dessa vez ambos trocavam olhares tímidos e de desejo, eram um deus e uma rainha um para o outro, mas para si mesmo eram simplesmente um súdito e uma devota.


Notas Finais


Eae de novo, espero que tenham gostado, comentem, favoritem e acompanhem, o apoio de vcs ta sendo incrível, só no ultimo capitulo foram 9 comentários, me sinto lisonjeado quando vcs comentam, favoritam ou até mesmo apenas leem, sinal de que gostam e que to fazendo um trabalho ao menos descente.
OBRIGADO GENTE!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...