1. Spirit Fanfics >
  2. Need you Now - Stony >
  3. Eu PRECISO de você, Stark.

História Need you Now - Stony - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Opaa povo skksks

Demorei mas cheguei, e para a infelicidade de alguns, sem a lemon. Vou me explicar: Eu estava pretendendo postar tudo junto mas acabou ficando enorme e eu nem tinha chegado na metade, então diminui na medida do possível e decidi dividir em dois. Meu toc tá tendo um leve infarto por não parar no cinco, mas fazer o quê?! Kk.

Outra coisa, eu meio que por paranóias sem sentido, troquei a senha do meu celular e depois ele não quis aceitar, dizendo que estava errada (talvez realmente estivesse, mas enfim) e eu tive que resetar sem conseguir fazer um backup recente, ou seja, todos os edits que eu fiz no capítulo, se foram, e para não correr o risco, eu estou postando também. Vira e mexe, isso sempre acontece🤦🏽‍♀️😅.

Vão ler kk.

Capítulo 5 - Eu PRECISO de você, Stark.


POV Steve off  // POV Tony on

Após terminar de consertar o protótipo de uma armadura mais aprimorada para o Aranha, subi para meu quarto. Estava cansado, passei dias trabalhando e enfim, havia terminado a primeira etapa. Entrei no quarto louco para dormir. Até pisar em algo ao tentar passar pela porta. Uma carta. Um envelope pequeno, mas com letras garrafais que ao menos precisei me abaixar para ler o nome de Steve.

Surpreso e um tanto curioso, peguei e abri apressadamente.

"Anthony Stark, venho por meio deste solicitar sua presença na varanda, às 22h. Venha arrumado. Te espero lá.

Com todo o carinho, Steve."

Ri da forma como foi escrita. Tão formal que parecia uma carta do meu avô. Logo parei com as mentais piadinhas após perceber o quão intrigante era aquele convite. Por que me chamaria de uma forma tão clichê para algo que, provavelmente, deveria ser banal? Parei de me questionar quando senti o cansaço pesar. Faltava um tempo ainda, eu teria algumas horinhas de sono para aproveitar, e corri, não querendo desperdiçar um segundo sequer.

Acordei com o irritante som do despertador. Estava na hora de ir encontrar Steve e ver o que tanto queria conversar. Vou matá-lo se for algo que poderia ter sido deixado para amanhã. Sono é sagrado, ainda mais o meu, que além da beleza, contribui para minha inteligência, afinal, cansado ninguém consegue pensar em nada.

Me arrumei como sempre, e minutos depois, já estava a caminho da varanda. Pensei que talvez estivesse exagerado na roupa, mas era esse o meu arrumado. Então acabei deixando de lado esses pensamentos.

A mansão estava um completo breu, com apenas pequenos feixes de luz fazendo uma penumbra.

— Sexta-Feira?

No que posso ajudá-lo, senhor Stark?

— Acenda as luzes, por favor.

Desculpe, senhor, mas fui programada manualmente para manter as luzes apagadas.

— Por quê?

Desculpe, não posso lhe dar essa informação.

— Quem teve a audácia de mexer na minha AI?

Desculpe, não...

— ...Posso lhe dar essa informação. É, eu entendi — revirei os olhos. Odeio quando mexem nas minhas coisas.

Continuei descendo as escadas, tentando imaginar quem teria sido o atrevido, mas parei ao ver uma grande iluminação vindo da varanda.

— O que aquele velhote está aprontando?  — sussurrei, apressando meus passos.

Cheguei a porta e dei de cara com uma linda decoração. Eu não saberia descrever o que senti. Foi um misto de sensações tão grande que minha reação foi ficar estático. Eu abria e fechava a boca, observando tudo com bastante atenção, até que meus olhos encontraram os dele.

Seu sorriso amplo parecia tão iluminado quanto toda a varanda. Seu terno era moderno, e não teria combinado melhor com a cor de seus olhos. 

Continuei por mais alguns poucos minutos observando, fascinado, todo o lugar. E ele parecia não querer interromper o momento, pois seguiu calado junto a mim.

— Uau! Acho que você levou o negócio das estrelas bem a sério — ri, enrubescendo.

— Gostou? — perguntou, se aproximando.

— E-eu... Amei! — sorri, dando mais uma olhada no lugar. — Apenas não entendi o por que de tanta decoração. Para alguém especial, Capitão?

— Sim... — colocou as mãos para trás, parecia envergonhado, mas encorajado a prosseguir com o que tinha em mente. — Para uma pessoa que me faz sentir amor e ódio ao mesmo tempo, que me faz sorrir somente ao lembrar do seu jeito meio marrento. Um alguém que não sai da minha cabeça, nem nos sonhos. Isso tudo... — abriu um pouco os braços, olhando rapidamente ao redor e voltando sua atenção para mim. — ... É para essa pessoa.

— E quem seria a sortuda que ganhou o coração do tão querido da América? — questionei genuinamente.

— Sortudo — me corrigiu. E de fato fiquei surpreso com a descoberta.

— Então quem é o sortudo?

— Um gênio, bilionário, playboy, filantropo. Conhece?

É, eu paralisei. Não sabia se ria, chorava, se pulava ou se batia nele por um motivo desconhecido.

Não vou dizer que meu coração não acelerou,  que meu rosto não se tingiu de um vermelho forte ou que não amei ouvir aquilo. Eu gostava de Steve. De início, cheguei a negar e pensar que estava louco se vi algum tipo de interesse dele em mim, e me afastei por isso, por achar que estava devaneando com algo que não haveria chances de ser real. Até aquele dia. Na mesma varanda, com tudo tão lindo quase como hoje, e um sorriso perfeitamente ridículo dele. Nesse dia, eu me toquei que, talvez, quem sentisse algo diferente naquela história, fosse eu.

Permaneci assim por um tempo, sem dúvidas parecia um louco, Rogers não devia estar entendendo nada, e mesmo assim não me apressou, apenas se pronunciou gentilmente.

— Eu sei que... Começamos a nos entender agora, mas o que sinto parece ter ficado aqui dentro por tempo demais — fechou os seus olhos, puxando o ar como se esperasse que algo viesse junto. — Eu o escondi, o ignorei, e agora sei que não posso mais ficar sem esse sentimento nem por um segundo. Ele me faz sorrir como nunca nenhum outro fez, me faz sentir uma vivacidade tão grande, e se soubesse que seria assim, teria dito a muito tempo que te amo e que não posso passar um minuto sequer longe de você. E... Espero que eu te faça sentir o mesmo. Espero que lhe faça tão felizardo quanto me sinto quando está por perto — levanta seu olhar até o meu, a confusão estampada no meu rosto era visível, um medo parecia me consumir sem motivo.

— Foi olhando nos teus olhos — completou. —, que eu pude perceber, que tudo que preciso nessa vida, é somente você. Eu PRECISO de você, Stark!

O vi se abaixar, do jeito mais clichê. Meu olhos se arregalaram com tamanha surpresa,  meus lábios ficaram trêmulos e ligeiramente abertos, como se quisessem dizer algo, mas a voz parecia ter se esvaído.

— Casa comigo?

Eu não sei o que deu em mim, mas meu corpo não respondia mais aos meus comandos, parecia que tinha vontade própria. Corri para os braços dele, sentindo um conforto enquanto lágrimas caiam. Ele me desgrudou de seu peito, levando, em seguida, suas mãos para meu rosto, me puxando lentamente para perto do seu.

— Eu te amo! — sussurra com seus lábios quase grudados aos meus.

Eu não conseguiria responder, então por um ímpeto que nunca segui antes, o beijei, necessitado. Mas ele nos separou delicadamente, e nos juntou, dessa vez, proporcionando conhecer melhor um ao outro com calma, e não poderia ter feito uma escolha melhor. Nossas línguas se encontravam de uma forma boa, diferente. Parecia conter algo naquele beijo, e eu sabia o que era, sentia, e estava apavorado por isso.

Escutamos gritos, aplausos e o senti sorrir. Eu derreti completamente. Ao terminar, ele me olhou, e eu via algo lindo em seus olhos, totalmente indescritível, mas lindo ao meu ver.

— Parabéns ao noivos!! — Nat gritou, dando pulos.

— Aeh! Steve desencalhou! Depois de cento e quatro anos? — Brincou Bucky, sendo seguido por assovios de Sam e Clint.

Agradecemos e recebemos um abraço coletivo. O melhor de todos, mas não disse isso a eles, provavelmente iriam se gabar e usariam contra mim no futuro.

Eu estava feliz. Na verdade, nem a palavra era capaz de explicar aquele sentimento. Eu somente gostei, e queria senti-lo sempre. E sabia que sentiria, pois estava ao lado de quem faria de tudo para me proporcionar.

Comemoramos após abraços, piadinhas e muitos parabéns. Aproveitei e pedi pizza. Na verdade, eu comprei uma pizzaria. As cem pizzas iriam demorar a chegar, então eu comprei e deixei avisado que o salário de todos seria reajustado para muito melhor. O que ganhavam era mixaria, e eu ainda conseguiria pizzas com menos tempo de entrega.

***


Depois de toda a comemoração, brincadeiras e risadas, chamei Steve para conversar sobre tudo o que acabou de acontecer. Precisávamos dessa conversa. Assim que ele atendeu meu pedido, segurei em sua mão e subimos as escadas que dava ao corredor, como dois bobos apaixonados fariam. Mas, quando passamos do último degrau, senti Rogers me virar de supetão, me prensando contra a parede. Eu iria me pronunciar, mas ele foi mais rápido, dizendo com sua voz baixa em meu ouvido:

— O modo como você sobe as escadas rebolando é enlouquecedor.

— Steve! Estamos no meio do corredor.

— E o que tem?

Não respondi o óbvio. Era claro o motivo, alguém poderia subir e simplesmente nos pegar ali. Respirei fundo, tanto pela pergunta, quanto para manter minha sanidade.

— Vamos para meu quarto conversar, depois resolvemos isso.

— Que tal namorarmos um pouco aqui, darmos continuidade no seu quarto, e por último, conversamos sobre o que tanto quer falar?

— Eu não... Ah, merda!

Fui interrompido pela língua da Steve, que passou por todo o meu pescoço, subindo até minha boca, lambendo-a também.

— Desculpe, o que estava dizendo, Stark?

Eu responderia com meu costumeiro sarcasmo, mas tinha medo de que as palavras saíssem apenas como sons eróticos. Novamente, respirei fundo, dessa vez, apertando fortemente os olhos, tentando pensar em qualquer coisa desanimante.

Steve, de modo inesperado, passou sua mão por toda a minha coxa, partindo até a parte posterior do meu joelho, usando como apoio para erguê-la um pouco, se aproveitando da posição para forjar algumas estocadas.

— Steve... — não pude conter o gemido que saiu em forma de repreensão.

Droga! O Capitão certinho sabia jogar sujo...

Não me farei de rogado, estava louco para tê-lo daquela forma que ele tanto me queria desde que me disse aquelas coisas bêbado na festa. Mas eu adorava fazer o difícil, adorava atiçar aquele lado do Capitão daquela forma, fazendo-o perder a postura.

Ele parecia não me escutar. Seus movimentos se tornaram mais rápidos e fortes. Ele apoiou sua cabeça no espaço entre o meu pescoço e ombro, depositando seus gemidos ali, me arrepiando com a rouquidão deles.

Eu não tive mais forças para me opor, então o deixei prosseguir com aquela fricção gostosa, aproveitando para passar os meus dedos por seus fios, agarrando-os com certa força. De forma inesperada, ele se separou. De início fiquei frustrado, pesando se eu havia feito algo de errado, no entanto, entendi o porquê. Ele estava perdendo o controle, estregando-o para seu lado libertino. E eu sorri, percebendo que consegui o desgrudar de sua tão inseparável sanidade e auto-controle.

— Porcaria, Steve! O que pensa que está fazendo? — ele se virou de costas, passando a mão pelo rosto enquanto se repreendia, dessa vez, de forma inaudível.

— Ei, Steve, está tudo bem — me aproximei, apoiando minha mão em seu ombro, o sentindo estremecer.

— Tony eu acho...

— Melhor eu te dar um tempo para respirar?

— Sim, exatamente isso.

— Tudo bem — me afastei. — Só não precisa ficar assim, se eu realmente não quisesse, teria o afastado desde o início.

Ele se virou de frente para mim. — Mas eu sou...

— Entenda, querido, eu só sou uma "donzela indefesa", se eu quiser ser. Caso contrário, Rogers — desfiz a custa distância entre nós, adentrando sua blusa e passeando com minhas mãos por todo seu peitoral. — Eu posso me tornar uma bruxa muito má — minhas mãos foram para seus mamilos, onde os apertei, puxando de leve.

Steve agora estava como eu a minutos atrás: Olhos fechados, respirando fundo, se controlando como podia. Eu parei com tudo, e o lancei um olhar tão inocente que se ele não me conhecesse, realmente só veria inocência neles.

— Vem — seguro sua mão. —, vamos conversar no meu quarto.

E assim fomos.

***



Notas Finais


Eeeh! Skksk Ai, gente, eu estou tentando terminar, mas parece que a criatividade tá me evitando kkk. Desabafo aleatório kk.

Espero que tenham curtido💕.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...