1. Spirit Fanfics >
  2. Neighbors >
  3. Eleven

História Neighbors - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Hello, my dears! Como vocês estão? Finalmente esse capítulo saiu! Pastei um pouco, mas espero que compense o último. Aproveitem :)

Capítulo 11 - Eleven


“Como posso dormir quando estou enlouquecendo?
E eu não consigo relaxar
E como posso pensar quando estou prestes a
Perder a cabeça?”

Head Over Heels – Alain Clark

Noah’s POV

Cara, aquilo estava mesmo acontecendo? Mas eu a vi saindo com Finn. O que ela estava fazendo ali? Como se estivesse lendo meus pensamentos, ela respondeu à minha pergunta silenciosa:

“Sua mãe pensou que você sairia hoje, como faz todo fim de semana e me pediu para dar uma olhada em Judy”, disse enquanto sentava-se ao meu lado no sofá.

Antes que eu pudesse abrir a boca para falar mais alguma coisa, ela acrescentou:

“Podemos conversar? Sinto que fui um pouco rude com você mais cedo. E foi você quem me procurou primeiro, então...”

Puta merda. Eu e minha boca grande. Não estava pensando direito quando fui falar com ela. Nosso lance na piscina do Hummel mexeu muito comigo e meu primeiro instinto foi procurá-la, como eu sempre fiz a minha vida toda. A parte ruim é que eu havia apagado da minha mente toda a nossa conversa sobre ir aos poucos; e tinha o Finn. Cara, ele é meu melhor amigo, eu não posso fazer isso com ele.

Nunca consegui ser meio termo: sou preto no branco, oito ou oitenta. E com a gente nunca teve isso de ir com calma. Não que eu tivesse me dado conta sobre meus verdadeiros sentimentos por ela... Mas é que antes dessa merda toda, ela era minha melhor amiga, minha companheira e a pessoa pra quem eu corria sempre que as coisas ficavam ruins aqui em casa. Parece muito “mimimi”, eu sei, mas é a verdade. 

Rachel estava mudada. Irritante como sempre, mandona... Mas algo nela estava diferente. Parecia mais confiante, sabe? Estava seguindo em frente, e o que mais me dói e ao mesmo tempo me deixa orgulhoso é perceber que ela conseguiu isso sem mim. O lance com Rachel é que ela sempre foi muito “dona de si”, mas ao mesmo tempo se importava demais com a opinião das outras pessoas e se tornava insegura. E o meu papel era protegê-la; sempre me orgulhei por saber que era a mim quem ela procurava quando as coisas ficavam tensas, e vice-versa. Mas agora, o que restava fazer? Qual era o meu papel? Esse era de Finn agora, não tinha mais espaço para mim na vida dela.

Eu me sentia um idiota por tê-la afastado de mim, mas o que eu podia fazer? Eu tinha muito medo de que um dia ela também fosse embora, assim como meu pai. Eu sei que Rachel jamais seria escrota como ele, ou que algum dia faria o que ele fez, mas aquele sentimento de perda... Não, eu não permitiria que outra pessoa me fizesse sofrer como aquele cretino fez.

Eu tinha consciência de que uma coisa não tinha nada a ver com a outra, mas eu era tão cabeça dura que não daria o braço a torcer. Além do mais, ela estava melhor sem um babaca como eu por perto. Ela estava se dando bem com Finn, não é? Era melhor assim.

Eu me sentia um lixo de amigo toda vez que pegava Finn olhando para ela com aquele sorriso idiota na cara. Primeiro porque eu estava ficando de saco cheio com toda aquela babação de ovo; segundo por que... É muito difícil ver outra pessoa viver aquilo que você deveria.

Não me pergunte o porquê, mas eu sempre pensei que Rachel e eu ficaríamos juntos algum dia. Primeiro eu pensei que era doideira minha e que o que tínhamos jamais seria algo além de amizade. Depois, percebi que passava tempo demais pensando nela e que das duas, uma: ou nós nos amaríamos para sempre, ou ficaríamos presos à friendzone. Eu estava decidido que aquilo não era suficiente, mas me contive porque morria de medo dela não estar na mesma vibe. Acabou que eu comecei a agir como um escroto e a afastei. Eu pensava que quanto mais babaca eu fosse, mais ela me odiaria e ficaria longe de mim e, consequentemente, eu a esqueceria. Mas adivinha só: não a esqueci.

O que mais me deixava triste era ver os olhares de pena que ela me lançava quando encontrava comigo nos corredores. Não sei se por pena de mim ou do que aconteceu com a gente... Um pouco dos dois, eu acho. Mas eu era tão idiota que não me deixava levar e mesmo assim agia de maneira escrota com ela. Rachel merecia mais, e eu nunca tive coragem de dar a ela o meu melhor. Sempre a decepcionei, e agora ela está saindo com meu melhor amigo. Dói saber que ele pode fazê-la mais feliz do que eu.

~*~*~*~

Subi as escadas para colocar uma camiseta e escovar os dentes enquanto Rachel esperava lá embaixo com a minha irmã. Olhei meu celular e vi duas ligações perdidas da minha mãe e uma mensagem de texto:

De: Mãe

“Vou fazer hora extra. Pedi para a Rachel olhar a Judy, já que vc ñ atende o cel. e ñ sei se está em casa. Beijos”.

 

Depois que meu pai nos deixou, minha mãe segurava as pontas em casa. Eu fazia uns bicos aqui e ali, mas não dava pra pagar nem duas contas por mês. Pensei em investir no negócio de limpar piscinas, mas nem todo mundo aqui em Lima é fresco e rico como os Hummel ou os Evans, então nem sempre tem trabalho. Estive procurando emprego há um tempo, mas acabei desistindo; preciso voltar a fazer isso, não dá pra deixar tudo nas costas dela. Ouvi uma batida leve na porta do quarto, e logo em seguida Rachel chamou:

“Noah? Tudo bem?”

“Sim, só um segundo!”, exclamei.

Quando descemos as escadas, vi que Judy não estava mais lá e perguntei a Rachel onde ela estava. Rachel me respondeu que tinha pedido para ela tomar banho e dormir, pois já estava tarde. Agradeci a ela e, enquanto nos sentávamos no sofá perguntei como tinha sido o encontro – mais por educação do que por outra coisa. Eu não queria saber de verdade, mas também não queria parecer babaca; até porque Finn me diria de qualquer jeito.

“Foi legal. Finn é um doce”, respondeu ela com um sorrisinho.

“Ah, qual é, Berry! Esse é o seu primeiro encontro e você me diz que foi ‘legal’?

Rachel riu e me deu um tapa no ombro. Em seguida acrescentou:

“E o que você quer que eu diga?”

“Sei lá”, dei de ombros. “A verdade?”

“Quer mesmo saber, Noah?”, indagou ela, séria de repente. Engoli em seco e reuni toda a coragem que tinha para dizer que sim.

Rachel suspirou e me olhou nos olhos. Me aproximei dela e tive uma sensação estranha na boca do estômago, um misto de ansiedade e excitação. Foi muito difícil me conter para não beijá-la.

“Eu sei que Finn vai te contar depois, não quero te dar spoilers”, brincou ela enquanto se levantava e ia em direção à escada.

“Aonde você vai?”, perguntei.

“Ver se a Judy já saiu do banho. Já volto”.

 

~*~*~*~

Depois que Rachel colocou Judy na cama e esperou ela dormir, descemos até a varanda de casa e nos sentamos nas escadas da frente. A noite estava agradável, quase sem nuvens e bem arejada. Comecei a pensar sobre tudo o que tinha rolado entre a gente desde que voltamos a nos falar, e por um segundo pensei que, talvez, Rachel pudesse corresponder meus sentimentos. Logo apaguei aquela maluquice da cabeça, e antes que pudesse continuar pensando besteiras, Rachel suspirou e me fez uma pergunta:

“O que você ia me dizer quando pulou a janela do meu quarto mais cedo?”

Eu sabia que não ia conseguir fugir dessa pergunta, mas estava tentando evitá-la.

“Eu não sei... mas depois que saímos da casa do Hummel, fiquei pensando no que quase rolou entre a gente e em tudo o que tem acontecido desde então”, confessei. Ela permaneceu olhando para mim com uma cara de quem não acredita muito em mim. Por fim, disse:

“E você levou todo esse tempo para perceber isso?”

“Não. Foi antes”.

“Antes? Quando?”

Suspirei e olhei para ela. Não tinha mais como fugir, então eu disse a verdade.

“Quando a gente parou de se falar. Foi por isso que eu te ignorei. É bem idiota, eu sei, e o que eu vou dizer parece bem genérico, mas é a verdade: eu nunca gostei de alguém como eu gosto de você, Rachel, e duvido que isso um dia vai mudar. Me desculpe por ter sido tão babaca... eu só não sabia como lidar com tudo isso, sabe? É tão... tanta coisa que chega a doer”, soltei a respiração que nem sabia estar segurando enquanto Rachel olhava para mim boquiaberta. Não sabia pela sua reação se contar aquilo tinha sido uma boa ideia, mas logo tive certeza que sim... Porque ela me beijou. 


Notas Finais


E aí? O que acharam da revelação do Puck? E do beijo? Comentem a opinião de vocês! Beijos e até logo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...