1. Spirit Fanfics >
  2. Nem em meus sonhos mais profundos (Jenlisa e Chaesoo) >
  3. S2:EP03 - Pequenos (ou grandes) sacrifícios

História Nem em meus sonhos mais profundos (Jenlisa e Chaesoo) - Capítulo 13


Escrita por: itspimenta

Notas do Autor


Felicidade chamada feriado seguido do "dia de folga" do trabalho e ainda emendado com o final de semana 😍

Boa leitura 💛

Capítulo 13 - S2:EP03 - Pequenos (ou grandes) sacrifícios


Fanfic / Fanfiction Nem em meus sonhos mais profundos (Jenlisa e Chaesoo) - Capítulo 13 - S2:EP03 - Pequenos (ou grandes) sacrifícios

(Point of view: Kim Jisoo)

Mais uma vez estávamos a caminho de Bangkok. O dia do lançamento do clip da nossa nova música estava quase chegando e Ddu-du Ddu-du deve ser a música mais esperada de 2018. Como vai fazer praticamente um ano desde que o nosso single As If It’s Your Last foi mostrado ao público a expectativa para o nosso retorno ao mundo musical é enorme. A ansiedade também está batendo em nós quatro. É algo inevitável. Com todo lançamento de algo do BLACKPINK temos essa mistura de sentimentos. Nervosas e ansiosas.

Entretanto o nosso nervosismo agora não é nem pela música que estará ao ar daqui a três dias, mas o fato que estamos indo à Tailândia falar com os pais de Lalisa. Ela e Jennie decidiram finalmente falar com o Sr. e a Sra. Manoban e revelar sobre o seu relacionamento. Parece que o coração da mais nova vai sair pela boca a qualquer momento com receio da reação de seus pais. Suas mãos estão suadas e ela tenta controlar os espasmos involuntários. Nossa main rapper se esforça para manter a pose calma e serena para não transmitir mais ansiedade para a tailandesa, porém sei que ela está com mais medo do que aparenta estar.

O avião aterrissou sem muitos problemas. Assim que saímos pelo portão de desembarque vimos os Blinks tailandeses dominarem o grande aeroporto internacional de Bangkok com cartazes e faixas com frases de amor e suporte. Às vezes parávamos para falar com alguns fãs e receber os presentes que eles traziam na esperança de nos dar. Demorou um pouco, mas nossos seguranças abriam caminhos para nós e logo estávamos no carro em direção ao hotel que ficaríamos.

“Olha que fofo gente” Disse nossa maknae com um dos presentes dados pelos Blinks. Era um pequeno cartaz com uma foto dela e de Jen-Jen escrito I love Jenlisa.

“É fofo mesmo. Eles shippam muito vocês duas”

“Assim como você e Jisoo Unnie

“Se eles já são assim só por imaginar quem dirá como ficariam se soubessem que é real”

“Eles vão surtar” Conversávamos e riamos imaginando as possíveis reações que nossos fãs teriam ao descobrirem que os dois maiores ships do kpop são reais. Porém também tenho consciência de que não será um mar de rosas essa revelação. A Coreia ainda é, apesar do público jovem e as mudanças que estão ocorrendo no mundo, um país extremamente preconceituoso. E isso ainda piora ao lembrar que nossas carreiras estão nas mãos de grandes nomes que cresceram com ideologias ultrapassadas. Tenho medo de tudo o que lutamos tanto para construir vá embora como um sopro de brisa de outono em um piscar de segundo.

Passamos a tarde no hotel descansando das longas horas de viagem. Eu e Chae tiramos um ótimo cochilo... um breve cochilo de quatro horas. Por voltas das 18h começamos a nos arrumar para o jantar na casa dos Manoban. Para ver se amenizava o clima resolvi levar uma garrafa de um dos vinhos preferidos de Marco, o padrasto da Lisa. Com todas já arrumadas, lindas e plenas saímos do hotel e pedimos para nosso motorista nos levar até a antiga casa da nossa amiga.

Ao pararmos na frente da casa senti o peso do que estávamos prestes a fazer tomar conta da atmosfera. Lisa olhava fixamente para aquele lugar que já foi sua casa e provavelmente passava milhares de coisas em sua cabeça.

“Ei” Chamei sua atenção “Não importa o que aconteça hoje à noite, nós sempre vamos estar do seu lado. E nunca, NUNCA se culpe por buscar sua felicidade acima de tudo e todos” A caçula esboça um lindo sorriso sem dentes que mostrava gratidão por estarmos lá a apoiando. Deixamos o veículo e nosso motorista desligou o mesmo, pois ficaria nos esperando. Lisa bateu na porta e pudermos escutar a voz de sua Omma, apesar de não ter entendido uma palavra se quer por tê-las dito em tailandês.

“Bem-vindas, meninas” A Sra. Manoban nos recebe com um sorriso resplandecente e já abraçando sua filha com muita saudade. Com um inglês bem carregado de sotaque ela nos convida para entrar e vai nos oferecendo algo para beber.

“Eu trouxe vinho. Da última vez que viemos Sr. Marco disse que este era um de seus preferidos”

“Agradeço por lembrar de mim, Jisoo. Guardarei para mais tarde tomarmos”

“Tudo bem”

“Como foi a viagem de vocês? Muito cansativa?”

“A viagem até que foi tranquila, não tivemos muitos problemas, mas claro que tantas horas no avião cansa qualquer um, Mæ̀

 Engatamos em uma conversa animada e duradoura, mas sabíamos que não era possível fugir por muito tempo do assunto que realmente viemos tratar na Tailândia. Chamei Lisa para me levar até o banheiro apenas como uma desculpa para lembra-la de o porquê viemos aqui.

“Lisa, não enrola muito. Se demorar mais vai acabar perdendo a coragem”

“Eu sei, eu sei” Suspirou e olhou para trás conferindo se ninguém mais estava escutando a conversa “Quando você voltar pra sala eu conto”

Lavei o rosto e encarei meu reflexo no espelho. Eu queria entender a mim mesma. Lá estava eu praticamente empurrando minha amiga para os leões enquanto eu evitava até pensar na possibilidade de me assumir para os meus pais. Talvez eu esteja projetando o que eu queria fazer na Lisa. Talvez eu não queira que ela sinta o que estou sentindo por estar escondendo a verdade esses meses todos. Balanço a cabeça afastando aqueles pensamentos autodestrutivos. Me dirijo a sala de estar onde todos ainda conversavam e me sento no sofá ao lado da minha rosa. Lisa olha para cada uma de nos até seus olhos encontrarem os da Kim mais nova.

“Mãe, pai... eu tenho algo para contar”

“Pode dizer, filha”

“Bem... nem sei como contar isso, mas... eu estou namorando” O Sr. e a Sra. Manoban pareciam não acreditar nas palavras ditas pela filha, porém ao assimilar a informação demonstraram felicidade.

“É verdade isso, Lisa? Meu Deus, Marco, nossa filha finalmente está namorando”

“Estamos muito felizes, meu amor”

“Sério, pai?”

“Claro que sim, queremos te ver feliz” Lisa não conteve o sorriso grandioso em seu rosto. Ela nos olhou e retribuímos demonstrando a mesma felicidade pôr as coisas estarem dando certo. 

“Obrigada, pai. Eu tenho sorte de ter encontrado uma pessoa maravilhosa. Eu estou apaixonada, de verdade”

“Bem, mal podemos esperar para conhece-lo”

“Oh... ele?”

“Qualquer rapaz que faça minha menininha feliz está bom para mim, querida”

“Não, não. Mãe. Pai. Eu estou namorando uma garota”

“Uma... garota?” A feição dos pais da minha amiga mudou drasticamente. Eles se olharam e aquilo afligiu todas nós.

“Sim, eu estou namorando a Jennie” Lalisa segura a mão de Jennie e volta a olhar para seus pais.

“Olha, Jennie, eu sei que você é uma menina adorável, mas na nossa família uma mulher se casa com um homem, certo querido?”

“Exatamente, como pessoas normais”

“Nós somos pessoas normais, Sr. Manoban”

“Isso não é possível. Lisa, querida, você só não encontrou o homem certo ainda”

“Mãe, eu não gosto de homens e eu estou realmente apaixonada pela Jennie. Ela me faz muito feliz”

“Mas você sempre disse que queria um dia ter uma família, queria ter filhos”

“Sim e podemos ser uma família, assim como também podemos ter filhos um dia se quisermos. Óbvio que não da maneira tradicional”

“O que você acha que as pessoas vão pensar ao verem vocês duas juntas?”

“Não me importo com o que os outros vão pensar. O que importa é a minha felicidade”

“Lalisa, não faça pirraça. Você não é mais uma criança”

“Por que você acha que é pirraça, pai? Eu realmente amo a Jennie”

“Você não sabe o que está dizendo”

“Sei muito bem o que estou sentindo”

“Então pode nos esquecer”

“O-o que disse?”

“Se quiser continuar com isso pode sair por aquela porta e esquecer que existimos e somos seus pais. Pode esquecer que faz parte dessa família. Não será muito difícil afinal você ainda insiste em não usar nosso sobrenome”

“Você não está falando sério”

“Estou sim”

“Mãe... Mæ̀... por favor...”

“Pode sair da minha casa agora Lalisa. E como Marco disse, esqueça que já fez parte dessa família. Não nos ligue ou venha nos visitar”

Meu cérebro estava em choque com tudo o que foi dito naquela sala. Sério que eles iam excluir a filha totalmente da família apenas porque ela está amando uma garota? Os olhos de Lisa estavam marejados, mas ela se esforçava para não desabar na frente dos dois mais velhos. Ela se levantou deixando o recinto e rapidamente corremos atrás dela, mas antes de eu acompanhar as outras precisava falar uma coisa.

“Vocês vão um dia se arrepender se realmente levarem a sério o que disseram para Lisa. Ela não merece esse ódio daqueles que ela mais ama e admira no mundo”

“Se isso realmente fosse verdade ela não faria o que está fazendo”

Aquilo me ferveu o sangue e sai logo de lá com medo de fazer alguma merda. Acelerei o passo em seguida entrando no carro. A tailandesa encontrava-se chorando em silêncio sem olhar para nenhuma de nós. Eu podia não imaginar como ela estava se sentindo, mas eu estava muito triste com o que ocorreu minutos atrás.

Eu não vou deixar mais ninguém machucar minha pequena.

(Point of view: Lisa Manoban)

A ficha ainda não caiu do que meus pais me falaram. Uma enorme tristeza está tomando conta de mim, pois nunca na vida pensei que eles mandariam eu os esquecer somente por algo inofensivo. Não é errado o que eu estou sentido. Não é mesmo? Apesar disso não vou deixar que o que aconteceu me faça desistir do que quero. Neste instante acabamos de entrar no nosso quarto de hotel em passos arrastados. Creio que a situação afetou todas nós de uma maneira sem igual.

“Lisa” Nossa Unnie parou de andar e virou-se para mim “Me desculpa, Lisa-ya. Isso é culpa minha. Eu insisti para você contar a eles so...”

Unnie, não precisa se desculpar. Isso não é culpa sua. Eu tomei essa decisão junto com Jennie depois de muita conversa e vocês só me deram a coragem que ainda me faltava para dar esse grande passo. Eu precisava falar, porque se eu não fizesse isso eu só estaria adiando o inevitável. Não é como se eu tivesse esperado mais tempo eles teriam reagido de outra forma. Se eles realmente me amam como diziam eles vão aceitar”

“Eu estou torcendo para isso... é melhor irmos dormir, já foi emoção demais para uma única noite”

Segurei a mão da minha namorada e depois de nos despedirmos de todas fomos para nosso quarto. Assim que passamos pela porta a fechando Jennie puxa minha mão me tomando os lábios. Seu beijo estava um pouco diferente e antes que eu pudesse terminar meus pensamentos senti um gosto salgado aparecer entre o nosso beijo. Quando me afastei para conseguir olha-la notei que estava chorando.

“Meu amor, o que foi? Por que está chorando?”

“Você sempre foi tão ligada à sua família... e eu fiz questão de acabar com a boa relação que vocês tinham”

“Shh, shh. Não diga isso” Fiz com que se aproximasse do meu corpo permitindo que eu lhe abraçasse. Sua cabeça se apoiou na curva do meu pescoço e uma de minhas mãos foi até ela enquanto a outra tomou conta das suas costas não permitindo que escapasse “Não se culpe por algo que você não tinha controle. Não quero que fique com esse sentimento dentro de si. Eu tinha sim uma boa relação com eles, mas o fato de tão facilmente quererem me tirar de suas vidas só mostra que não era bem assim. Se é assim que eles querem é isso o que farei”

“Não. Lisa, por favor, não faça is...”

“Se eles não te aceitam eu...”

“Espere pelo menos uns dias. Vocês estão de cabeça quente, com as emoções à flor da pele. Dê um tempo a eles para pensarem sobre tudo, assimilarem o que realmente está acontecendo. Tente falar com eles novamente”

“Você quer isso mesmo?”

“Sim”

“Tudo bem... eu vou esperar alguns dias e antes de voltarmos para casa eu passo lá”

“Obrigada, amor”

Eu não podia negar um pedido que fosse dessa garota. Era só preciso ela vir com aqueles olhinhos castanhos brilhantes para me fazerem derreter todinha por ela. No fundo, eu queria que meus pais mudassem de ideia, mas eu ainda estava muito magoada. Aquelas palavras vieram como um tiro à queima-roupa. Pensando bem talvez um tiro doeria bem menos. Tentei não pensar nisso voltando a admirar seu rosto não contendo que um sorriso bobo surgisse no meu rosto. Ela fez o mesmo que eu até que me guia pela mão para o meio do quarto.

“Vamos dançar?”

“Dançar? Mas não tem música”

“Eu cuido disso” Não estava entendo o que ela estava prestes a fazer, mas confiava naquela garota de olhos fechados permitindo assim que fizesse o que quisesse comigo. Então suas mãos guiaram as minhas até estarem sob sua cintura, e já as suas laçaram meu pescoço. Com passos lentos e de certa forma sincronizados dávamos vida a uma dança similar às valsas de festas. Inesperadamente notas de uma música que recordo muito bem saiam de sua boca ao som da linda voz soprano que lhe foi presenteada “Se tu fossi nei miei occhi per un giorno/ Vedresti la bellezza che piena d'allegria/ Io trovo dentro gli occhi tuoi/ E nearo se magia o lealta”

Trago-a para ainda mais perto de mim. Nini apossa uma mão ao meu peito e descansou o seu rosto nele, e eu apoio o meu queixo sobre a sua cabeça. A coreana continua a cantar a música tema de um filme italiano que vimos há muitos anos juntas. Lembro que naquele dia Nini me confessou querer um dia se apaixonar daquela maneira para entender o que era realmente amar alguém como aqueles versos expressavam “Se tu fossi nel mio cuore per un giorno/ Potreste avere un'idea/ Di cio che sento io/ Quando m'abbracci forte a te/ E petto a petto, noi/ Respiriamo insieme”

Afastando um pouco nossos corpos pego sua mão a girando graciosamente que parecia que seus pés não tocavam no chão. Não conseguia conter meu sorriso e ela também parecia feliz com aquele singelo momento nosso. Mesmo sem o instrumental magnífico da música “Se” conseguia ouvi-la ecoando em minha cabeça “Protagonista del tuo amor/ Non so se sia magia o lealta/ Se tu fossi nella mia anima un giorno/ Sapresti cosa sono in me/ Che m'innamorai/ Da quell'istante insieme a te/ E cio che provo è/ Solamente amore”

Jennie desacelera os passos praticamente ficando parada na minha frente me encarando nos fundos dos olhos. Juntamos nossas testas e aqueles sorrisos largos ainda permaneciam conosco. E assim ela conclui a linda consonância “Da quell'istante insieme a te/ E cio che provo è/ Solamente amore” Apesar de como começou meu dia ele terminou da melhor forma com a mais bela e sincera declaração de amor.


Notas Finais


Nome da música: Se (by Josh Groban)
Link da música: https://bityli.com/vCdM1
Link da tradução da música: https://bityli.com/vA1Og

Até sábado, nesse mesmo horário, nessa mesma batcaverna.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...