1. Spirit Fanfics >
  2. Nem Tudo é Como o Esperado! ABO! >
  3. Sunrise! - Ao som dos gritos, quando um familiar morre...

História Nem Tudo é Como o Esperado! ABO! - Capítulo 42


Escrita por:


Notas do Autor


Heeey!!!

Andam se cuidando direitinho? Eu espero que sim.

Galera, eu agradeço de coração, por cada boa intenção para com meu papai, ele combateu um bom combate. Foi um mês lutando contra o covid-19, 27 dias intubado, um mês de muita oração aqui em casa.

*Pasmem, sou católica, praticante e com uma certa certeza de que o meu lugarzinho no inferno tá reservado...ahauahua… porém sigo fazendo minhas coisas na igreja, dá pra ser ficwriter de yaoi e bi nas horas vagas sem cometer tanta heresia, vai que Deus ameniza pro meu lado quando for minha hora.*
Inclusive isso seria plot pra fic, mas não to com tempo pra escrever. **

Todos os dias muita gente rezou, orou, mandou boas energias e fez seus votos.
Papai uniu muita gente, foi realmente um homão da porra, um marido exemplar, fiel, completamente enamorado pela minha mamãe e um pai presente. A gente tretava demais quando eu era mais nova, mas tbm tínhamos muitos bons momentos, quando eu cresci aprendi a lidar melhor com ele e ele comigo. Nós fizemos muitas coisas juntos, muitas mesmo, viajamos, cantamos no karaoke, conversamos, fizemos churras, brigamos, rimos, choramos, fizemos móveis, decoramos a casa, pintamos paredes, tivemos uma relação linda de pai e filha. Foi absurdo nosso tempo juntos absolutamente todos o momentos e papai me ensinou a ter coragem pra continuar vivendo, para não cair no desespero, eu tô com muita saudade dele, mas sei que ele tá bem agora e tá lá no céu, junto com o Jonghyun que apareceu pra recebê-lo, acreditam? (O sepultamento do meu papai foi na segunda-feira a tarde e quando eu olhei pro céu, eu vi a lua, eram 15h-16h…). O nosso Blingbling vai ensinar ao meu velho como ser meu outro anjinho.
Aliás, dessa experiência toda o que eu poderia dizer é que: os relacionamentos não são lindos por si só, eles precisam de um primeiro passo, assim como o Jeno quis adotar um cachorro pra se aproximar dos pais, eu escrevi uma carta pro meu pai falando o que eu sentia e que queria q a gente melhorasse nosso relacionamento. Depois daquele dia as coisas melhoram demais e talvez se eu fosse esperar pela iniciativa dele as coisas não fossem tão boas por tanto tempo como foram…
Por mais que um esteja certo e o outro não, nem vale a pena esperar por desculpas, a gente só tem o agora; este exato segundo pra fazer tudo valer a pena.

Muito obrigada por lerem até aqui. Eu sou grata por cada um de vocês, de verdade, eu não pretendo em momento algum deixar meus projetos, mas como papai partiu domingo a noite, eu não consegui escrever tão bem. O tempo me fará melhorar.

Vocês são incríveis!!!!
Se cuidem nesta pandemia, nós nos cuidamos aqui em casa e por isso eu pude ficar mais uns meses com meu papai ao meu lado.
Eu, minha mamãe, meus irmãos e suas famílias continuaremos a nos cuidar! Vocês também se cuidem, ok? Prometem? De dedinho? Nada de esquecer do álcool, lavar as mãos, tomar banho, manter-se longe do amiguinho e usar máscara, hein?!

Sem mais delongas, espero que curtam o capítulo, foi feito com carinho e dedicação s2

--------- Boa Leitura! ---------

Capítulo betado pela @V-VII s2

Capítulo 42 - Sunrise! - Ao som dos gritos, quando um familiar morre...


Fanfic / Fanfiction Nem Tudo é Como o Esperado! ABO! - Capítulo 42 - Sunrise! - Ao som dos gritos, quando um familiar morre...

 

— Você só pode estar brincando… — Jonghyun encarou a irmã, literalmente, mumificada com os olhos arregalados, depois os pais e o avô. — O que eu acho que tô sentindo é o que eu acho que estou sentindo?

— Ao que tudo indica… Sim… — Gongyoo respondeu antes do filho, genro ou até mesmo de Amber.

Mesmo que a ligação não fosse a mesma, Jonghyun sentiu em Donghyuck a mesma familiaridade que sentia com Doyoung, assim como seus pais e avô.

Amber nada disse, estava em choque, a banda Vision já estava em sua segunda música, mas a lúpus não conseguia escutar nada ao redor. Com a agitação dos irmãos, Kibum e Krystal ficaram confusos, assim como Baekhyun que já ia mandar Jonghyun calar a boca e apreciar o Show quando percebeu a atmosfera. Kyungsoo e Minseok foram mais ligeiros, fitando os amigos enquanto Taemin havia saído da mesa para tirar umas fotos dos garotos junto com Youngjae que berrava mais que os poucos fãs reunidos ao pé do palco.

— Amor, o que está havendo? — Krystal perguntou.

— E-eu não sei… — a lúpus se levantou lentamente deixando a mulher e se aproximou do palco.

Não havia o que contra-argumentar, aquele garoto era, de fato, seu filho. As questões eram: como? Quando? Com quem? Por quê?

Instintivamente Amber queria cheirá-lo melhor, era como se uma saudade arrebatadora tivesse brotado em seu peito e os olhos ficaram embaçados. Por um instante a lúpus quase subiu ao palco, mas um leve toque a impediu.

— Oppa… — disse chorosa.

— Você vai assustá-lo se fizer isso… — Jonghyun disse em seu ouvido.

A mais nova assentiu e olhou ao redor, as câmeras de todos os repórteres estavam mirando o palco, ela não teria como justificar suas ações e provavelmente uma enxurrada de perguntas viriam antes mesmo da alfa se aproximar do filho que mal sabia o nome. Não, era melhor agir com descrição. Também não dava para se esquecer o que estavam comemorando aquela noite. Doyoung não merecia ter o aniversário arruinado com um escândalo pelo qual nem tinha culpa.

No palco, Donghyuck se sentiu meio nervoso nas primeiras músicas, mas seguiu curtindo a apresentação, se ele tinha ido até ali, então daria o seu melhor. Sua omma não fazia ideia sobre a banda e provavelmente seus argumentos de apenas estar ali por estar não a convenceriam, o alaranjado sabia muito bem o quão irada Chaerin poderia ficar quando visse as notícias. O jeito era então se aproveitar de cada mísero segundo.

Uma hora mais tarde a banda The Dreamers subiu ao palco e como esperado incitou uma maior comoção por parte da imprensa já que Doyoung, além de ser o aniversariante, estava se apresentando "pela primeira vez". Amber tentou aproveitar o máximo que conseguiu, mas seu interior se remoía e tal ação não deixou que Krystal curtisse ao show do filho também, afinal era marcada por Amber e sentia absolutamente tudo que a esposa sentia.

"De tempos em tempos, surgem entre os seres humanos
Pessoas que parecem transpirar amor,

tão naturalmente como o sol emanando calor"

 

— O que está havendo, Amber?! — a ômega se enfezou quando a última música dos Dreamers foi finalizada. — Vamos ter que subir ao palco para dar início à noite e parabenizar nosso filho, mas com você assim eu não consigo me concentrar!

— E-eu, ah, perdão minha vidinha. É que, nem sei o que dizer… Não tô conseguindo pensar pra dizer a verdade…

Amber buscou o olhar de Donghae que pensou rápido e se virou para Jonghyun.

— Tome a frente da cerimônia, meu filho.

— M-mas o aniversário é do Dodô…

— Não se preocupe, você é o dono do grupo Kim, ninguém vai suspeitar se você tomar a frente dos discursos, vão achar que é apenas um protocolo, hum? — disse o beta e o filho concordou nervoso.

— Vai dar certo, Jong… seu appa tem toda razão. — disse Gongyoo.

Dessa forma Jonghyun assumiu o microfone ao parabenizar o sobrinho e seguir com todo aquele protocolo de agradecimentos e cumprimentos aos grandes acionistas que se encontravam no bar. Também foi Jonghyun quem ouviu as propostas, mascaradas de boas intenções, de noivados e possíveis uniões com seu sobrinho tendo que se segurar para não avançar em todo mundo. Eventualmente Kibum brotou ao lado do marido para dar suporte e a festa seguiu.

Os "primos" perambularam pelo bar e jogaram à beça enquanto Doyoung hora ou outra se juntava a Jonghyun para receber presentes e felicitações por seu dia. O rapaz realmente não achou estranho o fato de sua appa e omma não estarem no lugar de seus tios, até achou mais condizente com a situação, já que havia meio que optado por fazer seu aniversário de uma vez só, misturando amigos e pessoas de negócios. 

Ao contrário do primo, Doyoung não via problemas em sua vida pública, vez ou outra se frustrava, mas colocando numa balança, tudo estava bem.

Quando Jaehyun, de vampiro, fez uma profunda reverência a Doyoung lhe entregando um generoso pacote. O aniversariante sentiu o coração acelerar, obviamente sempre achou o "primo" muito bonito, mas o Wang estava particularmente muito atraente aquela noite. As presas sujas de sangue falso se estendiam aos lábios do alfa deixando-os ousadamente convidativos e as covinhas, ah as covinhas quebravam toda aquela aparência fria da fantasia causando no Kim uma, quase, incontrolável vontade de abraçá-lo. O sorriso que direcionaram um ao outro fez Jonghyun trocar olhares com Kibum, mas eles nada fizeram para quebrar o clima.

— Espero que goste, majestade… — Jaehyun sorriu travesso e o mais novo enrubesceu na hora.

— E-eu é c-claro q-que vou g-g-gostar… — Doyoung respondeu querendo se bater e abriu o embrulho.

Foi necessário apoiar a caixa na mesa aonde outros presentes foram colocados. Dentro havia um microfone extremamente elegante, vintage, do jeitinho que Doyoung confessou que gostaria de ter, mas nunca encontrava exatamente daquela forma. O pedestal estava desmontado na caixa e por isso ela era tão grande, também havia uma carta enrolada dentro de uma garrafa de vidro e provavelmente escrita à mão pelo o que o rapaz pôde ver. Era um presente sofisticado e elegante, mas ao mesmo tempo cheio de simplicidade e os olhos do Kim brilharam intensamente ao encarar o Wang.

— É lindo, perfeito… eu amei, hyung!

— Se não se importar gostaria que você cantasse com ele hoje enquanto eu toco, o Kunie nem tirou o teclado dele do palco… — falou o alfa e Doyoung quase quebrou o pescoço conferindo a informação e se voltando para o mais velho com um radiante sorriso.

Para bem da verdade, o Kim estava quase aos pulinhos quando aceitou tal convite e cantou “Nothing Else Matters” do Metallica ao lado do alfa. 

Foi, de longe, o momento mais tocante da noite e nada estava programado, mas a forma graciosa como Jaehyun fez questão ajeitar o microfone para o aniversariante mostrou para quem tivesse menos que meio neurônio o quanto o mais velho tinha sentimentos sinceros para com o garoto sem gênero.

— O Jae é igual a você, mor… — Wang Mark comentou.

— Aposto que ele sente o cheiro do Doyoung, eu sempre senti o seu e você nem botava fé em mim…. — Jackson rebateu fazendo bico.

E pela primeira vez na noite Amber conseguiu sair de seus pilhados pensamentos para observar o quanto o filho parecia contente com Jaehyun. Por mais que Doyoung ainda não tivesse consciência o olhar que direcionava ao herdeiro dos Wang era completamente diferente, quase de devoção.

— Acho que em um ano teremos um noivado, oppa. — a lúpus comentou com Jackson que riu ajeitando sua fantasia de zumbi.

— Vai ser uma fusão e tanto… — Jackson sorriu.

 

[...]

 

Na mansão dos Kim havia uma aglomerado de gente na sala. Os "primos" haviam sido despachados para a casa dos Zhang onde Chittaphon e Youngho ficaram responsáveis por anfitriá-los. Então apenas os pais se reuniram.

A família HostClub estava reunida e Baekhyun se lembrou do dia em que todos estavam juntos e ele falou sobre sua gravidez de Winwin. Na ocasião apenas Donghae, Eunhyuk e Gongyoo não estavam, mas ali estavam os mais velhos e o Park se acomodou ao lado de Chanyeol pensando sobre o que estariam prestes a ouvir.

— Olha, eu não tenho muito o que dizer, porque eu mesma não sei o que está acontecendo. — iniciou Amber se levantando de um dos sofás e recebendo a atenção de bem vinte e tantas pessoas. — O que me fez pedir que todos viessem a casa do Jong-oppa é que preciso dizer uma coisa.

A lúpus olhou para Krystal que lhe encorajou. Era domingo à noite, um dia depois do aniversário de Doyoung e a lúpus havia esclarecido a sua descoberta para a mulher. Se a ômega ficou contente ou furiosa? Era difícil saber, talvez o termo confusa fosse mais adequado. 

Antes do casamento das duas, houveram idas e vindas no relacionamento delas que deram abertura para relacionamentos paralelos, particularmente pensando, Amber se recordou da vez em que após uma discussão feia seguida de término com Krystal a lúpus achou que não teriam mais volta. Francamente a alfa se sentia muito sufocada pela ômega que desde o momento em que se intitularam namoradas se deixou levar por um ciúmes sem medidas. 

De início, Amber nem ligou, pois como não era galinha imaginou que a namorada fosse perceber que lhe cercar era desnecessário.

Mas os meses se arrastaram e eventualmente Krystal vinha com dr’s sem pé nem cabeça, o que realmente estressava a lúpus que se dedicava a tentar recuperar o tempo perdido com o avô e junto com Jonghyun viajava pela Ásia e Europa para aprender como administrar o conglomerado Kim. Fora essa pressão, havia a faculdade. Amber decidiu cursar direito e estava completamente pilhada com seu TCC quando Krystal teve um ataque de pelanca porque ao ir à um jantar com a namorada, um garçom, ômega, deu em cima de Amber que não fez nada a não ser ignorar o rapaz e tentar seguir com a noite.

Talvez Krystal tivesse assistido contos de fadas demais, ou sei lá o que, fato era que as duas brigaram feio culminando no término de um relacionamento e uma Amber bem puta da vida.

Por mera consciência do destino, quando Krystal e Amber tomaram seus rumos a lúpus quis, pela primeira vez na vida se acabar em bebida. Com esta ideia na cabeça ela trombou com uma ômega tão amargurada quanto ela num bar qualquer.

As duas se identificaram de cara ou talvez a bebida estivesse falando mais alto, quem sabe o cio de Amber dando as caras também tivesse anuviado ainda mais a consciência das duas mulheres que transaram repetidas vezes na noite sem pensar em qualquer proteção.

Desde o principio ninguém quis nada sério, elas haviam combinado de não trocar contato, era apenas uma noite e Amber realmente precisava ir para casa antes que perdesse a razão e passasse o resto do cio naquele quarto de motel de quinta categoria.

Ainda assim a lúpus, bobinha como era, deixou um beijo na testa da ômega antes de se despedir e a outra cair no sono. 

Depois do cio, Amber seguiu um tempo solteira, mas sentindo muita falta de Krystal correu até a casa da ômega. Não foi uma volta de conto de fadas como a ômega imaginara, porém o suficiente para que as duas se acertassem de verdade e engatassem num noivado que durou poucos meses até o casamento.

Para Kim Krystal saber que sua mulher tinha um filho soou como algo surreal, ao mesmo tempo perfeitamente possível. Esse tipo de aceitação “fácil” se devia a marca que ômega carregava no ombro direito. O elo que a ligava a Amber deixava claro tudo que a lúpus sentia, desde o seu amor imensurável pela esposa e Doyoung quanto a genuína confusão e amor pelo filho recém descoberto. Amber tinha interesse única e exclusivamente em Donghyuck, sempre foi, mesmo que os dois nem soubessem da existência um do outro.

— Será que poderia desembuchar de uma vez? Essa situação está me matando! — falou Youngjae roendo o cantinho da unha.

— Eu descobri ontem que sou appa do guitarrista da bando dos meninos... Do Lee Donghyuck.

O silêncio reinou entre todos, tão profundamente que todo mundo quase se esqueceu de respirar por um momento.

— Meu genro é seu filho? — questionou Luhan piscando algumas vezes.

— Como descobriu? — perguntou Sehun já sabendo a resposta.

A lúpus se limitou a apontar para o nariz e o silêncio reinou mais uma vez.

— Eca... Ai Amber, como pôde? — Kibum se limitou a dizer enojado.

— O fato é que o nome dele é tudo que sei, porque o Key-oppa disse. Depois da festa do Dodô eu conversei com a Krystal e passei o dia de hoje num resort fechando contratos com o Jong-oppa. Não deu muito tempo de pensar direito sobre o assunto.

A partir daí, Zitao, Kibum e Bambam contaram tudo que sabiam sobre Donghyuck e Amber precisou se sentar, pois o que ouviu sobre a história do filho lhe causou náuseas acerca da omma do garoto. Chaerin era um monstro.

— Desgraçada! Se for da vontade do Donghyuck, ele nunca mais atenderá por Lee, vou fazer dele um Kim e lhe darei todo o amor que ele nunca teve! — rosnou a lúpus.

— E se ele me aceitar, serei a omma que ele nunca teve. — disse Krystal.

— A questão é, como vou me aproximar dele? — indagou a lúpus e Gongyoo riu.

— Talvez uma abordagem direta funcione... — sugeriu o lúpus mais velho.

— O senhor acha? — perguntou Amber.

— Bem, funcionou comigo... — disse o alfa ao se lembrar de como abordou o neto mais velho no passado.

— É, eu quase entrei em curto, mas no fim deu certo. — Jonghyun concordou. — Só sugiro que espere mais uns dias, os garotos estão em suas provas finais. Eles se formam daqui três semanas. Vai saber como ele vai reagir...

— Você tem razão, oppa. O Dodô fica uma verdadeira pilha de nervos nessa época... — concordou a lúpus.

Se tudo desse certo, Amber, dentre todos os anos escolares e conquistas de Donghyuck que perdeu, ao menos, teria a oportunidade de ver seu filho mais velho se formando no Ensino Médio.


 

[...]


 

Renjun estava sentado na carteira encostada na janela. O ômega observava o pátio lá de cima, estava no quarto andar. Talvez a nostalgia já estivesse lhe atingindo. Em três semanas estaria no baile de formatura se a semana de provas não fosse um desastre e seu estômago já entrava em conflito pelo tanto de coisas que lhe aguardavam a partir dali.

O sinal tocou, era do intervalo.

O vocalista do Vision se levantou e caminhou sem pressa até o banheiro, pelos corredores as pessoas o cumprimentavam e ele retribuía o gesto mesmo que de modo aéreo.

De repente sentiu dois braços rodearem sua cintura. Jeno e Jaemin basicamente competiam por espaço sem competir de verdade e o Park sentiu os olhares e ouviu os comentários direcionados àquela interação. Todo mundo adorava qualquer demonstração de afeto entre os "primos". Alguns estavam namorando, mas o quarteto principal ainda se mantinha numa incógnita. Muitos apostavam que Jeno, Renjun e Jaemin eram um trisal e Mark estava apenas aproveitando a vida como bem mandava a boa etiqueta, contudo eventualmente o "trisal" era flagrado pelos cantos da escola ou mesmo dos lugares onde frequentavam se agarrando com um estranho.

Aquela garotada jovem era confusa isso sim, ou vai ver apenas não queriam romance.

— Temos 20 minutos. — disse Renjun para os mais novos.

— É tempo mais que suficiente. — garantiu Jeno.

Os três caminharam para o tão costumeiro banheiro afastado onde os lúpus fumavam em paz e se trancaram no último box, o maior por ser acessível.

O Park puxou os dois para si beijando-os com calma, era uma experiência interessante o beijo triplo. O primeiro deles foi um verdadeiro desastre, ou vai ver era só porque estavam bêbados demais para se coordenarem direito. Era diferente de um beijo a dois, evidentemente, as bocas precisavam de uma abertura maior e o nojo tinha que ficar de lado, pois as línguas ficariam meio que amostra e dependendo da intensidade, babar seria uma realidade.

Pois é, muitos teriam nojo, mas não aqueles três. Para eles aquele tipo de resultado era motivo para as calças se tornarem incômodas dada a ereção entre as pernas.

E o primeiro a denunciar tal ato foi Jaemin que gemeu entre os lábios dos mais velhos enquanto se encolhia ligeiramente. O Lee arranhou as costas dos outros por dentro da camisa do uniforme e os mais velhos ronronaram de prazer.

O sorriso brotou nos lábios dos três e Renjun mordeu o pescoço de Jeno — ele era tão sensível ali — o empurrando para se sentar na privada fechada. O ômega se ajoelhou e abriu o zíper do alfa sem qualquer cerimônia. Eles só tinham 14 minutos. Jaemin se ajoelhou atrás de Renjun sentindo o membro latejar dentro da cueca, mas ignorou por um instante sua necessidade, apenas para descer as calças do Park, e enfiar a fuça entre as nádegas do ômega que se engasgou com Jeno tamanho prazer que foi sentir a língua de Jaemin lhe fodendo sofregamente. Seu cu já estava completamente lubrificado pelo tesão, mas naquele momento ele sentiu uma ligeira dor, tamanha vontade de ser comido.

— Jaemin-ah, não me tortura assim… — gemeu com o pau de Jeno em sua boca o que fez o alfa rosnar baixinho e acariciar seu cabelo.

O Park sorriu sacana e quando Jaemin finalmente o invadiu, ele engoliu Jeno com toda a gula que sentia naquele momento. O vai e vem de Jaemin foi inicialmente lento, ele observava a cena como um todo. A bunda branquinha de Renjun engolindo seu membro lhe cegou de tesão e aumentar a velocidade foi inevitável. Os gemidos do ômega eram abafados pela rola de Jeno entre os lábios e os seus sentidos pareciam querer abandonar o corpo tamanho êxtase de ser consumido daquela maneira. O alfa começou a foder a boca de Renjun que revirava os olhos todo entregue enquanto fincava as unhas nas coxas do Kim. Jaemin apertou com força a cintura do Park se inclinando para frente e Jeno alcançou seus lábios, os dois trocaram um beijo tão feroz que terminou em uma mordida que feriu o lábio inferior de Jeno. Os lúpus acariciaram o corpo de Renjun onde alcançaram enquanto ainda o fodiam sem dó, ele estava no seu limite, os lúpus não estavam diferentes.

E assim os três gozaram antes do sinal tocar, se arrumaram como puderam e voltaram para a sala como se nada tivesse acontecido graças às loção neutralizante que Jaemin carregava consigo. Afinal, uma vez garoto prodígio, sempre garoto prodígio. Jaemin mais do que pretendia se formar com a imaculada imagem de aluno modelo.


 

[...]

 


Notas Finais


E aê o que acharam?


Amber vai preparar o bote, Donghyuck que lute...ahauhauhah...

link para a música do capítulo com tradução s2: https://www.youtube.com/watch?v=33Rz-6HTRkw

**Para quem não leu a fic anterior (Nem Tudo é o Parece!ABO!), precisam saber que os pais da família hostclub é formada por TODOS os membros dos seguinte grupos: Shinee, Exo (otp 12) e Got7. Além desses, temos Henry, Zhoumi, Amber e Krystal.
#Spoiler: A garotada está pra se formar, não sei se perceberam, mas acompanharemos a trajetória deles na faculdade tbm. A fic terá mais "lacunas" de tempo, focando os principais acontecimentos, eu juro que estamos na reta final mesmo, mas como é muita gente pra contar a história, talvez essa "reta final" não seja pequena.
Até o Yanyang, Hendery e Yuri tem um fechamento que eu ainda não decidi se vai fazer parte da fic diretamente ou entrará como um capítulo bonus.
Como eu geralmente não tenho nada escrito do próximo capítulo, nunca sei onde vai terminar...ahauhauhuah... Eu só sei sobre os acontecimentos, agora como eles efetivamente vão rolar, eu só sei na hora que escrevo.

Até já pensei em fazer cronogramas, mas isso tira minha "naturalidade", e eu começo a achar um saco. Escrever sempre será uma forma de extravasar minhas loucuras, sentimentos que nem eu mesma conheço e afins, então tem que ser igual ao pãozinho francês do café da manhã/tarde: fresquinho!

Mais um vez, muito obrigada por sempre estarem aí, por me mandarem ótimas mensagens e serem incríveis!!!

Nunca terei palavras suficientes para agradecer s2

Qualquer dúvida é só perguntar =P


Até semana que vem, meus amores!

Trilha oficial da fic, sempre atualizo semanalmente: https://open.spotify.com/playlist/14nMxnTfZDFI6WCUoJM3i6?si=CaWxVk46TAutBmsFgZiJWg

Fanfics da série:
Nem tudo é o que Parece! ABO! https://www.spiritfanfiction.com/historia/nem-tudo-e-o-que-parece-abo-14474549
Nem Tudo é como o Planejado! ABO! https://www.spiritfanfiction.com/historia/nem-tudo-e-como-o-planejado-abo-15430454

Querendo me achar:

📷 https://www.instagram.com/blinglilly/
💎 https://twitter.com/blinglilly

Bjos de Luz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...