História Nem tudo pode ser comprado, Larry Stilynson - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Gay, One Direction, Romenca Larry, Sexo
Visualizações 295
Palavras 3.085
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Att dupla? simmmmmm hoje to espirada por isso aproveitem!

Capítulo 6 - Capítulo 6 Bom menino!


Fanfic / Fanfiction Nem tudo pode ser comprado, Larry Stilynson - Capítulo 6 - Capítulo 6 Bom menino!

Depois das aulas Louis foi direto para o hospital comeu algo por lá mesmo, passou a tarde com sua mãe contando como estava as aulas e seu trabalho falso em uma cafeteria, ele não gostava de mentir pra mãe, mas era necessário. No caminho pra casa se pegou pensando na conversa com Zayn, sobre ter cuidado, "o que ele quis dizer com isso?" ao chegar ao apartamento eram cinco da tarde e estava vazio nem a empregada e nem Harry estavam lá, ele tomou uma ducha colocou um casaco e uma shortinho, sem esquecer de ma de suas calcinhas que tanto amava, a noite estava um pouco fria, mas ficou descalço e com os cabelos ainda úmidos. Foi até a cozinha e resolveu cozinhar algo estava cansado de comer comida de restaurante, a dispensa e geladeira estavam cheias ele resolveu fazer uma lasanha e batatas recheadas com molho branco, preparou um pudim de sobremesa, todas as receitas que aprendeu com a mãe que adorava cozinhar.

- Que cheiro bom – ele se assusta com a voz grossa de Harry, ele estava encostado no balcão, nem percebeu sua presença – não sabia que cozinhava -  ele falou sorrindo com a cara de susto do garoto.

- Nossa, hoje e o dia de me assustarem – ela falou rindo e indo em direção a geladeira, Harry franze o cenho curioso – hoje conheci a sua empregada ela e muito simpática - ele vira para a pia e lava as mãos, o maior não deixa de reparar na sua bunda deliciosa, aquele shortinho era uma tentação.

- Sim ela é – ele se afasta e tira o palito e a gravata - vou tomar um banho tenho um jantar de negócios hoje – ele sai andando em direção ao quarto, e Louis tenta disfarçar desanimo, tinha preparado tudo com tanto carinho e comeria só,  se pegou ficando triste e se sentiu uma idiota, tirou o jantar do fogo arrumou a mesa para si sentando de frente para o terraço admirando a paisagem.

Depois de jatar ele foi ate a cozinha arrumar tudo, só viu quando a porta do apartamento bateu, Harry tinha saído sem nem se despedir, ele suspirou e continuou arrumando a cozinha, ao terminar sentou na sala olhando para os lados estava realmente só, e era assim que se sentia, levantou e sentou em uma das cadeiras do terraço e ficou ali olhando as estrelas por muito tempo, ouviu a campainha tocar levantou e foi atender , ao abrir a porta deu de cara com um homem alto grisalho estava vestido de forma muito elegante.

- Quem e você ? Onde esta meu filho? - ele perguntou de forma ríspida entrando no apartamento empurrando ela pro lado.

- Desculpe senhor ... o  Harry está em um jantar de negócios – ele falou fechando a porta, estava nervoso e sem muita reação. Ele virou com um sorriso sarcástico no rosto a olhando dos pés a cabeça parou nos pés descalços.

- Jantar de negócios, sei,  e você quem é?

- Meu nome e Louis sou ... amigo dele – ele odiou ter gaguejado mais o jeito que o homem o olhava a deixava sem graça.

- Sei ... amigo ... - ele dá as costas vai até a sala e senta no sofá – ligue pra ele e diga que estou aqui – Louis o olha meio incrédulo – agora garoto, você e surdo? – o homem era ainda mais grosso que o filho, ele foi ate o balcão pegou o telefone fixo e ligou para Harry.

- Oi Angel eu estou ocupado o que quer? – ele atende ríspido o barulho ao fundo era de música alta, era fato que ele não estava em nenhum jantar.

- Harry. Eu sei, mais é que ... seu pai está aqui me mandou ligar.

- Filho da ... já estou indo fique longe dele – ele grita e desliga, Louis respira fundo, sentiu um certo medo depois do aviso de Harry, vai ate a sala.

- Ele já está vindo - ela falou baixo olhando para os próprios pés.

- Ótimo, me sirva um whisky com gelo – ele balança a mão como se tivesse falando com uma empregada, Louis vai ate o minibar da cozinha com o sangue fervendo tentando se acalmar o máximo possível, serve a bebida,  vai ate a sala entrega ao homem que a olha como se arrancasse suas roupas, ele se afasta totalmente sem graça – engraçado você não parece o tipo de homem que meu filho costuma se envolver – Louis senta na outra ponta do sofá – não me leve a mau você tem porte mais não parece ser uma vagabunda, tem uma carinha inocente ... mas as aparências enganam, não? – nessa hora Louis fica sem graça desvia o olhar, o velho realmente estava se divertindo com o jeito dele.

- Eu devo agradecer? - ele fala ainda olhando para o outro lado.

- Bom,  se você conhecesse meu filho como eu, lavaria isso como um grande elogio – ele gargalha, e Louis levanta e vai ate a cozinha abre a geladeira e bebe um copo de água " Harry cadê você ?" ele está aflito, aquele homem era horrível.

Muito tempo depois  a porta abre ele fica aliviado vendo o cacheado entrar pela porta, ele já tinha servido duas doses de bebida ao homem que não parava de encará-lo de forma constrangedora, Harry o olha ele está atrás do balcão da cozinha com o olhar assustado, ele vai até o menor e passa a mão e se rosto tentando lhe passar conforto, ele mais que ninguém sabe o quanto o pai pode ser cruel.

- Ele tocou em você? - ele nega balançando a cabeça - onde ele está ? - ele sussurra.

- No terraço – Harry lhe da um breve beijo nos lábios, surpreendendo o menor que suspira satisfeito fechando os olhos, ao abrir ele bate seus longos cílios algumas vezes perdido nos olhos verdes do maior.

- Vá pro seu quarto e não saia – ele assente e vai para o quarto, Harry se serve de uma dose de bebida e vai ao encontro do pai que está parado encostado na beirada da sacada - boa noite senhor Desmint Stiles, não sabia que viria – o homem vira e abre um sorriso falso.

- Queria fazer uma surpresa – ele se aproxima bebe o resto do líquido de seu copo – aliais ... minha surpresa foi bem maior quando vi seu "amigo" , ele e lindo mesmo, - Harry serra os dentes tentando disfarçar seu desconforto, senta em uma cadeira o pai o acompanha sentando na sua frente – quem e ele? Não parece uma das prostitutas que você costuma foder ...

- Por que ele não e uma prostituta – ele o interrompe de forma ríspida, respira fundo e se acalma para continuar – o senhor não veio aqui para saber com que eu ando fodendo não é?

- Não, Mais eu não te mandei pra cá pra ter aventuras ou sei lá o que você anda fazendo da vida, você veio trabalhar – ele levanta.

- Então veio fiscalizar meu trabalho? Não estou dando resultados? - ele ergue um pouco a voz.

- Você esta aqui a dois meses, e já bateu seu carro, anda em boates e festas sempre bêbado com putas gastando meu dinheiro em suas aventuras imaturas ... sim eu vim aqui para fiscalizar seu trabalho - ele grita Harry levanta e vai para a sala o seu pai o segue enfurecido – agora você tá brincando de casinha? Nossa você sempre me surpreendendo filho – ele ri sarcástico deixando o filho ainda mais irritado.

- Faço o meu trabalho, e não importa o que eu faço depois do expediente.

- Ai que você se engana – ele se aproxima do filho e o encara – você me representa e eu não quero essa imagem, não me faça cortar suas regalias, você e o melhor disso não tenho dúvidas, eu ensinei tudo que sabe, mais não me envergonhe. - Harry não responde apenas baixa a cabeça se controlando pra não esmurrá-lo, seu pai se afasta coloca o copo no balcão se sai do apartamento batendo a porta, Harry joga o copo contra a parede e se joga no sofá encosta a cabeça no encosto e fecha os olhos. Depois de alguns minutos tentando controlar sua respiração ele sente um carinho em seu rosto por um momento não abre os olhos, só se deixa se acariciado, sentindo a leveza daquele toque, ao abrir os olhos vê Louis com uma expressão preocupada, ele suspira.

- Pedi pra não sair do quarto – ele fala com uma voz cansada, o menor senta em seu colo deixando ele surpreso com a atitude, e o abraça colocando as mãos em sua nuca puxando para si, por um segundo ele tenta resistir,  mas se entrega aos afagos e carícias em seus cabelos e descansa a cabeça na curva do pescoço dele sentindo seu perfume e a macies da sua pele, ele envolve sua cintura com os braços e suspira. Era boa a sensação daquele toque daquela atenção sem palavras, sem luxúria, só carinho. Mais essa sensação não durou muito, se sentiu invadido por medo que não sabia de onde vinha, e uma necessidade de se afastar – me prepare um banho estou exausto – ele sussurrou e o afastou.

- Esta com fome? - ele negou com a cabeça, Louis levantou e foi em direção ao quarto dele fazer o que ele tinha pedido, ele tinha escutado toda conversa ficou com a porta entre aberta, escutou o modo que ele a defendeu do pai "por que ele não e uma prostituta" mesmo sabendo que não era verdade ele ficou agradecida, escutou a forma rude que o pai o tratava e o modo frio que falava com ele, e não entendia como um pai poderia ser assim, mesmo com tanto sofrimento Louis era agradecida pois tinha tido todo amor do mundo. Viu a reação do cacheado quando jogou o copo na parede e teve certeza que aquilo mexia com ele, por mais dinheiro que ele tivesse não era feliz. Ele terminou de encher a banheira posicionar as toalhas e colocar os sais de banho e foi até a sala , ele continuava sentado.

- Está pronto – ele falou e Harry não levantou, o menor foi até ele ajoelhou em sua frente e começou a tirar suas botas e as meias, lembrou do copo quebrado no chão, ele já estava causado mais Harry não – espera aqui – ele levantou correu até o quarto, o cacheado tinha um sorriso divertido no rosto, ele voltou com os chinelos e Harry causou.

- Você vai me dar banho também? - sua voz saiu rouca e cheia de malícia, segurou o queixo do menor forçando ela a encará-lo, o rosto do menino estava ruborizado.

- Se você quiser – sua voz saiu como um gemido baixo, não acreditava que estava falando aquilo, Harry riu e o beijou, um beijo sem língua, só um carinho, como alguém podia lhe fazer tão bem a ele em tão pouco tempo? Harry se sentia assustado com aquele sentimento mais resolveu não dar bola pra quilo no momento.

- Vamos - ele falou e passou a ir em direção ao quarto tirando cada peça de roupa e jogando no chão, Louis apenas o seguia ao chegar ao banheiro já estava completamente nu, o menor desviou o olhar do bumbum lindo e durinho dele, e suas tatuagens que os deixava ainda mais sexy, - Você vai ficar ai? - ele falou já dentro da banheira balançando uma esponja em direção do garoto. Ele apenas se aproximou e pegou a esponja se ajoelhou do lado da banheira e começou a passá-la no peitoral do maior que fechou os olhos sentindo o toque, ele começou a esfregar todo seu corpo, os pés, as pernas, coxas, quadril, barriga, braços, e as costas deixando de lado apenas as partas mais íntimas – não esqueceu de algo? – a voz autoritária a assustou ele, levantou o rosto e ele estava olhando para Louis com os olhos serrados e um sorriso malicioso no rosto, ele pegou sua mão e retirou a esponja puxando ela fazendo sua mão entrar na banheira entre suas pernas, Louis sentiu seu rosto queimar quando sentiu seus dedos tocando o membro rijo embaixo da água, o garoto segurou o mesmo e ele passou a fazer movimentos de baixo pra cima lentos sentindo a mão delicada tocando seu membro inchado.

Os olhos de Harry pareciam queimar de luxuria deixando Louis totalmente hipnotizado, ele tirou a mão do menor devagar tirando a garoto no seu transe, ele apontou para a ducha do lado da banheira e Louis e pegou e entregou a ele, levantou e passou a se enxaguar, Louis que estava ajoelhada ao lado da banheira apenas levantou e virou indo em direção a porta.

- Não mandei sair – ele estremeceu aquela voz suave a rouca a deixava com mais medo do que se tivesse gritado, apenas parou e ficou de frente ao balcão da pia de mármore negro, escorado encarando seu próprio reflexo no espalho, - esse foi o melhor banho que já tive – ele falou enquanto encostava atrás da garoto que nem tinha percebido sua aproximação, Louis estava ofegante e exitado, mas tentava se manter firme. Ele pode sentir sua ereção contra as nádegas o que á fez arfar e sentir um arrepio na espinha, o encarava por cima do ombro, Harry afastou os cabelos dele segurando uma porção e puxando com certa força a fazendo gemer baixo, morde seu pescoço segundo de um beijo molhado arrancando um gemido ainda mais alto, Louis fechou os olhos e mordeu os lábios – você foi um bom menino, e eu vou recompensar você – ele sussurra em seu ouvido, Louis abriu os olhos quando sentiu o corpo dele se afastar por um momento. O menor viu através do espelho ele tirou o casaco do garoto e  abaixou atrás dele, tirou seu short revelando sua calcinha rosa bebê – não sabe como me deixa louco com essas calcinhas – ele sussurrou apertando as nádegas do menor, retirou a peça intima e se colocou de joelhos atrás dele e o fez  ficar de frente, pegou uma de suas coxas e colocou no seu ombro nu, agarrou o membro duro do menor e lambeu da base a té a ponta o fazendo gemer arrastado, dando um beijo molhado passou a brincar com o sua glande inchado fazendo suas pernas bambearam.

- ha... Hazz... - ele gemia e as palavras não saiam, apoiou seu corpo nos cotovelos e jogou o corpo para trás se entregando ao prazer que estava sentindo. Harry amava seu gosto, ele sentia que poderia sugá-lo pro resto da vida, uma das mãos ele continuou o masturbando enquanto o chupava, e com a outra ele passou a explorar sua entrada apertada e logo estava com dois dedos dentro dele o estocando com vontade – isso ...  assim ... - ele quase gritava de tesão sentindo seu ponto ser atingido em cheio. Ele começou a fodê-lo com os dedos, Louis estava em êxtase, sentia que gozaria a qualquer momento, o garoto sentou leves espasmos sua mente flutuar  – não para por favor – ele gemia e tinha o orgasmo mais intenso e dolorido da sua vida, ele se afastou e levantou rapidamente limpando o canto da boca, ao sentir que o garoto não ficaria em pé sozinha, abraçou seu corpo e segurou sua nuca beijou com força seus lábios ainda ofegantes, ele não se importou em sentir seu próprio gosto na boca alheia, o beijo foi desfeito quando  ele girou seu corpo devagar deixando o garoto novamente na frente do espelho.

- Consegue ficar em pé?- ele falou sorrindo de lado, Louis apenas assentiu envergonhado passando a mão no cabelo tirando do seu rosto suado depois se apoiando na pia – ótimo ainda não acabei – o menor riu, o maior levantou uma das pernas do garoto apoiando na pia, abriu uma das portas do armário e pegou o lubrificante, despejou em seu pau e o penetrou devagar, estava tão lubrificada que ele não teve dificuldade mesmo sendo muito apertado – eu podia ficar dentro de você pra sempre – ele sussurrou e seu ouvido e passou a estocá-lo rápido e forte, com a mão livre acariciava seus mamilos sem tirar os olhos dos dela nenhum momento, gemendo baixo no ouvido dele que já estava totalmente entregue a ele outra vez, a cada estocada Harry sentia seu corpo estremecer sabia que não aguentaria muito tempo estava muito excitado, deu uma estocada mais forte fazendo o garoto jogar a cabeça pra traz apoiando no ombro dele e seu peso em seu corpo, ele continuou as estocadas fortes desceu a mão para a intimidade dela e passou a massagear.

- Hazz ... por favor ... - ele gemeu arrastado segurando com força a nuca dele que não teve dó e continuou arrancando mais um orgasmo intenso dele, que se comprimiu ao redor de seu  membro fazendo ele gozar todo seu interior soltando um gemido rouco apertando ele contra seu corpo. Ficou ali por uns minutos recuperando o folego depois se retirou de dentro dele se afastando um pouco contemplando seu esperma escorrer palas pernas roliças do outro.  O pegou nos braços levando ao box, a colocou em baixo do chuveiro ainda de costa para ele,  ligou o chuveiro deixando a água lavar o suor e gozo dos seus corpos. Louis sentia que se ele o soltasse cairia no chão, sentiu a água morna no seu corpo e se deixou relaxar e recuperar as forças, Harry a pegou nos braços novamente a colocou em pé na sua frente fora do box, a enrolou e um roupão enxugou seus cabelos, o menor apenas olhava para seu rosto sério e se perguntava porque ele sempre ficava assim depois do sexo, ele vestiu o roupão em Louis e a levou nos braços para seu quarto atravessando o apartamento – Harry o vidro no chão – ele assentiu e contornou o local onde estava os cacos do copo que tinha quebrado, o colocou na cama tirou o roupão e a cobriu seu corpo nu com edredom, Louis estava sonolento não viu quando Harry a beijou a face pois já estava adormecido, o cacheado teve vontade de deitar a seu lado e abraçá-lo dando a ele o mesmo conforto que Louis tinha lhe dado, mais ele se negou, esse sentimento não podia fazer parte dele, Harry levantou e saiu do quarto .

- Bons sonhos my Angel - ele sussurrou antes de fechar a porta e ir pra sua cama fria e vazia.

continua ... 

Como ela pode estar tão bonita?

Como poderia ser se ela fosse minha?

Como ela pode ser tão legal?

Eu penso como um bobo, tantas vezes

So Fine Guns N' Roses 


Notas Finais


Alguém mais ta com calor? rsrsr


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...