História Nêmesis - Interativa - - Capítulo 6


Escrita por:

Visualizações 23
Palavras 1.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gogogo, um pequeno especial para descontrair.
Boa Leitura :3

Capítulo 6 - 5.1 - Tiro pela culatra


- Como assim não vai comigo?

Ele franziu as sobrancelhas olhando a loira se equilibrando em cima dos cabos de alta tenção ajudando a colocar a decoração do festival daquela noite, Tay riu baixo da sua indignação saltando dos fios e antes que pudesse tocar o chão sentiu os braços dele a segurando. Ainda não passava duas da tarde e a cidade estava veementemente dedicada aos preparativos do festival daquela noite. Para a maioria dos pequenos vilarejos próximos aquela era a data mais esperada do ano, a Chaos fazia questão de organizar o evento e todo ano tinha algo um tanto quanto... Inesperado.

- Te disse que ia ajudar Layla com as meninas. – Respondeu com calma, explicando. Por cima dos ombros de Kuro ela viu as crianças se aproximarem dos dois com fantasias novinhas em folha – Olha só o que temos aqui. – Disse descendo do colo do noivo para se abaixar e falar com os pequenos.

- Você gostou tia Tay? – Perguntou uma das garotinhas dando uma voltinha na frente da mulher.

- Foi o tio Kuro quem fez. – Completou outra.

- É mesmo? – Tay riu olhando o homem sorrindo orgulhoso das crianças – Vocês estão lindas, vocês também meninos. – Disse sorrindo para o grupinho – Agora vão, tirem essa roupa, antes que sujem, quero ver elas impecáveis a noite. – Avisou abraçando as meninas, antes deles correrem dali brincando entre si. Um sorriso de canto curvou os lábios de Kuro para cima observando a cena, seu sorriso aumentou quando ela deitou a cabeça no seu ombro.

- Você seria uma ótima mãe, sabia?

- Não começa... – Pediu se virando para ele, Kuro ergueu as mãos em sinal de paz. Ambos sabiam que aquilo era impossível com a guerra se aproximando e ter mais uma criança no meio daquilo estava fora de cogitação para os dois – Você não tinha que estar ajudando os outros a montar as barracas? – Quis saber mudando de assusto.

- Devia... – Sorriu sem graça coçando a nuca.

Mas ele estava emburrado. Layla tinha aparecido na casa dos dois pouco depois do sol nascer para arrancar a loira de lá, os dois não se viram desde então, ocupados cada um com seus afazeres designados pela morena alegando que ficarem longe um pouco não iria matá-los, porém, Kuro pensava diferente e estava irritado com isso.

- Já que está aqui, me ajude com as luzes. – Pediu ela rindo.

- Claro. – Sorriu pegando a caixa rumando para a praça, onde estava a maior concentração de pessoas arrumando suas barraquinhas em volta da grande cerejeira. Sem pressa eles penduraram as luzes nos pontos marcados mais cedo pela loira, novamente se equilibrando nos fios de alta tensão da cidade como se não fosse nada demais, auxiliando Kuro com a iluminação da cerejeira – Aqui está bom?

- Mais pra direita... – Pediu – A sua direita... Mais um pouquinho... Aí! – Gritou perdendo momentaneamente o equilíbrio, alarmando o noivo, Tay riu, pulando para o poste do outro lado da rua, ignorando o suspiro resignado de Kuro. Ela não tinha jeito.

Podia passar quantos anos fosse que Tayara iria continuar tendo a alma de uma criança, sem se importar com o que o resto pensaria. Balançou a cabeça, com um par de asas de energia lhe aparecia nas costas e segurando a ponta dos pisca-piscas começou a pendurá-los na cerejeira, sem um pingo de pressa.

Já estava anoitecendo quando Layla e Tay, finalmente se deram por satisfeitas com os preparativos, liberando os demais membros da guilda para se arrumarem, com um bico gigantesco Kuro seguiu os outros meninos para a Chaos, olhando de relance as duas irem para o dormitório feminino, onde as outras meninas estavam se arrumando.

- Onde Layla disse para encontrar as garotas? – Yuu perguntou calmamente, atraindo a tenção dos outros.

- Na fonte... Se não me engano. – Utsugi respondeu entediado, dali ele e Kuro eram os mais calmos – Melhor vocês andarem logo e irem se arrumar, se não quiserem morrer hoje. – Se apressou indo em direção ao vestiário.

Kuro franziu a testa em uma careta de dúvida, enquanto tirava a camisa suada.

- Como assim morrer?

- Você acha que, calma do jeito que a loira é, ia gostar de ficar esperando plantada no meio da festa? – Kyon indagou entrando em uma das duchas.

- Eu sei que ela vai estar linda de qualquer jeito. – Disse sorrindo, ouvindo um falso som de vomito – Utsugi! – Bradou botando só a cabeça para fora do box, encarando o amigo mortalmente.

O moreno apenas riu, entrando em seu banho.

 Cerca de uma hora e meia depois, com os últimos retoques nas fantasias e na maquiagem elas estavam prontas, cm as duas mais velhas sorrindo cumplices, tudo seria do jeito que elas tinham pensado, Layla entregou o frasco com a poção para Yuri, depois de borrifa-lo nas outras, a jovem riu correndo para guilda entrando sem pedir licença no vestiário e ao localizar suas vítimas, abriu a porta da cabine, o primeiro a gritar foi Yuu em seguida Kaneki.

- Mas o que?! – Kyon gritou ao dar de cara com a gêmea de cabelos azulados – Yuri?!

A jovem gargalhou e se foi abandonando os três que tinham escapado confusos.

- O que acabou de acontecer?

- Não me pergunte. – Disse Kuro se enrolando na toalha – Kaneki, Yuu tudo bem aí?

Alguns segundos depois eles saíram, dizendo que sim como se nada tivesse acontecido, deixando Uts, Kyon e Kuro ainda mais confusos. Depois de prontos, eles seguiram para o ponto de encontro, incomodados com aquelas roupas cheia de frescuras. Não demorou para as garotas aparecerem, cada uma linda vestindo sua própria fantasia e de acordo com seu par.

Kuro riu delas com as bochechas corando ao receberem elogios antes de seguirem caminhos separados. Logo após Tay apareceu, trajando roupas chinesas tradicionais, igualmente incomodada por tanto pano, mas ao vê-lo, parou sorrindo timidamente.

- Onde está o cavalo branco? – Indagou quando Kuroko se aproximou revirando os olhos – Não foi isso que eles prometeram no panfleto. – Riu sendo acompanhada

- Você está linda. – Elogiou – Alias, Yuri apareceu no vestiário para aprontar alguma coisa e ela estava com o fraco daquela poção que a gente ganhou na ult-.... – Ele parou ao cair a ficha estreitando os olhos – Tayara, você não...?

Ela riu nervosa, tirando o vidro em forma de coração do vestido.

- Talvez.

- Amor... Aquela poção não funciona direito, ela faz com qu-... – Novamente ele foi interrompido com o som de várias explosões seguidas de gritos assustados, Kaneki apareceu voando, batendo contra uma das barracas, com Momo vindo logo atrás, ambos com os olhos totalmente vermelhos – Os sentimentos se invertam... – Bateu a mão na testa.

Tay arregalou os olhos.

- O QUE? – Gritou percebendo o que ele queria dizer.

Ah, aquele festival ia ser longo... Beeem longo..


Notas Finais


Até o próximo o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...