1. Spirit Fanfics >
  2. "Nenriki Iwa Womo Toosu" >
  3. O Exame de Admissão da U.A

História "Nenriki Iwa Womo Toosu" - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo saindo do Word quentinho pra vocês!!
Cara.... A capa desse capítulo ficou tão estranha kkkk A CARA DO KIRISHIMA TÁ HORRÍVEEEEEL KKKK me desculpem pela qualidade ;-; eu não consegui pensar em outra forma de desenhar a cara do Kiri...
Mas o que importa é o conteúdo da história, e não a capa! >:3
Boa leitura (「`・ω・)「

Capítulo 9 - O Exame de Admissão da U.A


Fanfic / Fanfiction "Nenriki Iwa Womo Toosu" - Capítulo 9 - O Exame de Admissão da U.A



Fiquei encarando os portões por alguns minutos. Depois, decidi dar o primeiro passo

Meus pensamentos: ok... Vou entr-

BAM

Alguém trombou comigo e nós dois caímos antes mesmo que eu pudesse dar o primeiro passo.

???: Ah, desculpa!! Sério mesmo, me desculpa! Estou tão animado que nem olhei para onde andava! – um cara grande de cabelos ruivos e espetados que nem um porco-espinho e com dentes que pareciam de tubarão se desculpava, ainda estava sentado no chão, esfregando a mão na cabeça sorrindo pra mim com os olhos semicerrados.

E eu? Eu travei.

Mas me esforcei pra tentar dizer algo

Eu: A-ah, n-nã-não tem pro-problema, fui E-eu quem ficou n-na frente do p-portão...

Eu me levantei rapidamente e ajudei ele a se levantar

Eu: v-você tá b-bem?

???: Pode ficar tranquilo garoto, eu estou bem! – eh, ele errou o meu gênero... Já era de se esperar... Bom, ele pegou minha mão e eu ajudei ele a se levantar. – obrigado! Eu tenho que ir encontrar um amigo meu, então já vou indo... Boa sorte no exame! espero que você passe, Garoto Gentileza!

“Garoto Gentileza”?!

Que???

Que gentileza que eu fiz pra ele??

Eu fiz com que ele caísse, e depois sou eu quem sou gentil???

Esse tubarão ruivo é estranho.

Eu: b-boa sorte p-pra você tam-também! A-até! – disse erguendo a mão na altura do ombro e acenando de leve pra ele.

Fiquei parada, de novo, tentando processar o que acabou de acontecer.

Eu... Falei com uma pessoa...!!! 

Mas antes que mais alguém esbarrasse em mim e caísse por minha causa de novo, eu saí daí o mais rápido possível.

Fui até a sala indicada, onde iríamos receber as orientações das provas escrita e prática. Era escura e tinha muita gente. Parecia uma sala de cinema. As luzes se acenderam voltadas a um palco, onde tinha um homem com cabelo de calopsita.

???: BEM VINDOS À MINHA LIVE DE HOJE!! EVERYBODY SAY HEY!

Agora que me dei por conta, é o herói da voz, Present Mic!!! Eu não respondi, assim como todos os outros. Exceto por um cara que estava vestindo uma espécie de máscara de javali, que gritou “Hey” em alto e bom som, como se quisesse competir mostrando quem grita mais alto.

Present Mic: VOCÊS SÃO FOGO! ALL RIGHT, MEUS CANDIDATOS E OUVINTES!! VOU FAZER UMA PRESENTATION MEGA ULTRA RÁPIDA SOBRE O EXAME PRÁTICO!! ARE YOU READY?!

E mais silêncio. Que foi quebrado por um garoto de cabelo verde que não parava de murmurar.

Present Mic: É como está escrito no material para o candidato!! Vocês, ouvintes, vão sair daqui agora para fazer a simulação de atuação real, com duração de dez minutos! Podem levar o que quiserem! Acabando essa presentstion, já podem ir para os locais de prática indicados!!

Mais um garoto loiro começou a murmurar junto com o de cabelo verde... Qual é o problema desses aí?

Present Mic: Cada local de prática tem três tipos de vilões fictícios em quantidades não informadas!! A pontuação deles varia de acordo com a sua dificuldade!! O objetivo de vocês, ouvintes, é conseguir o máximo possível de pontos! Para isso, usem os seus dons para neutralizar os vilões fictícios!! E não preciso dizer que é proibido atacar outros candidatos ou fazer qualquer outra coisa que seja indigna de um herói!!!

???: Será que posso fazer uma pergunta?! – um candidato de cabelo azul escuro e óculos levantou a mão – no material distribuído aos candidatos, há quatro tipos de vilões fictícios! Se isso for um erro, considero uma vergonha para o colégio U.A, deputado com a maior e melhor instituição de ensino do país! Nós, candidatos, viemos aqui hoje em busca da orientação de heróis que possam efetivamente servir de exemplo! – disse se erguendo da cadeira e mostrando o papel que distribuíram para nós

???: E você, do cabelo desgrenhado! – o mesmo cara de antes apontou para o garoto de cabelo verde que não parava de murmurar, que apontou para o próprio peitoral como se não estivesse entendendo nada – você está distraindo os demais candidatos com os seus murmúrios!! Não estamos aqui para fazer turismo! Se não quiser levar o exame a sério, deixe este local imediatamente! – esse cara de óculos é o máximo!

Menino de cabelo verde: Desculpe...!

Present Mic: ok, ok! Meu caro candidato 7111, thank you pela sua mensagem! O quarto vilão vale zero ponto! Ou seja, ele só serve para atrapalhar! Já jogou Super Mario Bros.3? É tipo o Twomp daquele jogo, o boneco que fica caindo em cima de você! O quarto vilão é um elemento que não vale nada, mas está presente em todos os locais de atuação e serve para causar caos!

Candidato 7111: muito obrigado pela explicação! Peço desculpas pela interrupção!

Present Mic: da minha parte, é isso! Por fim, vou contar a vocês, ouvintes, sobre o lema da nossa escola. O herói Napoleão Bonaparte disse... “o verdadeiro herói é aquele que triunfa sobre as vicissitudes da vida” !!! PLUS ULTRA!!! Bom sofrimento a todos!!

Fui para o vestiário deixar minhas coisas em um armário. Eu não mudei de roupa, então usei o tempo restante que tinha para pensar em mais mil e uma estratégias diferentes e ler a folha que tinham nos passado no auditório. Como eram robôs, ia ser difícil destruí-los, tanto é que eu não sei quais são as habilidades deles ou se são controlados por alguém ou então são totalmente artificiais... Preciso ver eles de perto para poder tomar a melhor medida possível.

Quando chegou a hora, fui para a área C, pois essa era a área que iria atuar. Era uma cidade enorme!! Tinha os mínimos detalhes de uma cidade comum!! Tinham vários candidatos já acumulados na frente dos portões, que já estavam abertos.

*Meus pensamentos*: o Present Mic disse que é uma simulação de atuação real... Se for considerar isso, então não será avaliado apenas os dons das pessoas, mas também estratégia e prudência em atuação real (por exemplo, o medo que as pessoas sentem ao ver vilões, ou então o espírito competitivo delas)... Espera... Se é uma atuação real... Se esse é o caso, então não deveríamos começar o teste por conta própria? Tipo, sem ter um “sinal de largada”? Afinal, os portões estão abertos...

Present Mic: O QUE FOI?! ACHAM QUE EM UMA SITUAÇÃO REAL TEM ALGUM SINAL OU CONTAGEM?! PODEM CORRER!! O EXAME JÁ COMEÇOU!!!!

É, minhas hipóteses estavam certas.

*Meus pensamentos*: todos começarão a correr, para terem a chance de pegar mais robôs. Mas, se os robôs são programados de forma “inteligente” e se eles possuírem habilidades ou armas, poderão encurralar a maioria dos candidatos que saírem na frente. É óbvio que todos partirão reto, não irão para os lados, pois no centro é o lugar com mais chances de robôs. Se eu ir para os lados, posso me deparar com algum robô... E mesmo que sejam poucos, já vai ser um início.

Todos começaram a correr. Eu esperei um pouco. E foi como o esperado, tinham robôs de 3 pontos, que no caso são os mais fortes. Muitos ficaram encurralados, mas fora de perigo, já outros conseguiram derrotá-los. Eu parti para a rua que fica na direita, para poder avançar perto de centro da cidade, mas não literalmente no centro, mas sim ao redor do centro.


Eu estou correndo pelas áreas faz um tempinho, até que cheguei em um local mais aberto, ao qual tinha duas pessoas, e vários robôs, ao qual um avançou para cima de mim.

*Meus pensamentos*: é um robô de dois pontos!!! Ele é bem grande!!

Ele veio com um de seus braços me dar um tapa/soco, não sei, mas consegui me esquivar. Seu braço bateu no chão de cimento, que ficou amassado.

Meus pensamentos: ele é veloz, mas não é tão resistente quanto pensei que seria... Agora, ache uma abertura... Um ponto fraco...

Meu olhar parou nas rodas do robô. Eram feitas de pneus de carro, mas olhando um pouco mais por cima, elas não estavam muito bem “presas” ao corpo do robô. Se eu quebrasse esse ponto acima dos pneus, poderia fazer com que os pneus saíssem de vez do corpo do robô e ele caísse no chão, assim, derrotando-o. Mas, como eu iria fazer isso?

Ele veio dar outro ataque em mim, mas dessa vez, com o outro braço, já que o outro estava destruído pelo impacto com o chão anteriormente. Não tive tempo para desviar, então ergui meu antebraço e bloqueei o ataque do robô utilizando um dos meus pesos de treino. Como o peso dos pesos de treino só podem ser sentidos por mim, o robô ia sentir como se fosse muito leve e poderia empurrar facilmente. Por isso, eu usei minhas pernas para me segurar firme no chão e não ser empurrada pelo robô.

Apesar de o peso dos pesos apenas fazerem efeito sobre mim, os pesos de treino ainda são feitos de metal. E como o robô não é aquilo lá de resistente, usei um dos meus pesos de treino para defender o ataque, como dito antes. Devido a isso, o local que acho que deveria ser a mão do robô, acabou amassando.

Eu me agachei, mirei no local acima dos pneus do robô, e tive uma visão melhor, e percebi que, a parte que ligava os pneus ao corpo do robô, era bem fina. Mirei mais uma vez, e com um chute de lado, acertei a tal parte. Não consegui quebrar, óbvio, mas amassei. Ele se desequilibrou e, sem perder tempo, mirei na parte que ligava o outro pneu do robô com o lado direito do corpo dele, e dei um outro chute. Logo, com as duas “pernas” feridas, ele cambaleou e caiu pra trás, se estraçalhando todo no chão. 

Eu... Derrotei um robô...

EU

DERROTEI

UM

ROBÔ

AAAAAAAAA

Mas, ainda assim, ainda tinha apenas dois pontos. Precisava em me concentrar em como conseguir mais pontos nas próximas estratégias que eu iria utilizar. Eu tirei os pesos de treino, e larguei eles no chão.

Outro robô de um ponto me barrou. Eu passei pelo meio das pernas dele, sem ao menos que ele percebesse. Aprendi esse truque treinando com o Ojii-chan. Como meu corpo é pequeno, para me esquivar de ataques diretos que eu recebia dele, eu passava pelo meio das pernas dele, e funcionava. Pelo visto, com robôs também funciona!

Mas aí... Eu vi um certo tubarão ruivo que eu encontrei na entrada da U.A... o mesmo robô que eu esquivei, havia ido pra cima dele. Ele estava de costas, e não ia perceber a tempo. E, em um momento de distração, ele tropeçou em si mesmo (que bicho desastrado hein). Parecia que ele machucou feio o tornozelo. E o robô de um ponto, ia se aproximando cada vez mais. E eu, estava travada.

Aí eu tive a brilhante ideia de pular na direção do tubarão ruivo.

Eu pulei, abracei ele na sua barriga e empurrei ele junto comigo pra longe do alcance do robô de um ponto. Quando pousei, peguei o braço dele, passei em torno do meu pescoço e fugi alguns metros longe, onde o robô de um ponto não iria nos encontrar pois estávamos escondidos atrás de um robô que já estava detonado.

Eu: ...você tá bem? Vi que pisou em falso e machucou o tornozelo.

Tubarão ruivo: Ah... T-tô, tô bem... Se eu enrijecer o local que machuquei, poderei andar tranquilamente... – ele olhava espantado pra mim. Senti um desconforto com isso e perguntei:

Eu: ãh.... O que foi?

Tubarão ruivo: ah! Nada, eu só fiquei impressionado com sua velocidade... Muito obrigado por ter me salvado!

Eu: disponha. – me levantei e vi que... Um monte de robôs nós cercaram! Tinham muitos: de três pontos, de dois e de um ponto também! Tinha uns sete lá!

Eu: MINHA NOSSA, VEM! – ele enrijeceu o local ferido no tornozelo, eu peguei sua mão e puxei ele para fora do círculo que os robôs tinham formado ao nosso redor.

*Meus pensamentos*: agora... O que eu faço?

Percebi que, entre os robôs, tinha o de número um que eu esquivei antes também. Atrás dele, tinha um poste de luz, caído, e vários fios de energia soltos pelo chão.

*Meus pensamentos*: já sei... Vou amarrar todos esses fios de energia entre si, fazendo uma enorme corda resistente. Usarei ela contra os robôs!!!

Fui até os fios, esquivando dos robôs. O tubarão ruivo parecia estar tendo alguns probleminhas com um robô de três pontos, então atraí a atenção do resto dos robôs para mim. Eles me seguiram, eu peguei o máximo de fios de luz que consegui e tentei achar um lugar para me esconder.

Percebi que, um pouco longe de mim, tinha uma lata de lixo grande, a acima dela, um pilar, da altura do telhado de uma casa que tinha do lado. Eu corri para lá, subi na lata de lixo, joguei uma das cordas de forma que se enroscasse na altura do telhado da casa. Eu parecia uma alpinista: com o fio de energia enroscado no telhado, usei como corda, e utilizei o pilar como apoio para conseguir subir em cima do telhado da casa. Os robôs não sabiam pular, então a vantagem era minha.

Uma coisa muito útil que o Ojii-chan me ensinou, foi fazer nós e amarras. Utilizei um Nó Direito para unir todos os fios de energia que tinha levado junto comigo, e assim, fiz uma grande corda, em pouquíssimo tempo.

Eu amarrei uma ponta da grande corda que fiz no pilar que tinha na frente da casa, firmemente. Pulei do telhado, pousei no chão e atraí a atenção dos robôs.

Meu plano era, com a corda de fios de energia, eu amarrar os robôs, ou então, fazer com que a maioria tropeçasse na corda e acabasse caíndo no chão. Mas se eu fosse amarrar eles, teria que ser forte o suficiente para que eles entrassem em “pâni” ou em curto circuito. Quando aterrissei, fiz com que eles se aglomerassem e fui com a grande corda ao redor deles, de forma circular, desviando dos ataques dos robôs enquanto corria, até eu chegar no mesmo pilar que eu tinha amarrado a ponta da corda.

Com outro nó, fiz um Nó Corrediço na ponta da corda presa ao poste. Com o nó corrediço, eu poderia regular o quão apertado ele ficaria, ou então, o quão solto ficaria ao redor de algum objeto ou pessoa. Ajustei para que ficasse o mais apertado possível, fazendo com que os robôs colidiram entre si. Alguns tinham tropeçado na corda ainda antes de eu completar a armadilha.

No final, todos os robôs entraram em “pâni”. Eu tinha vários machucados, mas não eram nada graves. Fui contar quantos robôs tinham no local, e... Tinham 8! 2 eram de um ponto, 4 eram de dois pontos e um era de três. Consegui 15 pontos. O tubarão ruivo também já tinha conseguido derrotar o de três pontos e já foi buscar por mais robôs.

Comecei a correr mais para o centro, procurando por mais robôs.

Eu: droga ....!! Só com 15 pontos eu não consigo passar! Provavelmente tem outros requisitos que vão ser avaliados além dos pontos com os robôs, mas da mesma forma... Eu preciso arranjar mais pontos!!!

Até que eu comecei a ouvir uns barulhos.

Era a individualidade de alguém?

Aí uma enorme sombra veio

E eu vi um robô ENORME

Era o vilão de zero ponto

Eu fiquei paralisada. Eu não gritava, não chorava, nem nada. Só fiquei encarando horrorizada e com medo.

Eu: O...que... É isso .....?

Muitos estavam fugindo. E eu fiquei paralisada.

Aí eu vi que, aos pés do robô, tinha o tubarão ruivo. Ele estava tentando tirar um participante que tinha o cabelo amarelo e que tava todo bugado, parecia um Pikachu.

O tubarão ruivo tentou usar a individualidade para atrasar o robô, mas não adiantou.

E aí o robô esticou o braço em uma velocidade impressionante na direção deles.

E eu?

Eu corri

Na direção do Pikachu bugado e do tubarão ruivo.

Eu fui para a direção de um prédio e me “grudei” na parede. Eu pulei dele, assim ganhando mais impulso. Como eu pulei, acabei trombando com eles. Peguei o Pikachu bugado com o braço direito e o tubarão ruivo pelo braço esquerdo, e comecei a correr o mais rápido que conseguia.

Olhei para trás e o robô percebeu. Aí, ele veio na minha direção.

Eu não tive outro pensamento a não ser largar o Pikachu bugado e dar um soco no braço do robô que estava tentando nos pegar.

E assim fiz.

Larguei o Pikachu bugado e dei um soco no braço direito do robô (já que ele esticou o braço direito para nós pegar).

Eu fiquei com os olhos fechados. Alguns segundos depois, abri de vagar. E não acreditei na imagem que eu vi

Eu esmaguei a mão direita do robô

EU ESMAGUEI A MÃO DIREITA DO ROBÔ

AAAAAAA CARREGAR 200 KG VALEU A PENAAAAA

Mas eu nunca pensei que dava pra destruir parte de um robô só com isso

Tipo, é um robô. É feito de metal. E metal é duro. 

Aí eu percebi que, em alguns pontos, esse robô também não era aquilo lá de resistente. Acho que, como é um robô feito pra ser evitado, os caras que criaram ele não se deram ao trabalho de deixar ele resistente. 

Eu peguei de volta o Pikachu bugado e arrastei o mesmo junto com o tubarão ruivo para mais longe do robô, até que eu tropecei e caí sentada no chão.

Present Mic: QUERIDOS OUVINTES! O PROGRAMA ACABOU!!!

Ah, não

Eu não acredito

Acabou...

E eu só fiz 15 pontos... Talvez eu conseguisse mais alguns quando avaliarem minha estratégia, inteligência, decisão e mobilidade... Mas, da mesma forma... Eu não consegui pontos suficientes....

O robô de zero ponto não se mexia mais. Parecia que tinha sido desligado. Eu fiquei olhando paralisada pra mão do robô, até que alguém me cutucou no ombro. Virei e vi o tubarão ruivo

Tubarão ruivo: CARAMBAAAAA!!!! SUA INDIVIDUALIDADE É DE MAAIIIS!!!! Eu só tenho a agradecer, você me salvou duas vezes...! Desculpe por atrapalhar desse jeito...  Tô me sentindo muito culpado agora... nada másculo, Kirishima! - disse as últimas palavras pra ele mesmo. 

Eu: ah... Não precisa pedir desculpas... Eu só te salvei porque achava que era o certo a se fazer... Não podia simplesmente te deixar ser esmagado junto com esse... Ãh... Quem é esse? – apontei para o Pikachu, que ainda estava com cara de idiota

Pikachu bugado: Wheeeeyyy – disse fazendo sinal de positivo com as duas mãos.

Tubarão ruivo: ah, eu conheci ele faz pouco tempo, ainda antes do exame começar. Vi que ele estava travado na frente do robô com essa cara de esquisitão, então resolvi ajudar... Mas meio que não deu muito certo. Preciso lembrar ele de te agradecer depois.

???: Quem está machucado, venha até mim!! Eu tenho jujubas haribo também! - uma senhora vestida com roupa que parecia de enfermeira apareceu

Tubarão ruivo: eu vou ir lá para ver do meu tornozelo e do estado do meu amigo aqui – disse se levantando e apontando para o Pikachu bugado – te aconselho a vir junto.

Eu: ah... Eu vou depois, não se preocupe ...

Tubarão ruivo: beleza então. Até outro dia...! E mais uma vez, desculpe. Eu quero te compensar de alguma forma... Eu te atrapalhei? Você conseguiu pontos suficientes? 

Eu:  você não me atrapalhou, não precisa pedir desculpas. até... – disse ainda encarando a mão do robô – não sei se a gente se verá de novo... – essa última parte foi um sussurro.

Fiquei alguns minutos processando a situação... Até que me levantei para ir com a Recovery Girl para ver se eu tinha algum ferimento grave. Eram apenas cortes e feridas médias, eu fui curada e senti um enorme cansaço.

Eu fui para casa. Estavam todos me esperando na sala. Eu não sabia o que dizer para eles. Meu olhar era triste, mas rei um pequeno sorriso.




Mais de 5 anos de treino... Não adiantaram pra nada ...








Notas Finais


E entãaaaao? Eu não gostei tanto assim, parecia que faltou mais ação ;-;
Mas foi isso, espero que tenham gostado e bom resto de semana pra vocês.
Eu tô tendo um surto de felicidade fazendo essa fanfic... Eu deixei capítulos suficientes para os próximos 8 meses (ou seja eu já fiz 32 capítulos, já que eu posto um capítulo a cada semana, dariam exatamente 8 meses. Socorro kkkkk)
Até semana que vem >;3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...