1. Spirit Fanfics >
  2. NEO ZONE - NCT 127 Imagine >
  3. . Welcome

História NEO ZONE - NCT 127 Imagine - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


AAAHHH demorei um pouco, sorry sorry
é que eu perdi esse capítulo e tive que reescrevê-lo k

Capítulo 3 - . Welcome


Fanfic / Fanfiction NEO ZONE - NCT 127 Imagine - Capítulo 3 - . Welcome



•°▪︎./■《 Welcome 》■\.▪︎°•

Capítulo 2 – w e l c o m e

Seul, 09:24 AM

___ Martini


‘Cause I’m not 
just a pretty girl


 

Do nada, Do Young parou o elevador apertando no botão, eu me agarrei na barra que tinha atrás de mim e ele riu da minha ação repentina.


_ Você sabe que conseguiu o cargo sorte. –Ele se encostou do lado do painel, e cruzou os braços sobre o seu peitoral definido. Eu decidi ficar calada, pegar briga no primeiro dia de trabalho não me parece uma boa ideia. Nem pensar!-. Geralmente eu diria para você se esforçar, mas você sabe que o Lee é um grande louco. – Concordei com ele, acenando com a cabeça e me encostando também na parede metálica do elevador e pondo as minhas mãos segurando a barra atrás de mim-. Estou com inveja... –Passou os dedos fins e longos entre os fios lisos de seu cabelo bem penteado, os bagunçando levemente-. Eu espero que consiga se adaptar ao seu cargo e que você sempre saiba que não é para confiar totalmente no TY, ele é louco. – Quando terminou seu discurso, apertou o botão para o elevador voltar a se movimentar no seu fluxo normal.

Permanecemos em silêncio até as portas do cubículo metálico se abrirem, me dando a visão de uma área ampla com paredes de vidro voltadas ao corredor, mas a divisão das salas espaçosas eram de madeira. O nome ‘Johnny Seo’ gravado na porta de vidro fosco me chamou atenção e Do Young riu pelo nariz. Ele está me dando nos nervos!


_ John é o americano alto. Aquele bastardo trabalha na área de relações internacionais. –Ele apontou para o homem alto, curvado numa mesa e lendo algo na tela do PC de seu funcionário. Eu só tinha a visão de seu rosto de perfil, mas mesmo assim ele era lindo-. Ele é super gentil, mas se irrita fácil. –Nunca agradeci tanto a Deus pelas salas terem isolamento acústico, aparentemente. O tal do americano lá, o Johnny, começou a gritar com o funcionário e os outros começaram a observar aquela cena. Eu estava chocada, horrorizada, não é possível que aqui só tenha louco-. É ele quem sempre está à frente de todos os trabalhos internacionais e ele quem faz as parcerias e está sempre se gabando por isso. –Ele voltou a caminhar e eu o segui, acompanhando – ou apenas tentando – seus passos longos e firmes pelo amplo corredor-. E tem eu. –Sorriu divertido-. Sou eu quem guio os novatos e sou eu que grito com eles. –Ele abriu uma porta qualquer e pôs apenas a cabeça dentro da sala observando o que os funcionários faziam-. Bastardos inúteis! –Gritou assustando a todos, inclusive a mim. Me assustei tanto que pulei para trás!-. Sou eu que faço as criações na extensa área de Marketing. Tenho trabalho a fazer. –Ditou entrando na sala em que a porta tinha o nome “Do Young Kim” gravado-. Estagiário, apresente o resto! –Um rapaz com o cabelo tingido de laranja largou a grande pilha de papeis que carregava encima da mesa e correu para o meu lado, acatando a ordem de Do Young acenando com a cabeça.

 

Ele caminhou em silencio do meu lado e apontou discretamente para uma, provavelmente um escritório, com todas as persianas fechadas e duas portas, uma num extremo e outra porta no outro. Quem é que seja que trabalha aqui, não quer ser visto.


_ Bem... Jae Hyun é o co-CEO da empresa, é ele quem cuida das administrações e procura novos empreendimentos. –Apontou para a sala da pessoa que não quer ser vista e eu acenei com a cabeça. Certeza que esse co-CEO transa com todas as secretárias encima do birô dele. CER-TE-ZA!-. Sou Jung Woo, prazer! –Estendeu a mão e eu lhe entreguei a minha a ele, que segurou firme e movimentou para cima e para baixo e a soltou-.


_ ___ Martini. –Ele sorriu meigo e eu não conseguia não repara o quanto seu sorriso é tão fofo e radiante!-.


_ Não se assuste com Do Young, ele é ranzinza sempre. –Riu divertido e eu apenas ri pelo nariz e sorri para ele-. O Jae Hyun vai dar um jeito de se aproximar de você, te levar pra “cama” –Fez aspas no ar- e te trocar por outra melhor que você. –Arregalei os olhos assustada pela sinceridade. E num é que eu ‘tava certa?-. Não caia nos charmes dele, distância. –Acenei freneticamente com a cabeça por causa do choque de suas palavras. Eu realmente estou um pouco assustada-. Bem, seja bem-vinda a Neo Zone. –Paramos de frente a um elevador, do outro lado de todo o extenso corredor-. O botão 127 é do andar do Tae Yong, o andar 126 está em obras, os andares do 1 ao 5 são apenas o estacionamento. Aqui só tem 32 andares, sem contar com a garagem subterrânea para os cargos mais altos e o estacionamento. Sua sala é logo ali. –Apontou para a porta onde já tinha meu nome gravado nela-. Ao meio dia é provável que os quatro pilares da empresa virem à sua sala e te levarem para um almoço chique e refinado, para lhe dar as boas-vindas. Seus subordinados se encontram no andar de baixo, sua secretária é a Ji Nae e é ela quem passará tudo o que você fala para seus minions. –Acenei com a cabeça e ele sorriu-.


_ Em que andar ficam meus funcionários? –Questionei um pouco perdida e preocupada. Eu não quero passar o dia todo sozinha nessa sala e eu nem sei em que andar eu estou-.


_ 124. Divirta-se no seu primeiro dia. –Sorriu-. No final do expediente pago um café para você! –Saiu rápido acenando antes mesmo de eu aceitar, ou recusar, seu convite. Soprei o ar de meus pulmões e ri da cena.

 

Entrei na minha sala analisando-a. Um armário aparentemente espaçoso, prateleiras, uma grande mesa, um notebook e uma mesa digitalizadora. A cadeira giratória parece-me confortável até, e a vista é perfeita aqui de cima! Aquilo é... Uma máquina de café expresso!


_ Com licença... Bom dia, eu sou a –Antes que ela terminasse a fala fiz um sinal com a mão-.


_ Ji Nae –Falei me virando para a garota coreana.

 

Ela está no padrão de beleza corano. Baixa, magra, cabelos escuros bem cuidados e os olhos maiores que os dos outros coreanos. Mesmo ela estando de salto deve bater no meu ombro. Sua pele pálida lembra uma porcelana e seu rosto fino parecia o de uma boneca.


_ Sua secretária. Deseja algo? –Acenei com a cabeça-.


_ Quero conhecer meus subordinados. –Sorri segurando minhas mãos na frente do meu corpo-.
 



Seul, 10: 27 AM
___ Martini
 

 

Eu estou encima de um palco improvisado, para que todos os meus funcionários possam me ver. Aqui tem mais de 60 pessoas e todos aparentemente felizes com tudo que fazem. Ji Nae me falou no elevador que essa era a área mais extensa de toda a empresa já que tem os animadores dos jogos, os designers dos CD’s, aqueles que faziam o modelo das roupas e ainda tinham aqueles que estavam responsáveis pelos cosplays, aqueles que desenhavam o vídeo game, as pessoas que faziam os desenhos para os HQ’S... São muitas pessoas em muitas funções variadas. Devo admitir que estou um pouco preocupada, mas eles não aparentam que me darão trabalho.

 

Minhas secretária pigarreou no momento em que eu toquei no seu ombro, avisando-a que eu estava pronta, e isso foi o bastante para que cessassem o burburinho irritante. Quem diria que isso ia funcionar?!


_ Bom dia. –Um pouco nervosa suspirei, tentando buscar a calma. Muita calma nessa hora, Tini...-. Meu nome é ____ Martini, a mais nova diretora de Design. Sou brasileira, formada em Design gráfico na Universidade de São Paulo e em Design de moda na Central Saint Martin em Londres, então eu sei o que eu estou fazendo no quesito Design, não se preocupem. –Sorri e arrumei meu cabelo-. Espero que possamos trabalhar bem e juntos, porque eu sei o quão horrível é trabalhar para alguém que você não gosta! –Ri junto a eles-. Saibam que podem me aconselha a fazer o melhor aqui, porque eu ainda tenho muito a aprender aqui dentro, assim como eu tenho muito a ensinar para vocês. É isso, ao trabalho! –Encerrei a fala e todos aplaudiram. Me senti bem leve depois de ter feito isso.

 

Assim que desci do palco improvisado. Alguns dos vários funcionários foram até mim me dar as boas-vindas e puxar meu saco. Enquanto eu conversava com o grupo de pessoas, Ji Nae mexia no iPad e eu reparei que ela arregalou os olhos.


_ Senhorita Martini, você precisa retorna à sua sala para fazer o novo projeto para o novo jogo. –Movimentei positivamente a cabeça e rapidamente me despedi das pessoas ao meu redor. Em passos longos ao lado de Ji Nae adentramos o elevador e ela prontamente apertou o botão para o andar 125, para retornarmos à minha sala.

 

Entramos de pressa na sala. Eu nem sabia o porquê de tanta euforia, ela apenas suspirou cansada e me entregou o iPad com um e-mail aberto, para que eu possa lê-lo.

 

“Senhorita Martini;

Nós estamos com um novo projeto em obra, de um jogo de luta inspirado no Bruce Lee. Adoraríamos que você fizesse o personagem principal do jogo e o possível inimigo dele, além da fantasia (cosplay) de ambos.

Atenciosamente, Lee Tae Yong ;)”

 


_ Bobão. –Murmurei-. Ji Nae. –Chamei por ela ainda encarando o iPad em minhas mãos e vendo aquele projetinho de emoji de 2010-.


_ Sim, senhorita Martini? –Respondeu prontamente, apreensiva. Ri entregando o aparelho tecnológico à ela-.


_ Você poderia providenciar fones de ouvido para mim, por favor? –Acenou com a cabeça e retirou-se da sala.

 

Tirei o meu Smoking e o pendurei na cadeira que eu vou sentar, desliguei o ar-condicionado e com um pouco de dificuldade abri a grande janela de minha sala. A brisa bagunçou levemente meus fios e meus pelos arrepiaram-se com o choque térmico repentino, como eu adoro sentir esse ventinho gostoso, mesmo sendo inverno. 

 

Estralei os dedos e liguei o aquecedor, sentei na cadeira e abri a gaveta do meu dado esquerdo, deparando-me com vários lápis de desenho e um bloco de papel cansom. Pus os lápis espalhados pela mesa e arranquei uma folha do bloco de papel. Ji Nae chegou com os fones.


_ Obrigada Ji Nae. –Agradeci sorrindo e ela se curvou pondo os fones encima da mesa, bem próximo a mim-. Pode me chamar pelo meu nome, não precisa usar honoríficos. – Surpresa. Era o que ela sentia ao acenar minimamente com a cabeça e eu me segurava para não rir de sua feição contida-.


_ Estarei na mesa aqui na frente da sua sala. É só apertar aquele botão que eu venho. –Concordei com a cabeça e encarei o botão sem graça do lado direito da minha mesa. Certeza que eu vou bater a perna aqui sem querer.

 

Quando ela saiu da sala, peguei meu celular e conectei os fones, pus nas orelhas e dei Play na minha playlist favorita. Nada melhor que desenhar ouvindo To Myself do DPR Live.
 


°•○●○•°
 

 

Eu não sei ao certo quanto tempo eu passei desenhando, mas só parei no momento em que notei que minha porta fora aberta por Ji Nae para dar passagem aos quatro chefes, ou os quatro pilares como o Jung Woo disse, para adentrarem em minha sala. Soltei a caneta encima da mesa digitalizadora e tirei os fones de meu ouvido, empurrei com os pés a cadeira e me levantei. Tudo isso em menos de 5 segundos e eu já estou me sentindo desconfortável com esses quatro pares de olhos analisando cada movimento meu. Desconcertante.


_ Senhorita Martini. –Tae Yong foi o primeiro a falar. Nossos olhos se encontraram e eu desviei o olhar, ele me deixa completamente vulnerável e eu detesto isso-. Gostaríamos de convidá-la para almoçar conosco. –Sorriu sem mostrar seus dentes-.


_ Se não lhe incomodar, claro. –Acrescentou o chefe da área de R.I, sorridente-.


_ Não vai. –Aceitei o convite sorrindo para Johnny e sorri para causar uma boa impressão. Não que eu seja péssima em causar boas impressões. Só sou horrível mesmo, mas que se dane. Olhei rapidamente para os quatro, altos e lindos, especialmente o do canto. Esse deve ser o co-CEO. Jae Hyun, certo?-. Mas eu incomodarei vocês? –Questionei olhando para Do Young de soslaio, esperando uma resposta sincera vinda dele. Mas o homem da ponta esquerda foi mais rápido que ele-.


_ De modo algum, senhorita Martini. –Ditou com a voz aveludada e boa de ouvir. Esse realmente deve ser o Jae Hyun-. Como sua secretária não fez a honra de me apresentar, eu mesmo me


_ Jae Hyun, certo? –Cortei sua fala. A mão que ele havia estendido para eu segurar se fechou, ele deu um pequeno aceno com a cabeça e pressionou os lábios enquanto levava seu braço para o lado de seu corpo, novamente. Patético-. Não reclame com a minha secretária, ela está aqui para me ajudar e não concretizar essa soberania a qual vocês tanto respeitam. –Ríspida, respondi erguendo um pouco minha cabeça para parecer que eu tenho algum tipo de moral para enfrentá-lo, eu sei que não tenho, mas tenho coragem e dou minha cara à tapa por ela. Pude notar que os outros três seguravam o riso tentando serem discretos. Sem sucesso-. Ji Nae, pode salvar os arquivos para mim? –Ela acenou com a cabeça positivamente e caminhou até o meu lado. Quando passou atrás de mim ouvi seu agradecimento murmurado. Ela está constrangida-.


_ Vamos então? –Do Young quebrou o silêncio e nos apressou. Me apressou na verdade-.


_ Vamos. –Respondi pegando meu smoking e o colocando, enquanto em passos longos tentava acompanhar o caminho que eles pegavam para irmos até o elevador do outro lado do grande corredor. 

Nem precisei me preocupar com a minha bolsa, já que Tae Yong a pegou para me ajudar. Cavalheiro até. Adentramos o elevador e eu pude notar que todos os subordinados olhavam para aquela cena. Sou um dos pilares agora, certo? Mas, onde eu me encaixo no meio de toda essa arquitetura?


_ Vamos no meu carro, gostaria que você fosse na frente. –Pediu com sinceridade olhando para mim, que nem ousei olhar para ele. O reflexo de seu rosto na parede metálica mostrava que ele encarava a minha mandíbula marcada. Quando finalmente olhei nos seus olhos, senti que eles podiam ler minha alma e eu não consegui fazer mais nada do que apenas acenar com a cabeça rapidamente e desviar o olhar, desesperadamente, aceitando seu convite.

 

Enquanto o elevador descia, peguei meu celular e respondi minha melhor amiga, que questionava sobre quem era o tal “coelho naja” que eu havia citado nas mensagens anteriores. Acabei sorrindo para o celular quando ela mandou uma foto de quando éramos crianças e digitei rapidamente, as minhas unhas ao tocarem na superfície de vidro do celular faziam barulhinhos gostosos. O sorriso amável em meus lábios e meus olhos brilhando evidenciavam o quanto eu estava apaixonada por aquela foto.


_ Namorado? –O coelho naja questionou curiosos, tentando ver as mensagens-.


_ Melhor amiga. –Desliguei a tela do celular e o coloquei no bolso da minha calça. Pude ouvir o suspiro alto e longo de Do Young e Johnny franzindo o cenho olhando para ele, porque o ar que se esvaio de suas narinas bateram na pele do pescoço de Johnny. Eu precisei segurar a risada. 


Em poucos segundos o elevador abriu e pudemos sair daquele cubículo. Olhei para a extensa área, era a garagem subterrânea que o Jung Woo havia dito. Enquanto os quatro homens caminhavam na frente conversando animados, eu estava um pouco atrás seguindo meu ritmo em silêncio e olhando para os carros luxuosos a minha volta.


_ Damas primeiro. –Tirando dos meus devaneios, Jae Hyun passou a mão no seu cabelo pondo a franja para trás e abriu a porta da frente para que eu pudesse entrar. Brevemente reverenciei agradecendo seu ato de cavalheirismo e vi Te Yong revirar os olhos entrando no carro. Assim que entrei, Tae Yong puxou o meu cinto de segurança para me ajudar a colocá-lo e Jae Hyun fechou a porta do carro entrando logo em seguida e preenchendo o seu lugar no banco de trás-.

 


●○•°•○●

 

 

 

O restaurante chique no último andar de um prédio caríssimo de Gangnam, a belíssima vista que as grandes janelas de vidro proporcionavam à todos que estavam comendo e as pessoas com roupas caríssimas, exibia o tipo de local que esses quatro costumam frequentar. Eu estou realmente ponderando em chamá-los de “Os quatro cavaleiros do apocalipse”. A nossa mesa foi reservada pelo Do Young e ele escolheu o melhor lugar do restaurante e com a melhor vista. É sinceramente de tirar o fôlego!


_ O que vai querer, Senhorita Martini? –Do Young perguntou me entregou o cardápio para eu dar uma olhada. Infelizmente tive que parar de analisar o quão lindo estava o céu e dar atenção para a escolha do que eu vou comer. Notei a presença do garçom ao meu lado e automaticamente o cumprimentei numa pequena revência, recebendo o mesmo ato do homem-.


_ Quero um fettuccine e um vinho português, por favor. –Falei depois de ter dado uma analisada rápida. Ele digitou o pedido no tablete e recolheu o cardápio que eu segurava estendendo para ele, assim que o recolheu girou os calcanhares e foi atender a outra mesa-.


_ Ótima escolha, Senhorita Martini –Jae Hyun ditou pondo as mãos com os dedos cruzados encima da mesa e se inclinando para frente. Como ele está sentado na minha frente, as janelas de vidro estavam atrás dele e a visão do céu contrasta no seu smoking azul bebê e a blusa de seda branca. Sua pele clara e seu cabelo castanho claro, provavelmente tingido, remete um anjo e eu sei que de angelical ele só tem a aparência. Meus olhos ardem de tanta beleza. 

Quando ele notou que eu o observava demais, ele deu um sorrisinho convencido evidenciando suas covinhas e estendeu seu braço encima da mesa e seus dedos tentaram buscar contato com a pele da minha mão. Ao notar seu alto, tirei minha mão lentamente de cima da mesa estreita e a pus sob meu colo. Que abusado!


_ De onde você é? –Mais uma vez ele tentou puxar assunto comigo, mas meu celular começou a vibrar no meu bolso da calça-.


_ Brasil. Com licença... 

 

Levantei da cadeira afastando-me um pouco e retirando o celular do bolso traseiro da minha calça. Sem nem ler o nome na tela atendi o celular o pondo ao lado do meu rosto, inclinando-o um pouco para minha bochecha não desligar a ligação-. 


_ Alô? – “Sou eu, Oh Se Hun!” -. Está tudo bem? – “Está sim, só liguei para avisar que eu consegui duas entradas exclusivas para o Fansign. Hoje à noite eu te entrego. Aproveito e te levo para comemorar o aniversário do Chan Yeol hyung. Ele está enchendo o meu saco dizendo que queria uma roupa exclusiva desenhada por você! Haha!” -. Haha! Vou ver se consigo ir e fazer o desenho para ele, mas não vou te dar a certeza que eu irei. Tenho um café marcado às 18:00 – “Está saindo com alguém, ___?” -. Não, não. É só um colega de trabalho. Vou ter que desligar, estou num restaurante, depois nós conversamos por mensagem.

 

Encerrei a ligação e voltei para o meu lugar, sentando na cadeira e guardando meu celular.


_ Sua melhor amiga? –Questionou o curioso de novo. Que cara chato!-.


_ Não não, foi só um amigo meu. –Respondi dando um sorriso forçado. 

 

Minha comida foi a primeira a chegar , então enquanto eles conversavam abertamente eu devorava o grande prato de fettuccine sujando meu rosto de molho branco e tendo sempre que limpá-lo a cada garfada naquela comida maravilhosa. Vez ou outra eles tentavam puxar assunto comigo, me incluir na conversa, mas eu honestamente estou interessada em comer. Quando finalizei e pedi a conta para o garçom, Johnny tocou o meu ombro.


_ Você é novata e a mais nova entre nós, não deve pagar a sua conta. Deixe que eu, o mais velho, faça isso por você. –Falou singelo e sua voz grave preenchiam meus ouvidos. Johnny deu um sorriso ao notar que eu observava descaradamente os traços bem desenhados de seu rosto. Impecável-.


_ Não precisa, de verdade! –Falei nervosa-.


_ Eu faço questão, além de que é falta de educação recusar algo assim. –Ele falou em português e eu fiquei surpresa, minha cara deve estar impagável! Seu sotaque fofo e sutil parecia a música mais bonita do mundo para mim-.


_ Eu vou sentir um peso na consciência! –Confessei rindo um pouco desesperada. Me senti confortável conversando com ele em português e ele gargalhou. Fofo demais, boy. Nesse meio tempo os outros três tinham sua atenção voltada para nossa conversa numa língua estranha, para eles, e cheia de risadas gostosas de se ouvir-.


_ Então vamos fazer assim, eu vou pagar a sua conta toda vez que sairmos juntos e em troca você faz um favor para mim. -Arqueei uma sobrancelha e ele sorriu convencido cruzando seus longos braços-.


_ Dependendo de qual for, eu o faço. -Fiz um biquinho automático em meus lábios, mas no momento em que notei minha ação automática voltei a ficar séria-.


_ Quero ter passe livre para entrar na sua sala para pegar café a vontade e ter pelo menos cinco minutos de conversa com você. Fechado? -Estendeu a mão para fecharmos o acordo-.


_ Fechado. -Apertamos nossas mãos e ele sorriu vitorioso.


 


Seul, 06:05 PM
___ Martini


 

 

Eu me encontro na recepção aguardando Jung Woo dar as caras para podermos ir a cafeteria beber o café prometido por ele.
Ele passou a tarde na minha sala e acabamos fazendo amizade amizade. Eu acho. Ele é bem tagarela e só saiu de lá quando Do Young apareceu chamando por ele dizendo que era urgente.


_ Você cumpre sua palavra! -Ele falou dando um chute de leve no meu pé para me chamar a atenção. Levantei o rosto e sorri para ele, guardando meu bloco de notas na bolsa junto ao lápis.


_ É claro que eu cumpro. -Me levantei do estofado pondo minha bolsa no ombro e começamos a caminhar até a saída da empresa-.


_ Eu pago o seu por causa do meu atraso. Tudo bem? -Acenei com a cabeça-.


_ Só se eu pagar o seu da próxima vez. -Rimos cruzando a porta giratória e esperando o s carros passarem para atravessarmos a rua e ir até a cafeteria de frente a empresa.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Link da Fic Trailer: https://youtu.be/EXejDLEudZY

Espero que tenham gostado do capítulo!

Roupa do Jaehyun: https://pin.it/24lKsGV


Nos vemos nos comentários


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...