História Nerd and Jock - Maddie's version - Capítulo 21


Escrita por: e Lunnar_Chan

Postado
Categorias Undertale
Personagens Burgerpants, Chara, Frisk, Papyrus, Sans
Visualizações 26
Palavras 708
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, LGBT, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse capítulo se passa quando a Maddie tinha 4 anos, quando Dream a adotou, espero que gostem

Capítulo 21 - "Problemas em casa"


Eu estava dentro do closet, desenhando, estava lá porque gosto de ficar sozinha pra desenhar, já que é a única coisa que eu falo direito, hoje é o dia em que eu vou ser adotada, quero só ver quem é, essa pessoa com certeza não vai me suportar, já que eu sou muito irritante.... Ouço alguém bater na porta, abro e vejo a srta Gemma, a diretora do orfanato

-Ele chegou- ela diz, eu saio de dentro do closet e bato um pouco de poeira na minha saia

-Estou nervosa- comento, ela abaixa e olha nos meus olhos

-Ele vai amar você, apenas seja a garota doce e encantadora que sabemos que você é- ela sorri, retribuo o gesto

Avanço temporal

Na sala da diretora, vejo o homem que ia me adotar, ele era um esqueleto alto, usava uma camisa verde-água, calça jeans e um cachecol azul com estrelas amarelas, quando me vê, o mesmo sorri e vem em minha direção, me abraçando, eu estava tão surpresa com aquilo que não tenho reação, ele separa o abraço e me olha sorrindo

-Olá querida- ele diz, sua voz era suave e calma

-O-olá- respondo, completamente constrangida, ele dá uma risada 

-Eu me chamo Dream, qual o seu nome, querida?- 

-Madeline....- digo, me esforçando para não gaguejar -M-mas as pessoas me chamam de Maddie- acabo gaguejando

-É um belo nome, Maddie-

-O-obrigada- 

-Quer ir pra casa comigo, Maddie?- fico surpresa com a pergunta

-Q-quero- digo abaixando a cabeça

-Já te disseram que você é adorável?- ele me pega no colo e me abraça

-N-não...- respondo

-Pois você é!- 

Avanço temporal

Chegamos na casa do senhor Dream, ela era bem grande

Na sala, Senhor Dream me coloca sentada no sofá e me encara sorrindo 

-O que foi?- pergunto achando que tinha algo de errado

-Só to admirando sua fofura- ele sorri mais, ouço a porta abrir, entra na casa outro esqueleto acompanhado de uma menina, eles me olham e depois olham pro Dream

-Pai, é ela?- o garoto pergunta, o senhor Dream assente, os dois se aproximam e me olham

-Qual é o nome dela?- a menina pergunta me encarando

-Madeline- Dream responde

-Ela vai ser nossa irmã?- Dream assente

-Legal- eles dizem ao mesmo tempo e me abraçam

Três anos depois

Eu não deveria estar aqui, por mais que eu ame meu pai... Às vezes eu não me sinto bem-vinda nessa família, eu sou tão... Diferente, tem vezes em que eles me desprezam pelo simples fato de eu gostar de desenho animado, ou porque eu tenho medo do escuro e de bonecas... Meu tio não queria outra sobrinha, e isso está bem óbvio, mesmo que meu pai me ame (ou não) ele não quer que eu faça as coisas que eu quero (como ficar no quarto o dia inteiro) ele sabe oque é melhor pra mim, já que ele quer desesperadamente que minha depressão suma, ele faz o melhor que pode, mas eu não tenho cura, uma coisa que sempre me alegra é quando eu ganho um cachorro, mas sempre que eles morrem eu volto pro fundo do poço

Ano passado, meu pai me apresentou o namorado dele (não me lembro o nome) ele parecia ótimo, até aquele dia, eu não sei porque ele escolheu justo eu para fazer aquilo, acho que nunca chorei tanto em toda a minha vida, tenho quase certeza que eu sou um imã para coisas ruins, eu não contei pro papai, mas eles terminaram mesmo

Eu sempre tive problemas de confiança, é difícil me relacionar com outras pessoas, a única criança que insiste em ficar do meu lado é a Clarice, minha visinha, as outras crianças não gostam de me tocar, e eu nunca soube o porquê, elas dizem que eu sou nojenta e assustadora, por isso me trancavam no closet, provavelmente me deixando lá pra morrer, as outras pessoas me vêem como uma garota hiperativa e "engraçadinha", é a única forma que eu consegui de chamar atenção, eu observo as pessoas a minha volta, e uso elas como modelo para construir minha personalidade, eu vou fazer o possível e o impossível, pra ser a favorita de todo mundo

Fora do orfanato, ninguém sabe oque eu passei, nessa vida e nas outras, nem minha família, eu sei quem são meus pais e sei o significado de cada cicatriz do meu corpo, por mais que eu tente evitar, eu não consigo esquecer....


Notas Finais


Okay, capítulo grande, espero que gostem
Vou fazer pipoca, fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...