1. Spirit Fanfics >
  2. Neu Starten >
  3. Vierunddreizig

História Neu Starten - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiramente obrigado pelos comentários, é sempre importante o feedback de vocês! Que comece a guerra Toni Kroos x Leon Goretzka. Brincadeiras a parte, o capítulo não está tão longo. Mas é preciso que eu acelere um poucos as coisas.

Capítulo 34 - Vierunddreizig


Fanfic / Fanfiction Neu Starten - Capítulo 34 - Vierunddreizig

Continuação…


 

Pov's Anne


 

Chegamos no hotel após sairmos da boate e Pilar questionou se eu queria que ela ficasse comigo, me fazendo companhia. Como eu havia me controlado um pouco e parado de chorar, achei melhor que não. Mas fiz algo que eu já devia ter feito a algum tempo. Tirei aquela aliança, larguei ela em cima do criado mudo e encarei meu celular. Peguei o mesmo e liguei para Leon, no segundo toque ele atendeu. Mandei o endereço do hotel e pedi que ele viesse. Ele não tinha certeza se viria, e eu não tinha certeza do que faria. Fui para o banheiro, escovei os dentes e tirei aquela maquiagem borrada. Tomei um banho rápido. Quando estava secando os cabelos com a toalha ouvi algumas leves batidas na porta, pois eu havia deixado liberada a subida dele junto a recepção.


 

— Você veio! - Falei sorrindo e puxando ele pela mão. Fechei e tranquei a porta.


 

— Eu não sei como agir Anne! Me desculpe! - Ele falou me encarando sério. Ainda estava com a mesma roupa da boate.


 

— Sem culpa! Sem promessas! Estou solteira Leon! Apenas aproveite essa noite, fica comigo agora. Amanhã a gente segue cada um para o seu lado. Sem saber quando vai se reencontrar. Se vai. - Falei mostrando minha mão direita sem nem rastro de anel.


 

Ele alternava seu olhar entre minha mão e meus olhos. Para disfarçar um pouco o clima que havia ficado, resolvi colocar no sistema de som do quarto Aerosmith, assim que a música Sweet Emotion começou, eu senti seu corpo atrás de mim. Me virei ficando de frente e iniciamos um beijo calmo. Mas de calmo nada tinha naquele quarto. Empurrei ele até a cama e iniciamos uma batalha em lhe tirar as roupas, foi embora calça, camisa, e um homem extremamente gostoso se revelou ali. O volume que aquela cueca escondia fez com que eu arfasse. Assim que me sentei na cama ele fez questão de desamarrar o nó em meu roupão e foi puxando o mesmo devagar. Me arrepiei por completa apenas com o olhar quente dele em meu corpo. Leon parecia me analisar minuciosamente, passou a mão em minhas tatuagens, uma em cada antebraço. Tinha um leve sorriso em seu rosto. Eu poderia jurar que ele gostaria de eternizar esse nosso momento para sempre. Disse o quanto eu era linda e num movimento rápido aquela única peça que me cobria foi parar no chão. Leon me arrumou cuidadosamente na cama e ficou por cima de mim. Começou a distribuir beijos em meu pescoço, busto, seios e barriga. Eu já estava completamente pronta em lhe receber, mas lembrei de um detalhe importante. 


 

— Pega a camisinha! Nada de preliminares por favor! - Falei ofegante após cortar um beijo quente, me apoiando nos cotovelos.


 

Ele sorriu de lado e se levantou. Pegou uma camisinha no bolso da calça e sem cerimônia tirou a cueca. Eu achei que ia morrer com a visão. É óbvio que tinha de ser proporcional ao tamanho dele, seu membro era enorme. Pulsante e cheio de veias. Goretzka veio até mim e se encaixou no meio das minhas pernas. Me encarava fixamente. Me acomodei melhor, abri bem as pernas me encaixando nele e quando seu pênis começou a entrar em mim, Jesus. Até me senti virgem novamente. Não é possível, além de enorme, era grosso. Ele não meteu tudo de uma vez só, aguardou pacientemente eu me acostumar com todo esse tamanho e fazia movimentos calmos. Mas quando eu dei o ok, achei que aquele quarto fosse vir abaixo. Ele era perfeito no que fazia, tinha cuidado em não me machucar e não parava de me fazer carinho. Por mais que as estocadas já não fossem calmas, ele era. Fizemos em algumas posições diferentes e por fim, eu estava quase sentada na cama e ele atrás de mim. Senti uma onda de prazer vir, me contorci toda. Gozei sem cerimônia alguma. Suas mãos que estavam em minha cintura, eu fiz questão de apertar. E assim que ele percebeu que eu havia gozado, acelerou os movimentos e se libertou. Leon era puro suor, se retirou calmo de mim e deitou acabado em meu lado. Ele sorria verdadeiramente e me encarava. As maçãs do rosto estavam vermelhas, ele até poderia tentar falar algo mas seria impossível. Fôlego não existia. Me deitei e fiquei encarando o teto, com um sorriso bobo no rosto. 


 

— Arrependida? - Ele questionou se arrumando melhor na cama.


 

— Não! E você? - Perguntei.


 

— Jamais! - Ele falou sorrindo e me puxando para si.


 

Me aninhei em seu peito, e o cheiro que ele exalava era algo tão bom. Um pouco de perfume misturado com seu cheiro natural. Uma coisa inebriante. Fiquei deitada de lado mas com uma perna por cima dele. Leon fazia um leve carinho em meus cabelos e de vez em quando beijava o topo da minha cabeça. Realmente observando agora eu vi que ele é bem magro, mas gostei do que vi. Sem contar que ele não tem um único pêlo da cintura para baixo. Acho que nunca tinha ficado com um homem sem nada, todo depilado. 


 

— Não sei quantas vezes eu já disse isso, mas você é muito linda. Eu estou nas nuvens, pode ter certeza. Jamais imaginei que nós dois fosse ser algo tão perfeito. - Ele falou quebrando o silêncio que estávamos. 


 

— Agora sou eu que não sei o que falar! Mas eu também gostei muito de nós dois. Você é lindo Leon! Pode acreditar! Obrigado por tudo! - Falei sendo sincera com ele.


 

— Não quer ir passar uns dias comigo na Alemanha? Antes da pré temporada? Só nós dois? - Ele questionou me encarando firme.


 

— Mais uma de suas propostas tentadoras, mas infelizmente eu já marquei de passar o restante dos dias com o pessoal em Bora Bora. - Falei vendo ele sorrir.


 

— Bora Bora? Indonésia? - Ele questionou carregando o R em um sotaque muito engraçado.


 

— Polinésia Francesa Leon! - Falei gargalhando alto.


 

— Desculpa! Nunca fui bom com essas coisas! - Ele me acompanhou na risada.


 

— Sem problemas! Inclusive eu nunca soube como pronunciar certo o seu nome. Pois no Brasil é bem diferente a forma de falar. Lá a gente fala como escreve. Mas o correto é bem diferente. Líon Gorrétzká. - Falei imitando o jeito certo de falar, pela pronúncia alemã.


 

Após várias risadas fomos tomar banho. Não rolou nada mais, eu sei que ele queria. Mas fazer de camisinha no banho é horrível. Sinceramente eu não sei o que iria fazer da minha vida, só sei que continuar com o Toni em um relacionamento falido já não era mais uma opção. Mas eu iria ser a melhor Anne que a própria Anne já viu. Sofrer também não era opção, iria doer muito. Mas em algum momento a dor passa.

Assim que amanheceu Leon foi embora, nos despedimos e não prometemos nada um ao outro. Apenas lhe disse que se algum dia eu considerasse o Bayern de verdade, ele seria o primeiro a saber. Tomei outro banho pela manhã, comecei a arrumar um pouco das malas e desci para o café com os demais no restaurante. Marcelo foi o primeiro a questionar sobre minha aliança. Eu não iria mentir para ninguém ali, são meus amigos.


 

— Não existe mais Anne e Toni gente. Eu só preciso conversar sério com ele. Mas é isso. Vai ser difícil, mas é preciso. - Falei e todos prestaram atenção em mim.


 

Assim que Ramos ia falar algo, meu telefone tocou. Era FIorentino, eu gelei por completa. Mas atendi. Ainda bem que eu estava sentada, o babado da vez era que Cristiano Ronaldo não era mais jogador do Real. O presidente fez questão em me avisar de primeira mão, antes que saísse nos tablóides. Desliguei a chamada e antes que eu falasse algo pro pessoal, o telefone do Sérgio tocou. Era o Cris. Ficou um clima de enterro na nossa mesa.


 

— Gente, podem fofocar a vontade! Mas pensar em trabalho mesmo, só na pré temporada! Estamos de férias e por favor. Vamos nos divertir? - Falei tentando animar o povo.


 

Pilar era quem mais falava, Clarice estava um pouco distante mas era pelo fato de que ela realmente apostou todas as fichas em mim e em Toni. Entendo ela, eu fiz isso também. Mas não teria mais como seguirmos juntos. Mentindo um para o outro. Nosso vôo partiria em duas horas. Voltei para o quarto e arrumei as malas. Mas antes de seguir em direção ao aeroporto resolvi ligar para mamãe. Pedi que ela ficasse longe de todos para que a gente pudesse conversar. Contei tudo a ela, nos menores detalhes. Sobre Toni e sobre o Leon. Tirei um peso enorme das costas. Mamãe chorava, e eu muito mais. Diferente do que eu pensava ela me apoiou. Disse que eu precisava ser forte e terminar logo tudo com o Kroos. Se fosse preciso, que eu fosse passar um uns dias no Brasil, antes de ir para os EUA. Mas nem eu sabia o que realmente iria querer.



 

Dezoito de julho de 2018

 

Bora Bora - Polinésia Francesa

 

Pov's Toni Kroos


 

Assim que o avião pousou na ilha paradisíaca, fiquei encantado. Eu nunca havia vindo para cá. Queria tornar tudo especial em minha estadia com Anne. Eu pisei feio na bola e fui um completo idiota. Tentaria ao máximo me redimir, confesso que não esperava o convite em vir passar uns dias com ela e o pessoal. Mas a amo com todas as forças. Pedi para que mamãe ficasse com as crianças, já que a Jess estava de férias em New York com algumas amigas e voltaria para passar o aniversário com Amelie. Eu também queria passar com a pequena, mas preciso conversar com Anne primeiro.

Fui direto para o hotel, e deixei as malas no meu quarto. Confesso que não aguentava mais de saudades dela, e muita ansiedade. Liguei em seu telefone mas apenas chamou. Resolvi ligar para Vieira, o brasileiro atendeu no quarto toque. Disse que ele e Ramos estavam na área externa da piscina, enquanto as meninas tinham ido passear pela orla. Desliguei a chamada e fui tomar um banho, coloquei bermuda, regata e chinelos. Quando desci na área externa encontrei eles, nos cumprimentamos rapidamente e me sentei. Logo a conversa chegou em um dos assuntos mais comentados do momento. A saída do Cristiano Ronaldo do Real Madrid e ida para a Juventus. Foi tudo anunciado no mesmo dia, coisa que pegou todo mundo de surpresa. Cris deixou algumas mensagens e ligou para alguns ex companheiros antes de anunciar para a imprensa. 

Logo um assunto chamou outro e ríamos de quase tudo, como sempre. Senti o clima mudar completamente quando Anne se aproximou junto de Pilar e Clarice. Cumprimentei elas e peguei Anne de surpresa quando antes de iniciar um abraço, eu deixei um selinho nela. Como sempre fizemos. Percebi que ela ficou tensa e sorriu amarelo. 

Invés de se sentar como as outras fizeram, Anne pediu licença aos demais e me chamou de canto. Não me esperou e foi em direção ao elevador. Não tive outra escolha a não ser ir atrás dela. Assim que as portas se fecharam ela evitou a todo momento me olhar. E percebi que ela não usava sua aliança. Mas eu não iria perguntar ali. Anne também estava com o rosto um pouco vermelho, como já era quase noite não poderia ser pelo sol. Provavelmente ela havia chorado, já comecei a me sentir péssimo.

Entramos no quarto dela, que não era muito longe do meu. No mesmo andar inclusive, e ela foi direto para a sacada, a vista era maravilhosa. Dava direto para a areia branca e o mar em um tom azul claro. 


 

— Toni, eu sempre te pedi que fosse sincero comigo. Que me falasse a verdade, então eu quero a verdade agora! - Anne se virou e ficou me encarando. Agora eu entendi o quanto ela estava se controlando para não chorar na frente dos outros. Fiquei sem reação.


 

— Mas do que você está falando? - Questionei chegando próximo a ela. Anne desviou do meu toque.


 

— Toni Kroos! Assume que você me traiu e que passou a noite com a Jessica! Você nunca deixou de amar ela, por acaso algum dia você realmente me amou? - Dessa vez Anne não se controlou e gritou praticamente. Chorava muito.


 

Tentei de tudo que foi forma explicar para ela que sim, a Jess havia dormido no mesmo quarto que eu. Mas porque como todas as vezes que fico sozinho com ela, ela surta, grita, faz um fiasco desnecessário e naquela noite especificamente ela chorava demais. Jessica nunca aceitou o fim do casamento. Mas eu sei o que não aconteceu naquele quarto, eu não encostei nela. Não tivemos nada. Ela dormiu lá pois já havia ficado tarde e todos provavelmente tinham ouvido sobre a grande discussão que tivemos.


 

— Chega Toni! Eu não quero saber de desculpas, pode calar sua boca! Jamais eu vou acreditar em uma história fajuta dessas! O que nós tínhamos acabou! Segue o seu rumo, que eu sigo o meu! - Anne gritava, chorava e andava de um lado para o outro naquele quarto.


 

— Está terminando comigo? E os nossos planos? E os nossos sonhos? Eu te amo Anne! - Questionei não aguentando e chorando junto.


 

— Pega os sonhos, o amor que você diz sentir e enterra eles! Porque é isso que eu vou fazer com os meus! - Ela falou indo em direção a sua bolsa que estava na poltrona do quarto, pegando a aliança de noivado e me entregando.


 

Me neguei a acreditar que chegamos a esse ponto, eu sei que ela me ama. Sempre deixou bem claro. E eu consigo enxergar como está sendo doloroso para ela fazer isso. 


 

— Você não vai acreditar em mim? No que estou te falando? - Questionei segurando ela contra o meu corpo.


 

— Esse foi o meu erro Toni! Eu sempre acreditei em tudo que você me falava, você fez o favor de mentir, ocultar tanta coisa de mim. A confiança que restava acabou indo embora, e sem confiança não há amor. Sinto muito, mas quem cavou o nosso fim, foi você! 


 

Essas foram suas palavras. Fiquei alguns segundos processando o que Anne havia falado. Ela realmente parecia segura de si no que dizia. Apertei forte a aliança em minha mão e saí do quarto dela. Totalmente despedaçado, me sentindo um lixo de pessoa. Eu traí a confiança de quem eu mais queria o bem, de quem eu queria uma vida de casal, da pessoa com o qual eu tinha tantos planos. Assim que me joguei em minha cama desabei forte no choro. Acho que eu nunca senti uma dor forte dessas em meu peito. Fiquei deitado e remoendo todo o mal que eu havia feito a ela. Que tipo de pessoa eu sou? 


 

— Después de llegar a la conclusión de que sería mejor así, Toni y yo llegamos a través de este informe de que ya no somos una pareja. Solo amigos y compañeros de equipo. Nuestros caminos irán desde hoy en adelante por separado. Pero siempre alentando el éxito y la felicidad en nuestras vidas. Hala Madrid ... Y Nada Más - Depois de concluir que seria melhor assim, Toni e eu viemos através deste informar que não somos mais um casal. Apenas amigos e colegas de equipe. Nossos caminhos seguirão separadamente a partir de agora. Mas sempre torcendo pelo sucesso e felicidade em nossas vidas. Hala Madrid e nada mais. - Foi o que li em seu Instagram. Eu havia dormido um pouco e assim que acordei vi a postagem.


 

Meu celular parecia entrar em colapso, de tanta mensagem que chegava. Mas a foto que acompanhava a publicação era aquela que tínhamos tirado dentro do elevador. Abraçados e felizes. Fiquei durante um tempo apenas observando cada detalhe naquela foto. Mais uma vez, não contive o choro. E agora ele veio forte, que sensação horrível. Parece que estamos morrendo por dentro. 

Acordei para a realidade quando o nome de minha mãe estampou a tela do celular. 



 

Pov’s Anne


 

Nossa conversa não foi fácil. Me senti horrível em terminar dessa forma. Depois que fiz a postagem nas redes sociais com o informativo, eu resolvi apagar tudo que era foto que tínhamos tirado e postado juntos. Era inevitável o choro. Ele descia livre na verdade. Me surpreendi quando meu telefone começou a tocar, e acho que praticamente todos os meninos do time queriam falar comigo. Asensio, Isco, Bale, Benzema, James, Navas, Varane, Casemiro e até nosso ex colega, Cristiano me ligou. Não dei detalhes para ninguém, jamais colocaria Toni em maus lençóis com a equipe. Apenas deixei claro que era melhor para nós dois. 

No outro dia falei com o presidente, contei também apenas o necessário. É claro que a mídia não perderia a oportunidade em já começar a falar e falar, inventar várias hipóteses sobre eu e ele. Sobre isso não tínhamos o que fazer. 


 


 

Alguns dias se passaram e eu não me sentia melhor. Na verdade acho que eu estava sobrevivendo ali. Ter Toni perto e perceber que ele estava pior que eu me cortava por dentro. Tentei aos prantos explicar para as meninas que eu já não queria ficar mais lá, não me sentia bem. Queria voltar para o Brasil e aproveitar meus pais. Mas principalmente Pilar não aceitou, com o argumento que não iria adiantar eu fugir do Kroos. Era preciso aprender a conviver com ele, com a dor e não pirar. Falando nele, Toni não foi passar o aniversário da filha. No dia 20/07 Amelie completou dois aninhos. Tentei conversar com ele sobre, pedi que ele fosse passar com a família. Mas de nada adiantou.

Julho só não era de longe o pior mês da minha vida, pois teve bons momentos, alegres com os amigos e quentes. Falando em quente, conversei algumas vezes com Goretzka. O alemão mandava fotos do dia a dia ou simplesmente eu desabafava e ele também. De vez em quando me fazia rir e deixava claro que me queria por perto. Que queria que nós dois existissimos. Sinceramente eu não tinha reação sobre isso. 

No dia 22/07 nós quatro (eu, Ramos, Vieira e Kroos) partimos em direção a pré temporada. A preparação do time para a temporada que viria aconteceu em Miami. Tivemos uma semana de trabalho duro, muita musculação, muitos treinos, e pela minha parte foi muita reunião, principalmente junto com a diretoria. O fato de Cristiano Ronaldo ter saído do time nos assustou mais do que eu imaginava. 

Ficou decidido que para a International Champions Cup o time iria misto. E Carlos, meu assistente ficaria à frente da equipe.

Agosto foi um mês tão conturbado, cheio de competições, pessoal lento devido as férias. Quase ninguém estava 100% em forma física. Apenas quem jogou a Copa esava bem praticamente, o que não livrou eles de levarem um xixi dos feios pela minha parte. E como nem tudo são flores:

International Champions Cup: Não fomos campeões, ficamos em sexto lugar na competição, o que a diretoria do Real achou descabível. Mais um xixi em mim, e escalonando tudo, um xixi nos jogadores.

Supercopa da Uefa: Perdemos feio para na minha opinião, o maior rival. Atlético de Madrid, eles ganharam de 4x2 de nós. O jogo foi na Estônia, nunca havia ido nesse país em toda a minha vida. Confesso que odeio o Diego Simeone, mas fui obrigada a reconhecer a superioridade da equipe. E lá no fundo fiquei feliz pelo Grohe, após a final ele dispensou a comemoração com os colegas para jantar comigo e Sophie. Curtimos uma noite maravilhosa em família. Eu sentia falta disso, nada rolou entre nós. Apenas cumplicidade. Mas falando no meu time, xixi na Anne por parte da diretoria e xixi nos jogadores.

La Liga: Nosso primeiro jogo no campeonato espanhol foi em 19/08 contra o Getafe, ganhamos de 2x0. Pelo menos isso.

No dia 20/08 minha sobrinha Anna resolveu vir ao mundo, um pouco antes do que imaginávamos, mas foi maravilhoso poder sorrir de verdade nesses últimos dias. E chegou causando, leonina. No dia 29/08 foi o aniversário de Eduardo, meu irmão. E foi no mesmo dia que foi o batizado da recém nascida. Como já havíamos aceitado o convite, tive que aceitar numa boa a companhia de Toni durante o batizado. Não foi fácil, ele me olhava e queria conversar a qualquer custo comigo. Como eu havia pedido que durante os jogos e treinos a gente não falasse de assuntos pessoais, entendo que era difícil. Não cedi às suas investidas, Kroos queria me levar para jantar. Tentar expor o seu lado, a sua versão das coisas com a Jessica. Mas sinceramente, nada me interessa mais. 

No dia 31/08 tivemos uma festa que aconteceu em Madrid mesmo, apenas para os maiores clubes patrocinados pela Audi e Adidas. O que significa que o Bayern viria. Fiquei nervosa, muito nervosa. Por ser um baile de gala teríamos a opção de levar quem quiséssemos como acompanhante. E a Anne? Era preferível levar meu irmão, mas não chamei ninguém. 

Cheguei ao local da festa trajando um vestido branco longo, maquiagem leve e uma bolsa de mão apenas. Adentrei no local que já estava cheio, procurei onde estava a mesa do clube, mas não era obrigatório que ficasse apenas com o clube que você trabalha. 

Levei um susto quando senti uma mão em meu ombro, era Leon. Nos olhamos rapidamente e sorrimos. Ele me abraçou levemente e engatamos em um assunto qualquer. Ele até perguntou se eu queria ficar um pouco na mesa dele, mas rejeitei de primeira, eu precisava puxar o saco da direção do Real. Então ficaria com eles primeiro. Leon se afastou e encontrei Bale que prontamente me ofereceu o braço. Chegamos em nossa mesa e um Toni Kroos de cara fechada me encarava. Na verdade acho que Toni queria dizer tanta coisa, mas o silêncio era necessário. Ele também não levou ninguém, o que estranhei já que eu estava pronta para ter que aturar a querida ex dele.

 


Notas Finais


O que acharam? Vem barraco por aí?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...