História Never Be The Same - Capítulo 100


Escrita por:


Notas do Autor


Genteeeee, onde vocês estavam??? Impactada com a quantidade de comentários, vocês são fodas mano 😍😍😍❤
Lauren vai ter que se esforçar muito, ninguém mandou vacilar. Rsrs
GENTEEEE, LEIAM MINHAS OUTRAS FICS. 😍😍😍❤
Boa leitura 📖
LEIAM AS NOTAS FINAIS
LEIAM AS NOTAS FINAIS
LEIAM AS NOTAS FINAIS
LEIAM AS NOTAS FINAIS
LEIAM AS NOTAS FINAIS
LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 100 - Não acredito mais


Fanfic / Fanfiction Never Be The Same - Capítulo 100 - Não acredito mais

Pov Camila

-Senhora, acalme-se pra resolvermos isso. (a diretora disse e soltei seu blazer)

-Camz? Vem cá um pouquinho. (escutei a voz de Lauren bem baixinho)

-Mas...(vi que ela estava se referindo às meninas)

-Calma. (ela disse e eu assenti respirando fundo indo na direção das meninas)

-Podemos resolver como pessoas civilizadas? Temos crianças no ambiente e não precisamos agir como animais. (a diretora disse e já voltei na intenção de bater nela)

-Sua filha da puta, eu vou agir como animal quando arrancar sua cara de cínica no dente, são as minhas filhas que estão machucadas. (disse tentando me soltar de Lauren que me segurou por trás)

-Camz, nós vamos à delegacia, sem agressão pra não complicar a gente. (Lauren sussurrou no meu ouvido)

-Vem mama, por favor. (Íris pediu baixinho e olhei as duas)

-Ela precisa de você. (Fiz leitura labial do que Lunna falava e assenti)

-Vai lá, eu vou resolver isso. (Lauren disse e eu assenti)

-Tô com medo mama. (Íris disse agarrando minha blusa)

-Calma meu amor. (disse aconchegando-a em meus braços)

-Vai ficar tudo bem maninha. (Lunna disse beijando os cabelos da irmã)

-Diretora, nossos pais estão vindo? (um adolescente perguntou chorando)

-Já querido. (a diretora disse e vi de que lado ela estava)

-Primeiro comece a agir como profissional, não existe querido ou qualquer apelido carinhoso em ambiente de trabalho e segundo, como ocorre uma agressão nessa proporção dentro da escola? Uma escola com dez inspetores não é capaz de prevenir? (Lauren perguntou séria e a diretora ficou olhando)

-Veja bem senhora Jauregui, nossos inspetores não podem impedir que ocorram qualquer contratempo. (a diretora disse e Lauren riu negando)

-Contratempo? Minha filha com hematomas pelo corpo por causa desse bando de adolescentes babacas e você chama de contratempo? Ela precisa morrer pra você entender que essa merda não é um contratempo? Cinco babacas bateram na minha filha, cinco. (Lauren disse séria e ela parecia nervosa)

-Senhora, eu já resolvi o problema dos meninos, eles serão suspensos por três dias, não precisamos levar isso ao extremo. (a diretora disse e Lauren riu)

-Três dias não vão apagar as agressões nem do corpo nem do psicológico. (Lauren disse e a diretora sentou)

-Veja bem senhora, sua filha é interssexual, era de se esperar que nem todos reagissem bem ou com naturalidade. Tente compreender que a escola já está fazendo algo incrível em aceitar a sua filha nessas condições sem qualquer restrição. (a diretora disse e escutei um estrondo, Laur deu um soco na mesa)

-Vocês não estão fazendo um favor em aceitar minha filha, eu pago essa porra aqui como qualquer um. A minha filha foi agredida por delinquentes, se você não tem capacidade de resolver isso, eu mesma resolvo. Vamos, ainda tenho algumas coisas pra resolver, obrigada pelo ótimo áudio diretora e se eu fosse a senhora, não fazia nada com as câmeras ou qualquer outra prova. (Lauren disse mostrando o celular com uma cara de sonsa) Vamos princesas?

-Vamos?! (disse e ela pegou Lunna no colo)

Seguimos para fora da escola em silêncio e Lauren com aquela cara séria que eu tenho medo, Lunna estava quieta ainda com dor e Íris olhava tudo assustada. Entrando no carro e Lauren ligou pra alguém enquanto saía com o carro devagar.

Ligação On

-Fala Jauregay.

-Quando eu enfi... esquece. (ela me olhou)

-Qual a boa?

-Preciso de ajuda.

-Manda.

-Um bando de moleques bateram na minha filha e eu quero que algo seja feito pra ontem.

-Chega na delegacia e manda falar com o Johnson, eu resolvo isso.

-Valeu, chego em cinco minutos.

-Nada Jauregay.

Ligação Off

-Quem é? (perguntei e ela acelerou o carro)

-Dwayne, acho que você não conhece ele ainda, é um delegado de polícia. (ela disse e eu assenti)

-Por que você me segurou? Você não viu que ela é tão babaca quanto aqueles garotos? (perguntei e ela coçou a nuca)

-Se você batesse nela, ela ainda processaria você por agressão e já temos problemas de mais. (ela disse discando outro número)

Ligação On

-Manda

-Vero, segura a academia pra mim.

-Tá bom, aconteceu alguma coisa?

-Uhum, mas assim que eu resolver aqui conto tudo.

-Okay, Camila está com você? Tem um atleta que veio fazer fisioterapia com ela.

-Pede a Perrie pra ajudar ou manda embora, não vamos pra academia hoje.

-Jauregui?

-Fala.

-Estava observando hoje e a latina está gostosa pra caralho.

-Vai se foder Veronica.

-Beijo palmito.

Ligação Off

-Madrinha tá observando bem. (Lunna brincou e eu corei envergonhada)

-Você não estava com dor? (perguntei e ela riu, mas logo gemeu pela dor)

-Ela não mentiu, você é a mulher mais gostosa do mundo. (Lauren disse e corei ainda mais)

Peguei o celular pra disfarçar e ela seguiu dirigindo em silêncio, olhei algumas mensagens no Whatsapp dela e vi que várias mulheres haviam mandado mensagem. Abri todas pra ver se Lauren não tinha respondido nenhuma, eram fotos, insinuações, elas praticamente pediam nas mensagens pra serem comidas. Fui bloqueando uma por uma que nem percebi quando chegamos na delegacia, só vi Lauren abrindo a porta do carro para mim. Seguimos para dentro da delegacia e Laur foi falar na recepção com alguém enquanto ficamos sentadas esperando. Lunna volta e meia soltava alguns gemidos de dor, mas estava se fingindo de forte pra não preocupar a irmã que já tinha uma carinha de choro enquanto segurava sua mão.

-Camila? Vamos? (Laur chamou e eu levantei)

-Vem meninas, vamos lá resolver isso. (disse e elas levantaram)

-Bom dia. (um homem enorme disse estendendo a mão)

-Bom dia. (disse e felizmente ele não quebrou meus dedos)

-Camz, esse é Dwayne Johnson e Dwayne essa é minha esposa Camila Cabello. (Lauren disse e eu sorri para o homem)

-Imagino que essas sejam as famosas princesinhas. (ele disse olhando as meninas)

-São, Lunna e Íris. (Laur disse e ele cumprimentou as meninas)

-Vocês vão prestar o depoimento e depois corpo de delito okay? (ele disse e eu assenti) Vem comigo.

-Ele é muito grande. (Íris disse baixinho e eu ri enquanto andávamos)

-Vocês vão prestar o depoimento nessa sala, assim que terminarem vão fazer o exame e depois me procurem novamente, se não isso aqui vai demorar pra caramba. (Dwayne disse e saiu pelo corredor)

...

-Amanhã eles vão receber uma notificação oficial e hoje mesmo uma viatura estará na escola pra recolher todas as imagens de segurança. (Dwayne disse e Laur segurou minha mão)

-Obrigada mesmo cara. (Laur disse e ele piscou)

-Não foi nada, agora leva essa garotinha pra casa, ela precisa descansar um pouco. (ele disse sorrindo e soltei minha mão dela)

-Aparece na quadra qualquer dia. (Laur disse e ele assentiu)

-Tchau meninas, prazer conhecer vocês. (Dwayne disse cumprimentando a gente antes de entrar)

-Vamos? (Laur perguntou e eu assenti)

-Elas não vão mais pra esse colégio. (disse entrando no carro e Lauren assentiu)

Seguimos em silêncio até em casa, as meninas tomaram um banho e foram dormir enquanto me permiti chorar no banheiro. Não sabia que a dor de se sentir incapaz era tão profunda, minhas duas bebês sofrendo com a maldade desse mundo. Foi horrível passar remédio em cada hematoma no corpo da minha bebê, me sentir insuficiente de protegê-las, de tirar a dor que elas estavam sentindo. Íris está até agora agarrada na irmã enquanto dorme, ela dormiu pedindo desculpas mesmo Lunna dizendo que faria tudo de novo se fosse preciso. Quando saí do banheiro encontrei Lauren entrando desligando o celular.

-A gente pode conversar sobre as meninas? (ela perguntou e eu assenti)

-Pode falar. (disse sentando na cama)

-Há quanto tempo isso está acontecendo? (ela perguntou sentando ao meu lado)

-Um mês. (disse e ela assentiu olhando o chão)

-Você chegou a conversar com elas? (ela perguntou agora me olhando)

-Conversei e achei que tinha resolvido isso na escola, mas hoje cedo Íris admitiu que continuavam insultando ela. Fui duas vezes no colégio porque a Lunna brigou com um desses garotos por implicar com irmã e hoje foi o que você viu. (disse e ela segurou minha mão)

-Eu não vou mais ser ausente com elas ou com você. (ela disse e soltei minha mão dela)

-Eu não acredito mais. (disse levantando da cama)

-Camz? (ela chamou e eu neguei)

-Mais alguma pergunta sobre elas? (perguntei e ela negou)

-Não...sei lá. (ela disse sem me olhar)

-Vou olhar as meninas. (disse e saí do quarto)

Pov Lauren

"Eu não acredito mais", como pude ser tão idiota? Perdi o olhar apaixonado da mulher da minha vida, o sorriso mais perfeito, o carinho dela. Minhas filhas estão sofrendo, passando por problemas e eu não estava alí com elas. Senti as lágrimas caindo pelo meu rosto molhando minha camisa e levantei da cama. Desci as escadas indo para a varanda de trás onde tinha um saco de pancada. Coloquei minhas luvas e comecei a socar enquanto tentava aliviar essa dor que está consumindo meu peito.

-Você é uma idiota Lauren. (disse socando forte fazendo o barulho do impacto ficar alto)

Quanto mais raiva eu sentia, mais forte eu ficava e dava chutes, até que não consegui mais e desabei. Eu não conseguia mais parar de chorar, caí de joelhos sentindo minha vida passar como num flash. "Sim, eu deixo você entrar na minha vida, só não me machuca" "Te amo Cariño" "Acho melhor preparar o coração, nossa filha está chegando" "Ela é tão linda" "Amo muitão papa" "Té abaço glandão" "A papa deu tavalinho, olha mama". As vozes na minha cabeça me levavam a cada momento com elas, a primeira vez que fiquei com Camila, o nascimento das nossas filhas, as viagens, as brincadeiras, tudo passava diante dos meus olhos e eu só conseguia chorar, eu estraguei tudo.

-Papa? (fechei os olhos com força sentindo as lágrimas caírem)

-Você é uma idiota Lauren, uma idiota. (disse me encolhendo no chão)

-Papa, está tudo bem? (escutei a voz de Lunna e olhei)

-Vai ficar, vai lá deitar um pouco, você precisa descansar. (disse e ela negou rapidamente)

-Você rasgou o saco de pancadas. (ela disse e olhei um rasgo enorme)

-Depois eu ajeito, vamos lá que você precisa descansar. (disse levantando e tirei as luvas)

-Você vai brigar comigo? (ela perguntou e eu neguei limpando as lágrimas)

-Obrigada por você ter defendido sua irmã. (disse e ela sorriu fraco)

-Eu nunca vou deixar ninguém fazer mal pra ela. (ela disse e eu sorri orgulhosa)

-Eu sei, pena que quem fez mal pra vocês fui eu. (disse e ela me chamou pra ir até a piscina)

-Por que você não fica com a gente? (ela perguntou sentando na espreguiçadeira)

-Porque eu sou uma idiota, eu me afastei de vocês pra priorizar trabalho e agora tá essa merda. (disse sentando ao seu lado)

-A gente sente falta de você. (ela disse e eu assenti olhando a água)

-Eu sei e peço desculpas por ter ficado ausente, não queria ter machucado vocês com a minha distância. Vocês são o melhor que me aconteceu, mas eu não dei valor e não sei se mereço vocês...Só que eu não estou disposta a abrir mão, não posso perder vocês porque fui uma babaca. (disse sentindo as lágrimas caírem e ela pulou no meu colo)

-Eu amo você papa. (ela disse e aconcheguei-a em meus braços)

-Me perdoa filha, me perdoa. (disse chorando e escutei seu soluço)

-Não deixa a gente. (ela pediu agarrada em mim)

-Eu não vou embora nem vou me afastar, nunca mais. (disse beijando seus cabelos)

-Promete? (ela perguntou me olhando)

-Prometo, eu nunca mais vou me afastar. (disse e beijei a ponta do seu nariz) Eu amo você demais minha bravinha.

-Eu sei...Você está azeda. (ela disse rindo e levantei com ela no colo)

-Ninguém mandou me agarrar. (disse e pulei na piscina com ela)

-Papa. (ela reclamou me jogando água)

-Senti sua falta minha bravinha. (disse abraçando-a e ela escondeu o rosto em meu pescoço)

-Também, a gente vai voltar a assistir filme juntas? (ela perguntou e eu assenti sorrindo)

-O que você quiser. (disse e beijei seus cabelos)

-Lunna Cabello Jauregui, sai dessa piscina agora. (escutei a voz de Camila e Lunna me olhou)

-Vamos, não quero sua mãe nervosa. (disse e mergulhei para a beirada da piscina pra sair)

-Vai tirar essa roupa e colocar uma seca, depois desce pra eu colocar o remédio de novo. (Camz disse e Lunna assentiu)

-Não fica brava, foi só um mergulho. (Lunna disse e Camz beijou os cabelos dela)

-Não vai me acalmar assim, agora vai. (ela disse e Lunna saiu correndo) NÃO CORRE.

-Camz, a culpa foi minha, eu que pulei na piscina com ela. (disse e ela ficou me olhando)

-Ela não vai entrar na piscina, precisa descansar um pouco. (ela disse e eu assenti)

-Desculpe. (disse e ela virou voltando para dentro de casa)

...

Depois que tomei um banho fui tentar conversar um pouco com Íris, que estava assistindo desenho no quarto com uma carinha de sono. Fiquei parada na porta e ela nem notou minha presença, me aproximei devagar e sentei na beirada da cama recebendo seu olhar confuso.

-Tudo bem? (perguntei e ela assentiu sorrindo fraco)

-Está sim, aconteceu alguma coisa? (ela perguntou e eu neguei)

-Eu vim saber como você está se sentindo, eu sei o quanto dói ouvir coisas daquele tipo. (disse e ela assentiu triste)

-Eu não fiz nada pra eles. (ela disse deixando uma lágrima cair)

-Eu sei gatinha, quando eu era pequena isso também aconteceu. (disse e ela olhou surpresa)

-Sério? (ela perguntou e eu assenti)

-Só que eu era mais nova, tinha uns sete anos mais ou menos, viviam me batendo por eu ser diferente também. Até que eu conheci sua madrinha, ela me defendeu uma vez e nos tornamos amigas...Eles pararam um pouco, até que se juntaram e arrancaram meu dente na porrada...Então eu pedi pro meu pai me ensinar a lutar pra bater neles, deu certo porque eles pararam de me incomodar, mas nada mudou pra eles...Eles só mudaram o alvo. (disse e ela assentiu)

-E o que a gente faz? (ela perguntou e eu neguei)

-A gente tenta ser melhor todos os dias, não dá pra mudar a cabeça de ninguém, mas podemos mudar nós mesmos. (disse e ela assentiu)

-Às vezes eu acho que a culpa é minha. (ela disse e puxei-a para meus braços)

-Você não tem culpa do erro dos outros, não tenta se encaixar onde as pessoas não respeitam você e suas particularidades. Não importa quem seja, quem te ama vai te aceitar do jeito que você é. (disse e ela escondeu o rosto no meu pescoço)

-Você me ama? (ela perguntou mexendo na minha orelha)

-Amo muito minha gatinha, você me perdoa por ter ficado longe? (perguntei e ela me olhou)

-Vai comprar doce pra mim? (ela perguntou e eu assenti) Então eu perdôo.

-Eu amo você minha pequena. (disse acariciando seu rosto)

-Também amo você papa. (ela disse e eu sorri)

-Posso contar a maior vantagem de ter um pau? (perguntei e ela assentiu)

-Pode. (ela disse e levantei com ela no colo)

-Você não tem cólica menstrual. (disse colocando-a na cama)

-Ainda bem, a mama fica muito brava quando está assim. (ela disse e eu ri negando)

-Viu como tem vantagem? (disse e ela assentiu rindo)

-Vai sair? (ela perguntou e eu neguei)

-Vou pedir um lanche pra gente, ninguém almoçou. (disse e ela assentiu)

-Eu amo você. (ela disse e beijei sua testa)

-Amo você minha pequena. (disse e saí do quarto)

Desci para a sala com um sorriso no rosto, tenho consciência de que isso é só um começo e que eu tenho que agir diferente com minhas filhas a partir de agora. Peguei o celular e fui para a cozinha encontrando Camila comendo morango com um olhar distante. Me aproximei devagar e deixei um beijo em seu rosto fazendo ela voltar a realidade.

-Oi. (disse e ela voltou a comer a fruta)

-O que você quer? (ela perguntou e eu neguei)

-Queria saber o que eu peço pra comer, já que ninguém almoçou. (disse e ela deu de ombros)

-Vê com as meninas. (ela disse e eu assenti)

-Você quer pizza? (perguntei e ela negou)

-Lauren, fala logo o que você quer. (ela disse áspera e cocei a nuca)

-Eu só queria resolver a gente assim. (disse e ela riu fraco)

-Há dois meses eu estava tentando resolver, agora quem não quer assunto sou eu. Não vou discutir, cobrar nada ou qualquer coisa do tipo, quer viajar? Viaja, quer sumir? Some, só não enche minha paciência. (ela disse e saiu da cozinha me deixando sozinha)

-É Lauren, acho que você perdeu. (murmurei sentindo as lágrimas caírem)

...

Pov Camila

Acordei sentindo a cama vazia e levantei vendo Lauren sentada ao lado da cama dormindo, cutuquei seu ombro e nada, era estranho ela estar essa hora em casa. Fui escovar os dentes e voltei para o quarto ainda encontrando ela na mesma posição, que nitidamente era desconfortável. Me agachei na frente dela e acariciei seu rosto, por mais magoada que eu esteja, não consigo deixar de me preocupar com essa branquela.

-Lauren? Acorda, vai ficar com dor nas costas. (disse sentindo ela despertar devagar)

-Hmmm...Porra...(ela murmurou abrindo os olhos devagar)

-Calma, levanta devagar. (disse e beijei sua testa)

-Merda. (ela reclamou levando a mão até as costas)

-Vem, levanta. (disse ficando em pé e senti seu olhar no meu corpo)

-Bom dia. (ela disse com aquela voz rouca e levantou)

-Bom dia, acho que você perdeu a hora. (disse e ela se jogou na cama)

-Caralho, que saudade dessa cama. (ela disse agarrando meu travesseiro)

-Por que dormiu no chão? (perguntei e ela me olhou)

-Não queria incomodar, mas também não queria dormir longe de você. (ela disse e eu assenti)

-A cama também é sua. (disse e ela assentiu)

-Mas eu sei que você não me quer perto, respeito isso. (ela disse e eu suspirei)

-Você pode dormir na cama, só não tenta nada. (disse e ela assentiu sorrindo fraco)

-Vai na escola? (ela perguntou e eu assenti)

-Vou resolver a transferência das meninas, elas não vão voltar pra aquela escola. (disse e ela assentiu fechando os olhos)

-Eu levo você. (ela disse e fiquei olhando confusa)

-Você não está atrasada pra academia? (perguntei e ela apertou o membro por cima da cueca)

-Não vou, quero ficar com vocês. (ela disse me olhando)

-Hm. (murmurei e fui para o banheiro)

...

Chegamos na escola tem quase meia hora, a diretora está resolvendo todos os documentos com uma cara de cínica e minha mão está coçando pra voar na cara dela. Lauren está segurando minha mão desde que chegamos, eu já tentei soltar quatro vezes, mas ela disse que não é seguro.

-Aqui os documentos e só pra avisar, a escola foi notificada pela delegacia. (ela disse me entregando o envelope)

-Fico feliz por isso, negligência também é crime. (disse e ela revirou os olhos)

-Sinceramente, duvido que alguma escola aceite sua filha, fizemos um favor e olha como fomos recompensados? A escola com um processo e eu com um porque sua filha não aceita uma brincadeira do meu filho. (ela disse levantei respirando fundo)

-Brincadeira? Minha filha está cheia de hematomas pelo corpo. (disse sentindo a raiva aumentar)

-Hematomas causados por ela mesma, quem mandou brigar? (ela disse e vi Lauren trincar o maxilar)

-É melhor ficar quieta, não vou me importar de processá-la mais uma vez. (Lauren disse me levando para a porta)

-Vão pela sombra e cuidem bem dessas garotas, o mundo não está preparado para... aberrações. (ela disse e soltei minha mão de Laur)

Num único momento de distração da Lauren, voei no cabelo dela puxando com força jogando-a no chão e dei quatro socos no meio da cara antes de sentir Laur me puxar. Mesmo assim ainda deixei alguns arranhões e mais cinco socos antes da Laur conseguir me tirar de cima dela, mas consegui dar três chutes vendo seu rosto cheio de sangue e escutar seu gemido de dor.

-Me solta agora Michelle. (disse séria e Laur apenas obedeceu)

-Calma. (ela disse e olhei a diretora caída no chão)

-Nunca mais abra sua boca pra falar algo das minhas filhas, você não me conhece e tenho certeza que não vai querer conhecer com raiva. (disse e taquei o dinheiro em cima dela) Mensalidade desse mês, boa sorte pra conseguir um emprego, vai precisar.

-Camila, me espera. (escutei Laur falando enquanto eu andava no corredor)

-Tá pra nascer quem vai fazer mal para as minhas filhas e eu deixar isso barato...Mudo meu nome se ela não rastejar por emprego.


Notas Finais


O que acharam???😍😍😍❤

Pra quem achou que a diretora tinha preconceito também, acertaram.🙄🙄💔

E a Laur com as meninas? Será que agora vai? 😥😥😍❤

É Laur, a Camz está muito machucada. 💔😞😪
Acho que deu pra perceber que apesar de tudo a Camila não deixa de se preocupar com a Laur ou de amá-la, mas obviamente nenhum relacionamento sobrevive só de amor. 😐💔💔

Então Camila, será que a diretora entendeu o recado ou quer que você explique novamente? 😂😍😍🥊

20 COMENTÁRIOS SOBRE O CAPÍTULO
COMENTEM ESSA BAGAÇA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...