História NEVER LET ME ALONE - jihope - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Hopemin, Hoseok, J-hope, Jihope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Sope, Taehyung, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 181
Palavras 1.413
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, postando a continuação do capitulo anterior. Que infelizmente demorou um pouco mais do que eu esperava.

⛔ Observação: ⛔
A moto do Jimin é uma preta. Para ser mais detalhista é uma Honda CG 150. Não que necessariamente seja dessa marca mas o modelo é o mesmo. Só pra vocês terem uma noção. É uma moto bem simples.
O carro do Namjoon é um Nissan March azul (que ele comprou com muito sacríficio, na verdade continua pagando) rs.

✨ Boa leitura! ✨

Capítulo 6 - Kim Namjoon, O Psicólogo


APENAS UMA NOTA:
Aos meus dezoito anos, JK havia falecido, e eu de todas as formas possíveis tentei superar sua morte. Comecei pegando cigarros da gaveta do escritório do meu pai. Mudei o corte e pintei meu cabelo, na esperança de me sentir melhor comigo mesmo, ou talvez, tentar parecer com outra pessoa. Passava horas na rua conversando com estranhos, até que conheci Seokjin. Ele sempre foi muito popular, principalmente com as mulheres e foi ele que me fez conhecer a primeira garota com quem já transei. E sinceramente eu nem consigo lembrar seu nome. Na noite em que tudo ocorreu eu estava muito nervoso, pois eu sabia no que aquela noite terminaria (eu e uma garota em um quarto qualquer para um sexo casual). Isso mesmo, nada de amor envolvido. Só fazer por fazer. Parte de mim aceitava bem aquilo e outra parte me dizia que fazer o ato com uma estranha não faria com que eu me sentisse melhor. Com certeza haveria o prazer. Mas depois que tudo terminasse, o vazio continuaria dentro de mim. A minha inocência com certeza não existia mais. Eu era um assassino. Assassinos são qualquer coisa, menos inocentes. Eu bebi muito naquela noite, como jamais havia bebido. Sim, eu o fiz.
A experiência foi boa. Foram alguns minutos, que tornaram-se horas. Que acabou resultando num breve esquecimento dos acontecimentos da minha vida. Era só prazer e era gostoso. 
Acabei me apegando nisso, acreditando que eu poderia esquecer de tudo. Se eu fizesse sempre, se eu continuasse com aquilo então talvez um dia eu conseguiria esquecer tudo completamente? Foi no que acreditei e segui, a risca. Todos os dias. 
Nunca contei ao Jin sobre meu irmão. Na verdade nunca contei a ninguém. 
Através do Jin conheci vários tipos de pessoas e entre festas e festas, aprendi a beber e experimentei diversos tipos de drogas. O que sempre me surpreendeu foi que parte de mim, se arrependia disso e me fazia recuar. Eu tinha câncer e meu irmão havia perdido sua própria vida apenas para me salvar. Apesar de querer morrer, algo dentro de mim me impedia de me afogar completamente naquele mundo. Meu corpo e consciência me permitiam: cigarros, bebida e sexo. Por hora, aquilo era o suficiente. 
----------------------x--------------------

O fato de Jung Hoseok ter me "aceitado" como seu amigo me fez ficar feliz e ao mesmo tempo decepcionado. Hoseok não demonstrou uma reação significativa quando eu lhe contei sobre o beijo da noite passada. E até certo ponto, eu estava apenas brincando com ele, e bom, aquele leve sentimento de decepção, eu não conseguia entender, apenas, sentir, ele estava dentro de mim. Eu entendo que ele não estava lúcido e o fato daquele beijo ter me afetado tanto fazia com que eu sentisse desespero, angústia e dúvida. Nada do que havia acontecido na noite anterior saia da minha cabeça e eu sentia uma vontade imensa de vê-lo novamente. 

"Calma Park Jimin, respire fundo." - pensei comigo mesmo. 

Eu havia acabado de chegar em casa. Eram 07:21 da manhã e o sol já estava no céu. 

Eu esqueci completamente do que havia ocorrido com minha mãe e só conseguia pensar no sorriso de Jung Hoseok, em seu beijo e a forma como havia agido durante toda a madrugada. 

Assim que abri a porta do meu quarto, me joguei na cama. E era ótima aquela sensação... apesar do desespero, também havia alguns tons de felicidade por dentro, que à muito eu não sentia. O cheiro de cigarro no ar. O lençóis macios em baixo de mim. Tudo estava perfeito e aconchegante. Acabei pegando no sono.

O relógio marcava 17:38. Abri os olhos bem devagar. Os mesmos pesavam, como se eu tivesse dormido durante semanas. Me virei e peguei o celular que estava em cima do criado-mudo. 

Haviam algumas mensagens e uma chamada perdida de Kim Namjoon. Olhei no relógio, e lembrei que havia pego seu carro emprestado e seu turno estava prestes a acabar. 

Levantei da cama em um pulo, fui ao banheiro, joguei água no rosto e peguei a chave do carro rapidamente. Cheguei à loja em vinte minutos e Namjoon me esperava em frente mexendo no celular. 

- Namjoon, sinto muito, eu dormi e acabei esquecendo de colocar o relógio pra despertar. Desculpe não ter atendido sua ligação. -falei sem fôlego, estendendo o braço em direção à ele, segurando a chave. 

- Tudo bem Jimin. Está atrasado só dez minutos. -Namjoon pegou a chave da minha mão e deu um leve sorriso - E também, você é muito prevísivel, sabia que iria atrasar. - em seguida ele deu risada. Então sorri:

- Aaah Joon-ah, é sempre bom contar com você. Sabia que não haveria problemas se eu atrasasse. - O mesmo parou de rir e ficou me encarando. 

- Estou brincando Joon. Prometo que não vou mais abusar de você. -respondi.

- Quero só ver. -Namjoon voltou a mexer em seu celular por um segundo e logo em seguida, continuou:

- Ah Jimin, deu tudo certo com o cara bêbado? -Namjoon deu risada. E eu senti um leve beliscão no estômago.

- C-claro que sim. -respondi. O sorriso que eu tinha no rosto fora apagado. 

- Você está bem Jimin? Aconteceu alguma coisa? -perguntou Namjoon.

- Ah, é só que... Eu e Hoseok viramos amigos. -respondi, coçando a cabeça. 

- Então o nome dele é Hoseok... Que bom. Acho que vocês se combinam mesmo, já que você vive bêbado -disse ele dando risada. -Vocês tem muito em comum. -E eu, continuei sério, olhando para o horizonte.

- Joon, como é ficar com um homem? -Eu não havia pensado antes de perguntar, as palavras apenas sairam e fiquei surpreso comigo mesmo. Namjoon também ficou sério e começou a olhar pra baixo, não mais olhando pra mim. 

Kim Namjoon era um ano mais velho que eu e bissexual. Ele escondia de seus pais, mas entre nossas conversas no expediente, ele acabou me contando sobre um cara com quem havia saído. Eu nunca tive preconceito, mas também, nunca pensei em ficar com alguém do mesmo sexo que eu e até aquele momento eu não tinha curiosidade alguma.

- Por que você quer saber? -perguntou ele.

- Só curiosidade... -respondi. O mesmo agora me encarava com uma expressão de dúvida no rosto. Talvez eu fosse realmente previsível, pois Namjoon continuou me olhando como se conseguisse ler minha mente. Ele sabia que não era apenas curiosidade.

- É que... Esse cara, Hoseok. Eu o conheci em uma festa. Nós brigamos por causa da irmã dele. Acabei machucando ele seriamente e pensei que nunca mais o veria de novo. Mas ontem ele veio até a loja, e você sabe, ele estava bêbado. No meio de tudo isso, ele acabou me beijando... -expliquei, sem jeito. -E Joon, eu não sei como, mas esse cara, me tira do sério. Eu não consigo parar de pensar nele. Foi o primeiro cara que me beijou e foi.. não sei... apenas diferente. -Olhei pra baixo pondo a mão direita sobre a nuca.

- Jimin... -O mesmo se aproximou um pouco, olhando em meus olhos. -Não é porque você beijou um cara uma vez que você é gay, ou bissexual. -olhei pra ele. -Esse beijo te afetou, porque foi a primeira vez que você beijou um cara e você não esperava por isso. -o mesmo deu um leve sorriso, sem mostrar os dentes. -Não se preocupe, se ele te beijou e você gostou, bom, foi apenas mais uma boca, não é? -disse ele. -É o que você sempre diz depois das suas farras: "Ontem beijei muitas bocas". -o mesmo deu risada e colocou a mão direita sobre meu ombro, para me confortar. 

- Obrigada Namjoon. -respondi. Retribuindo, colocando minha mão sobre o ombro dele. -Você tem toda a razão. -sorri e comecei a me distanciar dele, acenando. -To indo embora Joon, valeu pelo carro.. E também por todo esse papo de moral, você seria um bom psicólogo. -ri. -Acho que não vai ser hoje que vou sair do armário. -continuei, e o mesmo deu risada acenando de volta. Subi em minha moto, que estava parada na calçada da loja desde a noite anterior e fui embora.

"Tudo bem Park Jimin, Namjoon tem toda a razão, você só está em choque porque um homem te beijou, é só isso", pensei em quanto o vento e o sol batiam em meu rosto. O sol já estava quase se pondo e em algumas horas eu iria ver o meu "amigo" novamente. 
 


Notas Finais


É Jimin, seu amigo tentou te tranquilizar mas acho que esse psicólogo não ta muito certo não ein... rs

Espero que tenham gostado. Obrigada por ler até aqui.

🌻Até o próximo capitulo!🌻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...