1. Spirit Fanfics >
  2. Nevoeiro >
  3. Descoberta

História Nevoeiro - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Eai, bom, pra começar, muito obrigado por escolherem lerem a minha história, isso é muito importante pra mim. Não é a primeira vez que escrevo mas espero ser a primeira vez que eu termino uma história. E, não, não tenho data certa pra continuar postando, mas vou postar o mais rápido possível. Sem mais delongas, espero que gostem :3

Capítulo 1 - Descoberta


A estrada sempre estava escura de noite e Vinicius sempre mantinha os faróis do carro acessos desde que atropelara um cervo acidentalmente. Ele ainda se lembrava de como o sangue voou para sua boca aberta enquanto o cervo lutava em vão para se manter vivo. A lembrança revirou-lhe o estômago. Sua esposa Suellen havia ligado mais de 17 vezes e em todas elas ele deixou que caíssem na caixa postal. A cidade começava a se expandir, deixando as árvores para trás dando lugar ao simples comércio de um pequeno bairro nas montanhas. Passava das nove e não existia vivalma nas ruas, com exceção das prostitutas nas esquinas. Todos conheciam aquelas mulheres, afinal, a fofoca é ainda mais rápida quando o espaço é limitado. 

Eram todas iguais. Magras, finas e viciadas em algum tipo de substância, as roupas indecentes e bolsas grandes demais para os pequenos corpos. Suellen ligou novamente. Vinicius ignorou novamente. As putas deram sinal novamente. E os olhos do homem pousaram em um garoto parado na esquina do mercado da Márcia, vestido apenas com uma boxer preta e camisa polo aberta, exibindo o peitoral do garoto. 

Vinicius tentou fazer como sempre fazia quando avistava as putas famintas. Ele realmente tentou deixar o jovem pra lá e seguir para sua confortável casa na rua 12. Podia até ouvir as risadas de seus filhos Laura e Mateus, o cheiro do risoto de sua esposa e os sons de sua TV de LED que mesmo naquele fim de mundo pegava mais de 1.000 canais. Mas ele não pôde. Parou seu Onix Plus premier azulado e pediu para o garoto subir. Suas sobrancelhas subiram com a surpresa de ser requisitado, mas só por um segundo pois ele entrou de prontidão no banco do carona.

- Qual seu nome? - Vinicius perguntou quando o silêncio se tornou insuportável.

- Raphael. - O garoto respondeu, hesitante. Parecia que era a primeira vez que se prostituía. - Me desculpe por perguntar, mas... Aonde estamos indo?

- Bom, não tem nenhum motel aqui, então tô indo pra floresta. Por que? Algum lugar em mente? - Pela primeira vez, o homem fitou seu acompanhante. Ele era realmente muito bonito. As sobrancelhas grossos sobre os olhos castanhos, a pele dourada iluminada pela luz dos astros, o nariz reto, maxilar levemente definido, cabelos negros e a boca. Ah, a boca tão bela e macia. Tão bem desenhada, com os lábios carnudos e rosados. Uma delicia.

- Não, na verdade não.

E eles finalmente chegaram a uma parte afastada da floresta, apenas um poste iluminando o carro. A cor amarelada deixava Raphael ainda mais belo. Vinicius desligou o carro e despiu-se de sua camisa, colocando a peça com cuidado no banco de trás. Deitou seu banco e chamou o garoto para se sentar em cima dele.

Ah, a sensação da pele sobre seu corpo levava o homem à loucura. Tão quente, o pênis tão duro. A camisa polo do menino fazia cócegas em sua barriga. Vinicius começou a passear sua mão sobre o tórax de Raphael, depois sobre seu abdômen, seguido pelas coxas fartas. Ele percebeu como o garoto se diferenciava de sua esposa. Ela não era tão gostosa assim. Seu corpo não o excitava tanto quanto o dele. E por fim, encostou levemente no pau do menino. Duro e quente e os dois gemeram e ambos melaram as cuecas de pré gozo. E esse pequeno contato fez com um tesão incomparável tomasse conta do corpo de Vinicius. As bocas se encontraram em um beijo sem pudor, sem carinho, apenas desejo. E ele estava certo, aqueles lábios eram realmente macios e doces e a língua tão quente. Os pênis se encostaram ainda cobertos arrancando deles gemidos abafados belo beijo.E então, como um passe de mágica, as roupas já não se encontravam mais em seus corpos e tudo o que existia era aquele momento.

Raphael conseguiu com muito custo se enfiar entre o volante e os pedais para chupar aquele desconhecido. Era um pênis realmente grande e realmente gostoso. Ele abocanhou o pau e enfiou de uma vez até a garganta, tentando não se engasgar. Pelo menos era um homem limpo e cheiroso, pensou Raphael. Com movimento cuidadosos, começou a movimentar a cabeça em um belo movimento de vai e vem, alternando em estocadas, lambidas e punhetas. O menino era muito bom, pois havia quase 10 anos que não gemia tanto com um boquete, mas ele queria mais, precisava de mais. Puxou os cabelos do garoto até livrar seu membro daquela boca quente e agora inchada. E o menino sorriu, o pau babando sobre suas pernas ajoelhadas, necessitado, doido pra ser preenchido.

- Vai me comer agora? - E aquela carinha inocente foi sua deixa.

Vinicius pegou a camisinha que mantinha escondida em um rasgo na parte inferior de seu banco, rasgou-a com os dentes e colocou-a em seu pau latejante. Raphael subiu em cima dele, masturbando seu pênis lentamente, se lubrificando com a própria saliva. E o homem já estava se adentrando naquele orifício apertado, gemendo com rouquidão, sentindo como eles se encaixavam com perfeição, algo que nunca sentiu antes. Ele se sentiu completo. Não na vida, não como algo romântico, mas ele sentiu aquele prazer que todos falavam, aquele tesão que os outros homens sentiam. Ele entendeu a necessidade de se sentir bem, de entrar no corpo de outra pessoa, entendeu a necessidade de gozar. E Raphael percebeu o olhar no rosto daquele desconhecido. Não apenas percebeu como já tinha tido aquele olhar. O olhar de quem se dá conta de onde pertence.

- Bom? - O garoto perguntou, apenas para brincar.

-Porra... Acho que é a melhor transa da minha vida! 

Raphael entendeu aquilo como uma permissão e assim começou a mover os quadris, rebolando, arrancando gemidos gostosos do outro, e depois subiu levemente apenas pra sentar com tudo naquele pau grosso. Ele não podia negar. Era uma das melhores transas de sua vida também.

E no meio daquele ato carnal, daquele sexo tão casual, Vinicius gozou uma, duas, três vezes, sempre querendo mais. Duas horas se passaram e o cansaço tomou conta dos dois, deixando-os moles e sorridentes, sujos e relaxados. Vinicius puxou de sua carteira 3 notas de 100 e duas de 50 enquanto Raphael se vestia novamente com a camisa e a cueca boxer, agora já seca.

- Acho que isso é suficiente, não? - Perguntou Vinicius, estendendo o dinheiro para o mais novo que analisava a quantia. - Tem 400 pratas.

- Isso é o dobro que eu costumo cobrar por duas horas... - O menor respondeu, envergonhado. Precisava do dinheiro mais que tudo, era verdade, mas não era justo com o Sr. Desconhecido.

- Acho que você merece, por ter me dado uma ótima noite. Agora, se não quiser, simplesmente não aceite.

- Bom, já que você diz... Eu aceito sim! - Respondeu ele, abrindo seu maior e mais sincero sorriso.

- E outra coisa. - Começou Vinicius - Pode me passar seu número? É muito provável que eu te chame mais vezes.

Raphael entregou à ele o Samsung surrado de segunda mão que havia comprado com muito custo.Ele salvou o homem como ''Sr. Desconhecido cheio da grana'' e mandou para ele um oi. Já Vinicius salvou o contato como ''Mini professor''; Para ele fazia todo o sentido. Um garoto tão pequeno e jovem que o ensinou tanta coisa...

Raphael foi deixado na mesma esquina onde foi encontrado, recebendo um '' Eu te chamo amanhã. Boa noite.'' como despedida. Vinicius voltou para casa, torcendo pra que sua mulher estivesse dormindo e ele pudesse tomar um banho em paz, sem precisar dar explicações sobre seu atraso e o motivo de seu corpo estar impregnado com o cheiro de outro homem.

E na calada da noite, Vinicius dirigiu seu carro na estrada neblinada, a mente completamente nublada.


Notas Finais


Foi isso... Espero que tenham gostado. Qualquer erro podem me avisar aí nos comentários, aliás, comentem alguma coisa aí, isso aquece o coração desse carinha aqui. E só mais uma coisa: essa semana vou publicar essa mesma história no Wattpad, assim que eu publicar lá eu trago o link pra vcs. Até o próximo, muito obrigado mesmo por lerem :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...