História New Avengers - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Capitão América, Homem de Ferro (Iron Man), O Incrível Hulk, Os Vingadores (The Avengers), Thor
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton (Gavião Arqueiro), Dr. Bruce Banner (Hulk), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Lady Sif, Laura Barton, Loki, Maria Hill, Mulher-Hulk Vermelha (Betty Ross-Banner), Natasha Romanoff, Nick Fury, Steve Rogers, Thanos, Thor, Visão
Tags Adolescentes, Avengers, Jovens, Marvel, Mutantes, New Avengers, Nova Geração, Novos Vingadores, Pepperony, Poderes, Romanogers, Thanos, Vingadores
Visualizações 38
Palavras 2.258
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


hey guys!!

espero que gostem do capítulo de hoje, eu me animo muito com os capítulos de diálogo e acabo estrapolando!

desculpem qualquer erro, meu braço tá com muita dor e escrever ficou um pouco difícil :c

enfim, aproveitem! & chequem o tumblr: newavengers-blog!

Capítulo 11 - Festa do Pijama


Era madrugada. O clima de Nova York estava frio, e os jovens que voltaram de Asgard estavam cansados. Escolheram dormir na mansão Stark ao invés de voltar tarde para SHIELD e levantar questionamentos sobre os seus machucados.  

Eles resolveram limpar-se enquanto Howard pedia à Sexta-Feira preparar a enfermaria. Ele havia separado as roupas para as meninas há pouco e estava esperando elas. Teve que pegar do closet de Scarlet, claro, mas contando que ela não descobrisse, tudo iria ficar bem.

- Como você tá, Ed? – Howard perguntou ao seu amigo que estava em seu quarto, com a roupa já emprestada.

- Frustrado – ele resmungou e se jogou na cama – Parece que a ideia de resgatar nossos pais está cada vez mais distante.

- Não pensa assim, cara. Temos as pedras, tentamos de novo amanhã.

- E se não conseguirmos? Vamos ter que sangrar até que dê certo?

- Talvez – Howard respondeu – Não podemos desistir.

- Eu sei, mas cada vez que não dá certo eu fico com raiva. Muita raiva – explicou – Não quero surtar, Howl. Não quero machucar ninguém.

- Você não vai. Eu confio em você. Todos confiamos.

Edward jogou o travesseiro em seu próprio rosto e afagou seu grito.

- Você não entende, Howard. Não sabe como é ter um monstro dentro de ti.

- Calma, Shrek. Você é mais do que essa sua parte-Hulk, mas ela ainda é parte de ti. Não pode reprimir ela.

- Eu te odeio.

- Também te amo, Shrek – Howard lançou um beijinho para o amigo – Ainda tá fazendo terapia?

- Não tive tempo para ir.

- Cara, cê tem que voltar a fazer. Yoga também.

- Eu sinto falta do yoga, realmente – Edward sorriu.

- E eu sinto falta de te var tranquilo. Você merece relaxar.

- Todos merecemos.

- Isso é verdade! Daqui a pouco chamamos as meninas para ir na enfermaria, fazer um curativo e passar algum remédio.

- O meu quase se fechou – Edward responde.

- Suas mãos ainda estão queimadas?

- Quase totalmente cicatrizada, não se preocupa. Como tá seu machucado?

Howard ergueu sua mão para mostrar a Edward e foi surpreendido por ver que o corte estava no estágio de cicatrização avançado.

- Estranho.

- Você é estranho!

- Eu posso virar verde, cara. Você se curando super-rápido? Novidade.

Howard revirou os olhos.

- Eu odeio esconder coisas de você – o Stark resmungou – Achoquetenhopoderes.

- QUÊ? – Edward levantou surpreso.

- Eu sei!

- Como assim? Desde quando? Você tá bem?

- Senta aí, cara. Vou te contar tudo.

Enquanto os dois amigos conversavam, as três garotas também dividiam um quarto.

Julie estava exausta demais, logo que deitou na cama pegou no sono. Não estava preocupada com machucados, eles iriam curar-se naturalmente.

- Ela tava bem transtornada hoje – América comentou.

- Oi?

- Juliette. Ela ficou bastante nervosa depois que não conseguimos salvar nossos pais.

- Todos estávamos.

- Você entendeu.

Charlotte acenou. Seus olhos lacrimejavam e sua mão latejava devido ao corte. Seu rosto estava vermelho, e ela não queria fazer contato visual com América para que percebesse que estava a beira do choro.

- Você tá bem, Charlie? – América perguntou, como se estivesse lendo sua mente.

A filha do Gavião Arqueiro respirou fundo.

- Óbvio que não! Nossos pais estão sendo torturados, Meri. Isso é o suficiente para mexer com o meu humor!

- Vem cá – América puxou a amiga para um abraço e confortou-a enquanto Charlotte se permitiu chorar.

Vendo o seu pai, tão frágil, tão humano, ser torturado acabou com ela.

- O tio Clint vai ficar bem, todos eles vão. Eles são nossos pais, vão retornar para a gente.

Charlotte não respondeu nada, consumida por lágrimas. Queria que tudo voltasse ao normal. Queria que fizessem um piquenique na fazenda aos domingos como quase sempre faziam, para que seu pai e tios pudessem esquecer o peso de proteger o mundo.

Não sabia o porquê isso estava acontecendo, e isso a perturbava. Não sabia quem estava por trás desse rapto. O que aquele ser queria com seus pais?

- Eu também não sei, Charlie.

- O quê? – Charlotte se desvencilhou do abraço, olhando para a amiga. Recompôs-se rápido do choro e olhou perplexa para América.

- Não sei o que aquela criatura queria com nossos pais. Se ao menos soubéssemos-

- Meri! Eu não falei isso!

- Como não?

- Eu pensei!

- Não, você não pensou.

- Você leu minha mente!

- Não, eu não li – América respondia, como se fosse o óbvio. A única habilidade que ela possuía eram os soros do supersoldado e da viúva em equilíbrio no seu organismo, nada mais.

- Meri.

- Charlie.

Charlotte suspirou, fazer a cabeça dura da América acreditar em algo exigiria provas.

- Vou pensar em algo, você consegue ler?

- Isso não vai dar certo – falou entre risos.

América respirou fundo e deixou sua tensão esvair. Sua amiga era um pouco esquisita, mas ela resolveu seguir os pedidos de Charlotte para que pudesse fazer com que ela se distraísse. Fazia tempo que não a via tão abalada.

Foi uma linha morta.

- Não deu certo, não tenho isso.

- Tenta de novo, mas se concentra.

Focando-se só na mente da amiga e tentando deixar sua própria livre de qualquer pensamento, em noção de segundos já começou a escutar a voz dela com algumas imagens mentais.

A arqueira sem poder se controlar, direcionou seus pensamentos à Edward. Ainda não haviam conversado direito desde que voltaram de Asgard, então estava preocupada com seu estado mental.

- Você gosta do Edward?!

- O quê?! – Charlotte ficou surpresa e corou, virando o rosto imediatamente. No mesmo momento, ficou pensado em músicas aleatórias para sobressair-se sobre seus pensamentos posteriores.

- Tô brincando com sua cara – América mostrou a língua – A não ser que...

- Corta essa!

Ambas riram, e Charlotte sentiu-se mais aliviada. Sabia que América não iria pressioná-la a falar nada que não quisesse.

- Obrigada – Charlotte abraçou a ruiva.

Queria imensamente retribuir o favor à ela, mas América mantinha-se distante, intocável e escondia suas emoções. A conhecia bem, os suficiente para saber que ela não ia derramar nenhuma lágrima até perder totalmente a esperança.

- Amigas servem para isso.

- E você é a melhor! – Charlotte a abraçou de novo – O que vamos fazer para lidar com esse seu poder-

- Senhoritas, o senhor Stark pede a presença de vocês na enfermaria.

- Estamos indo, Sexta-Feira, obrigada.

- Você não escapou dessa conversa, mocinha.

- Charlie, vamos logo.

***

Achar a enfermaria foi uma tarefa um tanto complicada, já que a mansão Stark é bastante grande e eles vivem reformando, então as garotas precisavam de um auxílio.

Ao chegar lá, sentaram nas camas que tinham sido preparadas.

- Juliette não vem? – Edward estranhou.

- Ela tá dormindo, não queríamos atrapalhar – Charlotte respondeu.

Elas haviam pensado na possibilidade de acordar Julie, mas ela realmente merecia descanso. Fora ela, afinal, que teve que efetuar todo o encantamento, e deve ter sugado suas energias.

Além do mais, ela era uma semideusa, os machucados que lhe foi causado, embora dolorosos no momento, iriam ser cicatrizados rapidamente.

- Tudo bem. Sexta-Feira, me dê o laser cicatrizador.

- Opa, opa, você vai lançar um laser na gente?

- É só em cima da ferida, ó – Howard puxou a mão da garota e tentou não corar. Pegou o laser da mão mecânica do Sexta-Feira, e passou uma pomada em cima do machucado de Meri antes de aplicar propriamente o laser.

O ferimento semiaberto dela começou a fechar-se, deixando apenas uma linha que representava a cicatriz.

- Agora passa na humana aqui!

- Todos somos humanos, Charlie – América riu.

- Sim, mas vocês tem supersoros e eu não. Nem Howard, por isso que ele aplicou antes nele.

- Hum? – Howard demorou um tempo para processar o que lhe foi dito – Ah sim, sim. Passei antes de vocês virem para cá, por isso que tá cicatrizada.

Edward segurou uma risada com essa explicação fajuta. Depois era ele que sabia mentir mal.

América ergueu uma sobrancelha para o filho do Hulk e depois para Howard. Como assim, mentindo?

- Vocês querem assistir um filme? – Howard questionou, quando terminou de fazer o mesmo procedimento em Charlotte. Sabia que nenhum conseguiria dormir, exceto Julie, que precisou de muita energia hoje e já estava repondo.

- Não, você vai passar Shrek 2 – Edward disse.

- É porque aquele filme é uma obra de arte! Seus aculturados!

- Eu não reclamei do Shrek – América falou com um sorriso de lado e Charlotte concordou.

- Isso é um complô? – Edward olhou indignado para os três e depois jogou seus braços para cima, rendido – Vamos assistir Shrek 2.

- Sexta-Feira, prepare a sala de cinema!

***

Na sala de cinema da mansão Stark, eles ajeitaram-se confortavelmente para assistir o filme. Era um jeito de distraí-los do evento que sucedeu a vinda de todos para a mansão.

Howard e Edward ficaram um tanto alvoroçados durante o filme, começando uma guerra de pipoca quando Howard, mais uma vez, olhou para o Shrek e falou: “Olha tu”.

Depois do filme acabar e Howard colocar Bee Movie, todos dormiram. Charlotte e Edward estavam inclinados um para o outro, e ele levantaria para tirar foto e encarnar com a fofura depois, mas estava em uma situação semelhante.

América havia encostado sua cabeça no ombro do Stark e cochilado, então ele estava com medo de mexer em qualquer maneira para acordar ela.

Seu coração estava descontrolado, acelerado, e esse era o efeito de América.

De repente, tomou um susto quando quem se mexeu foi ela. O celular dela vibrou e ela acordou. Sem saber o que fazer, Howard fingiu que estava dormindo também.

Escutando o click do celular, América foi embora da sala de cinema. Acontece que ela havia recebido uma ligação de seu irmão e retirou-se do cômodo para retorná-la.

- Mano, tá tudo bem? – ela perguntou preocupada, já era tarde para seu irmão ligar.

- Oi. Tá sim. Queria saber se tá tudo bem contigo.

- Comigo? – América riu – Tá tudo bem sim, maninho. Você tem que dormir, não pode ficar acordado essa hora.

- Eu sei, eu sei. Já vou dormir, só escutei barulhos vindo do seu quarto e quando fui lá ver, você não tava lá.

- Veio barulho do meu quarto? Que tipo de barulho?

- Não sei, pensei que tava procurando roupa ou algo do tipo. Os quartos realmente precisam ser mais selados, dá pra escutar tudo!

- Dave, você escutou barulho de arrombamento da minha porta? Quando foi no quarto, viu algo fora do normal?

- Não lembro, deixa eu ir lá de novo-

- NÃO! Fica no seu quarto e se tranca. Só abre a porta para quem você conhece.

- Tá bom, senhora.

- Tô falando sério, Dave. Você tem que ficar seguro.

David suspirou do outro lado do telefone.

- Eu sei. Quando você vir, pode trazer cookies para mim?

- Posso sim. Quer que eu leve para Lizzie também?

- Pode ser – ele bocejou – Boa noite.

- É quase de manhã. Dorme bem.

América desligou o celular e respirou fundo. Mais invasões, possivelmente. O que alguém iria querer em seu quarto? Será que os outros também poderiam ter tido seus quartos invadidos?

Pensativa, a ruiva foi para uma varanda que tinha, sentindo o ar frio que essa cidade fornecia. Fechou os olhos e sentiu seu corpo relaxar.

De repente, sentiu alguém tampar seus olhos, e como reflexo, empurrou a pessoa. Com sua mente. Não esperava ver Howard quase caindo da varanda.

- Você quase me jogou daqui! – Howard falou, surpreso. Seu coração, novamente, estava à mil. O efeito de América era desencadeado por maneiras diferentes.

- Você me assustou! – a garota se defendeu, erguendo seus braços.

- Como você fez isso? Nem me tocou.

- Amanhã eu te conto, Howie. Tô cansada demais para isso.

Howard olhou manhoso para ela.

- Tudo bem – resolveu não insistir, sabia que América só iria se abrir quando estivesse confortável. Acompanhando ela ao quarto, continuou: – Você gostou da festa de pijama improvisada? Temos que repetir mais dessa dose.

- Definitivamente. Da próxima vez deve ter um debate para escolher um filme.

- Você concordou comigo!

- Antes de eu perceber na metade do filme que eu lembrava de todas as falas! Foi perturbador. Você nos forçou muito a assistir esse filme.

Eles riram e Howard olhou para o chão, sem jeito. Não sabia lidar com o que acontecia com ele quando estava com ela.

- Você tirou foto minha? – Howard questionou. 

- Claro que sim! Você fica muito engraçado quando está dormindo.

- Com licença, eu sou muito engraçado acordado também, okay?

- Okay.

Subitamente, Howard ficou quieto. América queria até saber o que passava na mente dele, mas era uma invasão fazer isso conscientemente. 

- Você tá bem, Howard? – América questionou. Howard é bem sensível, então era óbvio que ele também estava bem abalado com tudo.

- Tô sim, ruiva. Na medida do possível. Sei que vamos conseguir solucionar tudo se ficarmos juntos. Todos nós.

- Você tem razão. Se quiser conversar sobre algo, pode chamar – falou, chegando ao quarto de hóspedes onde iria dormir.

- Disk Rogers, é?

- É. Boa. Noite.

- Boa noite. Dorme com os anjos e sonha comigo! – Howard riu e lançou uma piscada para ela.

- Vou pedir para Scarlet bloquear esses sites de paquera genéricos! – América riu junto, com seu rosto corado.

A ruiva entrou no quarto e fechou a porta, alheia ao sorriso bobo que deixou estampado no rosto de Stark. 


Notas Finais


gostaram?? n gostaram???? espero que comentem!!!

novamente, espero que chequem o tumblr: newavengers-blog.

that's all folks!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...