História New Chances - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), Emma Swan, Henry Mills, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Swanqueen Ouat
Visualizações 16
Palavras 1.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Estou de volta com mais um novo capitulo para vocês!!!

Capítulo 4 - Capitulo 4


Hospital psiquiátrico de Storybrook

 

- Henry até quando você irá ficar com isso? – Perguntou doutor Jones.

- Não por muito tempo mais. Ontem escutei uma conversa entre Cora e o Marido de Regina, onde eles confessaram algumas coisas que eu desconfiava. – Henry respondeu ao seu amigo.

- E o que você pretende fazer? – Pergunta o médico.

- Estou pensando o que irei fazer, por enquanto vamos continuar com o plano, eu sendo um louco. Assim que souber o que fazer direi a você. Agora tenho que voltar para o meu quarto, minha querida esposa deve está me esperando.- Disse o velho homem senta-se em sua cadeira de rodas, refazendo seu “personagem”.

 

Escritório SportFood

 

- Senhorita Emma posso entrar? – Henry disse batendo na porta de Emma e esperando a autorização.

- Sim Henry entre. – Emma respondeu.

- Está aqui alguns esboços da nova roupagem das franquias, usamos algumas coisas da antiga e melhoramos outras. – Disse o garoto.

- Sensacional. Vejo que tive uma ótima ideia em está autorizando esse projeto aqui na empresa. – A loira disse sorridente olhando alguns esboços e vendo qual seria o melhor.

- Obrigada, trouxe quatro modelos, que foram os que julgamos os melhores no momento. – Concluiu Henry.

- Sim, estarei reunindo com a Ruby para escolhemos qual ficará mais adequado, assim que decidimos avisaremos a todos vocês.

- Sim tudo bem, estarei avisando aos meus colegas. – Até Mais!

- Até garoto. – Emma respondeu e viu aquele menino sair pela porta, e pensou como ele se parecia com ela, não em aparência, mas nos jeitos, ela havia pegado o desenho que ele fez e pode perceber que até seus traços eram parecidos com o dela. A forma com que cada traço era desenhado, uns mais fortes que os outros, emoções eram passadas em cada traço, Emma se sentia uma adolescente novamente a ver aquilo,

Henry fazia com que ela revivesse o passado.

 

17 anos atrás...

Chego na casa da minha namorada, sim “Namorada, ontem fiz o pedido oficial para Regina e ela aceitou. Percebo que porta da entrada está meio aberta, me preocupo já que em questão de segurança os Mills, são os mais preocupados com isso. Chamo por Regina e nada dela responder, vou direto para o seu quarto, ao chegar a porta se encontra fechada, coloco ouvido na porta e não escuto nada, bato e não ouço nada, levo minhas mãos para abrir a porta, antes não tivesse aberto. Me deparo com uma imagem que encheu meus olhos de lagrimas, Regina estava deitada nua com outro em sua cama.

Não tinha palavras para aquilo que eu via, fui tirada do s meus pensamentos coma voz dela.

- Manu, meu amor? E você? – Regina perguntava meio atordoada.

- Meu amor? – Você ainda tem coragem de me chamar de amor? – Disse olhando para imagem de Robin ainda dormindo ao lado dela.

Regina foi abrindo os olhos e percebendo que não estava sozinha em seu quarto.

- Mas o que está acontecendo aqui? – A morena pergunta assustada.

- Eu que pergunto, o que ele está fazendo nu na sua cama. – Ainda não estava acreditando.

- Manu, eu não sei o que aconteceu, está tudo confuso. – Regina disse empurrou Robin que caiu da cama resmungando.

- Gina, por que você fez isso. – Disse simulando que tinha se assustado com queda.

- O que você está fazendo aqui? – Ela pergunta novamente.

- Você não se lembra? Me ligou ontem pedindo para que eu viesse em sua casa pois precisava conversar comigo, bebemos um pouco de vinho e acabamos aqui na sua cama. – Ele explicou sorrindo olhando para o garoto que estava parado ainda na porta do quarto..

- Isso não pode ser verdade, eu não me lembro de ter ligado para você em momento algum Robin. “Manu’, você não pode acreditar no que ele disse. – Regina disse caindo em si do que estava acontecendo.

- Não preciso acreditar no que ouvi, pois eu vi. – “Emmanuel” ainda disse atordoado e a única coisa que ele teve força foi de tirar a aliança de seu dedo e deixar em cima da mesinha de estudos da morena.

- Faça bom proveito de sua nova vida, e por favor esqueça que eu existo, não me procure nunca mais. – “Manu” disse e saiu correndo deixando uma Regina gritando por ele.

 - Por que você fez isso Gina, poderíamos ter sido tão felizes. – Emma suspirou triste.

 

Escritório Regina

 

- Poderíamos ter sido tão felizes. – Disse Regina olhando a antiga aliança que “Manu”, agora Emma havia deixado em seu quarto naquele fatídico dia. Regina não teve força de desfazer daqueles duas peças. Era uma coisa que lembrava seu único e grande amor.

Sim, ela só havia amado uma pessoa em toda sua vida, e Emma era essa pessoa. Por mais que se casou com Robin, por causa da gravidez, nunca havia amado o homem e com certeza não o amaria. Por seu pai ela nunca teria casado, mas sua mãe fez questão que casasse, não iria deixar sua filha manchar o nome dos Mills, por causa de uma gravidez não planejada.

Regina guardou a aliança de Emma dentro de uma caixinha, já que a sua ela nunca deixou de usá-la. Várias vezes seus filhos haviam lhe perguntado o porquê que sua mãe usava aquele objeto, ela dizia que havia sido um presente de uma pessoa muito especial.

Regina fechou sua gaveta com chave e antes de ir embora pegou uma pasta, onde dentro tinha sua liberdade para tentar ser feliz mesmo que não fosse com Emma.

 

Casa dos Mills

 

- Você deve está de brincadeira comigo, não está? – Isso e uma pegadinha? – Robin perguntou com os papeis do divórcio nas mãos.

- Não é nenhuma brincadeira, O que você está vendo e mais pura verdade, estou cansada de viver de aparências. – A mulher tentou falar calma.

- Aparências porque você quer. – Ele retrucou.

- Sim, por que eu quero. Já não aguento mais olhar na sua cara, estou farta de você. Farta de dormir ao seu lado, farta de tudo, eu nunca te amei, só estive ao seu lado esse tempo todo por causa das crianças. - Regina gritou o que estava instalado há tempos em sua garganta.

- Mas eu te amo Regina, sempre te amei. – Robin tentou mais uma vez.

- Não existe casamento com um só amando e você sabe bem disso. Meu pior erro foi ter casado com você por estar gravida.

- Se fosse com aquela “ coisa” que você chamava de namorado, tenho certeza que não estaria farta, não é? – Robin disse, mesmo sabendo que Regina nunca o amou, que ele nunca ocuparia um lugar no coração da mulher.

- Nunca mais fale dele. Ou melhor dela. E você está certo, se fosse a “Emma” eu não estaria me separando, estaríamos sim felizes e vivendo um verdadeiro casamento, coisa que nunca tivemos. – Ela disse cara a cara com o homem.

Robin estava começando a ficar com ódio daquela situação, ele sabia que partir do momento em que se separasse de Regina toda sua mordomia iria acabar.

- A sua querida “Emma” era tão boa que não pode te dar filhos como eu dei. – Ele retrucou tentando ficar por cima da situação.

- Ela pode não ter me dados filhos, mas sabia muito bem usar o que tinha entre as pernas, bem melhor do que você. – Regina sabia ferir uma pessoa bem profundamente quando queria.

- Sua vadia. – Robin disse deferindo um tapa na face de Mills que ao cair bateu sua cabeça na mesa da cozinha a deixando tonta e com um corte perto do seu olho esquerdo.

- Seu miserável, como ousa bater em uma mulher. – Ela tentou dizer ainda meia tonta.

- Mulher nada você e uma vadia isso sim. – Robin literalmente havia perdido o controle ele não aceitaria que Regina o agredisse daquela forma, ela então iria fazer de tudo para que ela nunca fosse feliz com outra pessoa, foi em direção ao escritório que tinha casa e pegou uma arma que ele escondia, e voltou para cozinha, vendo a mulher tentando levantar.

- Se você não ficar comigo, não ficara com mais ninguém meu bem, Robin mirou a arma para Regina que havia conseguido se levantar, mas não teve tempo de atirar pois só sentiu um corpo sobre o dele e Regina gritando.

- Henry, meu filho não. – Henry havia chegado do trabalho e estava entrando em casa quando escutou os gritos foi até a porta da cozinha e ficou vendo tudo que acontecia, quando foi tentar socorrer sua mãe, Viu Robin com uma arma na mão apontando para ela, ele deu volta pela casa e entrou pela sala já dando de cara como homem que dizia ser seu pai e que estava tentando matar sua mãe.

- Seu moleque malcriado sai de cima de mim agora. – Robin gritou, mas além de seu grito ouve outro barulho um barulho de disparo da arma.

 


Notas Finais


Henry( pai) está me saindo um ótimo ator da globo ( rsrsrs).Como sempre Robin atrapalhando o relacionamento de Regina e "Emma", no passado. Xiii.... Será quem foi que levou o tiro?E o que veremos no próximo capitulo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...