História New Light - Do Apocalipse ao Armagedom - Capítulo 9


Escrita por: , Grifizu e Zordon1711

Postado
Categorias Filhos do Éden
Personagens Personagens Originais
Tags Céu, Gabriel, Guerra, Inferno, Light, Miguel, New
Visualizações 2
Palavras 2.278
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Virtuosos Pagãos, Bem Vindos ao Limbo


Todos acordaram em uma espécie de caverna com um rio correndo por entre pedras, além de rochas cobertas de musgo verde claro. Acima deles, num teto rochoso, havia apenas uma grade que dava visão a um local parecido com um calabouço e tochas que iluminavam o local. Netero havia previsto que a batalha com Mammon não daria certo e tinha certeza que todos morreriam, bom, eles quase morreram. Kira foi a primeira a recobrar sua consciência.

- ...Onde estamos? - A Serafim olhava ao redor, procurando qualquer pista que indicasse o que havia acontecido.

- ...Hendrick? Netero? - Crowley lembrava de ser totalmente empalado por demônios, mas estava inteiro naquele momento.

- Preciso de um cigarro. - Disse Hendrick enquanto vomitava no rio.

- Mas o que...Agora não temos água potável. Ótimo. - Alucard levantara e procurou suas armas, todos estavam armados. Se questionava quem os teria prendido sem pegar seus equipamentos.

- Crowley? O que aconteceu? Eu apaguei depois daquele soco, senti que todos os meus ossosAzielam sido destroçados...Mas aparentemente, não. - Netero se sentou, fazendo com que todos se reunissem ao redor dele para dialogar.

- Eu apaguei depois de simplesmente ser empalado pelos demônios de Mammon, não consegui me defender de forma alguma. Depois disso, só me lembro de acordar aqui, e você? - Ele olhava para Hendrick, que ignorou a pergunta pois continuava vomitando no rio.

- Mammon espancou vocês, praticamente. - A Serafim olhava para cima, pros lados, mas não via nada.

- Bom...você também, já que está aqui conosco. - Disse o monge.

- Milagrosamente, eu permaneci intacta em todo momento e não foi Mammon que me fez apagar, não...Eu havia feito ele afundar no poço de lava abaixo do castelo, aliás, destruímos tudo. Ele deve estar bem estressado agora. Voltando, afundar ele na lava só deformou aquela forma grotesca.

- Ele era forte demais...Droga. - Netero olhou para cima, alguém se aproximava.

- Agora compreendo porque Sanctum apenas correu. - Crowley viu o monge olhar para cima desconfiado e fez o mesmo.

- Sanctum correu porque era apenas um covarde.

- Mammon não o deixaria preso se fosse o caso.

- Deixaria. Qual a melhor maneira de nos pegar? Eles deviam saber que estávamos atrás de Sanctum, fingiram esse golpe para nos trair, depois nos sequestrar, agora para o quê, não faço ideia.

Sanctum e Mammon surgiram acima deles.

- Você pensa bem, Nephilim. - Sanctum se abaixara nas grades para olhar mais de perto.

- Mammon! Pra que tudo isso? - Disse Crowley.

- Sinceramente? Queria vocês mortos. Mas não posso fazer isso. Ainda. - Mammon colocou a enorme mão no ombro de Sanctum, indicando para que ele levantasse - Acho que devemos algumas explicações. Sanctum, por que não fala?

- Com todo o prazer. Primeiramente, uma informação, o Primeiro Círculo já não possui um duque desde...Hm, alguns séculos?

Naquele momento, os cinco heróis tiveram o mesmo pensamento, Gabriel era um retardado.

- O duque era Belphegor. Conhecido por sua preguiça, ele deixou o cargo e foi morar junto de Leviatã em seu castelo localizado no Dite. Quando descobri isso, demorei algumas centenas de anos para subir ao poder, porém finalmente me tornei duque.

- Lúcifer não gostou disso. - Completou Mammon - Por isso, ele me ordenou que eliminasse Sanctum de vez, mas ele me fez uma proposta.

- Antes de eu quase morrer, fiz um acordo com Mammon. Eu ficaria vivo, porém preso, e ele se tornava duque do Primeiro Círculo do Inferno também.

- Eu aceitei e Lúcifer não questionou. Quando descobrimos que vocês estavam por aqui, planejamos uma emboscada e devo dizer que foi muito fácil enganar os novos recrutas de Gabriel. Eu sabia que ele havia falado sobre Sanctum e sua informação preciosa, mas o Arcanjo falhou em uma coisa...

- Ele não sabia o que se passava no Inferno.

Hendrick finalmente parou de vomitar.

- Que lindo, vocês completam as frases um dos outros. Quando será o casamento? - Disse o bêbado tentando irritar seus carcereiros, com sucesso.

- Espera...Então Gabriel nos enviou numa missão suicida? - Diz a Serafim.

- Não. Quer dizer, talvez. Gabriel só está desinformado porque não consegue entrar no Inferno. Não sabemos como vocês passaram pela barreira...Enfim, estou livre agora, Mammon?

- Hm...Na verdade... - Mammon abriu a grade e jogou Sanctum dentro da cela - Tenho outros planos para você.

- Traidor! - Gritou Sanctum.

Os cinco olhavam para Sanctum como uma matilha de lobos olha para uma presa ferida.

- Tudo que vai...Volta! Hahaha! - Crowley cogitava acabar com Sanctum ali mesmo, mas não poderia ser descuidado.

- Você realmente achou que escaparia? - Disse Netero dando um chute que lançou o velho duque na parede.

- Desgraçado...Sim...Achei que sairia livre.

Mammon não voltou mais. Eles ficaram presos por horas no calabouço, Sanctum permanecera quieto perto da fonte do rio, enquanto os outros pensavam numa maneira de escapar de sua prisão. Até que ouviram um barulho vindo de um canto da caverna. Ao olharem, viram que a parede se despedaçava aos poucos, revelando uma fraca luz vindo do outro lado. Netero e Crowley tiveram ideias peculiares.

- Ei, Sanctum, seja útil e nos diga como sair daqui. - Disse o monge.

- Não há como escapar, as grades são feitas de um metal demoníaco, pessoal do seu nível não conseguiria quebrar.

- Hm...

Crowley se aproximara da parede que emitia a fraca iluminação e usou uma tremenda força de ventania para abrir caminho. Ao mesmo tempo, Netero tentou socar a terra ao redor da grade, ao invés de tentar quebrar as barras que prendiam todos ali.

- Se afastem. - Disseram em uníssono.

A parede cedeu com a força de Crowley, revelando um longo mar de lava, e Netero fez com que a terra caísse, abrindo um caminho para eles. O monge olhava para Sanctum com uma expressão de "O que tu disse?". Todos se aproximaram do buraco que Crowley havia feito quando ouviram sons de batalha vindo do mar de lava. Voando sobre o líquido escaldante, um anjo com asas azuis cintilantes trucidava demônios lançando projéteis de luz com suas mãos, aparentava ser um mago. No buraco que Netero havia aberto, viram também outro anjo lutando contra demônios alados, não esperavam por aquilo e ficaram indecisos. O anjo que estava acima deles gritou para o outro.

- Aziel! Por onde?

- Vamos sair logo daqui! Por aqui Amael!

O anjo desceu as grades e se transformou numa enorme criatura, possuía três cabeças, uma de leão, uma de bode e outra de águia, seu corpo era como o de uma gárgula. Ele pegou todos com suas garras e os colocou em suas costas com uma velocidade incrível, menos Sanctum. O monge não sabia reagir.

- Que merda está acontecendo aqui?! - Disse Netero tentando se ajeitar em cima da criatura.

- E Sanctum? - Alucard falava com o anjo no mar de lava.

- Se me tirarem daqui, eu me junto a Rebelião! - Sanctum estava desesperado - Tenho informações úteis!

- Amael, pegue logo ele!

O ser de três cabeças chamado de Amael suspirou com a cabeça com a cabeça de leão e colocou o velho duque em suas costas.

- Podemos ir agora, Aziel? - Amael falava com a cabeça de águia, uma voz normal e um tom irônico soavam daquela.

- Venha! - O anjo Aziel voou pelo mar de lava enquanto guiava Amael. Os seis nas costas da criatura não faziam ideia do que estava acontecendo.

Eles eram levados para algum lugar enquanto sobrevoavam o mar de lava, ao olharem para trás viram o castelo de Mammon reconstruído.

- Caras, vocês devem ser muito valiosos para Gabriel. Deu um trabalho danado para chegarmos ao Inferno, haha! - Amael usara a cabeça de leão, que soava uma voz grossa.

- Esperem, Gabriel os enviou? - Disse Crowley.

- Sim, Gabriel nos pediu para que os resgatassem. - Aziel estava sério.

- Olha, já adianto as desculpas de Gabriel. - Amael dizia com a cabeça de bode, possuía uma voz mais fina, depois voltou a falar com a cabeça de águia - Ele não tinha conhecimento da situação atual do Inferno, nem como vocês conseguiriam tirar a informação desse tal de Sanctum. Descobrimos o que vocês fizeram aqui a partir de um mago, gente boa aliás, disse que se encontrou com Alucard e Crowley, nos contou o que sabia e cá estamos.

- O que aconteceu com o mago? - Perguntou Alucard.

- Deve estar indo para o Templo da Harmonia agora, graças a um feitiço.

- Que sorte por nossa parte. - Disse Kira.

- Não foi sorte, fomos fracos contra Mammon... - O monge ainda lembrava de sua luta contra o novo duque.

- Eu não acho isso! Fizeram um grande estrago no antigo castelo dele e na arena! Foi um espetáculo que eu realmente queria ter visto. - Disse o leão.

- Óbvio que são fracos. Perto de um Lorde, uma posição a menos que a de um duque, vocês não tem nem 40% de chance, imaginem contra um duque. - Aziel continuava sério e olhava ao redor procurando algo no horizonte.

- Cara, você é muito chato! - As cabeças de Amael falaram juntas, e todas riram.

- E você é o Querubim mais estúpido que conheço. - O outro anjo dizia com um tom frio, mas abriu um sorriso.

Nas horas seguintes, todos ficaram calados. O mar de lava parecia não ter fim.

- Para onde estamos indo? - Alucard pensava se pular da gárgula seria uma boa ideia naquele momento.

- Estamos voltando para o Céu. - Aziel respondeu sério, e até mesmo Amael que tinha bom humor fechou a cara.

- Ah...Quem diabos são vocês? - Hendrick estava distante em seus pensamentos desde que parou de vomitar no rio.

- Amael e Aziel. - A águia respondeu - Eu, no caso, sou Amael.

- Mas o quê? - Hendrick não entendia nada.

- Qual é, sou um Querubim de alto nível, posso me transformar nisso. - Disse o bode.

- Não nos importa se você consegue virar um felino, carneiro ou pombo, queremos saber sua ligação com Gabriel e a Rebelião. Já fomos enganados antes, prefiro me prevenir. - Crowley apertava a pele da gárgula.

- Nunca tentei virar um pombo. - Amael parecia fascinado com a ideia.

- Gabriel não falou de nós? - Aziel parecia surpreso com o fato de que Gabriel nunca os mencionou.

- Ele é um ser deveras...Esquecido da vida. - Disse Crowley.

- Pois é, está com a cabeça nas nuvens ultimamente.

- Literalmente. - Amael não perdeu a chance de fazer um trocadilho. Aziel o olhou com cara de Puta que pariu.

- De qualquer forma, eu sou o atual Príncipe do Primeiro Céu, e Amael é meu antecessor.

- Por que Amael deixou o trono?

- Eu tô aqui cara. - Disse o bode.

- Não é questão de deixar. É como uma passagem. Durante um período de tempo um anjo governa, depois outro, e assim sucessivamente de acordo com uma hierarquia. - Aziel falava enquanto fazia manobras no ar como se estivesse desviando de algo que os seis não conseguiam ver, Amael fez o mesmo.

- Parece bastante democrático, bom, mais que o Inferno. De qualquer forma, por que Gabriel os enviou? Não concluímos a missão.

- Se a missão de vocês é saber o que me perguntaram...Sobre os pontos de corrupção... - Sanctum falou surpreendendo a todos, pois tinha ficado quieto a viagem inteira - Vocês concluíram e ganharam um novo recruta. Eu disse que me juntaria a vocês se me tirassem de lá, não disse? Cumpro meus acordos.

- Tá aí sua resposta. - Disse o bode enquanto colocava a língua para fora.

- Dá pra parar de usar várias diferentes cabeças pra falar? Usa a de leão que tá bom. - Disse Alucard dando um leve soco nas cabeças.

- Ah, tá. - O leão disse com um tom magoado.

- Voltando a Sanctum... - Netero olhou para o duque - Você realmente acha que vamos confiar em você, depois de tudo que fez conosco?

- Ele vai cumprir o trato dele. - Aziel lançou um olhar letal para Sanctum, e esse estremeceu. Amael percebeu.

- Só não caga em cima de mim. - Amael balançou o lado do corpo em que Sanctum estava.

- Eu fiz um trato, um pacto, e os demônios cumprem eles. - Ele começou a sussurrar - Alguns não, na real. Mas os ajudarei. No fim, eu apenas desejava poder, talvez com isso perceba algo maior nessa miserável vida. - Um tom filosófico soava da voz do duque - Lhes mostrarei o que sei. - Sanctum pegou em sua túnica algo que parecia ser um mapa, porém logo foi interrompido por Aziel.

- Agora não, estão ouvindo isso?

Eles ouviam vários suspiros, sussurros impossíveis de se identificar, vozes que lamentavam sua vida.

- Estamos chegando.

- Só não me diga que o portal para o Primeiro Céu é uma criatura viva. - Disse Crowley.

- O quê? Não viaja cara. - A águia respondeu e logo levou um soco de Alucard, e o leão soltou um grunhido triste.

- Esses sons? São os pagãos. - Respondeu Alucard.

- Os pagãos?

Sem responder Crowley, os dois anjos seguem em um completo silêncio até pousarem em um pedaço de terra, porém escura, quase negra. O céu era uma profunda escuridão, parecia revelar uma planície de terra morta. Mais a frente, todos viram algo que mexeu com suas mentes. Duas filas enormes, de almas, seguiam andando até um grande buraco onde paravam, olhavam e pulavam dentro dele. Uma fila era de almas masculinas enquanto a outra, de femininas. Malakins, demônios guerreiros, chicoteavam as almas antes delas se jogarem, por mais que não fosse necessário.

- Estão vendo aquelas almas mais brilhantes? São de anjos. - Diz Aziel.

Alucard olhava as almas que brilhavam mias intensamente e parecia reconhecer alguém. Ele ficou imóvel, e tremendo. Netero passou o olho pela fila de almas masculinas e reconheceu duas figuras sendo chicoteadas, Leafar e Djavan, os guerreiros que conhecera em seu passado. Hendrick viu uma pequena alma com lágrimas em seu rosto, sua aura se acendeu, era Alice.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...