História New Man: University Life - Pelos Olhos de Nathaniel - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Nathaniel
Tags Alexy, Amor Doce, Armin, Castiel, Docete, Kentin, Lysandre, Nathaniel, Rosalya
Visualizações 372
Palavras 2.483
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorei pra escrever mas tá aí, finalmente a segunda parte do episódio 4 :) x

Capítulo 9 - O Show


Fanfic / Fanfiction New Man: University Life - Pelos Olhos de Nathaniel - Capítulo 9 - O Show


Continuamos a andar em silêncio em direção ao bar. Ao nos aproximarmos, pude ouvir algumas risadas vindas do lado de dentro. Na frente do bar, o local já se encontrava cheio. Pessoas conversavam animadas umas com as outras, a maioria com copos nas mãos. A noite prometia! Só precisava aguentar o show daquele cara, várias garotas gritando enlouquecidas, mas... prometia. Uma música aleatória tocava, algumas pessoas dançavam próximos a entrada.
- Já tem uma galera. - Ashley comentou, observando o local.
- Sim. Você tem certeza de quer mesmo ir? - Perguntei, afinal poderia imaginar um jeito bem melhor para passarmos a noite.
- Essa agora! Eu achei que você seria o primeiro a querer me corromper. 
- Te "corromper", eu? - Dei uma risada, divertido.
- Sim, agora o senhor quer voltar para casa! - Ashley suspirou, irritada. - Você fica fingindo ser esses caras magnéticos que passam o tempo inteiro na balada, mas na realidade é do tipo caseiro, né? - Ela me lançou um olhar desafiador.
- Caseiro? - Mordi o lábio, prendendo uma risada. - Vou ficar com o "magnético" da sua frase e vou te levar para tomar alguma coisa. Vamos ver se você continua com essa mesma impressão daqui a alguns copos. 
Ashley revirou os olhos antes de responder:
- Ou melhor, EU vou te levar para tomar alguma coisa.
- Muito bem... Pode me levar. - Dei uma risada, me divertindo com a reação dela. 
Começamos a seguir na direção do bar quando Ashley parou, de repente. Olhei na direção em que ela olhava. Ambre estava encostada na entrada.
- Oi, irmãozinho. - Ambre sorriu ao me ver.
- Oi. Você veio, é? 
- Você também está aqui. E no entanto, eu achava que Crowstorm não fosse muito o seu estilo.
- Não é mesmo o meu estilo. Um bar animado com pessoas descoladas é o meu estilo. 
Pelo canto do olho, notei a Ashley dando alguns passos para trás, se escondendo atrás de mim. Franzi o cenho, curioso. Voltei minha atenção para a Ambre.
- Não sei se vou ficar muito tempo... tem muita gente nesse lugar... quase não dá para andar lá dentro. - Ambre suspirou.
- Você tem razão. Seria melhor você voltar para casa. Seria mais sensato.
Olhei fixamente para ela, dando-lhe um aviso pelo olhar. Ambre ignorou. Ela estava prestes a responder quando uma multidão se aproximou e um empurra-empurra começou a rolar. Um cara alto empurrou a Ashley, fazendo-a ficar entre nós.
- AI! PÔ! - Ela gritou, olhando furiosa para o cara atrás dela que se afastou sem pedir desculpa.
Ambre finalmente percebeu a presença de Ashley, olhando-a com um sorriso nos lábios.
- Oh, olá, Ashley!
Ashley levantou o rosto, parecendo um pouco confusa.
- Desculpa, olá.
Ela sorriu, colocando-se ao nosso lado. Olhei ao redor, o bar ficava cada vez mais cheio.
- Você também veio ao show do Cas... - Ambre olhou para nós dois, provavelmente cogitando que nós estávamos juntos. Não era algo inédito para ela me ver acompanhado. Me pergunto o que ela estava pensando ao me ver justamente com essa garota em particular. - Vocês estão juntos?
- NÃO! - Ashley respondeu, quase gritando. 
Franzi o cenho, observando-a. 
- Claro que não. - Ela continuou em um tom de voz mais ameno. - A gente só veio junto ao show.
- Sim, era disso que eu estava falando. - Ambre riu. - As histórias e as garotas que o meu irmão escolhe não são da minha conta. E sinceramente, isso não me interessa.
- Ah, certo. - Ashley respondeu, seu rosto num tom intenso de vermelho.
Ambre se virou na direção de uma colega, falando com ela animadamente. Me virei na direção de Ashley, um tanto irritado.
- "Não, claro que não", é essa a sua resposta?
- Você esperava o quê? - Ela rebateu, cruzando os braços. 
- Uma resposta um pouco menos fechada sobre o assunto. - Pisquei, sorrindo maliciosamente.
Antes que ela pudesse responder, Ambre retornou. Conversamos por um tempo até ela decidir ir para outro canto.
- Ah, estou vendo um pessoal me chamando. Vou deixar vocês. Aproveitem a noite. 
Ela sorriu, piscou os olhos na nossa direção e se afastou. Olhei para Ashley, que observava cada passo da Ambre. Claro, elas haviam tido um passado turbulento, era compreensível o choque de Ashley ao notar a mudança da minha irmã.
- Pare de olhar para ela, você vai ficar com torcicolo. 
- Desculpa, mas ela está tão...
- Mudada? - Completei, sorrindo. - Tá vendo? Acontece com todo mundo.
- Sim, quer dizer, com vocês dois ainda mais. 
- A Ambre não se interessa mais pelas mesmas coisas. Ela tem uma vida agitada fora da faculdade. Ela está ocupada demais para continuar se interessando pelas fofocas de corredor como ela fazia naquela época. 
- É bem impressionante.
Ashley continuou a observar a Ambre quando de repente fomos empurrados por outro grupo de pessoas. Aquilo estava começando a me irritar. Empurrei com força aqueles ao meu redor. Os gritos aumentaram conforme o show estava prestes a começar. Segui a Ashley para dentro do bar, adaptando minha visão a claridade do local. O bar estava lotado. Um cara tentou aproveitar a multidão e se aproximou da Ashley, sua mão descendo em direção a bunda dela. Agi de imediato. Empurrei o cara para trás e torci seu pulso, não forte o bastante para ele parar no hospital, mas o suficiente para ele ter noção do perigo. Lancei-lhe um olhar frio, de aviso. O cara se afastou em segundos. Voltei a andar, seguindo a Ashley até pararmos num local onde não tinha muita gente -a maior parte seguiu para a frente do palco. 
- Tudo bem? Você não se machucou durante a entrada?
A observei da cabeça aos pés, verificando se ela estava bem.
- Não, tudo bem.
- Um idiota quis aproveitar para tentar passar a mão na sua bunda. - Fechei a cara, irritado.
- O quê? 
- Não se preocupe. Segurei a mão dele antes que ele tivesse tido tempo de fazer alguma coisa. Estou de olho.
- Você está falando sério? Onde ele está? Vou lá acabar com ele! 
Ela ficou na ponta dos pés, olhando ao redor do bar. Soltei uma risada um pouco alta.
- Espera, dona fera, calma! Se eu o vir por aí, te falo. Acho que ele entendeu o meu recado. Ele não vai voltar tão cedo para te perturbar.
Ashley me lançou um olhar irritado, mas ficou em silêncio. A música parou e os refletores foram ligados, direcionados para o palco. As cortinas ainda estavam fechadas, várias pessoas gritavam, pedindo o começo do show.
- CASTIEL!
- COMEÇA LOGO!
Revirei os olhos. Tão típico. 
Os sons começaram. Os integrantes da banda ainda não haviam entrado no palco, mas já podíamos ouvir as primeiras notas da música. Definitivamente não era o meu tipo. Um tempo depois, a música parou e a banda entrou, tocando juntos. O pessoal ao nosso redor enlouquecia, pulando, dançando e gritando conforme a batida da música se intensificava. Ashley ficou na ponta dos pés, observando tudo, a animação estampada em seu rosto. A música parou novamente e o idiota do vocalista, mais conhecido como Castiel, se virou na direção do público, aproximando-se do microfone. 
- Nós somos o Crowstorm.
O público surtou. Uma gritaria ensurdecedora preencheu o local, diversos corpos pulando e gritando frenéticamente o nome da banda e do vocalista. A música recomeçou. Ashley começou a se mexer, ao meu lado, batendo o pé. Seus olhos brilhavam, animados. O show prosseguiu, as músicas seguiam o mesmo estilo. A platéia enlouquecia a cada faixa, dançando animados sozinhos ou juntos de algum conhecido. Suspirei. Aquilo realmente não era o meu estilo. Eu precisava de uma bebida. Uma forte. Algo para lidar com aquilo.
- Bom, para me desculpar pelo meu atraso, vou me encarregar da primeira rodada. - Comuniquei para a Ashley, após um tempo.
- É o mínimo que você pode fazer. - Ashley respondeu, me lançando um olhar gélido.
- Não sai daqui. Não estou a fim de ficar dando uma volta pelo bar para te achar.
Ela revirou os olhos.
- Certo.
Me virei em direção ao bar, o qual não estava tão cheio quanto antes. Cumprimentei rapidamente alguns conhecidos e fiz o meu pedido. Ouvi o Castiel anunciar a última música e por fim o show chegou ao fim. A gritaria recomeçou. Respirei fundo tentando me acalmar quando finalmente as bebidas me foram entregues. Voltei rapidamente na direção da Ashley.
- Não aguento mais essa multidão, nem essas garotas histéricas gritando o nome dele na minha orelha. - Reclamei enquanto passava o copo para ela e tomava um longo gole no meu. - Vamos sair para tomar um pouco de ar fresco depois, ok?
- Certo, como você quiser. - Ela tomou um gole da sua bebida, fazendo uma careta.
- O que você achou?
- Gostei bastante.
Pff. Que previsível. Tomei o resto da minha dose, soltando uma risada debochada.
- Pra variar.
- Que foi? Tenho o direito de gostar, não?
- É o que se pode chamar de "efeito palco." - Falei, olhando para o palco. - Quando um cara fica sob os holofotes, o carisma, o físico e as atitudes dele se dissociam. 
- Você está me considerando como uma dessas fãs dele?
- Bem, é o que parece.
- Você pediu a minha opinião, e eu te dei. Se não te agrada, paciência. Continua sendo a minha opinião. 
Sorri ao ouvir sua resposta. Em seu rosto era evidente a sua reação. 
- Você é engraçada. - Comentei.
Ficamos em silêncio por um tempo, ambos envolvidos em nossa bebida. Após alguns minutos, Ashley se virou na minha direção, sem olhar nos meus olhos.
- Já volto. Vou ao banheiro e a gente se encontra na frente do balcão.
- Certo.
Ela se afastou, apressada na direção ao banheiro. Fui até o balcão, pedindo outra dose de bebida. Meia hora depois, nada dela retornar. Olhei ao redor, procurando-a pela multidão e nenhum sinal dela. Tentei ligar para ela, sem resposta.  Alguns minutos depois, deixei pra lá. Era claro que ela não iria voltar. Me virei na direção da entrada do bar, irritado, prestes a ir embora quando dei de cara com uma Ambre pálida, encostada na parede. Droga, de novo não!
- Ambre! 
- Na... Nath...
Suspirando, tentando controlar minha irritação, coloquei o braço dela ao redor do meu pescoço.
- Não aqui. Vem, vamos embora.
Nos afastamos do bar, cambaleantes. A respiração dela estava entrecortada, seus olhos estavam prestes a se fechar. Ela mal conseguia se manter em pé.
- Não acredito! E eu te falei! Que diabos você está fazendo?!
- Nath... por favor... me leva embora. - Ela respondeu, num tom baixo. Fraco.
- É a terceira vez essa semana! Não aguento mais! Da próxima vez, eu...
- Eu... eu acho que vou... 
Um barulho surgiu atrás de nós mas meu foco estava todo na minha irmã, que estava caindo desmaiada nos meus braços. 
- AMBRE! - Gritei.
Novamente, alguns barulhos surgiram atrás de mim mas não dei importância. Não ouvia nada. Não prestava atenção em nada além da minha irmã. Com dificuldade, segurei o braço da Ambre, sentando-a com cuidado na calçada, encostada na parede. Me inclinei na direção dela.
- Caramba, Ambre! Acorda! Fale comigo! 
Passei a mão na testa dela, enxugando o suor que ali se encontrava. Sua pele estava fria. Mais alguns ruídos atrás de mim. 
- Eu... - Ambre disse, por fim dando algum sinal de vida.
- Ah, merda. - Xinguei, irritado e frustrado. Suspirei. - Ambre, acorda! Tá me ouvindo? - A olhei, preocupado.
Suavemente, peguei a mão dela, colocando dois dedos em seu pulso, medindo sua pulsação. Tornei a suspirar.
- Sim... tudo bem... eu estou... melhor... - Ambre respondeu. 
- Quer que eu chame a ambulância? Quer um copo d'água?
Me virei rapidamente, surpreso, dando de cara com uma Ashley preocupada. 
- Eu me viro muito bem sozinho. - Respondi, num tom gélido. 
- Deixe-me ajudar.
Dei as costas para ela, voltando-me na direção da Ambre.
- Ambre, tá me ouvindo? 
Passei meu braço com cuidado na sua cintura, colocando o braço dela no meu ombro. Ashley foi para o outro lado, repetindo o meu gesto. Fechei a cara na direção dela.
- Sai da frente, vou levar ela embora.
- Me deixa te ajudar, Nath.
- Com certeza você tem algo melhor pra fazer, do mesmo jeito que aconteceu com o resto da sua noite. Então, sai. - Respondi, irritado.
Ashley deu um passo para trás, um tanto chateada. Que se dane. Não estava com paciência pra isso agora. 
- Pronto, vamos embora. - Falei para Ambre. - Argh, nós ainda temos algumas ruas para percorrer, Ambre. Segura firme.
- Espera, eu vou... - Ashley falou. 
- Eu disse pra você sair fora do caminho! Não precisamos de ninguém!
- Ela precisa de ajuda! Não vou embora sem ter certeza de que está tudo bem.
- Mas você não entendeu o que eu...
- ENTENDI! - Ela me interrompeu, gritando. Eu a olhei, surpreso. - Mas não estou te deixando escolha. Aceite a minha ajuda e fica quieto! 
Nós nos olhamos, ela parecia bem irritada. Bom, então éramos dois!
- Nath... - Ambre falou, baixinho. 
- Fala.
- Não grita com ela. Ela está tentando ajudar.
Suspirei. Ela estava certa, claro. E aliás, não era o que importava. O que importava agora era a Ambre.
- Bom, pega ela pelo outro lado. Vamos.
Ashley fez rapidamente o que eu lhe pedi e em seguida fomos embora. Ambre lentamente começava a voltar a si, abrindo os olhos com dificuldade. Ela ainda estava bastante fraca. Caminhamos por mais alguns minutos até chegar ao nosso destino. Parei imediatamente, fazendo as duas pararem em seguida.
- É aqui. - Pronunciei.
- A casa dela é aqui? - Ashley perguntou.
- Sim, quer dizer... de uma amiga dela, mas não vem ao caso. Ela está aqui, por enquanto.
A olhei, deixando claro em meu rosto que não era hora para perguntas. Ela pareceu entender. 
- Escuta, eu cuido do resto. - Falei.
- Certo... Espero de verdade que fique tudo bem. Pode me ligar, se você precisar.
- Eu... ok.
A olhei, surpreso. Ela estava sendo sincera, e ela realmente estava preocupada com a Ambre. Depois de tudo... 
Ela soltou o braço de Ambre com cuidado e começou a se afastar.
- Espera, Ashley. - A chamei, olhando-a nos olhos. Ela parou e retribuiu o meu olhar. - Obrigado.
Um rápido silêncio se instalou entre nós antes dela responder:
- De nada.
Em seguida, ela se afastou, com passos rápidos. A observei até ela sumir. Me virei para ajudar a Ambre. A noite definitivamente não foi como o esperado. Mas... há sempre outras noites por aí.
 


Notas Finais


Demorou, mas tá aí! Ansiosa para o próximo episódio de University Life! Tomara que role coisas interessantes, rs. Quero agradecer pelas 1.171 visualizações, vocês são demais! Eu sinceramente achei que essa história não iria tão longe, mas olha só onde estamos. Obrigada a cada um, de coração <3
Vocês acham que o que aconteceu com a Ambre foi apenas uma bebedeira ou algo relacionado a saúde? Eu sinceramente acredito que seja a segunda opção...E sobre o episódio 4 de University Life? Gostaram? Eu preciso confessar que esperava um pouquinho mais ;-;

Ps: sobre a imagem, cortei a docete porque como não tô no episódio 4, obviamente não é a minha docete ali. Peguei a imagem que foi divulgada no facebook. Mais pra frente quando eu chegar no episódio (daqui a 84 anos, quem sabe) eu atualizo, rs

Obrigada por ler <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...