História New Place - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto, To Love-Ru: Trouble
Personagens Haruna Sairenji, Lala Satalin Deviluke, Mea Kurosaki, Mikan Yuuki, Momo Velia Deviluke, Nana Asta Deviluke, Naruto Uzumaki, Rito Yuuki, Yui Kotegawa
Tags Luta, Narutoserio, Romance, Suspense
Visualizações 486
Palavras 7.970
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu estava inspirado dessa vez.

Boa leitura \o/

Capítulo 8 - VIII - Ponto Seguro.


Fanfic / Fanfiction New Place - Capítulo 8 - VIII - Ponto Seguro.

 Ele se levantou da cama, olhando para o céu, o sol começava a se levantar no horizonte, via o escuro se tornar um roxo leve e, ao fundo, olhou para o seu lado, vendo Yami ali, abraçada à ele, sorriu, beijando sua testa, ele ainda não sabia para quem se entregar, a presidente, cujos olhos o encantavam, ou a loirinha que precisava dele.
   Ela, inconscientemente, segurou sua mão, entrelaçando seus dedos, o loiro maior sentiu um sentimento brevemente novo, um frio gelado na barriga, mas, mesmo assim, sorriu, ela parecia tão serena, tão tranquila, sentou-se apertar sua mão, se aninhando à seu braço, resolveu se deitar de novo, abraçando a cintura dela, aproximando-a dele, porém sentiu uma presença no quarto além dele, e, como se fosse um fantasma, se separou dele, tornando-se "sólido" logo em seguida, e logo era possível, para ele mesmo, ver a si mesmo na cama, como se ele tivesse deixado um clone das sombras ali, mas sem os selos.

   - É tão bom vê-la tranquila assim, não é Momo ? - O loiro viu a rosada atrás dele sorrir, sentando-se em um pequeno banco, olhando a loira, e como ela parecia serena ao toque de Naruto.

  - Parece que ela aceitou bem você Naruto-san - Disse a princesa rosada, fazendo Naruto sorrir levemente, olhando como ela parecia dormir profundamente, sem sequer sonhar.

  - Ela time o sono mais tranquilo do que eu jamais pude ter, meu mundo era coberto de batalhas, lutas e guerras, as quais eu lutei e estava disposto a sacrificar minha vida por aqueles que eu amava, mas isso sumiu quando eles provaram que viam em mim apenas uma arma de guerra - Ela o viu olhar para baixo, parecia refletir sobre tudo, e, apesar de ter prometido deixar essa vida para trás, algumas coisas do passado não o abandonaram completamente.
  Momo não conseguia imaginar o que ele sentia naquele momento.

  - Não consigo achar registro algum sobre uma guerra ao qual alguém como você tenha participado - Ela se lembrou dessa informação, chegou a virar noites procura do em arquivos do império, e nada, algo daquele tipo seria documentado com certeza.

  - Eu sou de um lugar muito, muito longe, nem toda a sua tecnologia seria capaz de levá-los lá, e, sinceramente, quero que tudo isso morra, não tenho nenhuma intenção de dividir minhas experiências, vim para cá pra começar uma nova vida e abandonar a antiga, para sempre - Ela sentia certa tristeza vindo dele, de sua voz, seu tom, seu olhar, até mesmo seu corpo, rígido, demonstrava essas emoções, quem sabe algum dia ele contasse pra ela, mas, logo depois, ele acariciou os cabelos de Yami, de uma maneira gentil e carinhosa, um ato que demonstrava que ele estava ali para ela, foi ali que Momo percebeu algo novo dentro de si.

  Ela queria que Rito olhasse assim para ela.

  - Não espere que vá acontecer tão cedo -

  A voz dele a fez olha-lo, assustada, ele podia ler sua mente ?

  - Rito Yuuki é um adolescente como muitos outros, imaturo, inseguro, mas, além disso, foi "agraciado" com seu "dom inapropriado", não pense que ele sabe o que sentir, ou como controlar suas emoções, dele, ou de outras pessoas, apesar de ter um bom coração, é irresponsável e incapaz de ser sincero consigo mesmo, ele não a corresponderá tão facilmente - Ele sentiu a cauda dela ficar um.pouco mais agitada, se riu nervosismo nela, alguma raiva e indignação, ele suspirou levemente.

  - Desculpe se fui grosso, mas é como as circunstâncias sobre as quais vivo me  deixaram, eu não me importo mais tanto com as pessoas, apenas em casos especiais, guerras, lutas e sangue nos mudam, e quando fui obrigado a matar aqueles que um dia considerei companheiros, isso me virou do avesso - A cauda dela, de repente, parou de se mover, enquanto que os olhos, lilases, o olhavam, indignada por sua revelação, mas Naruto não se importava, se isso criasse problemas para ele, simplesmente apagaria sua memória, nada demais, nem.complicado para ele, mas ela preferia ficar em silêncio, enquanto que o loiro, analiticamente, observava a loirinha, sua protegida, dormir.
  Ela parecia não sonhar, o que era bom, a mente aprecia mais o descanso quando não trabalha nem pensa em nada, ele a viu se mexer um pouco, parecendo incomodada, concentrando-se um pouco, adentrou, sutilmente em sua mente, tomando cuidado para não interferir.
  Ele viu uma versão pequena de si, sentada em uma mesa, junto com uma loira, alta, de olhos verdes e cabelos longos, parecidas como se fossem mãe e filha, a mais alta pedia desculpas por não conseguir fazer um almoço decente, já a pequena Yami fazia força para comer, e para fazer parecer que estava gostoso.

  - Se foi a Tear que fez, então eu vou comer, porque a Tear fez com amor pra mim -

  Seu sorriso, aqueles olhos, aquela feição, fez o coração de Naruto se derreter, ver a inocência nos olhos dela, uma expressão alegre e animada fazia seu peito de aquecer, inconscientemente ele sorriu, enquanto sentia seus olhos se umidecerem.

  Eles eram mais parecidos do que ele pensava.

  Claro, Naruto não foi tanto como ela, mas teve alguém que apreciou, como o terceiro Hokage, que sempre foi bom para com ele, e Jiraya, ah sábio tarado, ele nunca quis tanto que alguém estivesse com ele, mas, aquela cena, especificamente, o lembrou de sua mãe.

  - "obrigada por nos deixar sermos seus pais... Obrigada"-

  Foi apenas uma fração de segundo, mas pareceu ficar horas ali.

   - Naruto-san, por que está chorando ? -

  Piscou duas vezes até se dar conta do que acontecia, mas ele não fez questão de esconder, podia fazer as lágrimas evaporar em ou desaparecerem, mas, em vez disso, ele preferiu secá-las com suas mãos, como alguém "comum".

  - Eu lembrei da minha mãe -

  Sua voz saiu tão diferente, tão chorosa, tão sofrida e solitária, ele parecia tão mais humano do que qualquer um ali, ele parecia tão frágil, tão abalado, ao ponto de cair, como um prédio em ruínas, e era verdade.

  Só haviam ruínas ali.

  - Mas, você disse que seus pais morre...-

  - No meu mundo, existe algo chamado selamento, uma técnica de aprisionamento, antes de morrer, minha mãe e meu pai selaram uma parte de sua energia vital em mim, eu ao os conhecimentos nos meus dezessete anos, me ajudaram em momentos que ninguém mais poderia... - Ele parecia falar de coisas distantes, além de sua imaginação, um mundo completamente novo para ela, além de tudo o que havia visto.

  - Eu ainda me lembro da sensação de abraçá-la, da sua voz, do seu olhar - Ele se sentou no banco que havia atrás de si, abaixando sua cabeça, colocando uma de suas mãos em sua testa.

  E começou a chorar.

  Nada nele lhe doía mais, sua mãe, seu pai, o vovô terceiro e o sábio tarado, seu vazio era quatro vezes o tamanho da galáxia.
  Chorou silenciosamente, soluçando uma ou duas vezes, tentando, inutilmente, expurgar a dor de seu corpo, mente e alma, Momo não sabia o que fazer, nunca imaginou Naruto assim, tão deprimido.

  - Eu perdi tudo e todos que importavam para mim, fui traído por todos, e, os quatro únicos que quiseram realmente o meu bem, morreram o no decorrer da minha vida - Sua voz levava certa raiva, certo ódio, ódio que era compartilhado por Kurama em seu interior, ninguém o conhecia melhor ali, ninguém conhecia tão bem suas forças, suas fraquezas.
  Demorou um tempo até se acalmar, voltado ao seu estado inalterado, olhando para a pequena loirinha a sua frente.

  "É irônico que ela seja a causa de sua tristeza Yami, Tear... Lágrima..."

   Pensou ele sobre a loira mais velha que viu em seu sonho, era aquela felicidade que Naruto queria resgatar, mas, ao contrário daquilo, ele não seria o noviço de sua desgraça, não a abandonaria, sozinha, com medo.


  - Eu e ela somos mais semelhantes do que eu pensava - Momo ainda estava parada, ainda não entendia direito o que havia acontecido ali, mas não questionaria, nem ousaria em pensar nisso.
  Ele se levantou do banquinho, mas não antes de olhar o rosto de Yami, sereno e tranquilo.

  - Ninguém vai tirar mais nada dela - eu Momo para trás, na saída, no meio do corredor, trombou com Nana, que andava meio sonolenta em direção ao banheiro, ela afundou seu rosto em seu peito, ele rapidamente a abraçou para que não caísse, aquilo a acordou e a fez levantar seu rosto olhando nos olhos azuis dele.

 - Cuidado por onde anda baixinha - Ele lhe sorriu, em seus braços, a rosada levada um urso de pelúcia, seu rosto ficou vermelho imediatamente pelo contato íntimo que estava tendo com o loiro, deparando-se imediatamente e rapidamente entrando no banheiro.
  Ele desceu as escadas, sem fazer barulho, leve como uma pluma, sem acordar ninguém, foi fazer algo que lhe tirasse o gosto ruim da boca, um chá talvez, com sorte haveria restado um pouco do chá de Mikan, ela era soberba na cozinha, e com certeza daria uma ótima esposa, atenciosa, boa na cozinha, responsável, amável, bonita, o sonho de todo o homem.
  Encontrou algum dele restante é o esquentou, sentando-se na mesa logo em seguida, refletindo.

 "parece confuso Naruto"

 A voz de Kurama era inconfundível.

  "Lembrar da mamãe não é as logo que eu faço com frequência, e depois de tudo o que aconteceu,eu fico instável emocionalmente, desculpa"

  Kurama não iria zombar de sua cara, não naquele momento, com os outros Bijuus logo acordando, Naruto já teria dor de cabeça demais, não lhe daria mais.

  "Apenas esqueça isso, você está neste mundo agora, tudo isso ficou para trás, só evite lutas muito intensas por enquanto, pelo menos até os outros acordarem, dou uma semana de prazo"

  O que Kurama dizia era verdade, Naruto, aos poucos, se sentia cansado, demorava para que toda a energia que ele tinha no seu corpo, proveniente das nove Bijuus, fosse assimilada com aquela realidade, ele não morreria, mas podia acabar ficando doente e fraco por um tempo indeterminado.
  
  - O que faz ainda acordado Naruto-san ? - Ele, de imediato, reconheceu a voz de Mikan, que surgia da escada, coca do seu olho esquerdo, despertando.

  - Nada demais, apenas... Deprimido - Disse com sua voz leve, enquanto mexia na xícara de chá na mesa, de cabeça baixa, ele tinha saudade da floresta do fogo, do monte dos sapos, de Sasuke e Gaara, seus únicos amigos vivos, que acabaram ficando para trás.

  - Quer conversar sobre isso ? - A voz de Mikan foi acompanhada com o ato de a morena se sentar a frente dele na mesa, olhando-o, parecia triste, ela não gostava de ver Naruto ser diferente de como ele geralmente era.

  - Lembrei de casa, dos amigos que deixei, dos que me deixaram, meus pais... - Ele realmente estava triste, uma ferida como aquela de perder um mundo inteiro,  de ser negado por ele.

  - Eu perdi coisas demais Mikan, coisas que não podem ser recuperadas, talvez você nunca entenda, como poderia ? - Ele deu uma risada irônica, ela nunca entenderia o que ele estava passando, ele perdeu todo mundo.

  Todo mundo

  E era uma dor que não o abandonava, por mais que ele quisesse esquecer, não podia simplesmente apagar sua memória, ele só podia tentar seguir em frente.

   - Então encontre alguém - Ele sorveu mais um gole do chá na xícara, em uma tentativa vã de tirar o gosto amargo da boca, óbvio dizer que ele não conseguiu.

  - Eu aprecio sua simplicidade Mikan, mas jamais vai ser tão simples assim - Sorveu mais um gole do chá, enquanto que ela conseguia enxergar a tristeza dele em seus olhos, a solidão, a depressão de estar "sozinho" e ter deixado tudo para trás.

   - Mas sabe, estou feliz que se importe comigo - Ele se levantou, a xícara, já limpa apenas pelo poder de seu pensamento, flutuou até o armário onde ficava, a porta se abriu sozinha, a xícara entrou e a porta se fechou.

  - Fico feliz que se importe comigo - Ele foi até ela, beijando levemente o topo descia cabeça, fazendo a pequena morena corar pelo ato dele.

   - Queria ter conhecido alguém como você antes, talvez até tivesse tido uma família - O rosto dela avermelhou ainda mais com a suposição do loiro, com um pequeno cafuné ele subiu novamente para o lado de Yami, deixando Mikan para trás.

  [...]


     Mais um dia começava, e, mais uma vez, com o abrir dos olhos dela, ele estava ali, sentado ao lado de sua cama, mexeu-se um pouco na cama, chamando sua atenção para si, o viu sorrir, e, mesmo que nunca fosse admitir em voz alta, o seu dia só começava quando via o sorriso dele.

  - Bom dia Yami -

  A voz dele, suave como o soprar dos ventos de outono, a fez, internamente, se sentir leve, ela levantou as mãos, coca do seu olhos para continuar a despertar, assim que terminou, sentiu as mãos dele tocarem as suas, segurando-o gentilmente, como uma dança.
  De maneira leve e lenta, ele a levantou, e, assim que soltou-a, a viu se esticar para alongar seu corpo, se preparando para mais um dia.

  - Troque de roupa, já fiz o seu café da manhã, estarei te esperando - Disse saindo do quarto, ela percebeu que o seu uniforme estava dobrado em cima de sua cama, assim que a porta se fechou sua troca de roupas se iniciou, ela era rápida, fazia questão de ser.

  Ficar longe de Naruto a fazia se sentir sozinha no universo.

  Ao descer as escadas, com somente os sapatos faltando em seus pés, Rito veio logo atrás de si, correndo, provavelmente achando que estava atrasado, ou por ter acordado com Momo em uma cama se esfregando nele, com de costume.
  Ele "tropeçou", caindo na escada, com Yami logo abaixo de si, mas, misteriosamente (nem tanto assim) ele pareceu bater em uma parede invisível, ao olhar para baixo, ele viu Naruto, ao lado da escada, com um olhar entediado.

  - Bom dia menino-impuro, vejo que sua noite com a Momo foi boa - Ambos viram-no ficar sem nenhum jeito, vermelho até a alma, antes que fosse colocado no chão.
  Yami sentiu a mão de Naruto contornar a sua, de maneira rápida mas gentil, puxando-a escada a baixo, fazendo-a cair em seus braços, como uma "dama que precisava ser salva do monstro"

  - Rápido, antes que ele use o "dom inapropriado" dele de novo, vamos fugir - Disse em um.tom brincalhão enquanto carregava Yami em seus braços, correndo até a cozinha enquanto a loirinha sentia seu rosto ferver.

   - Não fale de mim como se eu fosse um monstro!!! -

  - Mas você é sim!!! Sua aberração da Natureza !!! -

  E mais um dia começava...

  [...]

  Era intervalo, Yami, sempre acompanhando Naruto, haviam acabado de almoçar e rumavam para a biblioteca, fazer um trabalho, logo, eles passaram por Rito e Saruyama,
  O Yuuki mais velho, estabanado que é, acabou empurrando Saruyama, que acabou trombando com Yami, mas não por muito tempo.
   Ele foi separado dela por uma força incomensurável, que o empurrou para trás com força o suficiente para que ele parar a metros de distância dela, tanto a própria Yami e Rito estavam surpresos, foi quando ele viu alguém surgir atrás dela e rodear seu pescoço com um de seus braços , trazendo-a para mais perto dele.

  - Saruyama, nunca mais encoste suas mãos taradas e imundas nela -

  A voz deles inundada com uma sede infinita de sangue humano, e os olhos, que refletiam o inferno, aquilo fez a sua alma sair do corpo e voltar, nunca havia sentido tanto medo em sua vida, ficou ali, paralisado, enquanto que via Naruto levá-la dali, segurando sua mão, puxando-a gentilmente, deixando Rito e seu colega para trás.

  - Não liga pra isso, na verdade ele te fez um favor, e nunca mais faça isso, ou ela te trucida, e o Naruto faz o mesmo com o que restar -

   Naruto e Yami andavam pelo corredor, quando, de repente, ele sentiu uma vibração rápida no ar, e, da parede ao lado dele, surgiu um braço, completamente negro, agarrando seu pescoço e se esticando, como se fosse de borracha, lançando-o, arrebentando a parede atrás dele.

  - Naruto! -

  Logo depois dois vultos, velozes, saíram do buraco, indo na direção dele, após feitas pelo súbito susto, em suas costas brotaram asas como as de um anjo, voando, acompanhando o movimento dos atacantes de Naruto.
  Naruto foi levado por vários metros, se desvencilhou do agarre em seu pescoço, mas ao custo de ter sido acertado em sua  barriga, perdendo o ar, ele caiu no chão, na floresta atrás da escola, criando uma grande cratera.

  - Não dê a ele tempo para respirar -

  Uma delas saltou para trás, e, acompanhada da outra, esticou suas mãos, lançando dois raios de plasma, um branco, e outro completamente negro, o impacto foi tão grande que destroçou o pico de uma montanha.
  Yami chegou logo depois, preocupada com o estado de Naruto, seus cabelos se tornaram incontáveis lâminas prateadas e atacaram as garotas, encobertas pela névoa de poeira que o local ao seu redor havia se tornado.
   Elas desviaram de seus golpes, mirando nela, logo, várias luzes foram expelidas de suas mãos, Yami usou seus cabelos para se defender, transformando-os em um grande escudo, que, a princípio, segurou uma rajada delas, mas quando aumentaram a potência, seus cabelos não suportam a tensão, e seu corpo recebeu vários arranhões, nenhum profundo, mas o suficiente para incomodar.
  Ela caiu no chão, ajoelhada, mas não derrotada, avançou contra elas em um poderoso salto, sua mão direita se tornou uma broca como a de uma lança e, com agilidade e velocidade, seguiu em frente com uma precisão quase certeira, perfurando-o cabelos de uma delas, abrindo um rombo ali, junto com alguns quilômetros da floresta que aquele lugar era antes.
  usando seus cabelos para se direcionar, agarrou-se em um galho de árvore, girando, voltando para trás, sua mão direita tornou-se uma lâmina reta, enquanto que sua esquerda virou um machado, assim que se encontrou com ambas, mesmo encobertas pela poeira, começaram uma luta feroz.
  Era difícil enxergar os movimentos, mas Yami conseguia acompanhá-los, com seus reflexos afiados, cortando e fatiando, sentia que as acertava, sentia que podia se equiparar às duas.

  Sentia que podia vencer.

  Em um rápido movimento, acertou um chute no rosto de uma delas, lançando-a para o alto, a vários metros de altura, logo depois defendeu-se de um ataque pelas costas, seus cabelos se tornaram lanças e atacaram sua agressora, sentiu ela desviar dos golpes, as lanças a seguiram, em cada movimento, mas foram evitadas com acrobacias humanamente impossíveis.
   A figura caiu longe, enquanto que os instintos de Yami a obrigaram-no olhar para cima, de onde vinha uma pedra gigantesca em sua direção.
  Sua mão direita tomou a forma de um lâmina curva, e, como se fosse uma faca quente cortando manteiga, a rocha foi partida em dois com um balançar de sua navalha.

   Yami não estava se segurando.

  Sentiu uma movimentação atrás de si, logo usou sua lâmina para se defender do ataque de outra, que causou faíscas pelo atrito, porém, logo ela sentiu uma investida atrás de si, usando seus cabelos, enrolou-os no braço da atacante, ao ponto de sentir alguns de seus ossos racharem e, em um giro, ele a lançou para sua comparsa, que foi atingida em cheio.
  Yami era experiente em combate corpo a corpo, ainda mais estando sozinha, tentou se mover, mas não teve sucesso, olhando para os próprios pés, viu que estavam enrolados por cabelos negros, e, logo em seguida, veio a dor.

  Uma lâmina transpassava sua cintura, das costas até a barriga, um fichado de dor e sangue lhe escapou, até que ela foi socada na barriga, fazendo-a perder o ar, mas não deixou aquilo barato.   
  Seus cabelos se enrolaram no braços de sua atacante, esmagando-o, esmigalhando-o, ouviu um grito de dor, um grito agudo, logo depois a lâmina desapareceu, voltando a ser uma mão comum, quebrada e estilhaçada, a pessoa a sua frente tentou lhe atacar, mas as pontas de seus cabelos penetraram a terra, atacando-a por  baixo, ela saltou, se esquivando to ataque, Yami se ajoelhou, tentando estancar o sangramento, um de seus cabelos se enrolou em sua cintura.para evitar perder muito sangue.
  
  - Não fique assim, sabe que esse ferimento não é sério, mas você insistiu em entrar no meio - Ela reconheceu a voz de imediato, e logo ela sentiu, pela primeira vez em sua vida, que até tempos atrás tinha sido solitária e sozinha.

  Ela conheceu a raiva.

  - Onde está o maldito loiro mestra ? -

  Era Mea.

  - Pra minha serva, não é óbvio ? Não restou nada dele ? Viu ? Um ataque bem planejado acaba até mesmo com os mais fortes, ele poderia ter sido um servo excepcional, mas mais cedo ou mais tarde iria atrapalhar, agora que ele está morto, devemos fazer sua irmã voltar ao que era, a assassina mais temida da galáxia -

  Naruto ? MORTO ?

   Yami, ainda ajoelhada, esqueceu da dor que sentia, apenas para outra maior preencher o seu peito, era como se milhares de agulhas perfurando seu coração naquele instante, nada mais importava, ela perdeu tudo mais uma vez ?
  Ela não conseguia se mexer, o que só facilitou Mea e Nêmesis se aproximarem dela.

 - Vejos que andou praticando, mas não o suficiente, agora vamos -

  - Fica longe de mim ! - Ela estava instável, sua mente vagueando, ela estava cada vez mais perto, estava quase em pânico, e somente um nome vinha à sua mente.

  - Naruto! -

  Com esse grito, um trovão caiu ao redor dela, antes que Nêmesis ou Mea pudessem tocá-la, a descarga elétrica passou por seus corpos, causando uma explosão que as lançou para longe com seus gritos de dor.
 Onde havia a cratera criada pelo ataque combinado de ambas, criou-se uma luz, era quente, muito quente, ela se espalhou, ficando cada vez mais forte, até que ela se tornou um pilar de energia dourada, tão forte que as cegou por alguns momentos.
  
   - Eu disse que mesmo que me matassem, eu iria voltar -

  A voz, completamente diferente, vibrava entre o humanos e inumado, racional e bestial, demoníaco e divino, o pilar começou a ondular, enquanto que trovões dourados desciam do céu, ambas desviavam rapidamente das descargas elétricas que pareciam mirar nelas, até que eles pararam.
   O céu, junto com a nuvens, começou a ficar vermelho, o sol desapareceu, e aquele brilho, que parecia tão dócil, começou a se tornar bestial.
  Eles viam ela começar a formar um corpo feito completamente de luz, para logo depois terem a sensação de sentirem a terra tremer.

   - Vocês tocaram nela - A voz dele, o jeito de andar, a postura, tudo estava diferente, ele não parecia que iria pegar leve, Mea olhava para ele em guarda, seu braço estava quase que completamente recuperado, já Nêmesis estava em guarda.

  - Vocês machucaram ela - Yami continuava no local, estancado o sangramento, ela poderia se curar rapidamente de uma ferida comum, mas, quem lhe infligiu o ferimento foi outra como ela, então demoraria, foi então que ela sentiu a vibração na terra, o ar soprava com violência, um som agudo tomou forma em seus ouvidos, alguns pedaços de pedra se desintegram imediatamente.
  Algumas levitavam, outras afundavam na terra como se a gravidade, pessoalmente, escolhesse qual delas deveria fazer o quê.

  - Acho que devo agradecer, com a energia de vocês, estamos completamente despertos - Várias vozes falavam ao mesmo tempo, era como se o mundo inteiro pudesse ouvi-lo falar, várias agulhas de luz foram expelidas da luz central, atravessando as nuvens, iluminando-as como lâmpadas, e, um potente rugido as desintegrou, fazendo-as sumir, o céu começou a se iluminar, tanto ao ponto de fazê-las estreitaram os olhos para enxergar algo, apenas Yami não sofria os efeitos.

  Ele jamais se atreveria a machucá-la.

  - Como agradecimento... - O ar era sugado em direção à luz, enquanto que a luz ao redor delas desaparecia, nuvens se criaram ao seu redor, douradas e brilhantes, foi quando a luz começou a tomar forma, a mudar.
  
  -... Vamos lhes ensinar a sentir... - A figura era duas vezes o tamanho de uma pessoa adulta de estatura mediana, com longas orelhas, olhos esbranquiçados, dentes afiados, garras, braços longos, é uma longa cauda.

  -... A sentir medo! -

  O rugido, agudo e poderoso, fez tudo voltar ao normal em um piscar de olhos, mas as nuvens rapidamente foram sugadad por ele em um vórtice, todas olhavam abismados, nunca viram algo sequer parecido com aquilo, e, com uma explosão de energia, viram uma grande raposa dourada, que começava a criar marcas negras por seu corpo, delineando-o.
  A primeira a atacar foi Nêmesis, que correu, rodeando-o, atacando pelas costas em um salto, suas mãos se juntaram, formando uma lança maior do que ela mesma, e a arma se esticou, chegando até suas costas.
  Porém, quando ela estava prestes a acertar a grande raposa, um casco de tartaruga se formou em suas costas, espinhosa e pontiaguda, a lâmina da lança se quebrou assim que a tocou, surpreendendo a pequena morena, que trincou os dentes.
  Já Mea, correu até ele, ficando a frente, transformando suas mãos em uma grande arma de plasma, porém,.o tiro somente atravessou a raposa, como se fosse areia, em seguida, Nêmesis transformou seus cabelos em correntes assim que atingiu o chão, elas rodearam a raposa, prendendo-a, porém, seu corpo começou a irradiar chamas, que derreteram as correntes muito facilmente, abrindo sua boca, ele cuspiu lava fervente, derretendo ainda mais as correntes, fazendo Mea e Nêmesis serem obrigadas a recuarem.
  A raposa se tornou vapor, espalhando-se pelo campo rapidamente, surgindo atrás de Nêmesis, acertando-lhe um grande soco na mesma, lançando-a em direção ao céu, muito, muito alto, virando-se para Mea logo em seguida.
  Com um rugido, ele a lançou para trás, fazendo-a colidir com várias pedras, com um salto, e um leve levitar de si mesmo, pousou a frente de Yami, que, ao contrário das outras, não se sentia ameaçada.

  Ela se sentia maravilhada.

  Assim que as grandes mãos a tocaram, ela sentiu sua dor desaparecer, mas o ferimento não desapareceu ou se curou, ela se sentiu quente, como em um abraço.

   - Você ficará segura aqui -

 Ouviu a voz ele em sua mente, leve e em um tom gentil, ela se sentiu ser absorvida por seu corpo, logo depois a raposa decolou aos céus, atrás de Nêmesis, logos depois Mea decolou, atrás deles com asas como as de um morcego.
  Ao chegar lá, ao céu, ele a viu, esticando suas mãos em sua direção, formando um buraco negro, a terra parecia tremer por.completo, e, atrás de si, Mea apontava sua arma de plasma, atirando logo em seguida, porém, com um giro de sua cauda ele rebateu o tiro, mandando-o para o céu, e, com um rugido, ele destruiu o buraco negro de Nêmesis.
  E, antes que pudesse fazer algo, ela foi agarrada pelas grandes mão da raposa, e Mea, logo estava na mesma situação.

  - Será dito apenas uma vez - Elas não conseguiam se mexer, como se suas energias fossem sugadas, seus olhos olhavam para a infinitude branca de seus olhos, grandes olhos tão infinitos quanto o próprio universo.

  - Vocês a deixarão em paz, ela não tem mais nada a ver com a Eden, vão, cuidem de suas vidas, façam.o que quiserem, mas se voltarem a fazer algum mal à ela, eu vou lhes fazer sentir agonia além da imaginação - Ele grunhia, perto delas, podiam jurar que seriam devoradas, porém, a raposa as largou, jogando-o do alto, e, antes que percebessem, ela desapareceu, levando consigo a destruição causada.

  Tudo havia voltado ao normal.

 [...]

  Mikan viu algo correr pelos corredores da casa, devagar ela se aproximou, vendo o vulto subir as escadas, e, quando chegou até o quarto, ela encontrou Yami, deitada na cama, e, assim que ele a olhou, encarando-a, e, naquele momento, ela sentiu sua alma se separar do corpo e ser estilhaçada em mil pedaços.

  Ela viu Yami, deitada na cama respirando com certa dificuldade, com seu uniforme levemente rasgado, e, em sua barriga, havia sangue fluindo, e, os olhos de Naruto, marejados, desesperados, e, apesar de ter conseguido inibir a dor enquanto estava dentro da raposa, não conseguiu reverter a situação, qualquer ferimentos seria fácil mas aquilo não era qualquer ferimento, e se Naruto não sabia COMO fazer o queria, não podia fazer, esse conhecimento estava além dele.

 

  E aqueles olhos, tristes e desesperados, só diziam dias palavras impronunciáveis pelo momento.

  "Me ajuda"

  Depois de algum tempo, Mika trouxe bandagens, junto com uma toalha para prensar o sangue, com todo o cuidador ambos enrolaram o ferimento com as bandagens, prevenindo que o sangramento continuasse.
  Ela estava estável, respirando devagar, mas nunca, em nenhum momento, Naruto desviou seu olhar, não comeu, nem bebeu, sequer piscou, quando o resto do "grupo" chegou até em casa, estranhando o fato de terem "perdido" Naruto e Yami, Momo foi a primeira a ir até o quarto.

  - Naruto-san, eu vim te trazer... - Ela parou quando viu o que havia acontecido, ele estava ao lado dela, sentado em um pequeno banco, a faixa, já com uma mancha vermelha ao redor da barriga, indicando que foi um caminho um tanto perigoso parar aquele sangramento, ela respirava devagar, e o loiro, ao seu lado, sequer piscava, parecia sequer respirar, não ouvia nada, mesmo que o cutucasse, ele não sentia, parecia um fantasma, um honrável guarda costas.

  - Naruto-san, mas... O que aconteceu ? - Momo perguntou, logo depois foi possível ver Nana, Rito e Mikan ali na porta, acompanhando o estado da loira.

  - Nêmesis e Mea me atacaram de surpresa, Yami interveio... Eu fui fraco - Momo, mais do que todos, sabia que ele estava em uma agonia infinita, quase podia sentir o interior dele ruir com mais onuma construção velha no olho de um furacão.

  - Vai ficar tudo bem, a Yami é forte, tenho certeza que... -

  - Não deixe a minha postura calma enganar você YUUKI! - A frase começou calma, e, na última palavra, na proclamação do sobre nome de Rito, as luzes falharam por um segundo, o céu pareceu gritar, a terra se contorcer, e a realidade rachar, a voz mais do que distorcida dele parecia carregar outras mais, e quando ele virou seu olhar em direção deles, todos puderam ver seus olhos vermelhos e o semblante desesperado que havia em seu rosto, desesperado para descontar a raiva que sentia de si, mesmo que tivesse que destruir um planeta inteiro.

  - Até agora eu neguei a intervir em qualquer assunto e torná-lo pessoal meu, mas eu prometo pra vocês, que se aquelas duas encostarem, ou sequer chegarem perto da Yami de novo, eu vou obliterá-las da face do universo, da forma mais criativa que a minha vasta mente puder imaginar - Ele parecia a ponto de desabar, voltando a olhar pra ela, olha-la e vê-la daquele jeito, tão frágil, tão machucada, fazia o ódio que sentia de si mesmo mais do que dobrar, triplicar ou quadruplicar.
  
  "Ora Naruto, vamos, você sabe que ela vai se recuperar, apenas acalme-se" El

  Ele ouviu a voz de Matatabi em sua mente, a nekomata de fogo sempre era a voz da razão, sua voz calma sempre o trazia de volta para a lucidez.

  "Naruto, saiba que, se elas voltarem, eu não vou me segurar!!!"

  Gritou Shukaku, animado por finalmente ter acordado, e estar maravilhado com aquele novo mundo, já os outros pareciam conversar com Kurama, ele provavelmente estava os atualizando dos fatos ocorridos até aquele momento, Matatabi não estava muito afim de conversar no momento e Shukaku foi expulso da conversa por estar animado demais e atrapalhar a raposa toda a hora.
  Naruto voltou a se acalmar, olhando para ela de novo, poucos ali ente diamante porque ele era tão ligado com ela, porque ela era responsabilidade dele.
   Procurou não pensar, se pensasse ele seria obrigado a ir até um local desolado e destruir tudo, apenas para se aliviar da raiva e da culpa.

  - Naruto-san, eu sei de alguém que pode ajudar, a médica da escola, Mikado Ryoko, ela é uma médica formada em uma escola fora da terra, seu conhecimento é extenso, ela pode ajudar a Yami - Disse apreensiva, queria o bem estar da loirinha já que viviam juntas e sem qualquer problema, e também queria ver Naruto bem, ver ele, a definição de força e poder para ela, tão frágil, a fazia se sentir a coisa mais inútil do universo.

  - Onde podemos encontrar-la ? -

  [...]

  Mikado tem olhos verdes e cabelos ruivos acastanhados, ela também tem orelhas pontiagudas que ela esconde debaixo do cabelo para se misturar com os humanos. Mikado freqüentemente usa um jaleco, um top rosa (que mostra um pouco o topo de seus seios) que é mantido por um cinto na cintura e uma saia preta. Ela tem um corpo esbelto e maduro que algumas garotas da série a invejam.
  Mikado também é otimista, brincalhona e é frequentemente divertido por pervertidos pervertida, especialmente em torno de Rito. Ela gosta de provocar a timidez dele em torno das mulheres, não se importa com Celine ou o Yuuki mais velho molestando-a por acidente, e também parece gostar do prazer sexual, ela foi colega de classe de Tearju Lunatique, a "criadora" de Yami.
  Falando nela, a mesma estava dentro de um tanque de água cilíndrico, usando roupas de banho para esconder suas partes íntimas, as faixas, ainda em sua barriga, não deixavam que o sangramento voltasse, ela estava completamente imersa, usando apenas uma máscara de ar para respirar.
  Mikado tinha uma clínica em sua casa, que operava cima ajuda de Shizu Murasame, uma fantasma de iam garota que morreu quatrocentos anos atrás, durante a construção de um dos prédios a todos do colégio, sem falar que tinha poderes psíquicos e pavor de cachorros, mas isso não importava pra ele.

  - Ela foi ferida por uma lâmina de anti-matéria, mas ficará bem, esse tanque consegue reconstruir a ferida dela usando matéria escura como combustível, ela só precisa de tempo - Todos estavam olhando-a, Naruto, sentado em uma cadeira, olhava-a e se remoía por dentro, sem nunca piscar, nem se mexer, parecia nem respirar.

  - Não se preocupe Romeo, sua Julieta vai ficar bem - Disse em tom brincalhão, tentando diminuir o clima pesado do local, com um sorriso gentil e um tom de voz um tanto pervertido, alguns ficaram vermelhos pela insinuação dela, como Rito e Nana, já Mikan ficou um pouco sem jeito e Momo se agarrou levemente à Rito, que ficou ainda mais vermelho com o ato da rosada, e Lala olhava todos os aparelhos da clínica da doutora.
  Mas, quando ela desviou seu olhar da prancheta para olhar o loiro, o jeito com que ele olhava pra ela, fixamente, sem piscar, se mover, ou mesmo pensar, ela sentiu um arrepio lhe percorrer a coluna, ela sentia algo diferente nele, aterrador, intimidadora, mas ao mesmo tempo gentil, ela olhou para todos os outros, aproximando-se deles.

   - Qual a relação dele com a Yami ? - Perguntou um pouco seria, nenhum deles sabia responder, não ao certo, Momo ficou séria, soltando Rito e dando um passo à frente.

 

    - Naruto uma vez me disse que era como ela, tratado como uma arma de destruição em massa, disse que perdeu todos que amava, e foi traído por quem considerava seus amigos, que lutou em uma guerra sozinho e perdeu tudo pelo que prezava - Ela dizia, cada palavra, olhando para ele, que não estava alheio a nada, apenas olhava para a loirinha, dedicando atenção total à ela.

  - Ele disse que via a si mesmo nela, e que, a escuridão que a rodeava, o rodeou muitas vezes, mas, um dia, ele conheceu alguém que viu mais do que uma arma nele, que lhe deu uma chance de viver uma.vida "normal", enquanto que Yami-san não - Mikado ouvia com até atenção olhando para Naruto, os olhos dele, azul, cristalino, mas sem vida, sem motivação.

  Ele parecia quebrado.

  Parecia sedento.

  E somente uma coisa podia matar essa sede.

  E somente ver Yami bem mataria essa sede.

  - Bem, vocês podem ir pra casa despreocupados, vou ficar de olho no estado da Yami, pela manhã eu irei... -

  - Eu vou ficar - Foi a primeira vez que Naruto falou, o tom de voz parecia morto, quase inaudível, Mikado olhou-o surpresa pela interrupção.

  - Jovens não deveriam passar noite em claro, devem dormir, se alimentar bem... -   

 - Eu não como, eu não bebo, eu não durmo, não preciso, quase não sinto falta disso, não sou humano como ninguém aqui, não sou comparável à ninguém no universo inteiro, posso mudar a física, a matéria, posso fazer o que eu quiser, e Mendonça que você não queira, professora Mikado, eu ficarei ao lado dela, porque o estado dela é culpa da minha fraqueza, e me responsabilizarei por isso, mesmo que eu seja destroçado por causa disso -

  - Naruto-kun, eu entendo que ela seja importante pra você, mas criar desculpas para ficar aqui não é o que eu chamaria de... -

  - Mikado Ryoko, com todo o respeito, como eu disse, mesmo quando você não queira, eu ficarei - Ela sentiu um tom diferente na voz dele, algo nele era realmente muito diferente, ela suspirou levemente, ela suspirou levemente, mas parou quando o viu se levantar, indo até ela, percebendo o sangue dela começando a vazar pelas bandagens, ele tocou levemente o vidro, Mikado iria intervir, mas, assim que ele passou a mão no vidro, o sangue desapareceu, as bandagens que antes rodeavam a barriga da mesma surgiram no chão, ao lado dele, secas, e novas bandagens surgiram ao redor da barriga da loirinha, e isso, sem tirá-la do tanque, sem dor, sem sofrimento.

  - Desculpa Yami - Ele tocou no cilindro de vidro resistente, apoiando sua testa ali, parecia conversar com ela, mesmo que estivesse dormindo dentro do tanque.

  - Eu não vou falhar com você de novo - para Momo, aquilo foi estranho, em.um piscar de olhos, ele voltou para a cadeira, como um fantasma, em um piscar de olhos, as costas curvadas indicavam a agência que ele estava dedicando à ela, e, por um segundo, nos olhos dela, o tempo pareceu parar, ali, na frente dela, havia alguém que conseguia fazer tudo o que fosse julgado possível e impossível.

 E ver alguém assim, naquele estado, daquela maneira.

  Ele parecia rezar.

  Rezar para que Yami ficasse bem, porque ele não aguentaria viver sabendo que alguém como ela, como ele foi um dia, morreu por causa dele.

  E, naquele estado, os dias passaram...

 

  [...]

 

    Mikado tentou convencê-lo a sair dali, que Yami ficaria bem, e que sua assistente, a "garota-fantasma", sabia o que fazia enquanto ela estava na escola, mas, sem sucesso, foi trabalhar mas qual a sua surpresa ao chegar lá e encontrar ele em seu lugar anotando tudo em seu caderno, perguntou para Momo o que significava aquilo.

  "naruto-san pode estar em mais é um lugar ao mesmo tempo, e quando sua "cópia" some, ele absorve as memórias dela"

   Foi tudo o que soube, logo ela percebeu que ele podia REALMENTE fazer o que quisesse, e também descobriu que Momo o queria como objeto de estudo cada vez mais, ele não falava uma palavra, e três dias já haviam se passado.

  Ele continuou lá pra ela.

  Olhando como cada um dos seus cabelos ondulação na água, sua feição calma e serena, ele não se mexia, e, enquanto Mikado trabalhava em alguns documentos, de vez em quando, olhava pra ele, apenas para ver se algo mudava, se ela falava com ele, o loiro não ouvia, se o tocava, não sentia, se ficasse na sua frente, continuava olhando em direção de Yami, como se seus olhos enxergasse através da mais velha de olhos verdes, mesmo que ela demonstrasse seu generoso decote, Mendonça que ameaçasse ficar completamente nua na sua frente, fazendo poses provocantes que fariam qualquer adolescente desmaiar.

  Mas não funcionou.

  Ele não era um adolescente comum, algo ligava ele à Yami, e, mesmo conhecendo a loirinha antes de ela vir à terra, sabia que ali havia algo mais, não era simplesmente uma paixonite da idade, ou um amor não correspondido, era algo muito mais profundo.
  Ele sequer piscava, olhando-a, ele parecia tão sozinho, tão destruído, que a fez se sentir mal.
  A moça pegou uma cadeira, sentando-se ao lado dele.

  - Você se sente responsável pelo estado dela ? - Baixou a prancheta, olhando-a no tanque, tentando entender o que ele tanto olhava nela, o que tanto esperava e queria ver, no entanto, não houve resposta alguma por parte dele, que continuou em silêncio.

  - Entendo que ela seja importante pra você, mas por quê vai tão longe por ela ? Você não lhe deve nada, e mesmo assim está aqui, sei que é amigo dela... Mas.... -

  - Eu sou o que eu precisar ser - Disse calmamente, as primeiras palavras em três dias, além disso não comeu, bebeu ou dormiu, como disse que faria, por quê? Porque ele podia.

  - Quando pequeno, fui obrigado a comer do lixo, fui expulso do orfanato em que vivia assim que aprendi a andar, falar e escrever, vivi sozinho, treinei sozinho, todos me odiavam por um motivo que eu não conhecia, era chamado de monstro, aberração, todos fugiam de mim somente com o meu andar, até meus dezessete anos... - Abaixou a cabeça, ele na parecia pensar em nada, apenas tentava se controlar para não desabar ali mesmo.

  - Quando a guerra chegou, provei para todos que eu estava disposto a dar minha vida por eles, mas eles me traíram, ficaram com medo do poder que eu havia conquistado com meu próprio esforço, suor e sacrifícios, fui traído, chamado de monstro, tratado como uma arma de guerra, fugi, lutei, e, pela primeira vez, matei, todos o que eu amava haviam morrido antes dali, meus pais, meus mestre... Todos eles eu perdi - A voz, melancólica dele, a fazia se sentir triste, como se um grande peso houvesse caído sobre seus ombros.

  - Quando conheci Yami, ela a assassina mais letal da galáxia, tratada como uma arma de destruição, eu vi nela a escuridão que me rodeava, a vi solitária, sozinha, com medo - Ele voltou a olhar pra ela, piscando pela primeira vez em quase quatro dias, e, nessa piscada, uma lágrima foi permitida a cair no chão.

   - Eu prometi que não deixaria ela passar pelo que eu passei, sozinha, tristeza eu seria alguém pra ela, faria por ela o que foi feito por mim... Mas eu falhei - Mais outra lágrima percorreu seu rosto, e ele sabia que chorar era inútil, isso não diminuiria a dor que ele sentia, nunca.

  Ver alguém que podia fazer tudo, naquele estado, era de quebrar o coração.

    - Eu não vou deixar ela sozinha nunca mais -

  Disse mais pra si mesmo do que pra ela, nem mesmo as Bijuus em seu interior se pronunciaram, estavam preocupadas com o estado mental de Naruto, o que ocorreu no mundo Shinobi havia mudado ele, o quebrou, desmantelou.
  Tinham esperanças que Yami fosse uma luz para ele.
  Ao lado do tanque era possível ver uma máquina, demonstrando o estado físico da loirinha, como as de um hospital, acompanhando os batimentos cardíacos da garota.
  Para Mikado era o cúmulo do estranho, ele não se movia, apenas ficava olhando ela, para si aquilo parecia uma obsessão, só não tentou tirá-lo à força dali porque ele não atrapalhou, quando ela tinha alguma cliente novo, Naruto simplesmente ficava invisível e  intangível, no mesmo lugar, ela é a "garota-fantasma" eram as únicas que conseguiam vê-lo nesse estado.
  Ele ficou ali, esperando ela, todo o tempo, sem dizer uma única palavra, nada mais no mundo parecia importar.
  Mikado realizava alguns exames no seu corpo através do vidro, que reagia ao seu toque como a tela de um celular, investigando se estava tudo bem com a recuperação da garota, foi quando Naruto sentiu as bolhas ao redor dela começarem a se agitar.
  
  E, à medida que ela abria os olhos, o mundo voltava a fazer sentido pra ele.

  Foram quatro dias ali, e não a deixou, e agora ela voltava pra ele
  
  Se levantou da cadeira, a abismado, enquanto que ela voltava à sua consciência, estranhando o lugar onde estava, começando a se sentir ameaçada pelo novo local, mas, assim que viu Naruto com ela, tudo pareceu diferente, nada mais era um perigo para si, Mikado rapidamente olhou seu estado, vendo que a ferida já havia se fechado o suficiente pra parar de sangrar ela poder ser retirada do tanque.
  O mesmo se esvaziou lentamente, e assim que o fez, a porta do tanque foi aberta e a Loirinha, um pouco cambaleante, saiu do tanque, porém, logo que saiu, ela se viu coberta por um tecido, para evitar o frio, e assim, logo em seguida, sentiu os braços de Naruto rodearem-na, com cuidado, mas ainda assim com saudade.

 - Me desculpa Yami - Disse em um tom choroso, quase sussurrando, mesmo que o rosto da garota estivesse fervendo, ela devolveu o abraço, com um sorriso no rosto, pequeno, mas ainda assim um sorriso.
  
  - Eu sabia que nunca me abandonaria -

  Disse em uma voz baixa, fazendo as lágrimas do loiro maior engrossarem mais, enquanto isso Mikado, que quase não entendia nada, vou como Naruto era de verdade, e, apesar de poder fazer tudo o que queria, claro, se soubesse como fazer, ele era tão vulnerável quanto qualquer um.

  Que, por baixo da camada de "Deus", ele era mais "mortal" do que todos os outros.

  [...]

  De acordo com o diagnóstico, Yami não poderia fazer muito esforço por causa da ferida emsua barriga, ela foi devidamente enfaixada, e a ferida deveria se curar com o tempo, chegando a não ter sequer uma cicatriz, Mikado a mandou para casa, poderia fazer algumas visitas de necessário, mas sabia que não seria, ela já tinha alguém cuidando dela.
   Yami agradeceria curvando-se levemente, agradecendo todo o esforço para curá-la de seu ferimento, mas, o mais curioso foi Naruto, que se ajoelhou a frente dela, tocando sua testa no chão.
  
  - Obrigado Mikado-sensei, de coração, obrigado -

  Ela não sabia o que dizer, nem o que fazer, ver aquilo a fez se sentir diferente, claro, ela fez apenas seu trabalho, mas nunca recebeu um agradecimento assim de alguém, e, assim que ela percebeu, ambos tinham sumido, deixando ela é a "garota-fantasma" sozinhas.

  - Ora que intrigante, parece que a Yami tem um namoradinho interessante, o que será que você vai achar disso Tear ? -

  [...]

  A casa dos Yuuki ficou em festa assim que viram Yami, ela parecia andar com dificuldade, por isso foi levada até a casa sendo segurada nos braços por Naruto, o que fez sua bochechas ficarem vermelhas imediatamente.
  Todos lhes perguntavam se a estava bem, se podia andar, como se sentia, pela primeira vez, ali, naquele meio, ela se sentiu amada, e, assim que lhe foi contada que Naruto não saiu do seu lado todos os quatro dias que ficou ali, foi tomada por uma imensa felicidade, e, assim que olhou nos olhos agora cheios de vida de Naruto, ela sentiu o coração bater mais forte.

  Ela sorriu pra ele, imensamente feliz, uma felicidade que só sentia quando era pequena, era como ter voltado para os tempos antigos com a Tear.

  E agora, sempre que olhava para Naruto, sabia que podia confiar nele.
 

  E que, em qualquer situação, ele estaria lá por ela.

 


Notas Finais


Bem, é isso, comentem, opinem, critiquem (positivamente) e compartilhem, isso sempre motiva o autor a melhorar.

Posto o próximo quando terminar ok ?

Até a próxima \o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...