1. Spirit Fanfics >
  2. New World (Amor Doce - Castiel) >
  3. Quem diabos é você?

História New World (Amor Doce - Castiel) - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - Quem diabos é você?


Fanfic / Fanfiction New World (Amor Doce - Castiel) - Capítulo 11 - Quem diabos é você?

P. O. V. CASTIEL

Apesar da multidão, passei entre eles a força com o meu coração a mil. Eu queria ver, mas ao mesmo tempo eu não queria. Estava com medo de chegar e ser um rosto reconhecido por mim, vulgo Luna. Quem mais iria pegar o controle de TV da minha mão de forma ousada e brigar comigo por uma idiotice dessas? Apesar dela não conseguir enxergar, ela gostava de ficar ouvindo a sua novela preferida. De qualquer forma, engoli toda essa aflição e visualizei a famosa cena do crime.

Uh? O que eu vi, não era o que eu tinha imaginado. Três homens estão "mortos" no chão, com algumas feridas em seu corpo inteiro. Não há tanto sangue assim, apenas um pouco. Aquela fofoca das senhoras estava bem exagerada. Pelo o que vejo, apenas estão inconscientes. Mas, essa não é a questão principal aqui. Onde está a Luna? Será que esses caras são as pessoas que o meu pai mandou para assassiná-la?

A minha vontade era de acordá-los agora para um pequeno interrogatório, mesmo que seja na base dos socos e chutes, entretanto me segurei. Alguém já fez isso por mim e também não tenho certeza se são eles mesmo. O que será que aconteceu aqui? Por enquanto isso não importa. Se acalme, Castiel. Pense, pense... Então, um pequeno palpite percorre pela minha mente. Será que ela ainda está em casa ou algo assim?

Apesar de ser um pensamento sem provas, eu saí em disparada a caminho de casa e entrei sem mais delongas, gritando o seu nome igual um louco. Sem respostas. Eu estava me desesperando. Eu estou muito aflito, não estou em condições para pensar direito. Esse sentimento horrível, de novo... de ter o coração ser pisoteado como um lixo.

- Que é?! - Um estrondo ensurdecedor de uma porta se abrir, me tira de meus devaneios, seguido de uma voz muito aliviadora. - Não se pode mais usar o banheiro em silêncio nessa casa? - A oncinha sai de seu quarto batendo os pés, enquanto bagunçava os seus cabelos.

Os sentimentos que eu estou sentindo está uma confusão enorme, uma mistura de alívio e surpresa. A única coisa que pude fazer era seguí-la com os meus olhos até a mesma se aproximar de mim, ficando frente a frente perante a mim. - Você voltou rápido.

- Como... Você não tinha saído para encontrar o meu pai? - Indaguei apreensivo, segurando ambos os seus braços. Necessito de uma resposta. Porém, por conta disso a garota soltou um pequeno gemido de dor. Eu a soltei instintivamente, e fiquei assustado. Será que a machuquei?

- Ah, isso... Uns caras. Eles me cortaram um pouco. - Falou, com uma expressão de dor, enquanto era possível visualizar uma coloração avermelhada se mostrando pelo casaco, que por sinal é o meu. Bom, isso não importa agora. Mordi meu lábio inferior forte, frustado. Eu não pude nem ao menos protegê-la. Não deveria ter me afastado nem um pouco dela.

Eu peguei a sua mão. - Vamos para o meu quarto, tem um kit com remédios.

- Não é para tanto. Não vou ter problemas sérios com isso.

P. O. V. LUNA

- Vamos. Até. O. Meu. Quarto. - Falou pausadamente. Jamais imaginei que ele estava tão preocupado. Sua voz estava levemente trêmula e parecia estar abespinhado, então cedi.

O Castiel apenas fechou a cara, e me levou para o quarto, me obrigando a sentar na cama e eu o fiz, sem reclamação nenhuma. Ele parecia estar procurando algo, e quando finalmente encontrou veio até mim. - Tira o casaco. - Pediu, enquanto pegava algo que acredito que seja um kit de primeiros socorros.

Pegou gentilmente o meu braço e começou a limpá-lo. Ele estava atordoado, eu acho. Foi quando eu vi que o mesmo estava se enrolando na hora de colocar o curativo. Ele nunca havia feito isso. Eu decidi o ajudar, com a minha mão livre, segurei em sua mão apertando mais o tecido. - Assim, mais forte.

Um silêncio permaneceu, sem ninguém falar algo, até o Castiel decidir quebrar. - Pode me dizer o que aconteceu? - Indagou, terminando o curativo.

- Uns homens tentaram me atacar sem motivo algum, assim eu tive que lutar com eles. Treinei um pouco de aikido, então sei alguns movimentos de defesa. Porém, eu me distrai um pouco e me machucaram.

- Por que não chamou ajuda? Com certeza tinha outras pessoas por perto. - Pelo seu tom, ele parece irritado mesmo. O que eu fiz dessa vez? Está na TPM?

- Você está irritado? - Por que diabos eu perguntei isso? Só irá piorar o seu humor que já está horrível.

- Você já me viu irritado?

- Na verdade sim, uma vez... - "Mentira, foi milhares, para a sua opinião". Foi o que pensei, porém achei melhor calar a minha boca e manter apenas dentro de mim. - De qualquer forma, naquela hora eu não parei para pensar se... - Ele não me deixou terminar.

- Pois então, pare para pensar, idiota! Você é uma garota! Você não tem medo de nada?! - Ele levantou a sua voz furiosamente, fazendo o meu sangue ferver. Isso foi a gota da água para mim. Por que diabos ele está tão estressado?!

P. O. V. CASTIEL

Que droga. Não era isso que eu queria dizer e nem tratá-la assim, eu só não tinha mais controle. O fato dela enfrentar sozinha aqueles caras e ainda ter se machucado, isso me tirava do sério. E se ela realmente tivesse morrido?! Por que ela agiu sozinha dessa forma?! Apesar de ser uma ligação do meu pai, deveria ter mais desconfiança dos outros!

- Eu peço desculpas pelo problema que eu causei, porém eu não entendo o motivo de você estar me repreendendo. Não fiz nada de errado!

- É mesmo? Então faça o que quiser. Até você admitir que estava errada, não vou mais falar com você. - Bufei, virando as costas para ela, sem olhar para a sua cara de pau.

- Cas... - Antes dela concluir a sua fala, um trovão alto a interrompe, e em seguida a mesma agarra com força a minha roupa. Eu a olho de relance, surpreso. - Ah, não, isso... - A mesma recua alguns passos, e novamente o barulho do trovão ecoa sobre os nossos ouvidos. A garota deu um pulo e soltou um pequeno grito de susto.

- Luna?

- Desculpe, eu lembrei que tenho algo para fazer, então com licença. - Informou, agarrando o meu cobertor e se cobrindo inteira. Que garota hilária. Quem diabos teria algo para fazer embrulhada na cama de outro. Não me diga que...

Me aproximei dela, com as minhas mãos enfiadas no bolso do casaco e arqueando uma de minhas sombrancelhas. - Luna, você tem medo de trovão?

- Estou bem. É assim que eu sempre supero. - Sempre? Sempre, sozinha? Então, me recordo do seu passado, de onde ela vivia antes de adotá-la. Ah, entendi agora.

Eu suspirei, passei meus dedos sobre os meus cabelos, e tirei a minha jaqueta. Em seguida, me deitei na cama ao lado do gatinho assustado.  - Está bem, eu perdi. Você cresceu sem depender dos outros não é? Mas agora você não está mais sozinha, lembre-se disso.

Então, a garota me abraça com força, se apertando contra o meu peito. Arregalei meus olhos com essa ação repentina. Essa garota nunca agiu dessa forma comigo. Realmente está tremendo, deve estar com muito medo. Ela também tem esse lado frágil, uh? De alguma forma, isso me alivia.

Eu a envolvi com os meus braços de volta e acariciei os seus cabelos macios para tentá-la acalmar pelo menos um pouco. Ugh, que fofa. Realmente, eu terei de me controlar hoje. Você me deve uma, Luna Sze.

P. O. V. ROSALYA

Cheguei em casa depois de um encontro incrível com o meu namorado, Leigh. Entrei para o meu quarto e parei para me olhar um pouco no espelho. Realmente, estou maravilhosa. O meu humor, graças a isso, estava melhor do que tudo.

Acordei dos meus pensamentos de auto elogio quando o meu celular começa a tocar e eu o atendo.

- O que foi, Yuri? - Perguntei toda alegre. Ele é o informante que contratei para as pesquisas sobre a Luna.

- Então, senhorita desculpa quebrar a sua animação... É que...

- Diga logo. Sem mistérios. - Ordenei, impaciente, mudando de atitude rapidamente. Preciso descobrir logo se as minhas suspeitas estão corretas.

- Eu procurei os dados sobre ela, porém não existe nenhuma Luna Sze. Em outras palavras, não nasceu ninguém com esse nome.

O quê?! O que isso quer dizer?!
 

 

 

 

Então... quem diabos é você, Luna Sze?


 


Notas Finais


Espero que tenham gostado hehehe deixem as suas opiniões nos comentários beijooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...