História NEWTMAS:From Beginning to the End - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias The Maze Runner
Personagens Alby, Aris, Ava Paige, Ben, Brenda, Caçarola (Frypan), Chuck, Gally, Harriet, Minho, Newt, Sonya, Teresa, Thomas, Winston, Zart
Tags Ação, Aventura, Drama, Dylan O'brien, Dylmas, Gay, James Dashner, Maze Runner, Mistério, Newtmas, Romance, The Maze Runner, Thomas Sangster
Visualizações 282
Palavras 1.989
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


We are searchlights, we can see in the dark
We are rockets pointed up at the stars
We are billions of beautiful hearts
What about us?
What about all the times you said you had the answers?
What about us?
What about all the broken happy ever afters?
What about us?
What about all the plans that ended in disaster?
What about love? What about trust?
What about us?
We are problems that want to be solved
We are children that need to be loved
We were willing, we came when you called

Oi Begginers, tudo bem com vcs? Então queridos eu quero começar me desculpando, porque quando eu comecei a fanfic eu postava capitulos um dia sim um dia não. Mas isso foi no período de férias, e agora não tá facil continuar assim. Eu to no ultimo ano, e tals, e é complicado pra mim. Mas mesmo assim agradeço por cada comentário e pelo carinho e compreensão de todos vocês, e aproveitem o capitúlo de hoje ^^
#faltam3

Capítulo 42 - What about us


Fanfic / Fanfiction NEWTMAS:From Beginning to the End - Capítulo 42 - What about us

Thomas’ POV

 

  ̶  Não fale do que você não sabe  ̶  digo apontando o dedo na cara da Teresa.

  ̶  Eu só estou dizendo a verdade, o CRUEL é a única chance do Newt, ele não vai conseguir continuar assim por muito tempo  ̶  ela me encara.

  ̶  CHEGA  ̶  grito  ̶  Essa conversa já deu pra mim.

  ̶  Thomas, você tem que me escutar, isso não vai...

  ̶  Eu não quero nem ouvir mais nada, Teresa, você vai nos ajudar a invadir o CRUEL e pronto, chega disso  ̶  dou as costas a ela, e saio.

  ̶  Thomas  ̶  ela me chama mas eu ignoro  ̶  THOMAS...

 

  Depois de me afastar de Teresa, eu vou rapidamente procurar o meu loirinho. Eu estava exausto por passar parte da noite andando pela cidade, correndo atrás de Teresa. Mas mesmo com o cansaço e a exaustão eu tinha que falar com ele, e tinha que ser agora, pois amanhã seria o grande dia.

  Procurei ele por todo canto e o encontrei fuçando em algumas caixas, separando agua e comida.

   ̶  Oi amor  ̶  cheguei e o abracei calmo.

  ̶  Tommy!!!  ̶  ele fica animado em me ver e me abraça com força  ̶  Ta tudo bem?  ̶  ele me olha preocupado, provavelmente percebeu a minha cara triste.

  Eu tinha algo muito importante pra dizer pra ele, mas eu sabia que ele não iria concordar. E a ultima coisa que eu quero nesse momento, é mais uma briga com ele.

  Continuei sem dizer nada, apenas o encarando.

  ̶  Tommy, o que está acontecendo? Você tá me assustando  ̶   ele segura em minhas mãos.

  Me aproximo dele, e seguro em seu rostinho. Aproximo nossos lábios, e os junto num beijo calmo. Ele corresponde ao beijo, e passa suas pequenas mãos pelas minhas costas. Nos separamos depois de algum tempo e ele me olha.

   ̶  Tommy, o que foi meu amor?  ̶  ele passa a mão pela me rosto, o acariciando.

  ̶  Fique amanhã  ̶  solto o que estou segurando  ̶  Por favor, fique.

  ̶  Tommy, do que você está falando?  ̶  ele solta minha mão de repente e isso já me magoa.

  ̶  Newtie, amor, eu não quero que você vá amanhã no resgate  ̶  digo.

  ̶  Tommy, eu não entendo, porque? Eu quero ajudar vocês, quero ajudar você meu amor, não quero te deixar sozinho nessa, o Minho precisa da gente  ̶  diz ele.

  ̶  Mas Newt, você ainda não está bem, eu tenho muito medo do que possa acontecer com você.

  ̶  Não vai acontecer nada.

  ̶  E como você tem certeza?  ̶  pergunto.

  ̶  Tommy, já foi tudo decidido, eu você e Gally vamos salvar o Minho, e tudo vai dar certo  ̶  diz ele.

  ̶  Newt por favor, se algo acontecer com você eu não sei o que faria, talvez eu não consiga te proteger, você entende isso?  ̶  seguro seus ombros.

  ̶  Você não tem que me proteger, Tommy, eu vou ficar bem  ̶  ele diz.

  ̶  Newt, eu não quero que você vá, você tem que cuidar de si mesmo  ̶  imploro a ele.

  ̶  E como nós ficamos, Thomas?  ̶  odeio quando ele me chama de “Thomas” ̶   Como que eu fico aqui sendo um inútil em ajudar o Minho que é alguém que sempre me ajudou tanto. E como eu vou ficar aqui, super preocupado com você e com todos? Me desculpa Tommy, mas você querendo ou não eu vou, e vou ajudar. Eu estou me sentindo bem, e vou lutar contra o CRUEL com vocês.

  ̶  Newt, eu...

  ̶  Não Thomas, já decidi, nada que você disser vai me fazer voltar atrás. Me desculpe mas tem que ser assim. Não se preocupe comigo, isso é pelo Minho, é com ele que temos que nos preocupar, e nós vamos tirar ele de lá, juntos, custe o que custar  ̶  ele encara o chão um tempo  ̶  Acho melhor ir dormir, amanhã vai ser um dia e tanto. Me desculpa Tommy. Boa noite  ̶  então ele sai e me deixa sozinho, totalmente assustado e preocupado em o perder...

 

Newt’s POV

 

  Depois de discutir com Tommy, eu fui direto para o quarto me deitar. Eu chorei um pouco por preocupação do que me podia acontecer. Então eu me lembrei do que eu tinha que fazer. Me levantei e fui até a minha mochila. A abri e procurei pelos dois papéis que estavam perdidos por lá. Enrolei os papéis em pedaços pequenos, e enfiei eles dentro de um colar que encontrei no tempo em que ficamos no deserto. Se algo me acontecer, eu preciso me lembrar de dar esse colar pro Tommy.

  Depois de organizar tudo, eu preparei pra me deitar. Me cobri e fiquei confortável. Talvez essa seja a ultima noite de todos nós, quem sabe. Me deitei de lado e fechei os olhos esperando pegar no sono, mesmo muito ansioso.

  Depois de alguns minutos escutei alguém entrando no quarto. Continuei com os olhos fechados e senti alguém se deitar ao meu lado. Nem precisei ver porque apenas pelo toque e pelo cheiro eu sabia que era o Tommy. Ele me abraçou por trás e deixou um leve beijo em minha nuca, e depois sussurrou:

  ̶  Eu te amo.

  Me aconcheguei em seu peito, e ele segurou minha cintura, e assim nós pegamos no sono juntos.

 

  Depois de passar o dia todo preparando as coisas, pegando uniformes especiais do CRUEL, e planejar muitas e muitas vezes finalmente chegou a tão esperada hora de invadir.

  No final ficou decidido que eu, Tommy e Gally iriamos invadir o local, o resto de nós ficaria pela cidade pronto pra ajudar em outras coisas. Como Brenda que ficou responsável por salvar os outros imunes e Caçarola com o transporte.

  Eu e Tommy entramos disfarçados de guardas do CRUEL escoltando Teresa pelo local. Era um prédio enorme e com muitas pessoas. Passamos em silencio e sem chamar atenção por todo o primeiro andar, até a área do estacionamento, onde Gally se juntou a nós.

  Passamos por vários guardar e seguimos disfarçadamente até a escadaria, que era um local que tinha muito menos gente. Teresa abriu para nós o local com seu polegar e entramos.

  Quando chegamos na escadaria soltamos a garota, e Gally seguiu direto para um dos panéis que tinha na parede e começou a mexer nele:

  ̶  Acho que temos como entrar por aqui  ̶  disse ele.

  ̶  Vou checar a parte de baixo pra ver se não tem ninguém vindo, e vou avisar Caçarola e Brenda que entramos  ̶  disse Thomas  ̶  Newt fica aqui dando cobertura pro Gally.

  ̶  Tudo bem, toma cuidado tá?  ̶  eu disse pra ele.

  ̶  Pode deixar.

  Então ele me encara profundo, e me beija. Rapidamente mais necessário. Logo depois desce a escadaria pra baixo, com o rádio na boca chamando Caçarola.

  Teresa que está sentada na escada me encara, e eu a ignoro.

  De repente sinto uma vontade terrível de tossir, e começo como se estivesse gripado. Sinto meu pulmão arder e a tosse é involuntária.

  Teresa novamente me encara, me olhando confusa, e eu a ignoro mais uma vez.

 

  Depois de alguns minutos, Tommy está de volta, e Gally afirma ter terminado de invadir o terminal do CRUEL. Ele transmite os sinais diretamente pro Lawrence, e o avisa que o trabalho está feito.

  Agora podemos seguir com o plano de salvar Minho.

  Seguimos descendo as escadas, e chegamos no local onde todos os imunes ficam presos esperando encontrar Minho lá.

  Quando abrimos a porta damos de cara com um guarda e Tommy logo dispara sua arma contra ele, fazendo o homem cair no chão, com espasmos pelo corpo todo. Logo uma sessão de tiros é aberta contra 4 guardas que estão no local. 

  Para nossa sorte saímos vitoriosos, enquanto os guardas estão espalhados pelo chão.

  Gally se apressa indo até uma parede enorme que tinha uma espécie de cofre, e começa a tentar abri-la. Já Tommy e eu começamos a libertar todos os imunes que estão ali procurando Minho.

  Depois que soltamos todas as crianças e adolescentes que estão ali, percebemos que Minho não estava entre eles. Tommy vai até Teresa e a encara de perto, totalmente irritado

  ̶  Cadê ele?  ̶  ele pergunta.

  Teresa faz cara de sonsa, e banca a desentendida mas eu tenho certeza de que ela sabe onde ele está.

  A garota vai até o computador que está no centro da sala em que estamos e começar a mexer nele, fazendo sei lá o que.

  Em poucos segundos ela começar a encarar o computador com um rosto de duvida e diz:

  ̶  Alguém levou o Minho pra ala médica. Thomas fica do outro lado do prédio.

  ̶  Tá, então me leva até lá, agora  ̶  diz Tommy.

  Teresa concorda e eu já me apresso seguindo eles.

  ̶  Eu vou com vocês  ̶  digo a Tommy.

  ̶  Newt acho melhor você esperar aqui com o Gally, pelo soro  ̶  diz Tommy. Ele quer que eu espere aqui até que consigamos mais uma dose da benção pra mim, mas eu discordo.

  ̶  Nada disso, Minho é a prioridade lembra? Eu vou com vocês  ̶  falo pra ele.

  ̶  Apenas andem logo  ̶  diz Gally, ainda focado em abrir a porta  ̶  A gente se encontra do outro lado, e conseguimos o soro.

  ̶  Tá bem, vamos então  ̶  diz Tommy.

   Então nós três continuamos até a parte do centro do prédio novamente. Passamos pelos mesmo lugares até que chegamos no elevador.

  Eu e Tommy estamos de mascará e ele aperta o botão pra chamar o elevador, e aguardamos. Teresa mantém uma cara meio de desespero, e inquieta.

  O elevador chega e nós entramos nele, mas para nosso azar, alguém para o elevador no mesmo segundo o segurando com o braço. Era Janson, o homem rato.

  Tommy e eu continuamos em silêncio extremo com medo de sermos pegos, e Janson começa a conversar com Teresa:

  ̶  Trabalhando até tarde não é, Teresa?  ̶  diz ele  ̶  É disso que gosto em você, independente da situação, você não desiste. É em momentos como esse que precisa de um amigo que pode contar.

  ̶  Obrigada, vou me lembra disso  ̶  diz ela.

  ̶  Você precisa saber de uma coisa, Thomas está na cidade, ele pode tentar falar com você, e gosto de pensar que você vai me contar quando ele fizer isso  ̶  diz ele como o bom cretino que é.

  ̶  Você vai matar ele?  ̶  pergunta Teresa.

  ̶  Isso seria um problema?  ̶  pergunta Janson me deixando com vontade de dar um tiro nele aqui mesmo, ameaçando o meu Tommy desse jeito.

  O elevador então para e Teresa diz que vamos descer.

  Ambos seguimos deixando Janson para trás e Teresa então começar seu discurso novamente:

  ̶  Thomas você tem que me ouvir, a benção não vai salvar o Newt, isso pode te dar tempo, mas não vai ajudar.

  ̶  Tommy, não escuta ela, ela só esta tentando mexer com sua cabeça  ̶  digo.

  ̶  Thomas, me deixa examinar vocês, eu posso ajudar  ̶ diz ela me ignorando.

  ̶  Ajudar como ajudou o Minho?  ̶  diz Tommy, parando bruscamente e encarando ela.

  ̶  Não perca seu tempo Teresa  ̶  diz Janson então, aparecendo do nada com a arma apontando pra nós, e mais alguns guardas. Como ele sabia?  ̶  Thomas já fez a escolha dele  ̶  diz ele.

  Tommy então segura Teresa com um braço envolta do pescoço dela e com o outro aponta a arma pra cabeça dela.

  ̶  Para trás, ou eu acabo com ela  ̶  diz Tommy.

  ̶  Você não teria coragem  ̶  diz Janson.

  Teresa então empurra eu e Thomas para trás, e nos prende em um corredor, que nos levará a Minho.

  ̶  Agora eles estão presos, e não tem como sair, quero eles vivos, Janson  ̶  diz Teresa saindo de perto dele.

  Então Tommy e eu corremos pelo enorme corredor, indo em direção do Minho...

 


Notas Finais


Música do capitúlo: What About Us - Pink
Espero que tenham gostado,e logo tem mais, obrigado por lerem e a gente se vê em breve, bjoos <3
Link da Playlist: https://open.spotify.com/user/otv.faria89/playlist/3ZICeGzTN9pTx4HivZwnYi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...