História NEWTMAS:From Beginning to the End - Capítulo 58


Escrita por:

Postado
Categorias The Maze Runner
Personagens Alby, Aris, Ava Paige, Ben, Brenda, Caçarola (Frypan), Chuck, Gally, Harriet, Minho, Newt, Sonya, Teresa, Thomas, Winston, Zart
Tags Ação, Aventura, Drama, Dylan O'brien, Dylmas, Gay, James Dashner, Maze Runner, Mistério, Newtmas, Romance, The Maze Runner, Thomas Sangster
Visualizações 82
Palavras 1.999
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meus amores, milll desculpas por ter atrasados. Essa semana tive problemas sérios na escola, por conta de uma festa. Enfim, foram milhões de coisas pra resolver, e eu não consegui escrever. Enfim, por favor me perdoem. E agora fiquem com o capitúlo, que eu sei que vocês estão ansiosos.

Capítulo 58 - Comeback stage


Fanfic / Fanfiction NEWTMAS:From Beginning to the End - Capítulo 58 - Comeback stage

Newt’s POV

 

  Depois de terminar minha conversa com Ava Paige, fui levado de volta a cela em que ficava com Zart e Winston.

  Depois de conversarmos um pouco, a mulher de cabelos loiros me disse que me levaria de volta pro meu Tommy. Se eu acreditei nas palavras dela? Não muito, mas eu estava disposto a correr o risco que fosse apenas pra ver ele novamente, e dizer o quanto eu o amo, e como isso nunca vai mudar. Eu queria o ver seguro, então era preciso acreditar que dessa vez o CRUEL não fosse nos enganar.

   Tudo que ela me disse, foi que se eu faria tudo por Tommy, ela me levaria de volta pra ele, mas que eu, Zart e Winston, deveríamos aceitar o que eles propusessem. Era uma barganha. E agora só me faltava convencer Zart e Winston.

  Entrei novamente na cela de vidro, e Zart e Winston me encararam esperançosos.

  ̶  E então, Newt, o que aconteceu?  ̶  perguntou Zart.

  ̶  Eles fizeram uma proposta, mas não sei bem o que vai acontecer daqui pra frente  ̶  disse eu.

  ̶  Conte logo Newt, o que eles irão fazer com a gente? ̶  disse Winston.

  ̶  Eles querem nos levar a ilha, junto com os outros refugiados  ̶  disse cuidadoso.

  ̶  Isso é algo bom não é?  ̶  perguntou Winston para mim e Zart.

  De repente Zart fechou sua expressão, e ficou um tanto quanto calado, não entendi sua reação, mas resolvi ignorar por enquanto.

  ̶  Eu não sei, querem que a gente aceite passar por algum tipo de processo, e depois poderemos ir  ̶  disse sem jeito.

  ̶  Isso é tudo pelo Thomas, certo Newt?  ̶  perguntou Zart?

  ̶  Do que você está falando?  ̶  perguntei.

  ̶  Você, quer que a gente se submeta a sofrer alguma consequência só pra você ficar com o seu namorado  ̶  disse ele  ̶  Mas e depois? Você consegue o que tanto quer, mas e como eu e Winston ficamos?

   ̶  Porque está falando essas coisas, Zart?  ̶  perguntei  ̶  Estaremos com nossos amigos de novo, estaremos com a única coisa que chega perto de ser a nossa família.

  Zart me olha com um certo desdém, e resolvo ignorar nossa discussão.

  ̶  Olha, eu sei que vocês dois estão assustados, e eu também estou, muito, acredite. Mas, eu só quero dar um fim a tudo isso, não quero mais ficar aqui sendo torturado todos os dias. Seja o que for eu irei aceitar, porque nada pode ser pior do que tudo que a gente já passou. Sei que não temos condições de acreditar no CRUEL depois de tudo que ele fez conosco. E não acredito neles, sei que tem algo por trás disso. Mas eu já não tenho mais forças  pra lutar. Eu só vou aceitar isso, porque devo tudo ao Thomas, e eu vi como ele está abalado, e acabado com tudo que passou. Não vou deixar que ele morra por minha causa.

   ̶  Entendemos o seu lado, Newt, mas onde eu e Zart entramos nisso?  ̶  perguntou Winston.

  ̶  Desculpe, eu não faço ideia. Mas sei que se não aceitarem, o CRUEL vai manter vocês dois presos aqui  ̶  disse eu  ̶  Foi o que Ava Paige, disse  ̶  completei.

  ̶  Bom, veremos o que eles querem, dependendo, conseguiremos passar por cima  ̶  disse Zart.

 

 

  Depois que vieram nos buscar, nos levaram para uma sala de testes onde fomos separados. Nos explicaram que agora cada um estava por conta própria. Eles iriam fazer alguns exames e depois decidiríamos se valeria ou não a pena seguir em frente, e aceitar a proposta final deles. Antes de entrarmos, abracei Winston me despedindo brevemente, e Zart veio e me abraçou também. E apesar de tudo, eu retribui, eu gostava dele.

  ̶  Newt, sinto muito por ter dito aquilo  ̶  disse ele.

  ̶  Tudo bem, Zart, não me importo  ̶  disse eu.

  Nós três nos entreolhamos, passamos por muitas coisas juntos, e espero que eles também pensem como eu, e que fiquemos juntos até o fim.

  Fui levado para os exames, que incluíram tirar o sangue, exames cardíacos e mais um monte e coisas que eu nem sabia o que era.

  Quando já estava tudo acabando, Teresa entrou no laboratório, e nem se deu ao trabalho de olhar na minha cara. Ela pegou alguns remédios, e já chegou puxando meu braço pra injetar alguma coisa em mim. Apenas fiquei quieto.

  ̶  Não vai surtar de novo, e tentar me matar?  ̶  perguntou ela.

  ̶  Não, você não merece morrer, Teresa. Merece viver sabendo o quanto fez as pessoas sofrerem, merece conviver cada dia com isso  ̶  disse eu.

  Ela riu.

  ̶  Certo, Newt. Você não cansa de ser um coitado não é  ̶  disse ela.

  ̶  E quanto ao fulgor, eu, Winston e Zart ainda temos ele? Porque estão nos mandando pra lá? Só pra piorarmos de novo?  ̶  perguntei ignorando.

  ̶  Vocês ainda tem o fulgor, mas graças a nós não precisarão se preocupar com isso  ̶  disse eu  ̶  Demos um jeito nisso, até porque vocês terão muito mais com o que sofrer agora, principalmente você.

  ̶  O que vocês farão?

  ̶  Você vai descobrir  ̶  disse ela rindo.

  ̶  Vai pro inferno, Teresa.

  ̶  Eu já estou nele, e você também estará logo...

 

 

Thomas’ POV

 

  Acordei depois de mais um sonho terrível. Eles estavam mais presentes. E eu estava decepcionado, por ter acordado mais uma vez. A verdade, eu queria realmente estar morto. Não consigo lidar com a vida que tenho, e tudo parece fora do lugar. Eu não consigo me encaixar. Essa é uma vida de mértila.

  Quando me dei por mim, percebi estar na enfermaria, e me lembrei da noite na cachoeira. Meus atos eram inconsequentes, e eu sabia disso, mas eu simplesmente não conseguia evitar.

  Comecei a pensar em o que teria acontecido comigo depois daquilo, e de repente Sonya entrou na enfermaria. Pelo que eu sabia, ela tinha esse cargo agora.

  ̶  Ah Thomas  ̶  disse ela  ̶  Que bom que você acordou, ficamos preocupados. Como se sente?

  ̶  Com dor, a quanto tempo estou aqui?  ̶  perguntei.

  ̶  Um dia  ̶  disse ela me entregando um copo com água, que entornei.

  ̶  Pelo menos isso...

  ̶  Thomas  ̶  disse ela se sentando ao meu lado  ̶  Porque fez aquilo?

  ̶  Eu não...

  ̶  Não adianta mentir, eu e Minho já sabemos o que você está tentando fazer, e só queremos te ajudar, queremos ver você bem  ̶  disse ela colocando a mão em meu ombro  ̶  Então, porque fez aquilo?

  ̶  Só não aguento mais Sonya, tudo perdeu o rumo desde que viemos pra cá, e eu não consigo suportar. Eu sou fraco  ̶  foi aí que percebi o quanto estou frágil, nem sei mais quem eu sou.

  ̶  Você não é fraco, Thomas, jamais foi. Você que salvou todos nós do CRUEL, que se manteve firme até o fim  ̶  disse ela  ̶  E é por isso que tenho fé, por mais difícil que seja, eu sei que você vai conseguir superar, sei que vai conseguir passar por cima disso.

  Fiquei apenas em silêncio pensando, talvez fosse melhor eu dar um tempo. Ultimamente só estou dando trabalho pros meus amigos.

  ̶  Vou avisar o Minho, ele está preocupado com você  ̶  diz ela, saindo em seguida da enfermaria.

  Quando ela sai, me permito pensar em Newt, pela primeira vez, desde que acordei. Seu rosto lindo, e delicado vem em minha mente. E lembro dele em meus sonhos, como fui capaz de me levar por aquilo? Newt sempre foi um anjo, ele jamais pediria pra eu fazer aquelas coisas. Eu mesmo me deixei em enganar. É tão estranho como as coisas são. As algum tempo eu e ele estávamos juntos fazendo planos tão lindos pro futuro, e hoje eu estou aqui, consciente de que nunca amarei alguém de novo, ele era tão único.

  De repente Minho entra apressado no quarto, junto de Sonya:

  ̶  Caralho, Thomas, eu fiquei preocupado com você, seu trolho  ̶  diz ele me abraçando me sufocando  ̶  Não faça isso de novo, seu idiota.

  ̶  Desculpe, Minho  ̶  peço dando uma risadinha.

  ̶  É sério, Thomas  ̶  diz ele me olhando  ̶  Todos amamos você, por favor não faça isso conosco. Não nos faça perder mais alguém tão importante.

  E foi ali que eu percebi o quanto eu estava errado. Eu me sentia muito sozinho. Mas meus amigos estão aqui por mim, mesmo que não seja a mesma coisa, eu deveria ser forte por eles, para agradecer.

  Minho me conta como me acharam na cachoeira, e que graças aos céus eles iam explorar a área ontem, senão agora eu poderia estar morto.

  Então eu reflito: Eu quero mesmo morrer?

 

 

   Aquela tarde foi surpreendentemente boa. Caçarola preparou algumas coisa para os Clareanos comerem, e todos resolveram tirar o dia de folga pra me dar apoio.

  Minho, Sonya, Harriet, Aris, Caçarola, Gally, Brenda e eu, passamos praticamente a tarde juntos, conversando, comendo e até mesmo rindo. E por sinal Gally e Brenda estão cada vez mais firme, sempre se abraçando, hora ou outra trocando selinhos. Fico feliz pelos dois, nunca vi Gally tão tranquilo.

  A tarde passou rápida, dando chegada a tão temida por mim, a noite. Era quando os pesadelos voltavam.

  Fui até meu quarto e me deitei, e por incrível que pareça, eu dormi tranquilo, não tive pesadelos, nem sonho algum.

  Talvez eu esteja superando finalmente...

 

  Acordei, até que um tanto disposto. Perdi tanto tempo trancado no quarto, que nem percebi esse lugar se construindo em um belo refugio.

  Eu estava terminando de calçar meu sapato, quando Minho entrou correndo no quarto. Ele estava ofegante e com um olhar espantado.

   ̶  Thomas...

  ̶  O que foi, Minho?  ̶   perguntei preocupado.

  ̶  V-Você tem que ver uma coisa.

  ̶  O que, droga?  ̶  perguntei já curioso.

  ̶  Só anda logo, e vem comigo  ̶  disse ele já correndo pra fora do quarto.

 

   Corremos rapidamente pelo campo da nova “clareira”, e minha curiosidade só aumentava. Minho me levou até a enfermaria, e parou na entrada dela. De longe pude perceber que ali estavam Winston e Zart.

   Aquilo era estranho, os dois haviam desaparecido a algum tempo, e todos achavam que eles estavam mortos, afinal tinham o fulgor.

  ̶  Winston e Zart? Vocês os acharam?  ̶  perguntei me aproximando dos dois que me olhavam estranho  ̶  O que aconteceu?

  ̶  Thomas não é isso que você tem que ver  ̶  disse Minho me puxando pra dentro da enfermaria  ̶  É isso.

  Quando entrei pude ver Sonya, que me olhava estranho também. Deus, o que está acontecendo aqui? Sonya se põe de pé e olha pro lado, junto com Minho.

  Acompanho o olhar dos dois e o que eu vejo faz meu coração acelerar a mil. Ele está aqui, bem na minha frente. Aquilo era mesmo possível, ou eu estava sonhando de novo?

  Ignorei a presença de todos e me aproximei dele. Ele estava lindo como sempre, usava uma camiseta cinza simples, e uma calça.

  Me aproximei calmamente temendo estar sendo enganado pela minha cabeça, de novo. E ele se levanta.

  ̶  Newt  ̶  já sinto as lagrimas querendo sair  ̶  Isso é mesmo real?

  ̶  E-Eu acho que sim  ̶  diz ele.

  Então eu o abraço, com a maior força que tenho, nunca mais querendo soltá-lo. Quero o guardar, o proteger pra sempre. Não sei como ele está vivo, mas isso não importa.

  ̶  P-Por favor  ̶  peço  ̶  Não me deixe, nunca mais.

  Choro contra seu ombro, e ele fica sem reação. Levanto minha cabeça calmamente, ignorando todos envolta, e esquecendo tudo. E então eu o beijo com calma, ainda sentindo as lagrimas caírem.

  Newt então dá uma resmungada estranha, e percebo que ele está diferente. Ele se afasta um pouco e eu abro meus olhos, o encarando.

  ̶  Newt, algum problema, aconteceu alguma coisa? Você está ferido?  ̶  pergunto preocupado.

  ̶  D-Desculpe, mas  ̶  diz ele  ̶  Quem é você?

 

 


Notas Finais


Gente, eu sei que tá meio clichê, mas foi uma coisa que eu tive que fazer com a fic, ainda mais para o que eu pensei pra cura. Enfim, espero que vcs tenham gostado e logo eu volto com mais, eu espero kkkk. Um bjoo mt grande, e obg por lerem.

Link da Playlist: https://open.spotify.com/user/otv.faria89/playlist/3ZICeGzTN9pTx4HivZwnYi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...