História Next To You - Swan Queen - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Alice, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Cruella De Vil, Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Elsa, Emma Swan, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lacey (Belle), Lilith "Lily" Page, Madre Superiora (Fada Azul), Malévola, Marian, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Milah, Neal Cassidy (Baelfire), Paige (Grace), Peter Pan, Princesa Aurora, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sidney Glass, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Ursúla (Bruxa do Mar), Violet, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Mad Archer, Mistério, Regina Mills, Swan Queen, Swanqueen, Swen
Visualizações 347
Palavras 1.780
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello! It's me! Então resolvi voltar, e queria desculpar pela demora, estava em semana de prova, então estava sem tempo.


Boa leitura.

A música do capítulo é My Girl do The Temptations. Eu amo muito essa música.

Capítulo 4 - Memories and other things


Fanfic / Fanfiction Next To You - Swan Queen - Capítulo 4 - Memories and other things

– Você não podia ter feito aquilo! – o moreno falou mais alto. – Você não tinha o direito.

– Não foi minha culpa OK? Eu não... Ah droga! – bateu a mão no volante.

– Quantas vezes eu te avisei Emma? Eu disse pra você, mas a sua inocência e seu enorme coração falou mais alto! – gritou Neal com ironia e com raiva evidente em seus olhos.

– Não grita vai acordar nossa filha! – falou entre os dentes. – Eu não tive tempo! – a chuva aumentava.

– Você correspondeu Emma! Não me venha com essa! Como sempre você acaba com tudo Emma! Você sempre destrói tudo! – gritou Neal, o coração de Emma afundou no peito as lágrimas desciam sem parar.

– Cala a boca! Eu te odeio! Odeio! – gritou virando para Neal .

– Mamãe! – gritou a pequena Aurora ao ver o grande caminhão. Era tarde demais.

*

Novamente aquela dor, aquele peso! A dor da perda, o peso da culpa. Carregar isso não é uma coisa fácil, não mesmo! É sufocante. Todas as vezes que me levanto, encaro o teto branco, conto uma, duas, três vezes antes de tomar coragem para colocar minha armadura e enfrentar o mundo. É isso que estou fazendo exatamente agora. Eu estou morta, ou quase morta. Acharia estranho se encontrasse uma pessoa que passa os dias de sua vida anestesiada? É assim que me sinto, anestesiada, eu não sinto nada... Na verdade sinto dor. Podes achar até meio dramático demais, mas essa é a verdade. Sei que existem pessoas com problemas maiores que o meu, e de alguma forma me sinto mais aliviada, egoísta? Talvez, mas com o passar do tempo, das coisas que me aconteceram me fechei completamente, para o amor. Acho que me fechei para tudo, e a única coisa que ainda existe aqui é a escuridão e os meus demônios. Talvez seja por isso que as pessoas se mantem longe: pelo medo. Medo dos meus demônios.

Ouço passos no corredor, com certeza era Aurora com medo do escuro, pois, ela tem esse medo desde que ficou algumas semanas em coma. Fiquei esperando ela aparecer, mas não, ela não apareceu aquilo me surpreendeu. Levantei-me e fui andando até o quarto dela e não tinha ninguém.

Assim que virei, a porta de Regina estava aberta e novamente não tinha ninguém, cheguei ao topo da escada e ouvi risadinhas, então desci e fui para a cozinha e lá estavam elas, Regina em um blusão apenas com os cabelos em um coque... Eu acho, não sei que espécie de penteado era aquele, mas ela ainda continuava linda. Aurora estava no balcão rindo de algo.

Fiquei por um instante observando a interação das duas, e pude perceber que elas se davam tão bem que chegava a ser assustador. Aurora tinha dificuldades ao falar, em se relacionar com pessoas. Na verdade, ela praticamente tinha medo de tudo isso me preocupava.

Pigarrei para chamar a atenção das duas, que se assustaram, fazendo com que eu segurasse minha vontade de rir.

Posso saber o que as duas senhoritas fazem aqui, às... Olhei o relógio da cozinha. – Duas da madrugada? – cruzei os braços e fiquei olhando para as duas.

– Aurora teve um pesadelo então ela foi para o meu quarto, e eu ofereci um chocolate quente. – deu de ombros e pegou duas canecas encheu colocando marshmallow, e deu um para Aurora, que abriu o maior sorriso, seus olhinhos brilhando! Ah aquilo acabava comigo.

– Emma... – olhei para Regina que estava com marshmallow em uma mão, e um frasco com canela em outro. – Qual prefere?

– Canela. – ela sorriu, encheu outra caneca e a estendeu em minha direção. Eu demorei um pouco pra assimilar o que estava acontecendo, ninguém fez isso por mim desde o acidente. – Obrigada. – acho que ela nem ouviu. Sentei-me à mesa e fiquei observando as duas, que riam porque a boca de Aurora estava suja. A última vez que tomei um chocolate tão bom assim... Foi quando Neal ainda estava vivo, ele sempre fazia para mim. Droga!

Saí dos meus pensamentos quando minha filha me deu um beijo.

– Posso dormir com a tia Gina? – ela perguntou com aqueles olhos de cachorrinho sem dono.

–Querida... – eu ia dizer não, mas perdi a fala quando aqueles olhos ficaram marejados. – Tudo bem. – ela sorriu e me deu mais um beijo e pulou no colo de Regina que sorriu para mim. Eu não queria gostar tanto desse sorriso, merda!

**

Igot sunshine on a cloudy day

When it's cold outside

I've got the month of May

I guess you'll say

Enquanto a melodia soava no pequeno cômodo um serzinho rodopiava pelo mesmo.

–Vamos papai! – naquela sala era somente alegria.

– Vem aqui minha pequena rainha. – pegou sua pequena no colo para dançarem.

What can make me feel this way

My girl

Talking about my girl

– Cante comigo meu amor. – Eles dançavam e cantavam. – I've got so much honey the bees I've got a sweeter song than the birds in the trees. – eles cantavam felizes, Regina adorava quando seu pai cantava, eles passavam horas e horas cantando e pintando, Regina também tinha o dom do canto assim como seu pai, faziam uma dupla perfeita. Henry com a voz grave e ao mesmo tempo suave, Regina sua voz era doce e levemente rouca, todos que ouviam ficavam admirados com a voz potente da pequena morena.

Well I guess you'll say

What can make me feel this way

My girl

Talking about my girl

Cantaram o último refrão juntos, mal sabiam eles que era um dos seus últimos momentos, Henry sabia disso, sabia que teria que deixar sua pequena rainha.

– Eu te amo, papa! Por favor, não chore. – a pequena limpava as lágrimas que desciam pelo rosto de Henry.

– Oh meu amor, papai te ama tanto, tanto! – abraçou mais forte a filha. – Nunca se esqueça de que eu te amo meu bem, minha pequena, meu mundo. – beijou a testa da filha. – Eu sempre estarei ao seu lado.

– Eu sei! Quem iria querer ficar longe de uma linda rainha dessas? – jogou seus longos cabelos para o lado de forma convencida.

– Ninguém meu amor, ninguém. – sorriu de forma amorosa, amava esse jeito confiante da filha.

Regina acordou no susto com alguém balançando, tudo aquilo não passava de um sonho, ou de suas pequenas lembranças que estavam retornando. Olhou para o lado o viu a loirinha olhando para ela de forma assustada.

– O que foi? – sentou na cama, e viu que ainda era cedo, nem sete da manhã era.

– Você estava se mexendo muito! E estava chorando, estava tendo pesadelos? – então Regina levou a mão em seu rosto e realmente estava chorando.

– Não, era um sonho bom, está tudo bem. – sorriu e puxou a pequena para o seu colo fazendo com que ela voltasse a dormir.

Depois que Aurora voltou a dormir, ela então se levantou tomou um banho quente, e seguiu para o jardim, lá se tornou um dos seus lugares preferidos sentou em um dos balanços, lembrou quando iam com seu pai e sua irmã em um parque que tinha perto de sua casa.

– Olá estranha. – ela olhou para trás e viu uma garota loira com olhos azuis e andava meio cambaleante.

– Olá estanha. – a garota riu e sentou no outro balanço quase caindo. – Quem é você?

– Alice! Ao seu dispor gatinha. – piscou fazendo Regina rir. – Não ligue 'pras coisas que eu falo, possível que estou um pouco bêbada. E quem é você estranha?

– Regina, Regina Mills! – a garota sorriu.

– Ah, você é a garota que desafiou a tia Emma. – riu. – Você é corajosa, aquela mulher às vezes parece o capeta. – fez uma careta. – Quantos anos você tem, gatinha? – começou a balançar.

– Tenho 19, daqui alguns meses faço vinte. – a garota parou.

– Ótimo, já pode sair pra beber comigo. – deu um sorriso sacana.

– Isso foi um convite? – riu de Alice que tentava sair do balanço.

–Talvez, se eu te chamar para sair com a galera você iria?

– Sim, mas eu nunca fui nesses tipos de festa que eu acho que você vai. – na última tentativa de se levantar, Alice foi de encontro ao chão. – Meu Deus! Você está bem? – Regina levantou e foi ajudar Alice a levantar que ria do seu próprio tombo.

– Estou sim docinho, então você quer conhecer a galera? – Regina confirmou com a cabeça. –Isso aí garota.

– Você se machucou?

– Sim, aqui ó – apontou para seus lábios. – Agora dá um beijinho para sarar. – foi em direção a Regina.

– Saí pra lá doida. – empurrou Alice que caiu de bunda no chão.

– Que grossa, docinho, e pra você ficar sabendo eu também não queria. – levantou com dificuldade. – Eu tenho uma namorada. – Regina arqueou uma sobrancelha desconfiada. – Mas ela não sabe! Más ela já tá na minha bebê, Robin só é um pouco difícil de conquistar.

– Você é louca. – Regina riu da careta que Alice fazia.

– Minha cara amiga. – abraçou Regina pelos ombros. – Os loucos e insanos são os melhores. – deu uma piscadela, e foram em direção a casa.

*

Emma

– Bom dia. – digo ao chegar à mesa, que por incrível que pareça está muito animada.

– Bom dia. V respondem em coro, sento no meu lugar de sempre ao meu lado está o meu bem mais precioso, a única que consegue arrancar sorrisos de mim. Sinto-me culpada em ver seus olhinhos tristes, além de perder o pai ainda tem uma mãe amargurada.

– Emma, será que pode me devolver a chave de minha moto? – Alice se pronunciou – Minha sobrinha, cuidei dessa loira desde seus 16 anos, minha irmã Gothel trabalha muito, sem tempo para a filha.

– Para você bater ela novamente? V ela abriu a boca algumas vezes.

– Aquilo foi apenas erros de cálculo! Eu preciso dela porque eu e a minha Gina aqui. – apontou para Regina que sorriu travessa. – Vamos dar umas voltas por aí hoje. – elas se olharam e Alice deu uma piscadela, aquilo me incomodou um pouco.

Depois do episódio da árvore eu e a senhorita Mills não nos falamos mais. Ela tem um gênio forte, chega até ser um pouco excitante ver essa teimosia dela, ela não liga muito com minhas ordens, às vezes chega até a me ignorar, o que me tira do sério. Eu poderia muito bem fazer dela só mais um de meus brinquedos, mas não seria justo, eu estou aqui apenas para proteger, e quando ela estiver boa novamente, tenho certeza que ela não pensará nem duas vezes para se mudar daqui. O que me preocupa é minha pequena Aurora, ela se apegou tão rápido a Regina.

– Onde vão? – Alice revirou os olhos.

– Sair com alguns amigos da faculdade, apenas isso, eles estão loucos para conhecer essa baixinha aqui. – empurrou de leve Regina.

– Amigos de faculdade? Tipo os jovens com os hormônios a flor da pele, bebida, drogas, sexo? Não mesmo! Regina não irá, algum idiota pode se engraçar para o lado dela. E isso de alguma forma me incomoda.


Notas Finais


Então ? O que acharam? Comentem quero saber.

Espero que tenham gostado

Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...