1. Spirit Fanfics >
  2. Nhast Trost >
  3. Perdas

História Nhast Trost - Capítulo 15


Escrita por:


Capítulo 15 - Perdas


Fanfic / Fanfiction Nhast Trost - Capítulo 15 - Perdas

Capítulo 15


Perdas


Naquela noite pesada, as ruas estavam brilhantes, com as chamas das explosões, o cheiro de sangue se espalhava pelo ar... E lá estava eu, depois de ver os inimigos fugirem... De ter perdido não somente amigos, mas minha família... De perder quem eu amo... Restando muitos vazios em minha vida...


- Sr. Nhast!... Por favor, você não precisa fazer isso! - fala um dos soldados enquanto olha eu à ajudar na tirada do corpo de Cloe.

- Eu preci... - falo eu, enquanto choro, levantando o pedregulho que esmagava suas pernas junto a algumas pessoas.

- Mas você já fez muito... Não precisa ver ainda mais os estragos feitos por aqueles demônios... Por favor... Vá e fique com Reiner, descansando!

- Reiner vai ficar bem... E eu preciso... Já que não fui capaz de protegê-la... - o respondo, enquanto conseguimos tirar a pedra... E em seguida, pego seu corpo, frio, ensanguentado... Vendo em seu rosto a expressão de felicidade.


"Cloe... Me desculpe..."


Ainda ajudando naquela confusão, recolhemos os restos de Sebhastian e Fisce... Uma cena horrível, só não maior do que ter que entregar o corpo deles para seus familiares...


"Por que?..."


Depois de muito tempo, ajudando naquele desespero, naqueles olhares de perda, ajudando a recolher os corpos de homens, mulheres, crianças... Civis, que na maioria estavam destroçados, por danos causados ao ataque do maldito titan... 


"Sei que isso é normal de uma guerra... Mas tinha mesmo que acontecer?! Zophia... Udo... Zeke... Todos eles eram pessoas que eu tinha afeto, mesmo depois de tudo que aconteceu e mesmo não sendo de laços íntimos, todos eram... Meus amigos..."


- Sr Nhast!? - pergunta um homem estranho, vindo até mim.

- Sim, sou eu - falo enquanto enxugo minhas lágrimas, secas, de tanto que chorei.

- Desculpe-me ter que vir até você nesse momento tão difícil, mais na hora que soube da falência de Sr. Cloe Derlin, tive que vir constata-lo...

- Mas o quê? O quê que tem minha irmã? - o pergunto espantado.

- Eu sou o representante de Cloe, Frard, sou quem a ajudava em requisitos financeiros... Resumidamente, sou eu quem é encarregado de organizar e possivelmente distribuir as riquezas dela caso algo a acontecesse - me explica ele.

- Você... É... - falo eu, confuso pelo fato dele ter vindo até mim - Mas o que eu tenho a ver com as riquezas da família Derlin? Eu não sou parente de sangue deles, como você mesmo sabe...

- Sim, já estou informado... Porém senhorita Cloe não o via assim, e acho que nem você se ver... Ela me pediu, em seu testamento, que caso acontecesse a ela, eu me encarrega-se o mais rápido possível de comunicá-lo que todas as financias da família fossem passadas ao senhor - fala ele abrindo a maleta na qual carregava - Como o senhor sabe, os pais de Cloe, seus pais... Eram grandes comerciantes, e ao falecerem, passaram tudo para vocês dois, porém você recusou... E Cloe, ainda querendo que você pudesse aceitar o que é seu por direito, se encarregou de preparar tudo para caso algo viesse a matá-la - fala ele me entregando um documento.


"Isso é...?"


- Parabéns senhor Trost, você é o novo dono das ações Derlin... - fala ele feliz, mesmo aparentando uma forte dor... Talvez a perda de Cloe o deixou assim...

- Eu não...

- Por favor... Esse é um pedido de sua irmã... Faça isso não por você... Faça isso... Por ela...


"Cloe... Você realmente não aceitou minha negação a herança deixada pelos senhores Derlin... Não é mesmo?! - penso eu enquanto enxugo as lágrimas que voltam a cair...


- Eu vou... Aceitar... Mas também quero fazer um pedido a você - o falo, pegando o papel - Sei que você era quem organizava tudo para Cloe enquanto ela estava em guerra... E se ela chegou a confiar em você, também acho que devo o fazer... - o falo, o entregando o papel novamente - Por favor, senhor Frard, poderia continuar a ser o encarregado pelas ações de... Minhas ações, enquanto me encarrego de meus deveres como soldado? Acho que entre todos os que conheço, você é o mais digno de continuar a fazer isso... Então por favor... Aceite trabalhar comigo como fazia com minha irmã...

- Sr. Trost... - fala ele, com lágrimas surgindo em seu olhos... - Eu aceito... Vou continuar a ajudar você como se fosse Cloe... Muito obrigado pela honra... - fala ele me abraçando, chorando, enquanto aceitava o papel de minha mão...

- Muito obrigado... Frard...


"Ele era uma das pessoas que Cloe mais confiava, e de acordo com suas histórias, ele é bem devoto a família de Cloe... Acho que se Cloe teve coragem de deixá-lo no comando, eu também devo ter... Até porque... Não vou ter tempo..."


- Vou ter que ir - digo lhe enquanto o largo - Ainda tenho muito trabalho, como pode ver... 

- Ok, obrigado... Muito mesmo... - fala ele enquanto se afastava... Indo em bora...


"Clo...e"


O tempo se passa, e quando menos me dou conta, já é de manhã...


"Amanheceu..." - penso eu... Enquanto termino de ajudar em um dos últimos corpos achados, por enquanto...


"E agora? O que Marley vai fazer sem seus maiores comandantes? O que podemos fazer sem alguém para nos governar?... Não, ainda temos Maghat, mesmo sendo somente um capitão, ele ainda é um ótimo e importante soldado de Marley... Nós vamos..."


- Conseguir contra-atacar...


Enquanto a reconstrução de Marley tinha início, os guerreiros de Marley descansavam, se recuperando de seus danos sofridos... Todos tristes, pelas baixas e pelo ataque sufocantes em que todos nós ficamos.


- Pieck... Porco... Cold... - falo eu entrando no cômodo em que eles estavam a descansar.

- Nhast - fala Pieck sentada a sua cama, enquanto Porco estava sentado a uma mesa, e Cold atrás de Pieck, em pé.

- Olá... Senhor Nhast...


Entro, sentindo-me cansado, exausto, sem forças para continuar. E em passos lentos, chego até Pieck, ajoelhando-me ao lado dela...


- Pieck!... - falo enquanto olho em seus olhos, com o rosto demostrando remorso, olheiras bem vistas, causadas pelo muito tempo de choro, minhas pálpebras molhadas, murchas, sem lágrimas para derramar... E ao ver-me daquela forma, ela põe minha cabeça em seu colo, como se tenta-se me consolar.

- Nhast! Por favor! Aguente... - sussurra ela enquanto passa sua mão em meus cabelos...

- Pie...ck... - digo eu, em meus últimos momentos acordados...


(- Você sabe não é... Eu ainda te amo... Mesmo depois de tudo que eu fiz - fala ele, vermelho, enquanto lágrimas escorrem de seus olhos...


"Zeke..."


Abraço ele, enquanto tento acalmá-lo... Dizendo:


- Eu também te amo, porém não consigo... Não consigo mais viver com você sem lembrar... Não posso - falo enquanto me afasto... Indo embora chorando, ouvindo ele chamar meu nome, e em uma última fala... Ouço ele dizer:


- Nhast... Me perdoa...)


Ao abrir meus olhos, vejo que estou deitado na cama, e com uma gigantesca dor na cabeça, me levanto devagar, enquanto minhas pupilas se adaptam a quantidade de luz, causando-me um grande distúrbio...


- Acordou sr. Nhast...?  - fala Cold, sentado em uma cadeira ao meu lado...

- Sim... - o respondo pondo a mão em meu olho.

- Está melhor? - pergunta Pieck, sentada ao meu lado, pondo a mão em meu braço...

- Estou... Indo... - a respondo, olhando para o lado.

- Deve ser difícil... Meus pêsames... - fala Porco enquanto abaixa a cabeça, sentado ao mesmo lugar que estava quando cai no sono.

- Que bom - reponde Pieck - Você acabou dormindo em meu colo, ajoelhado... Então Cold o colocou na cama com Porco... Você estava exausto... - fala ela enquanto se levanta, pegando um copo d'água trazendo-o até mim.

- Desculpa... Não dormi a noite toda... - digo eu enquanto aceito o copo que ela trás a mim - Obrigado...


"Eu me ajoelhei... Acho que foi porque... Quero que alguém... Me..." - penso eu enquanto bebo aquela água, o que me faz sentir como se não bebesse água a séculos...


"Reiner...!!!!!!"


- E Reiner? Como está?! - os pergunto enquanto me alevanto rápido da cama, indo até direção sua cama, onde se encontra deitado...


"Estava tão perdido em minha dor que.... Esqueci de ficar ao lado dele..."


- Ele está bem, se recuperou rápido... Mas ainda não acordou... - reponde Porco, bebendo o que está em sua mão.


"Reiner... Melhore... Por favor" - penso eu enquanto me posiciono sentado ao lado de sua cama, pondo minha mão em sua mão... Esperando alguma resposta... Porém, sem retorno...


Depois de algum tempo ali, calado, sentindo aquele clima denso e pesado que se encontra presente no ar, vejo Reiner mexer seu corpo, como se algo o incomodasse...


- Rei... Ner...


"Um pesadelo?!" - me pergunto enquanto o vejo se contorcer ainda mais...


De repente seus olhos se abrem, em um espanto, e levantando seu corpo devagar, confuso ele olha para nós presentes alí...


- Teve outro pesadelo? - pegunta Porco - Seria bom se fosse só um pesadelo - complementa ele enquanto ver seu rosto assustado.

- Nhas...t - fala ele ao me ver ao seu lado ainda segurando sua mão... - Você...!?

- Reiner...! - digo a ele, olhando para baixo, apertando ainda mais sua mão, sentindo tristeza por saber que ele mentiu para mim, e que eu não pude ajudá-lo...


"Reiner... Eu te amo... Mas você... Metiu para mim..."



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...