História Niceday - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Cidade, Drama, Good Morning Call, Mudança, Romance, Sexo, Universidade, Universitário, Vida Nova
Visualizações 19
Palavras 1.314
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Ficção Adolescente, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


A chegada de Dayane no apartamento novo e na universidade

Capítulo 1 - Vida nova


Fanfic / Fanfiction Niceday - Capítulo 1 - Vida nova


Day on

Finalmente cheguei na cidade de Montes Claros. Não acredito que meu sonho está se realizando.  Sempre quis morar aqui e conhecer uma cidade grande. É tão cheio de prédios, carros, luzes.  Realmente é algo bem bonito, talvez por eu não estar acostumada com esse tipo de ambiente, fico impressionada. 

Há uma semana, conheci um rapaz pela Internet que também conseguiu uma bolsa aqui. Quando vi o nome dele na lista dos aprovados, além de mim, procurei no Facebook e o encontrei. O nome dele é Elias Henrique.  Logo fizemos uma amizade e agora estou ansiosa para conhecê-lo. Ele é bem gato e aparentemente popular, também. Muitas curtidas das fotos, cheio de amigos, mulheres dando em cima e o elogiando. Certamente não teria chance com um rapaz assim. 

Estou cansada. Vou para o meu apartamento novo (MEU DEUS, EU VOU MORAR SOZINHA!!!). Não posso acreditar que vou dar um passo enorme na minha vida nesses 4 anos morando sozinha e aprendendo a me virar com pouco dinheiro, pelo menos até eu passar em uma universidade pública que é mais próxima de casa.  Felizmente encontrei um apartamento bom e barato (tão barato que nem dá para acreditar) no bairro ao lado do centro universitário. Dá para ir andando, até.  Não tenho condições de alugar outro, e mesmo que tivesse, certamente seria o mesmo preço e afastado do centro, o que me obrigaria a gastar pelo menos uma passagem de ônibus. 

No apartamento 

Vejo que a mudança já chegou.  Está cheio de caixas aqui, mas se parar para arrumar agora, vou me atrasar para a aula. Preciso ir logo tomar um banho e sair. Na volta eu começo a arrumar as minhas coisas.

Na universidade 

Cheguei um pouco mais cedo que o planejado. A sala está quase vazia e estou me sentindo sozinha.  Não vejo a hora do Elias chegar. Ele disse que deve se atrasar um pouquinho. Foi difícil encontrar a sala, mas depois de perguntar para dezenas de pessoas, finalmente encontrei.  Sentei na frente, pois sou míope e mesmo com óculos é difícil enxergar a lousa se sentar mais longe. 

Não demora muito e o professor chega:

- Bom dia, alunos. Meu nome é John Pacheco. Seu professor de cálculo 1. Podem me chamar de Pacheco, como assim sou conhecido. 

A sala ainda continua um pouco vazia, apesar de já ter chegado um pouco mais de gente.  Ao longo da semana, o resto da turma deve aparecer. Logo vejo um casal chegando rindo na sala de aula e o professor indaga :

- vocês estão atrasados, hein.  Cuidado da próxima vez se não serão deixados para fora e só poderão entrar no segundo horário. O garoto responde : 

- Perdão, senhor.  - e logo senta ao meu lado. Ele não me é estranho, será que é o Henrique? Mas quem é essa moça? Namorada dele, será? 

- DAYANE! OI! 

- Henrique? 

- Excelente poder de reconhecimento, gata. 

Eu sorrio e respondo:


- Palhaço . 

Ele, então ri mais ainda,  se vira para a outra garota e diz 


-Natália, essa é a Dayane. Eu te falei dela essa semana.  Nossa amiga de turma também 

Natália? Então é esse o nome da possível namorada dele.  Nossas, mas ele é tão lindo. Como ela não se incomoda com os comentários de assédio no Facebook dele? Ou será que são só amigos? Mas será que um gato desse nunca houve interesse da parte de ambos? Até porque ela também é linda. 

-Oi, Dayane.  Prazer em conhecê-la. Acredito que seremos bons amigos. Por favor, não me deixem sozinha. Não conheço nada dessa universidade  -  Natália responde. 

-Você não é daqui? - Questiono

-Sou, mas acabei de sair do ensino médio.  Não pensei que viria direto para a faculdade. Não me dei o trabalho de conhecer antes o local, e é bem grande. 

-Ah, sim.  Eu entendo. Estou na mesma situação. 

Ela sorri pra mim e continuamos a assistir a aula. Cálculo 1 é simplesmente algo que eu nunca havia visto durante o colegial. Sinto que terei dificuldades nessa matéria, mas Deus queira que não. 

No intervalo 

Eu, Elias e Natália nos apressamos para copiar o conteúdo pendente da lousa e sair logo para o intervalo. Estamos morrendo de fome. Enquanto estamos na lanchonete nos alimentando,  um belo rapaz vai para a fila, pede seu lanche e senta sozinho em uma mesa distante e isolada.  Percebo que muitas moças presentes no local não param de olhar para ele.  Bom, tá certo que ele é lindo, mas não é para tanto, né? Então pergunto ao Elias sobre quem é esse moço e ele me responde :

-O nome dele é Bruno Gaspar, do curso de Medicina. Ele é popular na cidade sem fazer esforço nenhum. Ganhou 2 vezes seguidas o concurso anual de beleza do Centro, foi aprovado em primeiro lugar no curso e nunca o vimos com nenhuma garota, apesar de muitas babarem por ele. Nem adianta você tentar.  Ele não vai te olhar. 

-Como assim "tentar"?. Ele deve ser um egocêntrico. Essas meninas só alimentam o ego dele. Coitadas. Não vale a pena. 

Assim que completo meu discurso, duas moças belíssimas se aproximam dele e eu escuto elas falando:

-Bruno! Queremos tirar uma dúvida sobre anatomia.  Você poderia nos ajudar? Você já é veterano e um aluno exemplar, então acreditamos que você poderia nos dar algumas aulas sobre isso. 

E ele responde sem sequer olhar para elas, após terminar de mastigar:

 -Não. - friamente, e continua mastigando 

Então elas continuam lá por mais um tempo olhando uma para a outra, e logo depois saem meio deprimidas. Eu comento com Elias:

 -Não consigo entender.  As moças eram lindas.  Se ele é o melhor aluno, devia no mínimo aceitar dar essa ajuda para elas. 

 Natália me interrompe:

  -Ele não dá bola pra ninguém. Vive aí sozinho, apesar de ser um gato.  Eu mesma já tentei me aproximar dele, mas sem sucesso. 

 -Ue? Você costuma comentar coisas sobre outros homens na frente do seu namorado?? 

Natália e Elias se olham e não demoram muito para cair na gargalhada 

 -Qual é a graça? 

 -Você acha que somos namorados, Day? Bem que eu queria se ele gostasse da fruta, mas o Elias é gay! - Natália responde 

Eles continuam rindo.  Meu Deus, não acredito que paguei esse mico. Que vergonha.  Então eu também começo a rir sem parar. Eu quase ia me apaixonando por um gay! Então eu falo para quebrar o clima :

 -Vocês querem ir lá no meu apartamento hoje depois da aula me ajudar desempacotar as caixas? Elias deve ter te falado que estou morando aqui sozinha e se fizer isso sozinha, vai demorar muito. Preciso dos meus dois novos amigos me ajudando nisso. - Natália se anima e fala: 

-Claro! Elias, vamos lá, não é? Eu adoro mudanças

  -Vamos sim. 

Final da aula

Eu, Elias e Natália vamos para o meu apartamento. Ainda bem que não é longe.  Estamos exaustos.  Ainda é o primeiro dia de aula e eu já estou cansada. Chegando no apartamento, enquanto me ajudam a arrumar minhas coisas, eles ficam animados por ter uma amiga morando sozinha. 

   -OPA! Já sei quem será a anfitriã das sociais da turma.  Vamos todos nos  reunir aqui pra beber, conversar e quem sabe até transar com alguns gatinhos da faculdade, não é? Haha - Elias disse. Então eu respondo: 

  - Ahhhh não! De jeito nenhum! Esse apartamento vai ser um local de privacidade para eu amadurecer como pessoa.  Além do mais, odeio festas, bebidas e sexo a toa. Me deixem fora desse tipo de coisa! 

Eles, então se olham e começam a me ridicularizar em coro:

- CARETA! CARETA! CARETA! 

E Natália continua em sequência:

  -Menina, já pensou trazer uns gatos pra cá. Imagina o Bruno aqui, pelo menos assim ele sai daquele mundo solitário em que vive. 

  Assim que Natália termina a frase, a porta do apartamento se abre. 

OH MEU DEUS, NÃO ACREDITO NO QUE ESTOU VENDO. 



Notas Finais


Pessoal!!! Amanhã devo continuar a história para o próximo capítulo : Chegada de Bruno no apartamento. Espero que gostem. Beijossss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...