História Nicest Thing - Capítulo 43


Escrita por: ~ e ~LikaPeluso

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Debrah, Jade, Kentin, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Violette
Tags Amor Doce, Castiel
Visualizações 580
Palavras 2.544
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pessoas!
Mil perdões pela demora para postar!
Eu e a outra escritora estamos sofrendo de CBC (Crise do Bloqueio Criativo). Estamos com certa dificuldade para entrar em um acordo e seguir em frente com a história, mas estamos nos acertando.
Esse capítulo foi escrito exclusivamente pela LikaPeluso, pq a minha CBC tá foda...

Vamos ao capítulo!

Enjoy :3

Capítulo 43 - Ligação à cobrar


Fanfic / Fanfiction Nicest Thing - Capítulo 43 - Ligação à cobrar

“Que horas são?”, Dressert pensou antes de abrir os olhos. Já tinha amanhecido, a luz invadia o quarto e incomodava um pouco os olhos dela depois que ela os abriu. Ela tentou se mexer um pouco percebendo que tinha um peso em sua cintura e algo, ou melhor, alguém colado à ela. Castiel a abraçava pelas costas e seu rosto estava quase enterrado nos cabelos loiros e longos dela espalhados pelo travesseiro. Ele ainda dormia profundamente enquanto sentia o perfume que só ela tinha.

Dressert tentou sair de seus braços sem acordá-lo, se libertando aos poucos como se não quisesse deixá-lo. Ela foi se sentando aos poucos na cama e então virou de frente para ele. Não sabia como ainda ficava surpresa, mas nunca se imaginou acordando e sentindo-se a pessoa mais sortuda do mundo por poder ver Castiel dormindo, apenas dormindo. 

O cabelo dele bagunçado, as mechas de sua franja espalhadas por sua testa e outras caindo um pouco sobre uma de suas bochechas, o rosto calmo e despreocupado dele que ela quase não vê. Ela reparava em cada linha do rosto dele se controlando para não tentar desenhá-las com os dedos. Não tinha reparado no dia anterior, mas ele estava com um regata branca. Ele praticamente não usa cores claras, ela nunca tinha visto ele com uma cor que não fosse preto e vermelho, mas ela estava muito brava com ele para reparar nisso antes. Os músculos superiores dele eram muito definidos para uma pessoa que morava sozinha, só tinha restos de pizza na geladeira e as poucas vezes que praticava esportes era na escola, quando ele ia.

Dressert nunca tinha reparado em garotos desta maneira até conhecer Castiel. Ela se lembrou do quanto ficou envergonhada só de vê-lo sem camisa pela primeira vez. Agora, uma das coisas que ela mais queria era tirar a camisa dele. “Mas o que eu estou pensando? Eu não sou disso...”, ela pensou se repreendendo. “E se eu tentar mexer no cabelo dele? Devagar, sem acordá-lo?”, pensou. Ela queria tocá-lo, só olhar não seria o suficiente para ela. Então resolveu tentar, o máximo que poderia acontecer era ela acordar um Castiel muito mal humorado, o que não seria um problema já que ela já estava acostumada com isso. Sem pensar mais, ela esticou o braço e alcançou a cabeça dele com as mãos. Ele se mexeu um pouco, mas não acordou. 

Dressert começou a mexer nos cabelos dele devagar, massageando a cabeça dele levemente. Foi aí que ela percebeu o quanto o cabelo dele tinha crescido, o comprimento já estava passando do ombro e a distância de um dedo a partir da raiz mostrava o seu cabelo natural. Mas o cabelo dele era macio, apesar de ser mal cuidado. Ela estava distraída enquanto passava os dedos pelo comprimento do cabelo dele quando Castiel segurou sua mão. 

- D-desculpe, eu não queria te acordar. Por favor, não me xingue, não me bate e não tente me escravizar sexualmente... – Ela disse um pouco assustada por ele segurar sua mão tão de repente.

- Sexualmente o que? – Castiel fez uma careta enquanto piscava várias vezes por seus olhos estarem demorando um pouco para se acostumarem com a luz – Que tipo de namorado você acha que eu sou? Não acredito que depois de tanto tempo você ainda acha que eu sou algum criminoso, pervertido ou psicopata...

- Eu não sei, nunca se sabe. Nunca imaginei que você ia entrar no meu quarto e ler o meu diário sem a minha permissão... – Ela cruzou os braços enquanto ainda olhava séria para ele.

- Você ainda está brava... – Ele bufou enquanto fechava os olhos mais uma vez, porém ele os abriu mais uma vez rapidamente se levantando da cama.

- Onde você está indo? – Ela perguntou vendo ele caminhar até a porta.

- Estou indo pegar o chicote para bater em você, escrava... – Ele respondeu enquanto passava pela porta.

Cinco minutos depois Castiel voltou para o quarto de Dressert com uma coisa na mão direita. Aparentemente era uma fotografia. Ele a jogou na direção de Dressert que ficou encarando a foto que tinha caído perto dela na cama, virada para baixo.

- Espero que ter isso em suas mãos para você fazer o que quiser compense um pouco o fato de eu ter lido o seu diário... – Castiel se jogou na cama de barriga para baixo e afundando seu rosto no travesseiro. A foto realmente tinha algo que o envergonhava. Dressert pegou a foto e olhou por alguns segundos antes de cair na risada.

- O seu... O seu... Cabelo... Ficou rosa? – Ela quase não conseguia falar em meio a risada.

- Digamos que a primeira tentativa de ficar ruivo não deu muito certo... – Ele respondeu com a voz abafada pelo travesseiro.

- O... Pior de tudo... É que ficou bem em você! – Dressert já estava chorando de tanto rir.

- Pode ficar rindo, eu vou voltar a dormir. Se me acordar eu vou ser obrigado a abusar de você, sexualmente... – Ele disse se virando e ficando de costas para ela. Cinco segundos depois ele virou de volta para ela e sentou na cama de repente – Espera um pouco...

- O que foi? – Ela já estava parando de rir descontroladamente e tentava secar algumas lágrimas que acabaram saindo.

- Você estava me olhando enquanto eu dormia? – Ele perguntou. 

- E-Eu... Não eu, eu só... Ah, eu não, eu estava... – O rosto dela começou a corar.

- Sim, você estava... – Ele ficou bem próximo dela, seu rosto praticamente encostando no dela, mas ele não a tocou – Pensou em fazer coisas indecentes comigo enquanto eu dormia profundamente e indefeso, não pensou? 

- C-coisas indecentes? Eu não sou você! – Ela tentou ser convincente – E não tente nada, ainda estou brava com você e nada vai acontecer!

- É mesmo? Não tem nenhum jeito de eu fazer você mudar de ideia? – Ele riu quando tocou a testa dela com o dedo indicador e foi deslizando, descendo para o nariz dela e depois para a boca em uma linha reta. Ela ficou vesga quando o dedo dele passou pelo nariz.

- Não, não mesmo... – Ela tentou mais uma vez parecer convincente.

- Sabia que eu já vi você dormir várias vezes? Tentei te beijar uma vez... – Ele disse começando a rir sozinho.

- O que é tão engraçado? – Ela perguntou.

- Bom...

Na noite que os dois ficaram no quarto do Lysandre

“Como ela consegue dormir enquanto eu fico aqui na seca olhando para o teto?”, ele pensou enquanto estava deitado na cama de barriga para cima com os braços cruzados e Dressert que estava ao lado dele dormia tranquilamente. “Estamos na cama dele... E daí? Até parece que ele teria a mesma preocupação se estivesse no meu lugar”, ele continuava a reclamar em pensamento.

“Não é justo, eu vou acordá-la!”, e se levantou um pouco para olhar para ela. Ele ia falar o nome dela, mas ficou paralisado. “Ah, merda. Ela parece um maldito anjo dormindo, não vou conseguir fazer isso...”, ele suspirou pensando em voltar a tentar dormir, mas antes... Ele passou a mão no rosto dela levemente para afastar uma mecha do cabelo dela e ficou ali olhando para ela esquecendo de piscar por alguns instantes. Voltando um pouco para a realidade, mas ainda perdido na beleza dela, ele foi se inclinando por cima dela. 

Ele estava prestes a depositar um beijo em seus lábios quando ela se virou para o lado de repente fazendo ele se afastar um pouco. Ele ia tentar se aproximar de novo e ela virou para o outro lado mais uma vez, fazendo ele se afastar mais um pouco. Sem ter desistido ainda, ele estava prestes a conseguir quando ela lançou uma das pernas para frente como se estivesse chutando algo em razão de sabe-se lá o que ela estava sonhando, fazendo Castiel cair da cama ao tentar se desviar.

Ele se estatelou no chão e depois se levantou devagar reclamando de dor. Olhou para Dressert e ela ainda dormia profundamente.

- Sua estranha! – Ele disse voltando a se deitar na cama de barriga para cima e com os braços cruzados ainda mais nervoso do que antes.

- Silêncio, estou tentando dormir... – Dressert disse entre o estar dormindo e estar acordada ao mesmo tempo enquanto ela se aproximava dele para deitar sua cabeça em seu peito.

Castiel apenas revirou os olhos e voltou a tentar dormir.

Agora

- Eu fiz isso mesmo? – Dressert perguntou surpresa.

- Sim, eu ainda sinto minhas costas doendo por causa disso... – Ele respondeu. 

- Desculpe... Isso realmente é estranho... – Ela disse ficando pensativa.

- Quer ver uma coisa realmente estranha?

- Mais estranho do que o seu cabelo quase do tamanho do meu e precisando fazer a raiz? – Ela exagerou um pouco, só queria tirar sarro dele.

- É que ultimamente eu ando tão ocupado com uma garota maluca que mora comigo que nem lembrei de cortar o cabelo. Agradeça por eu lembrar de fazer a barba... – Ele falou se levantando da cama – Você vem?

- Para onde nós vamos? – Ela perguntou enquanto se levantava também. 

- Para um lugar onde vive uma criatura estranha que a ciência ainda não descobriu...

Os dois saíram do quarto de Dressert e Castiel caminhou até o quarto de Lysandre. Ele abriu a porta sem se preocupar com o barulho.

- Você vai acordar ele! – Ela disse sussurrando.

- Não se preocupe, ele está em um sono tão profundo que se um terremoto derrubasse a casa ele ainda iria continuar dormindo... – Castiel entrou no quarto seguido de Dressert que estava um pouco receosa de invadir o quarto de alguém assim.

- Ele parece um vampiro dormindo, ainda mais com essas roupas estranhas... – Ela observou que Lysandre dormia como um cadáver em um caixão e seu pijama era muito parecido com as roupas que usava normalmente, no estilo vitoriano.

- Essa não é a parte mais estranha. Tem vezes que o Lysandre dorme em um sono pesado, mas conversa com as pessoas como se estivesse acordado... – Castiel sentou no chão ao lado da cama e Dressert sentou ao lado dele.

- Quer dizer que ele fala dormindo? Porque não percebi isso antes? – Dressert olhava para Lysandre dormindo com curiosidade e estranheza ao mesmo tempo.

- Porque não é sempre que ele faz isso. Observe... Lysandre? – Castiel chamou o amigo.

- Slash... – Lysandre disse ainda dormindo - ... Cadê o meu bloco de notas?

- Ele está mesmo falando dormindo! – Dressert parecia chocada.

- Eu falei para ele que eu era o Slash (guitarrista) uma vez enquanto ele dormia... – Castiel se segurava para não rir – Sabe o que é mais legal? Ele responde qualquer coisa que você perguntar. Lysandre, você já beijou um homem?

- Já... Meu melhor amigo... Mas eu não sou gay... Ele é meu brother... – Lysandre parecia um bêbado falando dormindo.

- Você já mentiu para o seu melhor amigo? – Castiel fez outra pergunta.

- Sim... Eu disse para ele que o Dragon comeu o último pedaço de pizza, mas foi eu... – Lysandre respondeu. 

- Ele acha mesmo que eu acreditei nisso... – Castiel soltou alguns risos.

- Não devíamos fazer isso com ele, não é certo. É a mesma coisa de alguém ler o meu diário...

- Não se preocupe, eu não uso isso para o mal. O Lysandre é uma pessoa reservada, ele deixa de falar muitas coisas até mesmo para mim. É difícil ajudar uma pessoa se você não sabe o que está acontecendo, então a maioria das vezes que eu percebo que ele está mal, eu converso com ele desse jeito para depois dar conselhos quando ele acordar. Eu sou muito duro com ele às vezes, mas eu me preocupo muito com ele... 

- Você acha que ele ainda está com problemas com a Rosalya? – Dressert também se preocupava com Lysandre. Em tão pouco tempo, ele também tinha se tornado uma pessoa importante para ela. Ele era seu amigo também. 

- Lysandre, você desistiu mesmo da Rosalya? – Castiel perguntou. 

- Eu estou tentando, mas não consigo... – Lysandre respondeu com a voz fraca.

- Por que você não consegue? – Dessa vez Dressert perguntou.

- Quem é você?  - Foi a vez de Lysandre perguntar.

- E-eu sou... A... A... Amy Lee... – Dressert respondeu sem graça enquanto Castiel ria sem parar por dentro.

- Amy Lee? Sua voz está diferente... O que está fazendo com o Slash? – Lysandre perguntou mais uma vez. 

- Não é importante, só responda a pergunta... – Castiel disse. 

- Eu não me lembro da pergunta... – Lysandre disse se mexendo um pouco.

- Por que você não consegue desistir da Rosalya? – Dressert repetiu a pergunta. 

- Porque... Eu ainda amo ela... – Lysandre respondeu um pouco melancólico - ... Ainda mais... Depois do beijo que ela me deu ontem... 

- Beijo? – Castiel e Dressert disseram juntos. 

Enquanto Dressert pensava se devia ou não perguntar mais, Castiel se levantou e saiu do quarto. Dressert foi atrás dele e ele entrou em seu quarto já pegando o celular que estava em cima da cama.

- O que você vai fazer? – Ela perguntou. 

- Vou ligar para a Rosalya e perguntar que merda ela tem na cabeça! – Castiel respondeu procurando o número dela na agenda.

- Você não pode fazer isso! – Dressert disse tentando tomar o celular da mão dele sem sucesso. Foi só ele esticar a mão que o segurava para cima que Dressert precisaria de uma cadeira para alcançar.

- Eu tenho um celular e tenho o número dela. Isso significa que eu posso fazer isso... – Ele encontrou o número dela e iniciou a ligação que não foi completada por falta de créditos-  Acho que não posso fazer isso sem crédito... – Ele pensou melhor e começou a discar o número novamente – É para isso que existe um método secreto para poder fazer ligações em emergências...

- Adiantamento de créditos? – Dressert perguntou.

- Ligação à cobrar... – Castiel respondeu enquanto o telefone chamava. Rosalya atendeu e a música horrível que toca quando uma ligação é a cobrar começou.

- Se você falar com ela, como vai explicar para o Lysandre que fez perguntas para ele e ele respondeu enquanto dormia? – Dressert cruzou os braços olhando séria para ele.

- Alô? – Rosalya disse do outro lado da linha quando a música terminou. 

- Desculpe, foi um engano... – Castiel disse para ela depois de ouvir Dressert. 

- Castiel? Por que me ligou tão cedo? – Rosalya perguntou com a voz de quem tinha acabado de acordar. 

- Eu não sou o Castiel, já disse que foi um engano... – Castiel disse tentando enrolar ela.

- Eu sei que é você, Castiel! Eu tenho o seu número salvo no celular! – Rosalya disse ficando nervosa. 

- A ligação está ruim, tenho que desligar... – Ele disse desligando o celular em seguida – podia ter falado isso antes...

- Eu tentei... E agora?

- E agora nós fingimos que nada aconteceu e tentamos arrancar informações dele quando ele acordar... – Castiel respondeu. 

- E o que vamos fazer até ele acordar? – Dressert perguntou e Castiel sorriu sugestivamente – Eu vou preparar o café... – Ela disse passando por ele  e indo em direção às escadas.

- Não tem mesmo um jeito de eu fazer você mudar de ideia? – Ele insistiu indo atrás dela.

- Não, não mesmo... – Ela respondeu.

 

 

 


Notas Finais


Continua no próximo episódio :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...