História Niente Máfia - Interativa - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Katekyo Hitman Reborn!
Personagens Chrome Dokurou, Dino Cavallone, Gokudera Hayato, Haru Miura, Kozato Enma, Kyoko Sasagawa, Kyoya Hibari, Lambo, Personagens Originais, Reborn, Rokudo Mukuro, Tsunayoshi "Tsuna" Sawada, Yamamoto Takeshi
Tags Interativa, Katekyo Hitman Reborn!, Khr, Mistério, Niente Máfia, Romance
Visualizações 22
Palavras 1.588
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Harem, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mentira~ hahahahaha
No capitulo anterior, eu disse que postaria esta parte do capitulo apenas amanhã ou no outro dia, maaaasss acabei mudando de ideia, porque estou a muito tempo sem postar nada... então estou dando "dois capítulos" para vocês kkkk
Só para deixar claro, eu fiz a capa por isso não garanto qualidade XD

Espero que gostem! Boa Leitura, meus queridos e minhas queridas hitmans!
Kissu/Abraços com doces! =3=

Capítulo 6 - Pagamento é somente em dinheiro - parte II


Fanfic / Fanfiction Niente Máfia - Interativa - Capítulo 6 - Pagamento é somente em dinheiro - parte II

[Autora Narração]

Marcus aparecia em frente de um casarão com estilo mais medieval e moderno, essa era a sede principal de uma máfia russa, que recentemente teria feito um contrato com a Niente. Ela se localizada um pouco afastada da zona urbana, cercada por uma vegetação alta e densa evitando chamar atenção dos civis comuns.

– Onde ficava a sala do chefe mesmo? _o albino se questionou na tentativa de resgatar alguma lembrança. – Vou chantagear alguém. .._Marcus retirou duas boxs de coloração alaranjada que continham o símbolo da Vongola e colocou o seu outro anel em seu dedo indicador. Ao abrir as boxs, duas chamas alaranjadas saíram.

Após isso, um enorme rugido escoou por todo edifício fazendo as estruturas mais perto tremerem levemente. Os agentes mais próximos foram certificar o causador daquele rugido e acabaram se deparando com uma enorme pantera negra de olhos avermelhados e um imenso leão prateado com olhos negros. Este fato somente ocorreu porque Marcus tinha gastado mais chamas do que o necessário para abrir as boxs, causando o crescimento espontâneo dos respectivos de Nero e Houko.

– Como esses animais vieram para cá?! _exclamou um dos homens incrédulo com a cena em sua frente.

Nisso, um tiroteio veio em direção dos felinos, que se esquivaram correndo para o lado, contornando o salão de recepção. Nero sendo mais veloz, atacou o primeiro agente por trás com suas garras afiadas carregadas de chamas do céu. Houko aproveitando da pequena brecha deixada por Nero, rugiu espalhando ondas alaranjadas por todo salão, que foram petrificando os homens restantes até o pescoço.

– Bom trabalho, Houko, Nero. _dizia Marcus adentrando no edifício e acariciou ambos felinos, como uma forma de recompensa. – Então... vocês irão dizer onde está o seu chefe? _perguntou se virando para os homens que não foram petrificados por inteiros, pois alguns não tiveram essa sorte. – Vocês podem escolher entre serem mortos ou libertos... _naquele momento os seus olhos esverdeados vibrantes ficaram clarinhos.

– Fi-fica no... _um dos homens decidiu pronunciar. – ... no segundo andar... na penúl- _antes de terminar a frase o seu corpo acabou sendo petrificado por inteiro e destruído pelas chamas negras da noite.

– E aqueles que ousarem a contar mentiras... irão morrer. _Marcus complementou a sua fala com um pequeno sorriso maldoso. – Vou perguntar mais uma vez... Onde está o chefe? _interrogou seriamente, mas ficou sem respostas. – Não sabem? Não possuem coragem de falar? Isso é um problema... _bagunçou um pouco os seus próprios cabelos. – Houko, fique aqui, qualquer coisa os destrua. Nero, você vem comigo. _ordenou normalmente indo para o segundo andar acompanhado por Nero.

E antes de botar os pés no primeiro degrau da escadaria que dava o acesso ao segundo andar, Marcus sentiu uma sensação fria juntamente com uma aura sanguinária. Quase no mesmo instante, um fragmento de gelo veio em sua direção visando a sua cabeça, mas ele desviou a tempo descolando um pouco para o lado e se virou para a fonte daquela sensação fria. E sabendo a identidade do indivíduo que efetuou o ataque, ele arqueou as suas sobrancelhas de surpresa, pois nunca passaria em sua cabeça em encontra-la num momento desses.

– Hikaru-sama... _dizia uma jovem saindo de seu esconderijo ao ver o intruso.

O seu nome era Sonya Bergljot Plisetsky, a Guardiã do Pecado da Inveja. Uma jovem garota de 15 anos, apesar de sua aparência fazê-la aparentar ser mais velha. Ela possuía cabelos curtos com uma coloração prateada, tendo uma parte de seu cabelo prendidos como duas trancinhas com laços azuis nas pontas e deixando a sua franja solta. Seus olhos eram azuis que sempre continham uma expressão sonolenta, mas naquele momento tinha uma coloração esverdeada clara com uma leve sensação de surpresa. Sua estatura era mediana tendo 1,67 m de altura, o seu porte físico era relativamente magro. Sonya vestia o seu caraterístico uniforme de empregada ao estilo francês, um vestido azul escuro simples com detalhes em branco combinando com os laços de seus cabelos e um avental branco com um “V” bordado no canto, representando o número de seu pecado.

– Sonya, o que fazes aqui? Você não costuma a fazer esses tipos de missões. _dizia Marcus ainda um pouco surpreso.

– Era apenas por hoje. _Sonya respondeu com o seu costumeiro tom calmo e sonolento.

– Quanto eles ofereceram para esse trabalho? _ele perguntou um pouco desconfiado do valor.

– Mil euros. _respondeu Sonya.

– Certo.... Houko, mate-os. _Marcus ordenou sem nenhuma misericórdia e apenas ouviu-se o barulho de concreto se quebrando. – Sonya, me lembre de te dar 3 milhões de euros depois. _disse subindo as escadas.

Daqui a pouco ambos ouviram passos apressados e alguns sussurros de mau humor, chamando atenção deles. E não demorou muito para avistarem um homem esbravejando de raiva no meio do corredor:

– O que está acontecendo aqui?! _dizia o homem pisando mais forte fazendo um barulho estrondoso. Ele possuía cabelos castanhos escuros com alguns fios grisalhos, olhos castanhos e uma pequena pança de cerveja.

– Essa deveria ser a minha pergunta, Senhor Vladimir. _Marcus pronunciou encarando o homem a sua frente e imediatamente a expressão raivosa de Vladimir acabou sendo substituída por espanto e desespero. – Sua famiglia está devendo cerca de 3 milhões euros pelos nossos serviços de exterminação e reorganização do território. E ainda pede nossa assistência para uma das melhores agentes. _disse acariciando a pelagem prateada de Houko, que tinha vindo para o seu lado esquerdo, enquanto Nero estava do seu lado direito. Dando mais pavor para Vladimir encarando duas enormes feras ao lado do albino. – Sabia que oferecer um favor quando nós precisarmos de ajuda não é uma forma pagamento?

– E-eu... _Vladimir estava completamente paralisado de medo, que nem palavras conseguiam sair de sua boca.

– Não se preocupe... apenas pague a sua dívida imediatamente e estará tudo bem. _Marcus sorriu normalmente passando a mão em seus cabelos, suspirando um pouco decepcionado.

– Cla-claro... _o velho homem se acalmou concordando positivamente com a proposta.

Este senhor vai morrer.... _pensou Sonya tranquilamente observando a repentina mudança de humor dele.

– Me sigam. _disse Vladimir indo na frente se recuperando do seu pavor.  – Ei, vocês! _chamou atenção dos dois agentes que passavam pelo corredor. – Prepararem 3 milhões de euro. _ordenou num modo grosseiro.

– Sim, senhor. _os dois homens responderam um pouco surpreendidos com aquelas ordens tão repentinas.

Eles foram encaminhados a uma pequena sala e esperavam o recibo da missão.  Nesse tempo, Marcus aproveitou para limpar a sua lâmina avermelhada que estava com alguns resquícios de sangue para não enferrujar a lâmina. E Sonya tirou um pouco de cochilo sem perceber e dormia em pé, sem mover um centímetro.

– Desculpe-nos a demora. _dizia os dois agentes anteriores e Vladimir comparecendo com algumas maletas contendo o dinheiro.

– Sonya, acorde. _o albino chamou a guardiã que estava dormindo.

– Hum? _ela acordou não compreendendo o que estava acontecendo ao seu arredor.

– Vamos embora. A recompensa está entregue. _disse Marcus ao passar os olhos nas maletas e abrindo uma das maletas para conferir as notas. E depois as guardou para dentro de seu portal. – Sonya, você se importa em dormir e jantar em casa? _virou para albina.

– ... Não. _respondeu numa forma sonolenta.

– Certo... tenham uma boa tarde. _despediu ele indo em direção a saída e Sonya andava atrás acompanhada de Nero e Houko. – Ah... eu sugiro que renomeiam outro chefe. _nesse mesmo momento ele se virou atirando um laser negro concentrado de chamas da noite perfurando o coração de Vladimir sem piedade. – Bons sonhos... _disse deixando os dois agentes completamente estáticos.

[Marcus Narração]

Chegamos em casa, para a minha alegria do meu ser, quase 5 minutos antes do tempo estimado pela Alessandra. Sendo assim, eu levaria apenas uma bronca. No entanto, quando eu abri a porta para adentrar na casa senti uma sensação muito estranha de familiaridade e apenas observei uma faca passando de raspão na minha bochecha.

– Bem-vindo em casa, Marcus. _Rose me recepcionou com uma aura um pouco preocupante para o meu gosto e reforçou ainda mais a minha preocupação ao ouvi-la me chamar de “Marcus". Eu tenho certeza vou me fuder antes de dormir. – Sonya, bem-vinda! _recepcionou Sonya alegremente abrindo um grande sorriso no rosto, que assentiu com a cabeça.

– Estou de volta... _respondi normalmente. – Por que a Rose é somente assim comigo? _pensei vendo o modo de tratamento dela mudar drasticamente em questão de instantes.

– Entrem, o jantar está quase sendo servido. _disse ela normalmente. – Lavem as mãos primeiro e desçam para jantar. _nós dois assentimos com a cabeça e tiramos os sapatos para entrar.

--- Após o jantar ---

– Ai ai ai... Rose! _minhas orelhas estavam sendo puxadas até o teto pela minha prima sem dó e piedade, após quando eu abaixei a minha guarda quando estava contado os acontecimentos durante a nossa separação. – Perdão, Alex! _a puxada estava doendo tanto que acabei chamando-a pelo apelido de infância.

– Perdoado. _disse soltando a minha orelha. – Dá próxima... a sua orelha será arrancada. _avisou sem nenhuma intenção assassina, mas com sinceridade.

– Nunca mais farei isso... _murmurei em lamentação profunda, acariciando a minha orelha que estava vermelha. – Mudando de assunto... _sentei na cadeira da escrivaninha. – Você tem certeza em deixar aqueles dois no mesmo quarto?

– Não tem mais quartos... e eu teria pena do seu companheiro de quarto. _Rose respondeu zoando com a minha cara na última parte. – E ainda mais... os “pru pru” lá precisam ter um tempinho, não? _sorriu maliciosamente.

– Realmente... concordo contigo. _sorri igualmente. – Ah... como foram as coisas com você? _perguntei vendo-a guardando as nossas boxs no guarda-roupa.

– Hum... _ela pareceu estar pensativa. – Ocorreu tudo normalmente, mas... _Rose começou a contar os mínimos detalhes.


Notas Finais


O que acharam do capitulo? Comentem! Eu juro que não mordoo!
Qualquer erro ortográfico ou gramático, peço desculpas. Está quase na hora de dormir e eu postando capitulo...

E gente, quem entendeu o "pru pru" ali... apenas tenho uma coisa a dizer: Você é foda!

Vou deixar uma nota de esclarecimento aqui:
- Marcus e Alessandra já foram membros da Vongola antes de fundarem a Niente, em homenagem a famiglia que os ajudou no momento muito difícil, eles colocaram o símbolo da Vongola em suas boxs do céu. Ou seja, a antiga máfia deles permanece em mistério XD
- Calma, pessoal. Eu ainda tenho que acostumar com esses personagens para eu fazer uma coisa melhor. Então, de início não esperem uma boa interpretação de seus personagens.

Kissu/Abraços com doces! Até a próxima! =3=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...