História Night Shadows - Interativa - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias (G)I-DLE, 24K, 4Minute, A (ACE), A.C.E, AOA, Apink, ASTRO, B.A.P, B.I.G (Boys In Groove), Bangtan Boys (BTS), BEAST (B2ST), Big Bang, BLACK6IX, Blackpink, BLANC7, Block B, Cosmic Girls (WJSN), EXID, EXO, F(x), F1RST, Got7, K.A.R.D, MASC, MFect, Monsta X, MVP (Most Valuable Player), Oh My Girl, Red Velvet, TWICE, VAV
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Coreano, Histórias Originais, Interativa, Jeon Jong-kook, Jongkook, Máfia, Romance, Tortura, Violencia
Visualizações 78
Palavras 1.828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Cap.1


Fanfic / Fanfiction Night Shadows - Interativa - Capítulo 2 - Cap.1


A DESPEDIDA


-*-*-*-


LIA D' ANGELO

Aprendi muita coisa ao longo dos meus 19 anos, fui criada ao modo italiano e ensinada ao modo italiano, fui esculpida e moldada, e é assim que tudo começa...Quando você entra para a máfia é um caminho sem volta, então para se tomar uma decisão tão importante quanto essa você deve pensar muito. Entrei para máfia aos 16 anos, aprendi a atirar com 13 e com o tempo fui aprimorando isso e hoje tenho uma mira perfeita e não erro um tiro, Matei pela primeira vez aos 17 anos, era um cara que havia matado a filha de um marceneiro muito próximo ao papai, me tornei uma pessoa quase sem emoção aparente, acho que sorrio apenas para o papà (Papai) e a mamma (Mamãe) a máfia te ensina a ser assim, fria e sem emoção, “Não pode sentir pena quando se esta matando o inimigo” essa é a lição número 1. Já faz um ano que meu irmão Rocco foi assassinado misteriosamente na Coreia do sul, ele era meu confidente e melhor amigo, ele tomaria o lugar do meu pai na máfia já que era o mais velho mais com sua morte eu tomarei o lugar de meu pai embora eu seja uma mulher, e agora eu preciso passar pelo meu último teste, o teste mais importante e decisivo para que por fim eu possa tomar a liderança da minha família.

ITÁLIA, CASA DA FAMÍLIA D'ANGELO

- Eu amo a Itália, criei minha filha ao modo italiano, ela era linda, seus olhos eram radiantes e seu sorriso era o que alegrava minha vida e meu coração...Ela saiu com o namorado e o amigo dele, ela estava reluzente quando saiu de casa, obrigaram ela a beber whisky e depois quiseram abusar dela, ela resistiu, manteve a honra, eu sempre a ensinei a honrar a família, eles agrediram ela até ela estar quase morta, fui ao hospital ve-la quando a vi meu coração se apertou, Seu rosto retalhado, seu maxilar destroçado, seu braço e perna injeçados, ela nem conseguia chorar de tanta dor, fui ao julgamento e aqueles malditos saíram no mesmo dia rindo da minha cara, então eu disse a minha esposa "Se queremos justiça, devemos ir até Mike D'Angelo"

Vicenzo Greco estava diante de Mike D'Angelo implorando sua ajuda, depois de sua filha ser violentamente agredida e violada por seu namorado e o amigo do mesmo, ele queria justiça seja qual ela fosse, o juiz absolveu os agressores de sua filha, Vicenzo estava furioso com tal ato do Meritíssimo, então recorreu para sua segunda opção: A família Máfiosa mais poderosa de toda a itália, "Os D'Angelo". Mike olhava para Vicenzo, ele coçou o lado de seu rosto com o mindinho, ele estava a pensar mais não esboçava tal feito

- Porque não veio até mim antes? - Perguntou Mike

- O que o senhor quer? me diga que lhe darei, qualquer coisa, mas faça o que estou lhe pedindo - Vicenzo queria justiça

- O que você quer? - Perguntou Mike, Vicenzo levantou e foi até o máfioso e cochichou em seu ouvido, quando terminou voltou aonde estava e mais ficará de pé olhando para aquele que talvez podesse aliviar sua dor

- Isso eu não posso fazer - Disse o líder da casa

- Me diga quanto você quer, eu pago - Vicenzo estava desesperado

- Nós conhecemos a muitos anos e essa é a primeira vez que me procura para se aconselhar e pedir ajuda, nem me lembro quando foi a última vez que me convidou para tomar um café ou quando sua esposa chamou minha mulher para um chá mesmo ela sendo a madrinha da sua única filha, Mas vamos ser francos, jamais quis minha amizade... e ficou com medo de ficar em débito comigo

- Eu não queria me meter em problemas

- Eu te entendo, conseguiu uma vida boa na Itália…Abriu um bom negócio, tinha a policia para te proteger, tinha os tribunais, não precisava de um amigo como eu - Mike alisava seu gato enquanto falava com Vicenzo - Mas agora vem até mim e diz "Mike faça justiça" Você não pede com respeito, não oferece amizade, sequer me chama de padrinho, ao invés disso vem até minha casa, na festa de aniversário do meu filho Sony e implora para eu matar por dinheiro

- Eu só quero justiça - Falou Vicenzo

- Isso não é justiça, sua filha ainda está viva

- Então que eles sofram, como ela está sofrendo… Quanto devo lhe pagar? - Vicenzo segurava seu chapéu com as duas mãos, ele estava nervoso. Mike se levantou e caminhou até o homem e ficou em sua frente

- Greco, Greco, Greco, o que lhe fiz para me tratar com tamanha falta de respeito? Se tivesse vindo até mim antes por amizade, os pilantras que maltrataram sua filha já estariam sofrendo nesse instante e se por um acaso um homem honesto como você fizesse inimigos esses inimigos seriam meus inimigos…e temeriam você - Vicenzo olhou fundo dos olhos de Mike e o mesmo retribuiu

- Quer ser meu amigo…- Perguntou Vicenzo e Mike levantou suas sobrancelhas rapidamente e as abaixou movimentando seu corpo sem jeito - Padrinho?

- Bom - Mike envolveu seu braço sobre os ombros de Vicenzo e caminhou com ele até a porta - Um dia e esse dia talvez jamais chegue, eu vou pedir um favor a você, até que esse dia não chegue, aceite a justiça como presente de aniversário do meu filho - Vicenzo sorriu satisfeito

- Grazie (Obrigada) padrinho - Vicenzo saiu pela porta, Mike chamou Marco para seu lado e o mesmo prontamente obedeceu

- De isso ao Greco, quero homens confiáveis pessoas que não se deixem levar, não somos assassinos brutais apesar do que esse papa defunto diz - Marco concordou com a cabeça

Alguem bateu na porta chamando a atenção de todos

- Entre - Disse Mike, Lia colocou sua cabeça para dentro da sala checando se estava tudo bem

- Papà atrapalho? - Perguntou Lia

- Não, entre por favor - Pediu e sua filha o obedeceu, Lia fechou a porta e deu dois passos e logo depois se sentou na cadeira de frente ao seu pai

- Já estou pronta para ir - Alertou

- Me diga tudo o que você deve dizer quando chegar lá - Pediu seu pai

- Me chamo Lia Turner, tenho 19 anos e sou de Páris, meu pai é padeiro e minha mãe é do lar, vim estudar e trabalhar na Coreia porque aqui terei mais chance de dar uma vida melhor a minha família - Lia sorriu sem dentes para seu pai

- Está pronta - Mike levantou assim como Lia, ele pegou as mãos de Lia e beijou as duas - Ache os desgraçados que assassinaram seu irmãi e de a eles o que merecem, ninguém mata um D'Angelo e fica por isso mesmo, honre sua família - Lia sorriu para seu pai - Quero que faça o juramento

- Farei quando voltar papà, serei leal ao senhor

- Eu sei que jamais me trairia, Se quer assim tudo bem...Mas quando chegar e tomar a liderança da família você fará o juramento ao seu pai - Lia concordou com a cabeça

- Ainda acho um erro ela tomar a liderança da família papà - Começou Ricky

- Minha decisão está tomada, Lia é a mais sensata de todos vocês, eu a treinei bem, e sei que fará um bom trabalho assim como todos os outros, posso morrer em paz se Lia estiver no comando de tudo pois sei que meus negócios e nossa família estarão seguros - Mike beija o rosto da filha

- Papà viajarei pela manhã, tomarei meu café com minha família antes de partir

- Faz bem, a família em primeiro lugar sempre -  Lia beijou o rosto de seu pai e sorriu logo depois

- Vou voltar para a festa do Sony, ele não desgrudou de mim por um segundo hoje - Mike sorriu - Ti voglio bene papà (Eu te amo pai)

- Ti voglio bene principessa (Eu te amo princesa) - Mike beijou as duas bochechas da filha e a mesma sorriu, Lia saiu porta a fora

- Ela será uma grande líder - Comentou Mike e todos concordaram

DIA SEGUINTE…

Tudo estava pronto, Lia e sua familia já se encontravam na pista de voo, a mesma nunca ficara tão longe assim da sua familia e era a primeira vez que iria se distanciar dos mesmos por muito tempo

- Comprei uma casa lá para você, ela é distante de tudo e se caso matar alguém ninguem podera ouvir - Dizia seu pai

- Como quer que eu o mate papà? - Perguntou Lia

- Dê para os cachorros comerem para que não tenha provas e me mande uma foto, Mas o torture antes - Lia concordou com a cabeça

- Quero falar com John antes de ir, é uma conversa particular - Lia olhou para John que concordou com a cabeça

- Tudo bem - Mike acompanhou os dois com os olhos, Lia e John caminharam um pouco até ficarem longe o suficiente de Mike e os outros

- O que foi? - Perguntou John

- Cuide do papà e vigie Ricky, estou desconfiada dele e não é de agora

- Ricky é um idiota o que ele poderia fazer contra o padrinho? - Perguntou John com as mãos para trás

- Até um idiota pode fazer alguma coisa, Por favor, Se ouver alguma coisa suspeita ou acontecer alguma coisa ligue para mim - Pediu Lia

- Tudo bem, o que eu não faço por você - Sorriu

- Sabe que é meu confidente e um amigo leal depois de Rocco, em breve estarei de volta - Lia colocou sua mão direita sobre o ombro de John e o mesmo pegou a mão da garota

- Sabe que eu gosto de você desde que eramos crianças, se me desse uma chance pelo menos eu…

- Quando eu voltar conversamos sobre isso - John sorriu frustrado, sempre que surgia tal clima entre os dois Lia tratava de cortar isso. Eles voltaram e Lia se despediu de seu pai e sua familia e por fim entrou no avião, ela olhou para a pequena janela e viu todos ali, seu pai mantinha as mãos dentro da calça social preta que usava, Ele sempre estava bem vestido com seu terno e calça social pretas e sapatos do mesmo estilo, o chapeu que usava combinava com tudo que estava usando, seu pai fazia questão que todos tivessem a mesma vestimenta inclusive ela. Lia mandou um beijo para seu pai e o mesmo repetiu o gesto de carinho, a garota olhou para Ricky e o mesmo sorriu, um sorriso que ela nunca havia visto em sua vida, um sorriso de quem estava planejando algo e isso a deixou preocupada já que não poderia fazer nada longe se algo acontecesse, mas voltaria para a Itália se algo saisse do controle ou se alguma coisa ou alguem tentasse machucar seu pai ou sua familia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...