História Nighttime - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Henry Cavill
Personagens Henry Cavill, Personagens Originais
Tags Adultério, Alexandra Daddario, Drogas, Henry Cavill, Jade Baraldo, Matt Bomer, Novela, Originais, Romance, Suspense, Universo Alternativo, Violencia
Visualizações 68
Palavras 3.008
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Coincidência


Fanfic / Fanfiction Nighttime - Capítulo 3 - Coincidência

August


— Espere, não acha um pouco cedo para apresentá-la como sua namorada? Quer dizer, você não sabe quase nada sobre ela… tem certeza que quer continuar com isso?

— Eu sei o suficiente por enquanto, talvez essa noite nos sirva como teste.—  dei de ombros.— Não se preocupe, sei o que estou fazendo.

— Espero que saiba mesmo. Mudando de assunto, o que pretende fazer com Elle?  A garota está querendo chamar sua atenção, Gus.

— Isso é claro, achei que voltaria melhor das férias… na verdade está bem pior.

— Não vai fazer nada?!

—  O quer que eu faça? Já tentei de tudo. Ela não quer ceder e você sabe bem disso, Adam.

— Com licença, Sr. Walker.— Zoe entrou na sala.

— Olá, Zoe. — Adam sorriu.

— Desculpe interromper, só vim alertá-lo da reunião… começa daqui a 5 minutos.

— Estou ciente, obrigada. — respondi.

                        •••

— Cara, está pensando em dormir aqui?


Adam invadiu meu escritório pela terceira vez hoje, já estou ficando puto com isso. Meu irmão permanece recostado à porta aguardando algo e finalmente percebo que estou prestes a me atrasar para o evento, acabei me esquecendo dessa droga.

— Vamos, ainda quero conhecer a garota.


Bryce correu e pude chegar em casa à tempo, na verdade meia hora antes do prometido. Esses eventos são ridículos e nada interessantes, isso é fato. O único motivo da minha ida são negócios, os empresários importantes de NY adoram essa merda toda e infelizmente faço parte deste time de idiotas.

— Ale, boa noite.

— Ale!—  Adam a abraçou.

— Meninos, boa noite.— ela sorriu.— Pensei que tinha esquecido de mim, faz tempo que não o vejo aqui, Adam.

— Gus não me quer aqui, estou sempre viajando e a culpa é toda dele.— Meu irmão resmungou.

— Bryan deixou o terno de vocês no quarto, ele está cuidando de Nastya agora.

—  Ok, obrigado.

                                •••

Desço as escadas e encontro todos na sala, inclusive Adam. Ele olha pra mim com um sorriso debochado e já imagino o porquê, ele a viu.

— Okay… Okay! Já chega de tocar em mim por hoje, Brian.— Nastya resmungou.

— Gus, satisfeito?

Todos se afastaram para que eu pudesse observá-la, Brian sempre acerta. Não que Nastya precisasse de muita coisa pra ficar bonita, tirando o vocabulário chulo ninguém notaria de onde realmente saiu vestida assim.

Ela usava longo vestido de seda rosê com um enorme decote nas costas, bem a cara do Brian escolher essas coisas.

— Deixe eu ver você…— ele a obrigou a dar uma volta.— olhem só, nem parece o Leão da montanha de dias atrás.

— Vá se ferrar.

Aí está ela novamente.

— Okay, podemos ir?

                             •••


Nastya

Okay, parece que vamos finalmente começar com o teatro agora, não estou nada satisfeita em pensar que serei obrigada a mentir para todas essas pessoas dentro deste prédio. Se um certo alguém soubesse disso com certeza me mataria.

Pessoas que recepcionavam o evento recolheram nossos casacos e agora estamos dentro, senti a mão quente de August pousar em minhas costas me pedindo para que parasse, também avisando ao seu irmão que poderia seguir sozinho a partir de agora.

—  Okay, você precisa relaxar.

A mão que estava em minhas costas me puxou para perto fazendo com que nossos corpos se tocassem, agora ele está olhando pra mim de verdade.

— Estou tentando, preciso de um tempo.— sussurrei.—  Só me diga o que tenho que fazer.

— Brian a produziu o suficiente  para apenas sorrir e dizer “olá” essa noite.— ele respondeu.


Okay, esse cara é um babaca.


— Você é assim sempre ou tem dias da semana específicos?— perguntei.

— Assim como?

— Um babaca de merda egocêntrico.

— Só faça o que mandei, sem gracinhas.

O homem sorriu com o canto dos lábios antes de depositar um selinho em minha boca, ele olhou para trás e entendi o motivo.

— Olhe só quem chegou, querido. August!

Me virei e um casal de idosos se aproximava, a mulher parecia ter seus 50 e poucos e o homem uns 60. Ela tinha um sorriso enorme no rosto enquanto arrastava o marido em nossa direção, o senhor de idade me secava como um pedaço de bacon enrolado na seda, talvez tentando conhecer quem era a garota da vez. August enroscou seu braço esquerdo em minha cintura me puxando para perto, acho que agora devo começar a sorrir e acenar como um pinguim.

— Sra. Trasmore, governador.— August quase sorriu.

— Quantas vezes vou ter que dizer? Me chame de Lena, querido.— a mulher sorriu.

— Claro, me desculpe.

— Como vai, Gus.— o velho apertou sua mão — Não vai nos apresentar a moça?

— Oh, claro. Essa é Nastya, minha namorada.


Namorada? Ah, sou eu.


— Olá, boa noite.— sorri educadamente.

— Nastya, esses são Sr. Trasmore e Sra… quer dizer, Lena.

— Muita areia pro seu caminhão, Gus.— o homem me observou.

— Não seja rude, Phillip.— Lena o repreendeu e todos riram.

— Onde se conheceram?

Okay, não tínhamos combinado como responderemos a perguntas deste tipo, ainda bem que não sou só a garota que sorri. August travou um pequeno segundo, foi aí que decidi abrir a boca.

— Ele estava em uma viagem de negócios em Sydney e uma amiga em comum nos apresentou, estamos juntos desde então.

— Finalmente alguém conseguiu amolecer seu coração, Gus. — O velho riu.

— É, parece sim.— August concordou.— Vou ter de pedir licença a vocês, Matt está nos aguardando.

Nós nos despedimos e seguimos para dentro do salão, Adam acenou do outro lado discretamente sinalizando a mesa que correspondia a nós e August assentiu. No caminho cumprimentamos mais algumas pessoas importantes e está tudo funcionando corretamente, além de sorrisos educados recebi também olhares carregados e curiosos vindo de um grupo de mulheres há alguns metros de nós, parece que o solteiro mais cobiçado de NY finalmente arranjou uma garota. Se elas conhecessem o pouquíssimo que conheci deste homem tenho certeza que definitivamente não iriam querer estar no meu lugar.

August passou seu braço em minha cintura me guiando para a mesa, ao lado de Matt uma senhora de aparência fina e olhos azuis dizia algo em seu ouvido até me notar, de repente um sorriso enorme e braços abertos surgiram em nossa direção e não faço ideia de quem seja essa mulher, mesmo assim a abracei de volta. Por cima de seu ombro pude ver as filhas de August sentadas à mesa, Zoe sorriu e acenou para mim enquanto Elle estava com os olhos no celular.

— Gus não nos apresentou mas sou Eva, você deve ser a Nastya.— a mulher sorriu.

— Não tivemos tempo, mamãe.


Espera…. Mamãe?!


— Sim, sou eu… boa noite.— murmurei.

— Boa noite, querida. Quer se sentar? Já iremos começar.

— Oh, obrigada.

August puxou a cadeira para que eu sentasse e fez o mesmo em seguida, ele e Matt se entreolharam algumas vezes até August fazer cara feia e o irmão finalmente ceder, queria saber o que é tão engraçado para Adam.

Uma mulher que apresentava o evento passou o microfone para um homem que começou a discursar, não me lembro de sermos apresentados então provavelmente não é relevante. O tempo passa e começo a notar que Elle nos observa, será que a garota suspeita de algo? Isso seria uma merda, com certeza ela contaria para todos e estragaria tudo só pelo prazer de afrontar o pai. Encostei mais perto de August, depositando um beijo em seus lábios, a garota revirou os olhos e voltou para o celular, meu atual namorado olha para mim sem dizer nada. Notei nesses poucos dias que August aparenta ter um jeito diferente de lidar com as coisas. Normalmente  quando tem uma merda enorme pra resolver e qualquer pessoa estaria louca de raiva ele continua sereno, suas expressões mudam mas ele sempre se mantém discretamente calmo para achar soluções, isso não funciona muito com sua filha mais velha, ela tem o dom de fazer qualquer um passar raiva facilmente.

Conversas e discursos, foi isso que tivemos a noite toda até finalmente August sugerir que deveríamos ir,  essa parece ser a única coisa legal que ele disse desde que o conheci.

August tentou convencer suas filhas que já era hora de voltar para casa e Elle disse algo sobre não querer ir, Lena sugeriu que ambas permanecessem em sua casa até o início das aulas de Eva, que serão na semana que vem e August concordou mesmo não estando aparentemente satisfeito. Eu não estou nem aí, só quero ir embora dessa merda toda e dormir.

                               •••

O caminho para casa pareceu longo com o silêncio que ecoava no carro, August como sempre encarava o celular enquanto eu contava as faixas da pista imaginando o caos que a casa das garotas deve estar. Eu deveria estar feliz por não estar mais lá mas não consigo deixar de pensar nas garotas nem no Gabe… é estranho sentir falta do Gabe, espero que ele não sinta minha falta como estou sentindo a dele. A falta que sinto é de um amigo pra conversar e não de um amante, pena que com ele era sempre o contrário.


— No que está pensando?

Acordei do transe com a voz grave de August me interrogando. Às vezes ele tem uns surtos de preocupação comigo que até me faz achar que ainda resta um pouco de humanidade nele, só um pouquinho mesmo. Agora seu olhar pesado aguarda uma resposta que não quero dar, mesmo assim ele continua esperando.

— Hm, nada demais.— murmurei.

August me encarou por alguns segundos até voltar para seu celular, taí uma pessoa que não curte insistir.

— Não acha que deveria ter me contado que sua mãe estaria lá? Na verdade tem muita coisa que não me conta.— retruquei.

— Acabei esquecendo, mas você foi bem. Só precisa saber do que é relevante.— ele disse.

— O que seria relevante?!

—  Eu não… só um segundo.

O telefone de August vibra e ele não demora segundos para  atendê-lo, quero muito saber do que se trata, é uma droga não estar por dentro.

— Okay, me diga exatamente o que ela fez… Sim… Querida, você não… Okay, pare de chorar, você pode… Não quer que Bryce faça isso? Entendo… vou aguardar, fique calma... até logo.

Um August preocupado acaba de aparecer e fico ainda mais curiosa para saber o que está acontecendo, ele encara mais uma vez o telefone enquanto disca um número, quem será desta vez?

O telefone chama por alguns minutos mas a pessoa da outra linha não parece estar interessado em atender. Ele tenta uma segunda, uma terceira, quarta… seus dedos pressionaram seu joelho indicando nervosismo e eu não consigo resistir.

— Está tudo bem?

— Na verdade não.— ele disse, agora encarando a estrada.

— As garotas estão bem?— insisti.

—  Elle está me dando um certo trabalho ultimamente, nada que ela não já tenha feito.

— Ok.

Nem notei que estávamos “em casa” quando o carro rapidamente entrou na garagem e logo notei que outro carro vinha atrás fazendo o mesmo. August foi o primeiro a sair do carro e uma garotinha de cabelos loiros escuros marchou em sua direção, ela parece estar chorando e fico pensando no que deve ter acontecido. O rosto do pai endurece ao ver a garota chorando em sua frente, penso que as irmãs devem ter discutido mas não imagino a caçula sendo rude com alguém.

                                •••

— Ela me chamou de inútil e me deixou sozinha no meio da rua, eu só queria ajudar...— Eva choramingou.

— Não fique assim, querida. Tenho certeza que Elle vai se desculpar e amanhã tudo vai se acertar.— Ale a consolou.

August e Bryce finalmente saíram do escritório e pela cara deles parece que as coisas não saíram como planejado, isso é fato.

— Me ligue assim que achá-la, não importa o horário. Se conseguir trazê -la para casa vai ser ótimo. — o chefe instruiu.

— Pode deixar comigo, em breve mando notícias

August assentiu e Bryce sumiu porta à fora, parece que o coitado vai perder mais uma noite de sono na caça a Elle parte 2.

— Você prometeu que não iria brigar com ela!— Eva gritou.

— Creio que ela não vá se importar.— o pai respondeu.

— Mas ela vai me odiar, papai!

— Ela não vai, não se preocupe.

— Venha meu bem, vamos tentar dormir um pouco.

A garota se despediu e subiu as escadas com Ale, eu ainda estava encostada num dos sofás da sala encarando o chão dando pequenos goles num copo d'água que havia pegado meia hora atrás na cozinha.

— Vou precisar que durma comigo hoje.

Quase engasguei com a água  que bebia quando August sentou no sofá à frente, não achei que isso seria necessário.

— O que disse?!— perguntei.

— Na verdade, preciso que passe a dormir diariamente no meu quarto de agora em diante. As garotas já voltaram de férias e ficam comigo pelo menos 4 ou 5 vezes na semana, creio que seria estranho a namorada do pai delas dormir num quarto separado.

— Saquei. Só vou tomar um banho e pôr um pijama… — murmurei.

— Estarei no meu escritório se precisar de algo.

— Ok.

                                   •••

É quase meia noite quando bato na porta de August e ninguém responde, vai ser meio constrangedor já  encontrá-lo dormindo. Aguardo mais alguns segundos e agora entro sem bater, não tem ninguém aqui. Ando até o banheiro e as luzes estão apagadas, não acredito que ele continua naquele escritório esse tempo todo.

Invadi o banheiro e encarei meu reflexo no espelho, observo minha camisola e penso que poderia ter escolhido um camisetão, se bem que todas as roupas que me estão disponíveis não são lá tão recatadas, pense só nas camisolas.

Segui para o quarto e sentei-me na ponta da cama me sentindo uma intrusa não conseguindo entender a mim mesma, como uma garota de programa pode se sentir tímida na cama de alguém?! Soaria ridículo se não fosse trágico.

Ouvi o trinco da porta mexendo e passos pesados quase silenciosos invadindo o quarto, August acaba de entrar. O homem me olhou alguns segundos enquanto arrancava o blazer e seguiu para o banheiro sem dizer uma sequer palavra, nada novo sob o sol. Esperei exatamente dez minutos, foi o tempo que ele levou para sair do banho num roupão branco caminhando para seu closet, ele já está de volta vestido apenas num shorts preto curto e uma camisa branca, seu cabelo está totalmente alinhado para trás quando ele se aproxima, o cheiro amadeirado de loção pós barba está de volta quando ele para ao meu lado e se senta na cama.

— Estava me esperando?— ele perguntou.

— Sim.


Para quê diabos eu não faço a mínima ideia.


— Aqui, tome.

Encarei a caixa em sua mão e quase soltei fogos ao perceber que é um celular, finalmente estarei de volta a sociedade.

— Podia apenas devolver o meu? Não preciso de um novo.— retruquei.

— Esse celular servirá apenas para ligar para mim ou Bryce, de jeito nenhum entre em contato com gente do passado.

— Com gente do passado você quer dizer…

—  Clientes, amigas, tanto faz.

— Você deve estar de sacanagem… não acha esquisito alguém não ter amigos? Eu não vou suportar ficar trancada aqui todos os dias sem falar com ninguém!

— Se todas as suas amigas fazem parte daquele lugar, terá de fazer novos.

Ele levantou caminhando para o lado esquerdo da cama e se deitou em seguida, minha única vontade agora é mandar esse cara ir a merda e ir embora daqui, infelizmente esse contrato idiota é minha passagem só de ida para longe daqui e tento pensar  nisso para não mandar ele ir se ferrar.

— Terei mesmo que dormir aqui?— reclamei.

—  A cama é kingsize, tenho certeza de que cabemos nós dois aqui.

— Você é babaca assim o tempo todo?! Porque se for… cara, precisa transar. — resmunguei.

— Quer resolver o problema?

— Quê?! I-isso não está no contrato… — meu rosto queimou.— okay, vou calar a boca.

— Eu agradeço.

                              •••

August

Faz meia hora que estou tentando malhar e o interrogatório de Adam não acaba, é sempre assim quando chegamos no mesmo horário no fim de semana.

— Que cara é essa? Não dormiu essa noite?

—  Nastya dormiu comigo noite passada.

Matt semicerrou os olhos com um sorriso malicioso no rosto, tenho certeza que está achando que aconteceu algo mas está muito enganado.

— Não idiota, não transamos. Eva dormiu em casa e tivemos que manter as aparências. — expliquei.

— Cara, você é um imbecil mesmo. Você ao menos tentou?!

— Claro que não. Além disso a garota me odeia, não vai rolar.— respondi.

— Você tem a arte de obrigar as pessoas a te odiarem.

—  As coisas ficam mais fáceis quando ninguém quer conversar, pense nisso.

— Pense você… essa garota não vai aguentar sua arrogância por tanto tempo. Fora que ela é uma deusa, não imagino como conseguiu dormir ao lado daquela mulher sem nem tocar nela, principalmente por ela ser tão parecida com Katrina.

— Lá vem você com essa merda de novo...— resmunguei enquanto saía da esteira.— foi só uma coincidência.

—  Coincidência?!— ele riu.— Você realmente quer enganar seu irmão?! Está perdendo tempo. A única diferença é que Nastya é mais bonita e tem a boca suja, fora que é bem gostosa também.

— Sabe que detesto quando fala desse jeito, por isso ainda está solteiro.— respondi.

— Olha quem fala.

                                  •••

Algumas horas depois estou de volta e ao entrar vejo vestígios de que Elle passou por aqui, deve estar trancada no quarto e provavelmente chegou bêbada porque deixou o celular aqui.

Ainda é cedo e só encontro meus funcionários rodando pela casa. Dei folga a Ale esse fim de semana e acabo de me arrepender só de pensar em lidar com as garotas sozinho, ela sempre me salva nessas horas.

Entro em meu quarto e tenho um leve espanto ao ver fios ruivos se misturando ao meu edredom, Nastya se mexeu mostrando a pouca roupa que vestia e me lembrei de agradecer a Brian pela escolha das roupas, Adam está certo sobre a ruiva ser gostosa, não tem como negar. Sento-me na poltrona ao lado para tirar meus tênis e continuo a observá-la e ela não para de se mexer, penso no que poderia ter feito com  ela noite passada se a garota tivesse respondido a minha pergunta, seria ótimo mas ela não precisa saber disso. Tento ajeitar minha ereção dentro do shorts e sigo para o banheiro, uma ducha fria é tudo o que preciso agora.


Notas Finais


Adicionem a história nos favoritos se quiserem receber notificações de capítulos novos, espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...